quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Reflectir e debater a urgência da Paz para o Médio Oriente este sábado em Évora




O Papa lançou o apelo para uma jornada de jejum e oração pela paz na Síria para o próximo sábado dia 7 de Setembro. Para Évora, a Igreja Católica convocou os crentes para uma oração na Igreja de São Francisco. Considerando que as discussões em torno da paz não se devem restringir apenas aos cristãos ou a outros crentes, um grupo de cidadãos de Évora (entre os quais também se incluem crentes e não crentes) apela a todos os que sentem a necessidade de procurar caminhos de paz e resolução dos conflitos através do diálogo a estarem presentes numa vigília de "reflexão e partilha" sobre a paz no mundo, a realizar no sábado, dia 7 de Setembro, na Igreja de São Vicente (um espaço atribuído a uma associação cultural da cidade).



Vigília pela Paz na Síria

sábado, 7 de Setembro, entre as 21 e as 23 horas,
na Igreja de São Vicente (Évora)

     Milhares de mortos, dois milhões de refugiados, dezenas de milhares de feridos. O uso de armas químicas e de destruição maciça. A guerra e a morte que ela gera. É este o cenário que se vive, desde há dois anos, na Síria. Os Estados Unidos anunciaram uma intervenção militar para “punir” o regime sírio pela utilização de armas químicas. Cada vez menos é aceitável que se regularizem os conflitos com recurso à guerra e à violência.
     Nós, cidadãos eborenses, recusamos este caminho. Condenamos a violência e a violação dos direitos humanos exercida por todas as partes e consideramos que apenas o diálogo e a negociação abrem portas para a liberdade e para a construção do futuro. Há muito tempo que esta é a nossa opção e temos estado sempre disponíveis para nos juntarmos a todos os que tenham também esta visão do mundo: um mundo de paz, em que os conflitos se resolvem através do diálogo e da mediação internacional e não com recurso à violência e a soluções bélicas.
     No dia 1 de Setembro, dia seguinte ao anúncio da intervenção militar na Síria “por se ter confirmado o uso de armas químicas”, o Papa Francisco marcou uma vigília de jejum e oração pela paz na Síria e no Médio-Oriente, no próximo sábado, dia 7. Pediu às partes em conflito para encontrarem a via do diálogo e da negociação, lembrando que a guerra não leva à paz.
     De facto, depois:
- de no século XX termos tido as guerras mundiais com o nível de violência e destruição que levou à criação da ONU por se ter compreendido que a violência não é resposta para a violência, antes a faz crescer formando a “espiral da violência”;
- do trabalho de pessoas como Ghandi, Martin Luther King, Mandela e da força do Movimento por Timor terem levado a encontrar soluções duradouras e de reconciliação e diálogo;
- das intervenções no Afeganistão e no Iraque terem, de novo, provado que a força e a violência não resolvem os conflitos, agravando-os exponencialmente;
como homens e mulheres de paz, acreditamos que esta iniciativa contra a guerra e a favor da não violência devia congregar-nos a todos. Todos juntos no mundo inteiro podemos ter força, homens e mulheres de boa vontade, cristãos e não cristãos, crentes e não crentes!
     Sentimo-nos convocados a dizer basta à violência. Sentimo-nos impelidos a agir e ao mesmo tempo tão impotentes para uma acção eficaz!
      Da Síria, já veio uma resposta do grão-mufti sunita, que acolheu com entusiasmo o apelo do Papa Francisco e manifestou a intenção de marcar presença em Roma para poder participar no próximo sábado nesta vigília.
      “Trata-se de participar na mobilização geral da luta pela paz: é a vida da humanidade que assim estaremos defendendo, esta de hoje e a de amanhã, que talvez se perca se não começarmos a defendê-la agora mesmo”, como disse José Saramago
      Por tudo isto vos convidamos a participar em Évora numa vigília de reflexão e partilha por esta causa que nos afecta a todos e nos transcende. Haverá pessoas que falarão das suas experiências e das suas motivações, momentos de poesia, música e espaços para a meditação individual e colectiva.
     A entrada e a participação de todos é livre e desejada.

     Évora, 4 de Setembro de 2013
     Um grupo de cidadãos

12 comentários:

  1. Esperemos que os eleitores eborenses indecisos entre o BE e o PS tombem para o lado certo como este desempregado da notícia.


