quinta-feira, 10 de outubro de 2013

CARTA ABERTA AO MEU “PIMPOLHO”, por Lopes Guerreiro

Meu Querido “Pimpolho”
Escrevo-te esta carta para memória futura. Para que um dia, ao lê-la, possas entender a importância da escolha de quem nos governa, para evitar as maldades que os actuais governantes estão a fazer a ti – e a todos os meninos que têm necessidades especiais de educação.
O que te estão a fazer – a ti e a outros meninos -, para além das dificuldades que estão a provocar no teu desenvolvimento humano, representa também um grande atraso civilizacional.
Até aqui temos investido tudo o que nos parece adequado na tua formação, de forma a evitar maiores atrasos no teu desenvolvimento. Até agora, temos tido sorte nas pessoas que te têm dado apoio médico, terapeuta, escolar. A Sociedade mostrou-se preparada para a inclusão e o desenvolvimento humano.
No ano passado, o teu primeiro ano do primeiro ciclo, a Escola de Santiago Maior mostrou-se exemplar na tua inclusão e na integração dos diversos apoios. Apesar de te teres ressentido do meu internamento hospitalar, em resultado da doença que me afectou, o que levou a uma certa estagnação do teu desenvolvimento e, até, regressão nalgumas áreas, no segundo período, o balanço do primeiro ano foi muito positivo, como foi reconhecido por toda a equipa que te acompanhou e apoiou.

2 comentários:

  1. É seguramente uma das mais profundas dores que podem atingir o ser humano: quando um pai não consegue ajudar um filho.
    Neste caso, não por incapacidade, mas por monstruosa insensibilidade demonstrada por um governo a quem não interessam as pessoas.

    Um abraço solidário. Ao Lopes Guerreiro e aos muitos pais que se encontram em idêntica situação.

    Paulo Nobre

    ResponderEliminar
  2. um bom abraço aos dois

    do que conheço, julgo merecerem-se

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.