quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Évora: 9º dia de Campanha Eleitoral (pelos olhos da LUSA)


Candidato da CDU em Évora convicto na vitória promete chamar todos à participação

O candidato da CDU à Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, manifestou-se hoje convicto numa "grande vitória" nas eleições autárquicas de domingo, prometendo "chamar todos à participação", independentemente das suas posições políticas.
"Para pôr fim ao marasmo e levantarmos Évora da situação tremenda a que a gestão do PS arrastou o concelho é preciso a colaboração de todos", afirmou o candidato comunista, numa festa/concerto hoje à noite na Praça do Giraldo, em que participaram a Ronda dos Quatro Caminhos e o grupo Cantares d´Évora.
Acompanhado pelos candidatos da CDU aos diferentes órgãos autárquicos do concelho e pelo mandatário concelhio, o deputado comunista João Oliveira, Carlos Pinto de Sá garantiu que "a nova gestão CDU estará aberta a colaborar com todas as pessoas, independentemente das suas posições políticas".
"A vontade de mudança atravessa o povo e o concelho", observou o cabeça-de-lista da CDU, coligação que pretende reconquistar o emblemático município alentejano, depois de o ter perdido em 2001 para os socialistas.
Apelando à concentração de votos na CDU para "garantir a mudança", já que o voto no Bloco de Esquerda "é um voto perdido", Carlos Pinto de Sá prometeu "iniciar um novo ciclo político" em Évora e "reconstruir" a cidade. (LUSA)


Candidato do PS em Évora diz que CDU "afasta o investimento"

O cabeça-de-lista do PS à Câmara de Évora, Manuel Melgão, acusou hoje a candidatura da CDU de ter uma “política do quanto pior melhor” e do “protesto”, o que, no seu entender, “afasta o investimento”.
“A CDU, pela política que tem mostrado ao longo dos tempos, afasta o investimento”, afirmou à agência Lusa o candidato socialista, durante uma ação de campanha na freguesia urbana da Horta das Figueiras.
Manuel Melgão deu como exemplo a “ausência” dos eleitos da CDU no atual mandato na inauguração das fábricas da construtora aeronáutica brasileira em Évora, ocorrida há cerca de um ano.
“Quando foi a inauguração do investimento da Embraer, a CDU marcou a diferença pela sua ausência e fez questão de não estar presente. Houve, inclusivamente, uma manifestação da CGTP, ainda que não fosse contra o projeto”, disse.
Para o candidato, esta posição dos comunistas “demonstra que não é com a política do quanto pior melhor, nem com o fazer da Câmara de Évora o palco de protesto permanente, que se consegue atrair o investimento”.
Realçando que a captação de investimento para o concelho “tem sido uma grande prioridade” da sua gestão, Manuel Melgão considerou “fundamental para Évora” que a câmara tenha “uma política de diálogo e de cooperação institucional”.
Os frutos dessa estratégia estão “bem à vista”, defendeu, referindo que, na última reunião de câmara, foi aprovada a atribuição de um lote de terreno a “investimento importante na área da aeronáutica”.
“Estamos no bom caminho. E este é o caminho que queremos continuar, porque é o que traz emprego”, acrescentou. (LUSA)


Candidata do BE a Évora defende política fiscal "muito ponderada"

A candidata do Bloco de Esquerda (BE) à Câmara de Évora, Maria Helena Figueiredo, defendeu hoje uma “política fiscal muito ponderada” da parte do município e o “fim da isenção” do IMI para a banca e fundos imobiliários.
“Há uma distorção na política fiscal desenvolvida pelo município, a qual tem que ser alterada. Essa política deve ser muito ponderada”, disse.
Maria Helena Figueiredo falava à agência Lusa, ao final da tarde de hoje, à margem de uma arruada da sua candidatura em duas freguesias da cidade, Malagueira e Horta das Figueiras.
A candidata lembrou que o Programa de Apoio à Economia Local (PAEL), a que a câmara aderiu, obriga a autarquia “a impor, nos próximos 20 anos, taxas máximas de serviços e de impostos para os cidadãos”.
Reconhecendo que o município tem de “garantir as receitas indispensáveis à prossecução dos serviços públicos que presta”, nomeadamente através de impostos, a cabeça-de-lista “bloquista” defendeu, contudo, que a lógica deve ser diferente da atual.
“É que, ao mesmo tempo, a câmara tem que minorar os impactos da atual situação de crise que toda a gente vive e que onera, especialmente, os cidadãos mais frágeis”, disse.
Como exemplo, Maria Helena Figueiredo aludiu ao Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), do qual os habitantes do centro histórico, classificado como Património Mundial, “estão isentos por lei, mas que, devido a uma decisão administrativa, têm de pagar”.
“Consideramos essencial que a câmara se dirija ao Governo para que que seja aplicada em Évora a mesma lei do resto do país”, disse, contrapondo que, neste âmbito, é “inadmissível que a banca e os fundos imobiliários estejam isentos de IMI”.
Por isso, o BE reivindica que a banca e fundos imobiliários devem “passar a pagar o IMI das casas e património edificado de que são proprietários”, porque a isenção atual é “discriminatória para a população em geral”. (LUSA)


