quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Em pleno esforço...

19 comentários:

  1. Arménio vai á ponte a Pé
    A ponde é do povo, nem que saiam dos autocarros e façam o bloqueio nem que seja só uma hora de aviso.
    Nestas eleições o governo perdeu mais de um milhão de votos, por muito menos Guterres abandonou o governo. Estes incompetentes dos mais de 7.5 milhões e meio, só tiveram 13% dos votos

    ResponderEliminar
  2. Arménio vai á ponte a Pé
    A ponte é do povo, nem que saiam dos autocarros e façam o bloqueio nem que seja só uma hora de aviso.
    Nestas eleições o governo perdeu mais de um milhão de votos, por muito menos Guterres abandonou o governo. Estes incompetentes dos mais de 7.5 milhões e meio, só tiveram 13% dos votos

    ResponderEliminar

  3. Boa escolha Carlos Júlio.
    E o tipo tem mesmo cara de quem come criancinhas ao pequeno almoço, não acha?
    Deve ter pacto com o Mafarrico, de certeza absoluta. Que a Santa Madre Igreja nos guarde desta gente, não acha Carlos Júlio?
    O tipo e essa escumalha toda dos comu....dos comu....ai meu Nosso Senhor que nem consigo dizer o nome dessa gente perversa e má, dizia eu que essa escumalha toda devia ser deportada para as Colónias, não acha Carlos Júlio?

    Já agora, sempre é este fim de semana que vamos a Santa Comba Dão em romaria, conforme combinado? Depois confirme, sim? Bem haja e que o Senhor o Guarde. Amen

    ResponderEliminar
  4. Mas porque é que os revolucionários dos blogs e do facebook não se organizam e fazem uma manifestação para passar a ponte a pé? Quando é que deixam de gritar "vão à frente que eu, se tiver tempo, vou lá ter"? (e nunca têm tempo...)

    ResponderEliminar
  5. Tá queto! É que no blog ou no facebook é mais giro (e seguro).
    Este Julinho é mais do estilo "armemo-nos e vão"

    ResponderEliminar
  6. Arménio vai á ponte a Pé
    A ponte é do povo, nem que saiam dos autocarros e façam o bloqueio nem que seja só uma hora de aviso.
    Nestas eleições o governo perdeu mais de um milhão de votos, por muito menos Guterres abandonou o governo. Estes incompetentes dos mais de 7.5 milhões e meio, só tiveram 13% dos votos.
    QUERES TORNAR PORTUGAL UMA ALBÂNIA?!O GRANDE SONHO COMUNISTA!

    ResponderEliminar
  7. Este Arménio parece ter jeito para a brincadeira e para os trocadilhos: "correr com a troika" tanto pode querer dizer expulsar a troika, como fazer uma corrida amigável ao lado da troika. Em que ficamos Arménio?
    Quando barafustas e gesticulas percebo que queres expulsar a troika. Quando estás a correr com esse dístico na camisola ou é bricadeira ou estás a correr ao lado da troika.
    Vê lá como é que o pessoal te pode levar a sério?

    ResponderEliminar
  8. 21.58

    E tu anonimozinho. Vais a pé, de comboio ou de autocarro? Talvez de asa delta? Ou, é mais certo, talvez fiques em casa, como é teu costume, à espera do tachozinho de sempre na câmara ou na juntinha mais próximazinha. Tchau, mor. E criancinhas, só com mais de 18 anos. Vocês lá saberão com que gentes se cozem. Mas se atravessarem a ponte usem a camisinha. Com tanto autocarro a coisa pode dar comichãozinha. Talvez dos gazes. E façam uma estátua ao Arménio, o cordato. Entrou leão e saiu sendeiro. Coitado!

    ResponderEliminar
  9. @03:44

    Querido anonimosinho. A essa hora estavas a sair do trabalho? A casa de alterne fecha às 3? Deixa-te de blogs e vai descansar pois bem precisas, que isso de dar ao (ou dar o?)corpinho já não é para a tua idade. E no sábado lá irei à manifestação. Não conto ver-te por lá. Nunca contei.

    ResponderEliminar
  10. Se a CGTP mantivesse a marcha na Ponte, era porque mantinha... Se muda, é porque muda...

    Estas alminhas são eternamente do contra... Acredito que são tão, tão, tão do contra, que se bem calha até são contra si próprias...

