sábado, 21 de setembro de 2013

Évora: 5º dia de Campanha Eleitoral (pelos olhos da LUSA)


Candidato PSD/CDS-PP em Évora define como prioridade recuperar salão central

O cabeça-de-lista da coligação PSD/CDS-PP à Câmara de Évora, Paulo Jaleco, defendeu hoje a recuperação do antigo salão central eborense, fechado há vários anos e em estado de degradação, para “devolver” cinema à população.
“É inconcebível que aquele edifício esteja como está há tantos anos. Perdemos o cinema há já uma data de anos e nem nessa altura olharam para o salão central”, criticou o candidato, em declarações à agência Lusa.
Paulo Jaleco assinalou que a recuperação do salão central eborense “é uma prioridade, mas é mesmo uma prioridade” da sua candidatura, propondo que se torne na sala de cinema que a cidade perdeu, mas também “adaptado para receber outros eventos”.
“Tenho amigos espalhados pelo país inteiro e quando lhes digo que Évora não tem cinema eles não acreditam. Pensam que estou a brincar”, disse.
O candidato da coligação “Évora Primeiro” percorreu esta manhã algumas das principais praças e ruas do centro histórico da cidade, acompanhado por dezenas de apoiantes.
Na comitiva seguia também um grupo de elementos da JSD, que gritava frases como “Jaleco amigo, Évora está contigo” e “Jaleco vai em frente, tens aqui a tua gente”.
“Sou amigo do dr. Paulo Jaleco, mas eu voto sempre à esquerda”, confessou um popular, ao que o candidato respondeu: “Eu sei que desta vez se desvia um bocadinho”.
Mas houve outros que manifestaram apoio ao candidato da coligação PSD/CDS-PP, tendo uma pessoa afirmado que espera que “seja agora que um faça as coisas bem feitas”.
“Esperamos que seja a vontade de muita gente”, comentou Paulo Jaleco. (LUSA)


Candidata do BE a Évora contra "bipolarização" entre PS e CDU

A candidata do BE à Câmara de Évora, Maria Helena Figueiredo, mostrou-se hoje contra "a bipolarização" entre PS e CDU no concelho, considerando que "basta" um vereador bloquista para que haja "uma alteração nas políticas".
"Neste momento, procura-se bipolarizar esta eleição e o futuro da câmara entre a CDU e o PS", criticou a cabeça-de-lista do Bloco de Esquerda (BE), observando que o município está a ser gerido pelo PS, minoritário, com o "apoio" do PSD, enquanto, no passado, foi liderado pela CDU.
Apelando ao voto na sua candidatura, Maria Helena Figueiredo considerou que "basta um vereador do BE para que haja uma alteração significativa nas políticas e na postura da câmara face ao governo da cidade".
Tal como os candidatos da CDU, com os quais se cruzou, e do PS, também a comitiva bloquista escolheu a manhã de hoje para fazer campanha nos dois mercados da cidade, distribuindo panfletos entre vendedores, hortelões e clientes
"Cliente habitual" dos mercados, onde faz compras, Maria Helena Figueiredo "envergou hoje o fato" de candidata autárquica para apelar ao voto no BE, sendo reconhecida por muitos dos vendedores e demonstrou saber dos seus problemas.
"Estas são as melhores azeitonas do mundo", garantiu a candidata, apontando para o pote de um dos hortelões, enquanto uma vendedora lhe dizia que "as mulheres a mandar, mandam melhor do que os homens".
Defendendo a "proliferação" de mercados no concelho, a candidata considerou que "são essenciais para animar o pequeno comércio nos bairros e no centro histórico". (LUSA)


Candidato PS a Évora promete dar dinâmica ao mercado municipal

O candidato do PS à Câmara de Évora, Manuel Melgão, prometeu hoje reunir com os operadores do mercado da cidade para ouvir as suas preocupações e criar uma dinâmica que “contrarie os efeitos da crise”.
“Temos ouvido algumas preocupações. No início do próximo mandato, queremos conversar com os operadores para perceber qual a estratégia para podermos criar uma dinâmica que contrarie os efeitos da crise”, afirmou.
Realçando que “é um mercado que reflete o momento económico” do país e que “o comércio em geral está comprometido por força desta crise enorme”, Manuel Melgão prometeu que lhe dará “mais atenção” para o “manter vivo”.
O candidato socialista mostrou-se ainda “confiante” numa vitória nas eleições autárquicas do próximo dia 29 e reconheceu que gostaria de “ter uma maioria absoluta”, ressalvando, no entanto, que aceitará “o veredicto popular”.
Manuel Melgão falava à agência Lusa durante uma ação de campanha no mercado 1.º de Maio, no centro histórico de Évora, em que participaram algumas dezenas de apoiantes, entre os quais o eurodeputado socialista e cabeça-de-lista à Assembleia Municipal local, Luís Capoulas Santos.
“Temos de fazer o que pudermos para ver se isto não anda para trás”, disse Capoulas Santos a um operador do mercado, acrescentando, logo de seguida, que Manuel Melgão “vai continuar a ser o presidente da câmara”.
Perante um eleitor que se manifestou “apartidário”, o também dirigente socialista pediu-lhe para que lesse o jornal de campanha dos socialistas.
“Um jornal ajuda a decidir e eu tenho a certeza que vai decidir bem”, afirmou. (LUSA)