Candidato do PSD/CDS-PP a Évora quer dar nova cara ao Rossio de S. Brás

O candidato do PSD/CDS-PP à Câmara de Évora propôs hoje uma nova "solução urbanística" para o Rossio de São Brás, defendendo a repavimentação do recinto e a instalação de um centro de acolhimento de turistas.
"A nossa ideia é criar um 'welcome center' para os turistas, uma pequena sala de exposições e uma loja de venda de artesanato", além da "repavimentação para dar dignidade ao espaço", afirmou Paulo Jaleco.
O cabeça-de-lista da coligação "Évora Primeiro" falava à agência Lusa numa ação de campanha eleitoral que passou pelas freguesias rurais de Torre de Coelheiros, São Vicente do Pigeiro e São Manços.
O Rossio de São Brás serve atualmente de parque de estacionamento gratuito e de ‘palco’ para os mercados mensais e para as Festas Populares de Évora, que incluem a secular Feira de S. João.
Paulo Jaleco considerou que o Rossio de São Brás é como se fosse "as portas da cidade" e o que existe "é um parque de estacionamento, que é lamacento no inverno e poeirento no verão".
"É o local onde param os turistas e é a primeira imagem que têm da cidade, mas, se calhar, não é uma imagem muito agradável", disse, prometendo dar "a dignidade que o espaço neste momento não tem".
Com a requalificação que preconiza, o candidato afirma que pretende criar melhores condições para que as festas da cidade se mantenham naquele espaço e "fazer as feiras de atividades económicas noutro local".
"Évora pode ser uma cidade de eventos e criar um calendário de eventos anual, mas, para isso, precisamos de uma espaço que seja multifuncional e que ofereça condições para a organização de feiras económicas, congressos e seminários", apontou. (LUSA)

39 comentários:

  1. Aqui está a diferença. Nunca ouvi a candidata do Bloco de Esquerda atacar a CDU e a CDU e o PCP não têm feiuto outra coisa. Vem agora Pinto Sá, que eu tinha por um homem sério e cordato, dizer que o voto no BE é "um voto inútil". E anda ele a dizer que quer combater a abstenção... O que ele quer é todos os votos no seu pote, assim tipo partido único. Esse não é o caminho para pores todos "a participarem", ó Sá.De facto esta gente da camisa encarnada não aprende nada.

    ResponderEliminar
  2. AS declarações de Melgão sobre a CDU são de quem está doente,o senhor deve ser internado no departamento de psiquiatria quanto antes.

    ResponderEliminar
  3. Ena, eu devo estar confundido, então puseram a assistência no palco e os músicos na praça, a mobilização da CDU está em linha com o resultado que irão obter no próximo Domingo.

    ResponderEliminar
  4. Ultima Hora:

    Uma das figuras mais conceituadas da Medicina,Prof.Dr.Manuel Carrajeta.

    Apoia Carlos Pinto de Sá.

    ResponderEliminar
  5. @23:53
    Tens toda a razão. Desde que Carlos Pinto Sá inpugnou a candidatura da Maria Helena, não têm feito outra coisa.

    ResponderEliminar

  6. Excelente discurso de Pinto de Sá.
    Conta com todos e trabalhará com todos. Aceitará todas as ideias, independentemente da origem, desde que sejam ideias favoráveis ao interesse público e ao desenvolvimento do concelho.

    Depois de o ouvir, só posso concluir que será um bom Presidente para a câmara de Évora. Pode contar com o meu voto.