    ResponderEliminar
  11. O governo procura o confronto e não hesita perante a provocação. E como teria a "lei" do seu lado (embora ele não a respeite), surgiria junto de muitos cidadãos desinformados como "responsável", por considerar a "segurança", etc.: o seu dever.
    Aceitar a confrontação que poderia rapidamente degenerar (com a ajuda dos provocadores do costume, à paisana e com material perigoso), o efeito seria desastroso. "Nós ou o Caos", funciona sempre. A cgtp teve RAZÃO em não aceitar ir para terreno minado. Admira-me que NENHUM dos que invectivam e criticam essa decisão tenha proposto uma análise política dos cenários previsíveis e das suas consequências, em termos de ganhar credibilidade junto do resto da população. Em termos de resultados esperados duma eventual confrontação violenta. Tenho muitas críticas a fazer (e faço) à cgtp e à sua orientação pelo PCP. Mas o radicalismo dos que que querem que "vamos a eles" sem calcular consequências, parece-me mais um sectarismo, ou para utilizar um termo antigo, um radicalismo "esquerdista", que é levado por um (legítimo) entusiasmo mas é incapaz de pensar estratégia política. Donde o seu permanente isolamento, onde seria necessário que ganhasse audiência e credibilidade.
    Nem UMA análise séria?
    JRdS

    ResponderEliminar
  12. Concordo com o JRS menos numa coisa: é que estes revolucionários dos blogs e do facebook não querem o "vamos a eles". Querem o "vão a eles". São mais do género "agarrem-me se não eu mato-o"

    ResponderEliminar
  13. MÀRIO SOARES quer que o actual Presidente seja Julgado.

    O que dizem senhores comentaristas de serviço.

    ResponderEliminar
  14. A CGTP marca manifs........ o Màrio já defende Julgamentos...por isso é mais RADICAL.

    ResponderEliminar
  15. Mário Soares tornou-se de novo Marxista?

    ResponderEliminar
  16. Arménio, o manso

    O secretário-geral da CGTP negou hoje que esteja em preparação um bloqueio do trânsito da ponte 25 de Abril, no sábado, antes da concentração em Alcântara, e acusou o Governo de estar num "jogo de provocação".
    Arménio Carlos falava aos jornalistas no final de uma reunião com o Grupo Parlamentar do PS, na Assembleia da República, depois de confrontado com o desafio do ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, no sentido de desafiar a CGTP a recorrer aos tribunais face à decisão de proibir a manifestação desta central sindical na ponte 25 de Abril, em Lisboa.
    O secretário-geral da CGTP recusou o desafio, contrapondo que Miguel Macedo "já percebeu há muito tempo que o problema é político e que não tem argumentos nenhuns para justificar o despacho que fez".
    "A CGTP não vai para tribunal, não vale a pena, porque o tribunal administrativo não se pronunciaria antes da realização da manifestação. Nós vamos mesmo passar pela ponte 25 de Abril. Se não vamos a pé, vamos em viaturas motorizadas, normais ou pesadas", respondeu o dirigente máximo desta central sindical.
    Neste contexto, Arménio Carlos foi interrogado se admite a possibilidade de haver no sábado um bloqueio do trânsito na ponte 25 de Abril, antes da realização da concentração, em Alcântara (Lisboa).
    "Se quiséssemos bloquear a ponte, não tínhamos tomado a decisão que tomámos. Não vamos entrar no jogo de provocação do Governo, que está fragilizado, enfraquecido e que sabe que a esmagadora maioria da população está contra ele, particularmente após serem conhecidas as medidas do Orçamento do Estado para 2014. Não vamos dar ao Governo a possibilidade de utilizar outros meios repressivos para pôr em causa um direito de cidadania, que é o direito de manifestação", declarou Arménio Carlos.
    Questionado se a CGTP antevê desacatos nas manifestações de sábado, o líder da central sindical voltou a rejeitar essa perspetiva.
    "Nós não estamos ali para provocar desacatos e, por isso mesmo, tomámos a decisão de não entrar naquilo que o Governo pretendia, que era uma posição de confronto. Confronto pelo confronto não. A nossa arma não é o confronto violento seja com quem for, mas a da argumentação, da proposta e da demonstração da alternativa", contrapôs.
    Já sobre o objetivo final da CGTP após ter convocado uma série de paralisações e de greves convocadas até meados de novembro, Arménio Carlos deixou esse esclarecimento em aberto.
    "Como em tudo da vida, uma coisa de cada vez: sábado vamos ter duas grandes marchas em Lisboa e no Porto; dia 25 haverá uma greve dos CTT contra a privatização destes serviços; está agendada uma quinzena de luta dos transportes com impacto mais significativo na primeira semana de novembro (paralisações na Soflusa, Transtejo, Carris e, eventualmente, dos ferroviários, para além do Metropolitano de Lisboa e STCP); dia 08 de novembro haverá uma greve da Frente Comum na administração pública. Depois, cá estaremos para ver o que vamos fazer a seguir", respondeu Arménio Carlos.