Candidato CDU incentivado a "avançar" nos mercados de Évora

O candidato da CDU à Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, dedicou a manhã de hoje aos dois mercados da cidade, onde foi incentivado por hortelões, vendedores e clientes a "avançar", porque o concelho "tem de mudar".
"Você é que vai ser o próximo presidente da câmara?", questionou um hortelão, enquanto vendia hortaliça e fruta, dando de imediato a resposta: "Esperamos que sim".
Carlos Pinto de Sá, que quer destronar o PS do município, percorreu demoradamente os mercados do Bacêlo e 1.º de Maio, ouviu queixas contra a gestão socialista da câmara e concluiu: "Sentimos que as pessoas querem mudar".
O mercado 1.º de Maio, localizado no centro histórico, foi o "palco" escolhido por três das quatro candidaturas à câmara para andarem em campanha eleitoral hoje de manhã, tendo a comitiva da CDU se cruzado com os candidatos socialista, Manuel Melgão, e do BE, Maria Helena Figueiredo.
Após ouvir as queixas, Carlos Pinto de Sá comprometeu-se, no caso de ser eleito presidente da câmara, a reunir com os hortelões e vendedores para "encontrar uma solução em conjunto" para os problemas, incluindo a possibilidade de voltar a juntar os dois mercados para Évora "ter um grande mercado, que possa atrair mais gente".
Depois de receber apoio de hortelões e clientes, o cabeça-de-lista da CDU mostrou-se satisfeito com o andamento da campanha.
"Estamos convencidos que no dia 29 vamos ter um bom resultado e esse bom resultado é ganhar o município para transformar, para mudar. É esse o sentimento generalizado que as pessoas têm e nos transmitem", disse, defendendo que "já chega de 12 anos de estagnação, já chega de 12 anos em que Évora regrediu em vez de avançar". (LUSA)

11 comentários:

  1. Estalinistas recauchutados.

    Carcaças, funcionários do partido ou da CGTP.

    Nada de novo.

    ResponderEliminar

  2. Manuel Melgão, tal como Pinto de Sá, promete reunir com as pessoas do mercado para encontrar soluções melhores. Um está na Câmara de Évora há 8 anos, outro tem estado em Montemor e quer agora mudar-se para cá mas até parece que estão os dois em igualdade de circunstâncias. Terá o Manel tido falta de tempo nos últimos 8 anos?

    ResponderEliminar
  3. Pelos vistos só a candidata do BE é que é reconhecida pelos vendedores conhece os problemas e não vai aos mercados só na campanha eleitoral. Os outros só põem lá os pés de 4 em 4 anos.


    ResponderEliminar
  4. Os vendedores conhecem a candidata, mas isso não significa que considerem que é a melhor para um cargo na câmara, pois não.

    Ou agora, a decisão sobre o voto é feita em função de conhecimentos e amiguismos?

    ResponderEliminar
  5. Só quando votam no Pinto de Sá ou no Melgão é que sabem o querem. se votarem na Maria helena é amiguismo.
    Os vendedores conhecem a candidata do BE e ela conhece os problemas deles. Não é como os outros. Um nem sabe quem eles são o outro ninguém o vê na rua.

    ResponderEliminar
  6. O que é caricato é o candidato Melgão que está na Câmara como vereador há 8 anos só agora se disponibilizar para ouvir os vendedores do mercado ! Qualquer jornalista pode, se quiser contribuir para este debate de forma séria e à margem do pasquim Diário do do Sul, ouvir os vendedores. Oiçam o que eles dizem sobre o sistema AVAC, oiçam como os produtos se degradam devido às elevadas temperaturas, oiçam o desencanto por se sentirem isolados , com baixas vendas e por ainda terem que levar para casa as tendas com que se abrigam. Acham que este problema é de ontem, dia 21 de Setembro?
    Os vendedores do mercado esperam e desesperam há anos por uma solução e há 4 anos Manuel Melgão deve ter ouvido as mesmas queixas quando lá foi em campanha. Fez alguma coisa? A resposta já a conhecemos: Não! Então deixe trabalhar os outros. Já basta de 8 anos a receber o bem bom do ordenado e das mordomias sem fazer o que quer que seja. Até como vereador pelo pelouro da limpeza pública ele foi uma nódoa e agora desculpa-se com o Inverno rigoroso? Isto daria uma excelente anedota de alentejanos. O responsável pela sujidade em que os eborenses são obrigados a viver há pelo menos 8 anos diz que a cidade foi lavada duas vezes ( as principais artérias do centro histórico porque o resto é paisagem...) Duas vezes em 8 anos? É que ele é vereador há 8 anos ! Pode ser presidente há 4 meses mas sempre foi o responsável pela limpeza ! E as sarjetas que estão atulhadas? E os contentores que tresandam? E as ervas do tamanho de mato? E o lixo preso nas ervas? E as papeleiras atulhadas de lixo? E as casas de banho públicas que são lavadas sem detergentes? Já chega ! Vão para casa, regressem aos vossos empregos e deixem trabalhar quem tem vontade !