    Quanto aos senhores que falam da assistência sem lá terem ido (ou usando de má-fé o que é pior), posso informar que a praça não estava cheia, mas estavam umas boas centenas de pessoas. De certeza não cabiam no Teatro Garcia de Resende, onde outros ocuparam meia-lotação.

    ResponderEliminar
  7. Vejam esta foto e vejam se os querem de volta. Dasss

    http://cduevora.wordpress.com/2013/09/26/mais-de-1-000-pessoas-participaram-em-evora-na-festaconcerto-para-a-vitoria-da-cdu-nas-eleicoes-autarquicas-de-29-de-setembro/#jp-carousel-1273

    ResponderEliminar
  8. Fotos comício festa em:
    https://www.facebook.com/CDUEVORA

    ResponderEliminar
  9. 00:26

    Não sejas mentiroso ao insinuar o que insinuas. Nunca a Maria Helena Figueiredo fez queixa do Pinto Sá, nem nunca a ouviste dizer nada sobre isso. Foi uma decisão tomada a nível central pelo BE a que a Maria Helena, como candidata independente, é completamente alheia. Mas será que ela vos mete mais medo do que a direita para a andarem sempre a atacar?

    ResponderEliminar
  10. 00:15

    E também o fotografo António Carrapato e mais o Andrade Santos e outros cromos parecidos. Que bela Comissão de Honra, assim tipo fartote de rir. (Não tinham mais nenhum professor a não ser esse Mário Nogueira que deve ter apoiado 99% das candidaturas do PCP?)E o Jerónimo apoia ou não apoia? Fiquei na dúvida.

    ResponderEliminar
  11. Onde é que a Fernanda Lapa da Comissão de Honra costuma ir tomar a "bica" da manhã? Ao Arcada? E o Siza costuma passear pela Malagueira ao sábado antes de almoço? (O nicolau Breyner e o Toy também deveriam estar disponíveis para apoiar já que são apoiantes do candidato da CDU em Beja. Afinal, a distância não é grande e em caso de vitória sempre podia render alguma coisa).

    ResponderEliminar
  12. @00:52
    Pois é. E agora a Maria Helena, sem ter culpa de nada, apanha por tabela. Não está certo. O "nível central do BE" devia ter pensado nisso, antes de se meter em alhadas inconsequentes.

    Quanto a medos da Maria Helena não tenho nenhum. E até acho que muitas das suas ideias são úteis e seriam muito bem-vindas para o concelho. O problema é se continua lá o PS, a quem essas ideias não servirão para nada.

    E, por isso, também não vejo onde está o mal da afirmação de Pinto de Sá ao pedir a concentração de votos na CDU. Pelos dados conhecidos publicamente essa é a única forma de tirar a presidência da câmara ao PS. Ou há outra maneira?

    ResponderEliminar
  13. 00:52

    Vá lá, amigo, sejamos sérios.

    Por três vezes consecutivas o Bloco de Esquerda tentou impedir de se candidatar Carlos Pinto de Sá, que pode muito bem vir a ser o próximo presidente da Câmara Municipal de Évora, se for essa a vontade da população eborense.

    Claro que agora é muito conveniente dizer que a decisão foi central e o Bloco eborense não teve nada a ver com ela.

    Tenho que lhe recordar o infeliz comunicado da Comissão Coordenadora Distrital de Évora do BE? Aqui:

    https://www.facebook.com/notes/bloco-de-esquerda-%C3%A9vora/comunicado/184477725057801

    Ou o muito infeliz artigo de 12 de Agosto da Maria Helena Figueiredo, no Diário do Sul, a justificar a impugnação, que então se podia ler também na conta facebook da candidatura bloquista (entretanto retirado?).

    Artigo tanto mais desnecessário quanto o comunicado, acima linkado, afirmava que «O Bloco de Esquerda em Évora não irá, por sua iniciativa, pronunciar-se mais sobre este assunto, pois estamos totalmente empenhados em construir uma alternativa séria e competente para o Concelho de Évora». Afirmação logo desmentida pelo referido artigo da Maria Helena.

    Enfim, já passou, não é para esquecer - pode-se esquecer tamanha violência sobre outra candidatura? -, mas tristezas não pagam dívidas. Muito menos as da lisura e correção democráticas dos bloquistas.

