terça-feira, 10 de setembro de 2013

Onde se pensa ?

foto José Manuel Rodrigues

"Cada vez, diga-se, pensamos em menos espaços. Os espaços de pensamento estão a desaparecer . No teatro diz-se (já ouvimos muitas vezes): o teatro não é para pensar. No cinema diz-se: o cinema não é para pensar. Na arte diz-se: a arte não é para pensar. Na literatura diz-se: A literatura não é para pensar. Nos jornais: os jornais não são para pensar e etc., e etc. A questão que fica é : então, onde é que se pensa ? No quarto sozinhos ? Fechados na casa de banho ? 
Num submarino ?
Pensar tornou-se quase sinónimo de incomodar os outros. Como se pensar fosse uma falta de educação. Pensar à frente dos outros, que indiscrição, que falta de pudor! Pensar começa a ser uma actividade que se tolera apenas quando um homem está só e a muitos metros abaixo do solo. Pensar, sim, mas no subterrâneo. Certamente chegará o momento em que levarão as pessoas que pensam para uma mina a muitos metros abaixo do solo e depois dirão: pensem aí à vontade.
Acredito que com o tempo poderá surgir uma espécie de aldeia de pensadores debaixo do chão.Uma comunidade paralela à nossa, que não chegará a ver a luz do sol - e que ali continuará, nas profundezas, a pensar; a pensar muito. Uma comunidade de pensadores-mineiros. Ou melhor, uma comunidade de pensadores transformados, à força, em mineiros. Descubram metal valioso, sim, mas lá em baixo. Uma cidade abaixo do nível do chão.
Ou então, enviar quem pensa para o mar. Eis outra hipótese. Como se os pensadores fossem pescadores que não querem peixes, pescadores do nada. Não querem apanhar nenhum animal, nenhum objecto, nada - só querem apanhar ideias, que desperdício! Eis, então uma segunda comunidade possível. Os homens que pensam são expulsos para o mar; para o alto mar!
Eis uma situação ficcional. Um navio gigante cheios de homens que pensam; os melhores pensadores de todas as cidades ali estão, embarcado; vivos, sim, e fortes, sim, mas longe da terra e dos sítios onde tudo se decide, longe de qualquer movimento político, longe do parlamento. Os pensadores estão apenas a par dos movimentos do mar; porém os homens que ficam em solo firme, os que expulsaram esse barco do pensamento como se fosse um navio de detritos, de restos - navio lançado ao mar para aí ficar para sempre - os que ficaram em solo firme suspiram de alívio. E se esse navio se aproximar da costa será bombardeado. Eis o barco dos pensadores, o barco dos homens que incomodam o discurso que se faz em terra firme.
E eis, então, que são criadas duas cidades para pensadores : uma cidade abaixo da terra e outra acima do mar, literalmente - uma cidade móvel, um barco.
Em terra firme, na cidade que não treme, eis quem fica: Aquele humano que não é mal educado; aquele que 
só pensa depois dos outros, nunca antes. Como se pensar fosse semelhante a deixar passar senhoras de idade à frente nas portas.
- Primeiro pense o senhor.
- Não, por favor, primeiro pense o senhor. E assim ficam minutos, horas, dias, bem educados a insistirem para que o outro pense primeiro. E como são muitíssimos bem educados ninguém se atreve a dar o primeiro passo e por isso alí ficam, assim, de frente uns para os outros, com rosto de peixe e pensamento nenhum; em terra firme, mas tonta."

                                   Gonçalo M. Tavares 
Crónica publicada na Revista Visão de 22 de Agosto de 2013 (p.8)

5 comentários:


  1. Pensar incomoda quem manda no país e no mundo.

    Se pensarmos bem, ainda reparamos que quem manda não tem capacidade nem legitimidade para mandar.

    Pensar incomoda quem escraviza os outros, através das religiões,por exemplo, impondo isto e proibindo aquilo e, assim, impedindo as pessoas de ser livres e responsáveis,tudo em nome de um deus que nunca existiu a não ser nas suas cabecinhas limitadas.

    Pensar, por outro lado e se tivermos a coragem de o fazer de modo autónomo, pensar liberta.

    Pensar torna-nos seres dignos, responsáveis por nós próprios; pensar torna-nos adultos.

    É por isso que há muito tempo me libertei dessa escumalha dos padres e dos políticos profissionais, essa gentinha que vive parasitando o esforço dos outros e colocando-lhe peias no pensamento.

    Há que crescer. Há que pensar por si próprio. Só isso nos distingue dos animais. Se não pensas, nada te distingue deles. Logo, pensar é ser humano.

    Carvalho

    ResponderEliminar
  2. E os pseudopensadores como a Dores Correia depois das eleições vão para onde? Para debaixo da terra ou para o mar alto?

    ResponderEliminar
  3. "Em todas as épocas há pessoas que não pensam como os outros. Quer dizer, não pensam como os que não pensam".
    Marguerite Yourcenar

    ResponderEliminar

  4. 9:48:

    os burros, quando vêem um livro, desprezam-no. É típico dos burros, que só comem ervas.

    Carvalho

    ResponderEliminar
  5. Ah, os "pseudo-pensadores"! Diga-se quem são, esta ou aquela pessoa, para que todos saibam! Que felicidade poder insultar as pessoas, arrasá-las, a coberto do anonimato! Que bom! Dá coragem aos invisíveis para se sentirem vivos: "escrevi, publiquei impunemente o meu veneno, logo existo". Ou se não existo, insisto, como se diz de deus. É fulano que diz, e fulano é alguém que é Ninguém. Valentes anónimos, de pé! Insulto anónimo, pequena valentia de cada dia... Avante para a lama!
    JRdS

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.