    ResponderEliminar
  7. Sobre a candidata do Berloque de Esquerda ser reconhecida no mercado há um dito na minha aldeia que é assim : fulano é muito conhecido lá na sua rua...
    Ora façam-me o favor. Todos os candidatos são reconhecidos nas zonas que frequentam ou onde trabalham. Alguns são conhecidos pelas piores razões, nomeadamente o candidato/presidente que ao longo dos últimos anos desconsiderou os trabalhadores da Câmara, tal como os seus assessores , nomeadamente aquele pequenino do fato azul, . Melgão nunca se apresentou aos funcionários enquanto presidente, esta gente nunca cumprimenta os funcionários a quem apelidam de esquerdalha e comunalha, como já aqui se leu em comentários anteriores, alguns foram confinados a um canto e não lhes dão trabalho devido à sua orientação ideológica. Alguém fala disto nos blogues ou jornais? Assim vai a democracia naquela câmara. Parece que trabalhamos num sítio que voltou ao período do salazar . Também era interessante que algum jornalista ouvisse os trabalhadores operacionais da Câmara para verem em que condições trabalham.

    ResponderEliminar
  8. Na foto do Ps podemos ver a conjugação da vereadora da anti-cultura a maçonaria e ex recluso por tráfico de droga.
    Pode ir para os tesourinhos deprimentes destas autarquicas

    ResponderEliminar
  9. Os camaradas do PCP estão tristes, ninguém conhece o candidato! Ele que é um quase eborense de gema!

    ResponderEliminar
  10. @21:50
    Tens toda a razão. Andam tristíssimos com a hipótese, cada vez mais provável, de recuperarem a liderança da autarquia.
    Aliás, a tristeza nota-se nas fotos e nos comentários que fazem nas suas páginas do facebook.
    Já os do PS não. Parecem tão felizes como as pessoas que se veem num velório.

    ResponderEliminar
  11. O que os socialistas não aguentam é perceber que até um forasteiro, como eles fazem questão de dizer de Pinto de Sá que aqui estudou e cuja família aqui sempre residiu, é mais conhecido do que o vereador/vice-presidente/presidente/candidato Melgão que nasceu e viveu a meio caminho entre Évora e Montemor . O Melgão é eborense ? E viveu sempre em Évora ou só se mudou para cá há uns anos? Revejam bem a biografia do homem para não andarem a dizer que o homem é eborense. O Capoulas também é eborense? Não me parece...Então porque não vai trabalhar para as populações de Montemor? O Serrano também é daqui ? Mau ! Querem ver que nenhum dos homens do PS , supostos candidatos , é de Évora ?
    Por onde Pinto de Sá passa é reconhecido pelo trabalho e pelas provas dadas. Seja em Évora, seja nas freguesias rurais.
    Quanto ao Melgão, duvido que alguém o conheça creio mesmo que até os funcionários da Câmara não o conhecem tal é a necessidade que o PS tem de o esconder num gabinete ou numa molhada de gente, que é chamada à pressa, de todos os lados, para ele passar despercebido nas escassas saídas que faz pelas ruas da cidade.
    Já a CDU faz campanha nas freguesias, com os candidatos à freguesia, porta a porta ouvindo as pessoas. No PS o grupo é sempre o mesmo independentemente da freguesia e dos candidatos locais (confirmem as fotografias). É a modos que um grupo de serviço para proteger as costas a um candidato muito fraco e que sabe o que o espera se se atrever a chegar ao pé das pessoas. Ao invés de falarem com as pessoas, vão a uma escola vazia, ao final do dia ( Canaviais), fecham-se num polidesportivo no Bacelo para que apenas 30 pessoas encham o recinto ( parece que já não contam com os indianos) e vão para as freguesias rurais PS onde os caciques locais controlam meia dúzia de pessoas. Mas arrasaram ? Sim, arrasaram com a cidade de Évora !

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.