    ResponderEliminar
  14. Estão com medo da maria Helena estão. O Pinto de Sá a atacar o Bloco é uma vergonha. Não ataca o Jaleco porquê? prefere aliar-se ao PSD como já fizeram no passado não é?

    ResponderEliminar
  15. CDU: Sessão com Galopim de Carvalho
    26 de setembro, Quinta-feira, 21 horas, Sede de Campanha

    A GEOLOGIA de Évora

    ResponderEliminar
  16. Com um candidato dinossauro só mesmo o Galopim na sede da CDU.

    ResponderEliminar
  17. Ah, Ah, Ah! Essa teve graça!
    Agora a sério. Galopim de Carvalho é certamente o cientista eborense mais conhecido (e provavelmente o cientista nacional mais conhecido, pelo menos popularmente). O seu apoio à candidatura eborense da CDU é um honra e quadra muito bem com a atenção que esta força política dedica às questões da cultura (incluindo, claro, a cultura científica).

    ResponderEliminar
  18. O candidato Melgão diz que a a captação de investimento para o concelho “tem sido uma grande prioridade” da sua gestão. Mas isso é a conversa do PS há doze anos. E o que é facto é que o concelho se desindustrializou e perdeu postos de trabalho. Longe de mim atribuir a responsabilidade disto em exclusivo, ou principalmente, ou mesmo significativamente, à Câmara socialista.
    O que irrita é que esta apresenta a situação como estando de vento em popa, pelo menos como se estivesse a melhorar muito, e não mostra qualquer pudor em reclamar os méritos disso. Ou seja, uma ficção em cima de outra ficção.

    ResponderEliminar
  19. Ah ah ah! Bem visto anónimo da 2:16.
    Entre as antas e o dinossauro que andam para os lados da CDU o Galopim de Carvalho pode ter trabalho por vários anos.
    O cientista é por acaso da CDU por isso é que abrilhanta a festa.
    Se não fosse da CDU é que seria uma honra.

    ResponderEliminar
  20. Como é publicamente conhecido, Galopim de Carvalho não tem filiação partidária, não é candidato da CDU e, noutros sítios, como em Lisboa, onde vive, tem apoiado outras forças políticas (Helena Roseta, por exemplo).
    O anónimo das 02:37 - que, a propósito, não percebe que uma piada demasiado repetida perde o efeito e a graça -, se for honesto e coerente com o que afirma, deve então concluir que é, de facto, uma honra para a CDU. E é.

    ResponderEliminar
  21. São tão fraquinhos. O dinossauro diz que conta com todos para se fazer aos que não o apoiam quer no PC quer na esquerda em geral pois consideram a sua candidatura oportunista e ele um carreirista de primeira. Mas para ele todos significa o que? Já está a por de parte uma parte ao atacar a candidatura do BE com a teoria gasta do voto util. Então e para a AR porque não desiste a favor do PS? Na entrevista a rádio além de ser oportunista ao colocar o problema da agua já no fim sem direito ao contraditorio, insinuou que o BE era a favor do referendo e não a favor da agua como bem publico e perante uma candidata que não é aderente do BE, num processo de baixa politica a boa maneira stalinista. Isto diz bem do seu perfil, não esqueceu a cartilha ortodoxa, e é troca tintas pois diz que conta com todos mas ataca de uma forma mesquinha e sem consistencia o partido que mais tem pugnado pela unidade de esquerda.
    O BE é claro no seu programa a agua é um bem publico e deve estar sob o seu control. O referendo apenas é defendido nos casos em que tenha sido privatizado ou tenha sido a sua exploração concessionada. Não fez nada no outro tacho e agora vem provar este. Preocupe-se mas é com os seus adversários internos que dizem a boca cheia que é um oportunista.
    Os eborenses devem votar BE, isso sim faz toda a diferença

    ResponderEliminar
  22. Disparates. A água não é só um bem público, deve ser um direito fundamental (o seu acesso). Como tal não referendável, seja qual for a circunstância. Até porque se referenda quando foi privatizada ou concessionada (presumo que para revertê-lo), com que argumento - formal, legal, moral - se recusaria o seu referendo quando se pretende privatizá-la?
    Pinto de Sá não insinuou nada. O anónimo que ouça a entrevista. Marcou foi muito bem as distâncias em relação ao Bloco. A água não se referenda, nem para privatizar nem para recuperar o controlo público. A água tem que ser pública, a água não se privatiza, a água não se referenda. Ponto final.

