sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Évora, esta tarde às 19H

Vígilia contra o fecho da Unidade de Cuidados Continuados
Hospital da Misericórdia, 13 Setembro, 19:00 (aqui)

16 comentários:

  1. A unidade de cuidados continuados do Hospital da Misericórdia de Évora pode vir a encerrar nas próximas semanas, caso não seja revisto o acordo com a empresa gestora do serviço, admitiu hoje o provedor da instituição.

    "Évora poderá perder a unidade de cuidados continuados dentro de poucas semanas se não houver bom senso, transparência e legalidade", afirmou à agência Lusa o provedor da Santa Casa da Misericórdia (SCM) de Évora, Luís Filipe Alfacinha de Brito.

    Na origem do diferendo, segundo o responsável, está o acordo estabelecido entre a instituição e uma empresa do grupo Espírito Santo Saúde, que gere o Hospital da Misericórdia de Évora (HME), onde está instalada a unidade de cuidados continuados.

    O provedor explicou que a SCM de Évora está registada junto das entidades públicas "como a entidade que gere a unidade de cuidados continuados e que recebe a respetiva componente financeira".

    "Mas, na prática, não é assim, porque nem esses dinheiros acabam por ser geridos pela SCM, nem tão pouco a instituição tem qualquer coisa a ver com a gestão direta da unidade", mas sim a "empresa que gere o hospital", disse.

    Luís Filipe Alfacinha de Brito frisou que a Misericórdia de Évora "sente-se lesada" com o atual acordo, referindo que a instituição pretende assumir a gestão da unidade de cuidados continuados "em toda a sua plenitude" e "não só no papel".

    "A ideia que de que queremos acabar com os cuidados continuados em Évora é uma pura mentira. O que nós queremos é assumir a sua gestão, porque somos a entidade que subscreve os acordos" com as entidades públicas, acrescentou.

    Perante este cenário, um grupo de funcionários e de familiares de utentes, preocupado com o futuro da unidade, marcou para o final da tarde de hoje uma vigília contra o seu encerramento, em frente ao Hospital da Misericórdia.

    "Estamos preocupados porque soubemos que a unidade ia fechar, mas não nos deram qualquer justificação", lamentou à Lusa Anabela Teixeira, enfermeira da unidade de cuidados continuados.

    A enfermeira alertou que o eventual encerramento da unidade põe "em causa postos de trabalho", assim como a saúde dos doentes, os quais ficam sem "uma resposta social adequada", já que esta "é a única unidade de média reabilitação em Évora".

    "Atualmente, não temos autorização para admitir mais doentes e os que terminam o período de internamento de três meses que está protocolado têm de sair", adiantou.

    A funcionar desde 2005, a unidade de cuidados continuados do Hospital da Misericórdia de Évora tem 12 camas. (LUSA)

    ResponderEliminar
  2. Misericordia/grupo Espirito Santo.........em nome de Cristo os CRIMES que se cometem.........os Vendilhões do Templo continuam

    ResponderEliminar
  3. Quer o Robalo entregar o Hospital de Serpa ,para se repetir o Negócio.........para estes FALSOS "Cristãos" a Saúde é um NEGÒCIO.

    ResponderEliminar
  4. As misericórdias recebem dinheiro dos nossos impostos.......temos o DIREITO de saber qual foi a Negociata feita pela anterior mesa da Santa Casa com a Banca.

    ResponderEliminar
  5. Extrema-Direita e grupos financeiros,têm nas mãos as Misericórdias.

    ResponderEliminar
  6. O Robalo esse GRANDE "socialista" resolve.

    ResponderEliminar

  7. O Robalo, caso andem distraídos, lidera uma das lojas maçónicas cá da aldeia.
    Estão a ver quem é que manda nesta porcaria toda, não estão?
    Eles estão em todo o lado: maçons e ratos.

    ResponderEliminar
  8. Maçonaria e Opus DEI de mãos dadas?


    E esta gente escolheu o Melgão para continuarem a Mandar na cidade?

    ResponderEliminar
  9. Ele é maçons, Ele é partidocracia, ele é mafiosos, este país é muito mal frequentado. deixámos esta gente em roda livre, para fazer os bpns, os bpp, os submarinos, são os autarcas que são os donos dos concelhos, ai transparência transparência, integridade e é culpa nossa.Em vez de passarmos o tempo a discutir futebol e outras não conversas como esta, deviamos participar na pólis, através da participação civica, criando organizações que obrigassem aqueles em quem votamos a ser integros, transparentes, não adoramos dizer mal de tudo , mas nada fazer para resolver esse tudo que achamos mal

    ResponderEliminar
  10. A RTP deu uma pequena entrevista com os três candidatos(excluiu a candidata do bloco),não consegui entender o Melgão,parecia estar anestesiado..............agora entendo a recusa do senhor em realizar um debate entre os quatro candidatos e aberto ao publico.

    ResponderEliminar
  11. O mal não está no Melgão, no Monarca, no Pinto ou não pinto, isso e de somenos. Até o Jaleco que é de direita, se tiver de responder, pela execução orçamental(orçamentos participados) daria um bom presidente.
    Isto não é de direita nem de esquerda é acima de tudo corrupçao e incompetência. Voto com um desenho em cada candidato

    ResponderEliminar
  12. É Preciso MUDAR.......é preciso DIZER BASTA ao COMPADRIO e CORRUPÇÂO.

    ResponderEliminar
  13. É Preciso MUDAR.......é preciso DIZER BASTA ao COMPADRIO e CORRUPÇÂO.

    ResponderEliminar
  14. Está na Hora da MUDANÇA,Évora está Parada.

    ResponderEliminar
  15. o regente agricola viegas tem resposta

    ResponderEliminar
  16. Apoie esta Petição. Assine e divulgue. O seu apoio é muito importante.

    NÃO AO ENCERRAMENTO DA UNIDADE DE CUIDADOS CONTINUADOS DO HOSPITAL DA MISERICÓRDIA DE ÉVORA
    Para: Exmº.s Órgãos Sociais da Santa Casa da Misericórdia de Évora
    Unidade de Cuidados Continuados do Hospital da Misericórdia de Évora em risco de FECHAR

    - Reflexão do Grupo de Cuidadores do HME

    É com grande tristeza nossa que a unidade de cuidados continuados inserida no serviço de internamento do HME se encontra prestes a fechar portas aos nossos utentes.
    Tomámos conhecimento que o Sr. Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Évora não pretende renovar contrato com a única Unidade de Média Duração e Reabilitação existente na nossa cidade, com conivência da ARS e Segurança Social.
    Não podemos continuar a esconder a nossa preocupação com todos aqueles de quem cuidamos diariamente e que, de futuro, se encontrarão sem resposta social adequada às suas necessidades, sentimento este que é partilhado por todos os utentes, e respectivas famílias, da nossa unidade.
    Sendo a Santa Casa da Misericórdia uma instituição de responsabilidade social com a comunidade, como é possivel "violar" este pressuposto básico?
    http://peticaopublica.com/psign.aspx?pi=P2013N70747

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.