    ResponderEliminar
  17. Eu vou à manifestação. Ia se fosse a pé, mas vou de qualquer forma. E tu? Ficas no sofá? E se queres cortar a ponte, porque não te organizas juntamente com os teus camaradas e avanças para a luta? Ou não passas de um manso que só luta e é revolucionário nos blogues e facebook, do género "agarrem-me se não vou-me a ele"?

    ResponderEliminar
  18. Direito a diferença
    Caro JRS
    Li o seu comentário sobre a manif convocada????(desconvocada????) pela Intersindical para a ponte 25 de Abril. Permita-me tecer algumas considerações sobre o mesmo.
    - "O governo.......a provocação. E teria a "lei"......" Diz no 1.º §. Pela afirmação que faz no 1.º período, deduzo que esteja devidamente informado. Tenho contudo algumas dúvidas: 1.ª confronto com quem? 2.ª o que faria perante a provocação? (já agora qual? informação de alguma secreta?).
    No 2.º período diz que o governo invocaria a "lei" perante "cidadãos desinformados". Duas questões: 1.ª qual "lei"? a Constituição e a lei de manif foram alteradas, revogadas ou estaria uma lei de exceção na forja como noutros tempos? 2.ª cidadãos desinformados??
    Deste arrazoado resulta que o velho papão voltou para ameaçar a democracia agora, antes para por em causa e ameaçar a ditadura. O MEDO, O TERROR, O ÓDIO.
    Quanto ao 2.º § é a sua opinião que eu respeito, mas permita-me não concordo.
    Eu não vou passar a ponte de sobre rodas. Não vou a uma concentração alternativa em Almada. Não estranho as posições da Intersindical hoje, pois já as entranhei a várias décadas. Respeito quem lá vá, mas digo com que resultados? no dia a seguir qual é o caminho? Alcântara, Algés, Cascais no Tejo ou no Atlântico?
    É por termos quem se diz socialista (só dou o exemplo do último MNE do governo PS) e devia estar noutros partidos (nem sei bem quais) e outros que também se dizem de esquerda, mas que depois de recuo em recuo até a marcha a traz total, vão enganado o povo, é que este lhes dá a vassourada nas eleições. Digo-o com revolta e não com pena.
    Na política não deve nem pode valer tudo. Com o povo e especialmente com os trabalhadores não se deve e não se pode brincar as manif´s e as greves. Qual é o objetivo.
    Quanto ao "sectarismo", "radicalismo", "esquerdista" e a tal "estratégia política", onde as coloca neste texto?
    Convém ver e analisar onde estão neste momento. Os órgãos de soberania de Portugal estão a ser postos em causa e o JRS vê boias no Tejo a socorrer as vitimas lançadas da ponte pelos "esquerdistas" e "provocadores do costume, a paisana e com material perigoso" (mais uma informação secreta?).
    A confiança e credibilidade devem ser conquistadas através de propostas e atuações credíveis e confiáveis.
    A PONTE É UMA PASSAGEM PARA A OUTRA MARGEM ou é UMA MIRAGEM?
    Cordeais saudações.

    ResponderEliminar
  19. Caro JRS
    Não tendo comentado a opinião anterior, gostaria de saber após a manif "passeio" sobre rodas na P25A, e não existindo confrontos provocados por esquerdistas se ainda encontra razão para a mudança "aceite" pela central sindical.
    Se ouviu o comentário de MRS hoje na TVI, ele explica muito bem como a direita entende o "arranjinho" que foi congeminado.
    A esquerda tem que pensar melhor se estes meios são os mais adequados a luta que é necessário levar á prática para fazer valer os direitos do povo e em especial dos trabalhadores.
    Cordeais saudações

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.