    ResponderEliminar
  23. PCP: Festas e bolos já não enganam tolos

    ResponderEliminar
  24. A Direção de campanha da CDU são mesmo uns totós fazer uma iniciativa, como a festa comício, a 2 dias do final da campanha, com a mobilização que conseguem é um suicídio. O Melgão agradece.

    ResponderEliminar
  25. Os secretários socialistas andam nervosos. Porque será? Lá se vão as dezenas de assessorias.
    E os secretários bloquistas, embora em menor numero, lá continuam no seu papel. Sempre souberam que não qualquer hipótese de eleger um vereador e que a sua única esperança é impedir o Pinto de Sá de ser eleito Presidente da Câmara. Já o tentaram na secretaria, agora apostam tudo na eleição. Se conseguirem os seus intentos (espero que não) vamos aguardar pelas consequências do frete. Como todos sabemos, não há almoços grátis...

    ResponderEliminar
  26. A Inspeção Geral de Finanças, o Tribunal de contas... o IEFP não o fará porque os ps que por lá andam encobrem a situação... deveriam auditar as contas da Junta de Freguesia dos Canaviais para constatar que a "obra" do silvino está pejada de ilegalidades. A título de exemplo foram várias as desgraçadas das trabalhadoras que em estágios profissionais nunca receberam a comparticipação que lhes era devida pela junta de freguesia nunca inacreditável ilegalidade que nunca ninguém assumiu, e quanto às obras....e à APPACDM...

    ResponderEliminar
  27. Em matéria de ilegalidades o que seria interessante era que a Junta da Malagueira e o Serra divulgassem antes das eleições os resultados da auditoria a que foram sujeitos, sobre desvios de fundos da Junta.

    ResponderEliminar
  28. Já só faltam dois!
    A partir de Domingo à noite vai-se respirar melhor nesta cidade.

    E a partir de Segunda vai ser tempo de trabalho para sairmos dos buraco onde estamos. Trabalho onde TODOS são necessários e muito úteis.
    Tornar a actividade da câmara transparente e tornar a decisão aberta à participação de TODOS é tarefa prioritária, a par das medidas urgentes para estancar a falência.

    A partir da próxima semana a esperença vai regressar a Évora.

    ResponderEliminar
  29. Declaração para a Acta da Reunião Pública da Câmara Municipal de Évora de 23 de Setembro de 2013
    Nesta reunião pública de câmara, última do actual mandato e última em que participarei enquanto vereadora, gostava de deixar algumas palavras.
    Ao longo destes oito anos, correspondentes a dois mandatos (2005-2009 e 2009-2013), procurei sempre orientar as minhas decisões de acordo com o que julgo ser o interesse público, e não em função de quaisquer outros interesses fossem eles de âmbito pessoal ou político/partidário. Procurei sempre pautar a minha actuação, enquanto vereadora, por elevados padrões de exigência comigo própria, quer do ponto de vista político, quer do ponto de vista pessoal, acreditando que só dessa forma estaria a cumprir o compromisso que assumi com os eleitores. Todas as posições por mim assumidas ao longo destes oito anos resultaram da minha avaliação, em cada momento, de qual o melhor interesse para Évora e para os eborenses, tentando sempre actuar com o maior conhecimento possível das matérias, com ponderação e bom senso, tentando cumprir com isenção as minhas funções.
    Foi sem dúvida um privilégio poder servir a minha Cidade e influenciar, tanto quanto é possível a um vereador na oposição, as decisões tomadas nesta Câmara de acordo com os princípios e ideais em que acredito e que defendo, e que são os mesmos que há oito anos, saindo até reforçados depois desta experiência, nova e enriquecedora. Penso poder dizer, apesar de juiz em causa própria, que contribui para uma maior exigência das tomadas de decisão no exercício dos dois mandatos, procurando sempre fazer uma oposição construtiva, responsável e pró-activa. Quero salientar que sempre recebi da parte dos serviços municipais e dos eleitos com responsabilidades executivas, toda a colaboração que solicitei. Não houve nenhuma informação, nenhum dossier, que tenha pedido e que não me tenha sido fornecido sem qualquer restrição, o que muito me ajudou no meu trabalho de preparação das reuniões e análise das matérias.
    A Câmara Municipal de Évora, diz-me muito, é como uma casa, é a “minha” casa. Conheço-a desde Janeiro de 1983, quando aqui entrei pela primeira vez como funcionária, e onde me mantive em funções até Janeiro de 2000. Aqui cresci, aqui muito aprendi, aqui vivi e convivi durante 16 anos, por isso muitos dos funcionários, meus colegas, me conhecem desde esses tempos. Voltei em 2005, para exercer funções não como funcionária mas como autarca, tenho por isso este privilégio, talvez único, de conhecer esta “casa” nestas diferentes perspectivas.
    Aos funcionários da Câmara deixo uma palavra de apreço, realçando o respeito, a dedicação e o profissionalismo que sempre senti da sua parte, embora nalguns momentos a par e passo com alguma desmotivação. A todos cumprimento, deixando uma palavra de encorajamento para que nunca desistam de lutar pelos seus direitos, pelos seus interesses, pelos seus ideais, pelo seu trabalho. Muitas vezes me empenhei nesta câmara nessa luta, da qual nunca desisti, apesar de muitas vezes derrotada pela maioria. Uma palavra de agradecimento e especial reconhecimento ao profissionalismo e dedicação dos funcionários com quem mais de perto me relacionei no dia a dia: D. Custódia, Drª. Elizabete, Dr. Pé-leve e Drª. Rosário, dos quais sempre recebi todo o apoio e colaboração.

