segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Évora: Residência Cisterciense vai decorrer entre quinta-feira e sábado no Mosteiro de S. Bento de Cástris


Terminam hoje as inscrições para a Residência Cisterciense, que vai decorrer entre quinta-feira e sábado no Mosteiro de S. Bento de Cástris, em Évora, integrada nas Jornadas Europeias do Património 2013.
A iniciativa tem como objetivo reinventar na contemporaneidade a densidade histórica do discurso cisterciense, integrando a geografia do mosteiro numa mais ampla geografia da Ordem de Cister.
Inspirada nas questões da História, da Arte, do Património e da Paisagem cistercienses, a residência, regida pelo ritmo do quotidiano da Regra beneditina, apostará na vivência dos espaços do mosteiro e no debate de questões atuais ligadas aos espaços monásticos e ao seu futuro, apostando-se no caráter original da iniciativa.
A Residência Cisterciense é organizada pela Direção Regional de Cultura do Alentejo, Universidade de Évora, CIDEHUS, CHAIA, Direção-geral do Património Cultural e Fundação para a Ciência e Tecnologia. (aqui)

8 comentários:

  1. joaquim palminha silva16 setembro, 2013 13:15

    O triste absurdo e escusado calvário de anos de desleixo e ruina do Mosteiro de São Bento de Castris, por parte de várias instituições de Estado (e seus irresponsáveis!) é a exemplar prova de que não vale a pena andar a discutir com gente desta amassadura, as questões da CULTURA E DO PATRIMÓNIO DA CIDADE, incluindo a Direcção Regional de Cultura do Alentejo e seus associados... Não resolvem nada e, falaciosos, passam de querer instalar no Mosteiro o «Museu da Música»(!!!), assim, transferido de Lisboa,para depois, muitos meses depois, com a
    ruína ainda mais arruinada, organizarem no seu degradado espaço umas palestras sobre a «residência cisterciense», que querem que o público saiba que estão integradas nas «Jornadas Europeias do Património,2013»...
    Será que os organizadores estrangeiros das Jornadas Europeias do Património sabem da existência patética desta iniciativa num local de incompetência "cultural" portuguesa? Será que têm conhecimento deste disparate!
    às vezes chego a ter vergonha e receio de que o estrangeiro saiba destas aberrações!

    ResponderEliminar
  2. Melgão é divida.......Obra Zero....anda apressadamente a Varrer a Merda acumulada de 12 anos.

    ResponderEliminar
  3. Eborenses o concelho está parado,a cidade vive no marasmo,a degradação de muitos prédios acentua-se,a praça de visitas(praça do giraldo) está sem vida.........de repente nos ultimos dias a cãmara contratou várias empresas para tapar alguns buracos e varrer o lixo acumulado,tudo isto não passa de uma OPERAÇÂO de Cosmética e Eleitoralista.........Évora precisa de MUDAR.

    ResponderEliminar
  4. Solução, solução seria meter lá, neste Retiro, estes nossos "queridos" políticos locais em reclusão e penitência, cada qual dando a sua missa semanal e fazendo valer os seus dons de oratória. Podiam pôr outdoors com as suas caras ternurentas e rechonchudas de quem está bem na vida à porta das "celas" uns dos outros, elegiam-se uns aos outros e faziam do retiro a republica das bananas em que se esforçam para tonar o país. E podiam fazer guiadas aos fins de semana para os apaniguados que ainda exitissem cá fora. Pelo menos não chateavam.

    ResponderEliminar
  5. Com o Melgão vai ser uma limpeza.

    ResponderEliminar
  6. O Estado Novo era mais inteligente. Conservava o património com o trabalho dos descamisados e sob a orientação tutelar da Igreja. O Marcelo deu-lhe uma roupagem mais soft, tirou de lá os padres. Quem nos governou depois do 25A fechou o estabelecimento, parece que não queriam que se soube-se que o mesmo continuava a fazer falta para muitos descamisados. Esconderam-nos em "tocas" para porem lá os "bois" e as "bacas". Não existiu ali uma instituição chamada Casa Pia de Évora????.

    ResponderEliminar
  7. não foi ali que foi recentemente detetada actividade "lenocinica"?
    quem eram os responsáveis?

    ResponderEliminar
  8. Folclore, folclore barato de comadres desorientadas que não sabem o que hão-de fazer ao "menino". "A gente vai lá, faz assim uma coisa a parecer que somos freiras que voltaram a animar o convento" e, quando acabar, continua o acabamento desnorteado do convento...haja paciência!

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.