    «Desempregado candidatou-se às autárquicas por dois partidos
    04-09-2013 22:26

    »Caso insólito aconteceu na freguesia de Aguieiras, em Trás-os-Montes.

    »Um desempregado de Mirandela, no distrito de Bragança, decidiu entrar na corrida autárquica e acabou com uma dupla candidatura à freguesia de Aguieiras nas listas de dois partidos.

    »"Qual é o problema?", responde João Manuel Silva quando questionado sobre o facto de o seu nome constar em segundo lugar nas listas do PS e do Bloco de Esquerda à freguesia transmontana.

    »O problema é que o duplo candidato incorre numa multa que pode chegar quase aos 2.500 euros por não ser permitido concorrer em mais do que uma lista e a lei punir quem o faz.

    Em declarações à agência Lusa, João Manuel Silva afirmou que a sua dupla candidatura "foi um equívoco" e que o problema "está já esclarecido".

    »João Manuel Silva tem 52 anos, é desempregado e decidiu que vai "pelo Bloco" de Esquerda (BE) a votos, depois de anteriormente ter garantido ao "Jornal de Notícias" que fazia parte da lista do PS e que pensou que o documento que assinou pelo BE seria "para fazer parte da mesa de voto no dia das eleições".»

    ResponderEliminar
  2. por cá é, mais ou menos a mesma coisa... São candidatos por um e fazem campanha pelo outro...

    ResponderEliminar
  3. 17:26
    Para todos percebermos melhor mais vale concretizar com nomes, senão são "bocas" ao vento.

    ResponderEliminar
  4. Ora cá está um candidato típico do BE.
    Não tem excesso de mandatos, e concorre pelo BE como podia concorrer pelo PS.
    É tudo a mesma a mesma política irresponsável.

    ResponderEliminar
  5. Fresquinha:

    Tribunal Constitucional dá luz verde à candidatura de Luís Filipe Menezes ao Porto

    O Tribunal Constitucional já decidiu sobre a Lei de Limitação de Mandatos. Luís Filipe Menezes, actual autarca de Vila Nova de Gaia, pode candidatar-se à presidência da Câmara Municipal do Porto nas eleições agendadas para 29 de Setembro.

    O PÚBLICO sabe que a decisão foi tomada com seis votos a favor e um contra. O relator do acórdão foi o juiz-conselheiro Pedro Machete.

    ResponderEliminar
  6. Ultima hora:

    Foi assinado o acórdão do Tribunal Constitucional, que interpreta a lei da limitação dos mandatos:
    OS AUTARCAS COM 3 OU MAIS MANDATOS, PODEM CANDIDATAR-SE NOUTROS CONCELHOS.

    (agora, se o BE não conseguir eleger autarcas, já pode culpar o Tribunal de Contas pelo insucesso, tal qual faz o Passos de Coelho)

    ResponderEliminar
  7. Os que aqui acusaram o Carlos Pinto de Sá um fora da lei,devem pedir desculpas ao senhor.

    ResponderEliminar
  8. A ala direitista do PS atacou o Carlos.......agora quero ver qual vai ser a sua posição,meus senhores não vale tudo,sejam humildes......agora já não tem desculpas para debates.

    ResponderEliminar
  9. Os Boateiros que espalharam pelo concelho que Carlos Pinto de Sá não era o candidato,a partir de agora deixaram de ter argumentos,foram meses de calunias e boatos contra o candidato da CDU.

    ResponderEliminar
  10. CARLOS e CDU agora só depende da vossa Dinâmica e mobilização dos cidadãos,o jogo da Calunia e do Boato já não convencem,esses que usaram essa estratégia durante este imenso tempo,a partir de hoje ficaram "desarmados".

    ResponderEliminar
  11. Desculpa PINTO DE SÀ. Oxalá sejas um presidente, não para teu bem, mas para toda a comunidade eborense...

    ResponderEliminar
  12. Agora com isto resolvido vamos lá à campanha. Alguém tem propostas para Évora? Ora que me parece que não. Até agora só generalidades: Plano Estratégico para a Cultura (o que fizeram do que já havia?) propóe o PC; o PS diz que vai criar mais não sei quantos empregos (está-se mesmo a ver...); o BE que vai falar com as pessoas; o PSD/CDS tenta que nem o vejam para não os associarem ao actual governo. A menos de um mês das eleições o deserto de propostas é nulo, e é isso que os partidos têm andado a vender nos passeios que fazem pelas fregeusias. Não seria já tempo de concretizarem alguma coisinha?

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.