    ResponderEliminar
  30. (continuação)

    Aos meus colegas eleitos, gostaria de dizer que, apesar de com ideias diferentes, com discussões mais ou menos acesas, acredito que procurámos cada um à sua maneira, e de acordo com as suas próprias convicções, defender os interesses dos nossos munícipes. Por isso expresso aqui o meu cumprimento ao Sr. Presidente e à Srª. Vereadora Cláudia Sousa Pereira, formulando votos de um bom trabalho para as funções que lhes venham a ser delegadas pelos eleitores, no próximo mandato a que agora se candidatam.
    Para os meus colegas vereadores que como eu brevemente terminarão as suas funções de eleitos nesta câmara municipal, Vereador João Brigola, Vereador António Dieb e Vereador Joaquim Soares, desejo os maiores êxitos pessoais e profissionais.
    Independentemente de todas e quaisquer divergências políticas, fica registado o testemunho da minha elevada estima e consideração pessoal por todos vós.
    Chego ao fim deste ciclo de cabeça erguida e com a certeza do dever cumprido. Não sinto este fim de mandato como um fechar da porta, até porque não resulta de falta de vontade ou disponibilidade para continuar a trabalhar e poder servir a Cidade, pelo contrário!
    Por isso, vou continuar onde sempre estive, aqui, interessada, disponível e atenta, na luta pela defesa dos interesses da minha cidade e das suas gentes.
    Évora é a cidade que me viu nascer e crescer.
    Esta é e será sempre a minha cidade, e lutarei sempre, como até aqui, pelos interesses da minha terra.

    Jesuina Pedreira - Vereadora eleita pela CDU


    Elogia a transparência e informação que lhe foi disponibilizada.
    Cumprimenta toda a gente excepto o Dr. Eduardo Luciano.
    Afirma que a sua saída não se deve a falta de disponibilidade.

    É favor retirar as conclusões.

    ResponderEliminar
  31. É curiosa a tentativa de manipulação informativa por parte do PS e alguns dos seus oportunistas! Ao verem o fim de 12 anos na Câmara ainda não perceberam que a mentira tem a perna curta...

    ResponderEliminar
  32. @01:12 A Fernanda Lapa, julgo que tomava na Universidade de Évora, onde dirigiu até não há muito o departamento de Artes. O Siza "fez" (projectou) a Malagueira, bairro internacionalmente reconhecido, onde passeio eu antes do almoço. Apoios que têm muito a ver com Évora e que, naturalmente, prestigiam a candidatura da CDU.

    ResponderEliminar
  33. No Mais Évora, três melhores fotografias do público na festa da CDU ontem à noite, onde interveio Carlos Pinto de Sá, portador de uma nova esperança colectiva para o nosso concelho.

    ResponderEliminar
  34. Pois claro que a vereadora Jesuína se despediu de todos os que não vão voltar para a próxima reunião de Câmara porque não serão eleitos. Ia despedir-se do vereador Eduardo que vai lá estar daqui a 15 dias a que propósito ? Ele vai ser eleito no próximo domingo e desta vez com a maioria dos votos .
    ahahaha o PS está de cabeça perdida e já não sabe para onde se virar.
    Oh bilhantina, oh condutor do segway ,oh boys do PS ,comecem a procurar emprego que é coisa que nem desconfiam o que é. Estão a ver a vidinha a andar para trás? Paciência . Só desejo que fiquem numa situação em que precisem de uma casa da Habévora para provarem como os moradores mais desfavorecidos têm sido espezinhados pela Habévora, presidida por Melgão. Fora ! Já bastam 12 anos de insensibilidade social, de perda de emprego, de estagnação !Évora e os eborenses merecem melhor. Dia 29 o voto que conta para a mudança é na CDU !

    ResponderEliminar
  35. O BE em Évora deu um tiro no pé. Eles sabem que não contam com o PS nem com o PSD para fazer alianças. As suas posições aproximam-se mais da CDU do que das outras forças partidárias. Que sentido fez impugnarem por 3 vezes a candidatura do seu potencial aliado? E porque sentiu Maria Helena a necessidade de escrever um artigo a justificar a impugnação? A arrogância, que já conhecíamos no Bento Anastácio, está a contagiar o BE. Veremos durante quanto tempo é que o BE aguenta Bento Anastácio e se o eleitorado se dispõe a votar numa lista onde o Anastácio aparece em 2º lugar...

    ResponderEliminar
  36. A partir de Segunda-feira há muito trabalho para fazer e TODOS não somos muitos para tirar Évora do pântano para onde foi arrastado por este PS/Évora.

    Trabalho na Câmara, trabalho na Assembleia Municipal, trabalho com os agentes económicos, sociais e culturais, trabalho nos bairros e nas povoações rurais junto das populações.

    É preciso que participem o maior número de pessoas e associações.
    É preciso ouvir TODOS, aproveitar a participação e as ideias de TODOS, independentemente da origem, desde que vão no sentido de desenvolvimento de Évora e da defessa do interesse público.

    A partir de segunda feira ÉVORA VAI MUDAR!
    A partir de segunda feira ÉVORA VAI DEIXAR DE ANDAR PARA TRÁS!
    Com a PARTICIPAÇÃO de TODOS!

    ResponderEliminar
  37. Em 12 anos o PS conseguiu que ÉVORA parasse.
    Évora deixou de crescer e perdeu 1800 postos de trabalho em 10 anos.
    A câmara está falida e a factura foi remetida pelo PS aos eborenses, que vão pagar o desastre durante os próximo 20 anos em impostos e taxas no MÁXIMO.

    Se alguém detectar algum movimento em Évora, é porque já começou A ANDAR PARA TRÁS!
    Dia 29 vamos mudar o Rumo de Évora, por isto assim não pode ser.
    ÉVORA não pode continuar A ANDAR PARA TRÁS!

    ResponderEliminar
  38. O dinossauro insinuou e mentiu. Para o Bloco de Esquerda a água é um bem público. Deve ser gerida pelo estado. O referendo é um dos métodos possíveis (entre outros) de serem usados em democracia para fazer valer os interesses coletivos quando os mesmos tenham sido postos em prática. A posição do BE será sempre contra a privatização da água.
    Por isso o dinossauro mentiu e insinou a boa maneira stalinista.
    Depois ontem a noite voltou ao ataque com o "voto inútil". Porque não defende o mesmo a nível nacional.
    Diz que quer todos mas a partida já está a excluir. Se isto não é enganar o povo então o que é?
    Logo após esta intervenção descabida era ver gente de todos os quadrantes (incluindo muitos Pcs), a dizerem que tinha dado um tiro no pé. Um distinto membro da comissão de honra comentava "estamos feitos".
    É necessário votar BE para construir alternativa ao marasmo a que temos sido conduzidos, por gente que se arvora em detentora de toda a verdade ou de gente que não tem verdade nenhuma. É só ver como as posições são coincidentes coim o que escreve hoje o maçon no DS. Só que este é mais refinado mete no embrulho o PSD. Ambos contudo se tem servido deste para as suas politicas que deram no desastre que deram. A esquerda não merece gente desta.
    VIVA A RONDA que foi o melhor que se aproveitou

    ResponderEliminar
  39. Dido
    "postos em causa" no artigo anterior.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.