quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Évora: 10º dia de Campanha Eleitoral (pelos olhos da LUSA)


Candidata BE em Évora "estranha" apelo da CDU contra voto no Bloco

A candidata do Bloco de Esquerda (BE) à Câmara de Évora, Maria Helena Figueiredo, considerou hoje “estranho” que a CDU apele “a que não se vote no BE”, em vez de “se preocupar a fazer oposição” ao PS.
“Estranho muito que o candidato da CDU, em vez de se preocupar a fazer oposição a quem está na câmara, acabe por apelar a que não se vote no Bloco de Esquerda”, afirmou Maria Helena Figueiredo, em declarações à agência Lusa.
A cabeça-de-lista do BE reagia ao apelo ao voto lançado pelo candidato da CDU à Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, num comício, na quarta-feira à noite, em que afirmou que o voto no Bloco de Esquerda era “um voto perdido”.
À margem de ação de campanha à porta de uma fábrica de Évora, Maria Helena Figueiredo referiu que “o candidato Pinto de Sá tem vindo a dizer que ganha a câmara” e que muitas pessoas comentam o que “acontece se a CDU não ganhar”, nomeadamente se “o candidato Pinto de Sá fica como vereador ou se não aceita esse cargo”.
“É uma questão que deveria preocupar mais a CDU do que propriamente os votos que os eleitos e a confiança que vão depositar na nossa candidatura”, disse.
A candidata bloquista assegurou que “qualquer que seja o figurino”, resultante das eleições de domingo, o Bloco de Esquerda estará “firme e disponível para, na câmara e fora da câmara, defender os interesses da cidade”.
Fazendo “um balanço muito positivo da campanha”, Maria Helena Figueiredo afirmou que espera “poder ter uma representação no órgão executivo municipal e reforçar a presença do BE ao nível das freguesias e da assembleia municipal”.
“Estamos convencidos que há condições para eleger um vereador e, desta forma, influenciar fortemente as políticas que o executivo apresente para termos uma câmara mais transparente, mais solidária e próxima das pessoas”, acrescentou. (LUSA)


Candidato do PS a Évora confiante na vitória e promete mais apoio social

O candidato do PS à Câmara de Évora, Manuel Melgão, mostrou-se hoje "confiante" na vitória nas eleições autárquicas de domingo, deixando na reta final da campanha a promessa de reforço do apoio social.
"As perspetivas são de otimismo, tendo em conta que a mensagem está a passar. Por isso, estou confiante num bom resultado para domingo", disse o cabeça-de-lista do PS, que espera continuar a presidir ao município.
Numa ação de campanha, hoje à tarde no Bairro da Senhora da Saúde, Manuel Melgão percorreu cafés, lojas e mercearias e até encontrou uma colega de escola.
"Eu já tenho 59 anos", desabafou a mulher, ao que Manuel Melgão respondeu, de sorriso nos lábios: "Eu sou ligeiramente mais novo".
Antes, numa tabacaria, o candidato socialista encontrou outro apoiante: "Vamos à luta. Já sabes, cá estaremos", prometeu o comerciante.
Acompanhado pelos candidatos à junta de freguesia, Manuel Melgão mantinha-se sempre à frente da comitiva, que distribuía folhetos e balões, verdes, vermelhos e azuis.
"Não há canetas, nem isqueiros, mas há balões", dizia um elemento da comitiva, enquanto levava a mão ao bolso.
À saída de um café, Manuel Melgão fez à agência Lusa um balanço positivo da campanha eleitoral, dizendo que a "mensagem" da candidatura do PS "tem estado a ser passada".
"A nossa mensagem está a passar bem. As pessoas têm tido uma boa recetividade. Sabemos que as pessoas estão um pouco descontentes, em geral, com a política. Não podemos esconder isso", observou o cabeça-de-lista do PS, notando uma "certa passividade" entre os eleitores.
Atendendo a que foram os problemas sociais a maior preocupação que encontrou na campanha, Manuel Melgão considerou que "a câmara municipal tem de continuar a ter uma grande preocupação social com os reformados, com os desempregados e com os mais vulneráveis".
"Temo-lo feito no passado e penso que estamos no bom caminho", disse. (LUSA)


Candidato PSD/CDS-PP a Évora espera votação "quase histórica"

O candidato do PSD/CDS-PP à Câmara de Évora, Paulo Jaleco, disse hoje esperar uma votação “quase histórica” nas autárquicas de domingo, considerando “alcançável” que a coligação aumente o número de eleitos no executivo municipal.
”Ninguém concorre a pensar que vai perder, por isso, um bom resultado seria ganhar a câmara. Mas, se aumentarmos a votação e o número de eleitos – o PSD neste momento tem um vereador - já é positivo. Acho que é alcançável”, disse.
Paulo Jaleco falava à agência Lusa à margem de uma ação de campanha, ao final da tarde, em algumas freguesias da cidade alentejana, com contactos com a população.
O cabeça-de-lista da coligação disse, em jeito de balanço, que pensava que “as possibilidades” eleitorais “seriam mais reduzidas”, no início, mas agora admite “todos os cenários”.
“Acho que temos conseguido, aos poucos, passar a nossa mensagem. Estou convicto de que podemos ter uma votação quase histórica”, afiançou.
Ainda assim, questionado pela Lusa sobre se, nas urnas, a candidatura não irá sentir os efeitos da atuação do Governo, Paulo Jaleco admitiu ser possível “alguma penalização”.
“Mas estas são eleições locais e o que está em análise é a forma como temos sido governados em Évora e qual a política regional que queremos para o concelho. Espero que seja isso que pese”, apelou.
Ao longo da campanha, o candidato disse ter sido confrontado com “o desânimo e desilusão das pessoas”, mas, lembrou, “toda a gente está descontente com a situação económica do país” e isso “não se deve só à política do atual Governo”, já que o anterior executivo do PS tem “grandes responsabilidades”.
“As pessoas estão, sobretudo, descontentes com o rumo que Évora levou e o que queremos é mudar este rumo. Não nos julguem pelo Governo, julguem-nos pelo que queremos fazer pelo concelho e por Évora, que queremos transformar numa cidade de excelência”, sublinhou. (LUSA)


Candidato da CDU em Évora diz-se convencido de grande vitória nas eleições

O candidato da CDU à Câmara de Évora manifestou-se hoje convencido de que vai conquistar o município ao PS, destacando que uma grande expressão de votos na sua candidatura “dá a garantia” de ser aplicado o seu programa.
Carlos Pinto de Sá traçou como objetivo “ganhar a câmara”, que está há 12 anos nas “mãos” dos socialistas, mas, sem falar em maioria absoluta, afirmou que “quanto maior for a votação na CDU, maior garantia existe” de ser aplicado o seu programa.
“Uma grande expressão de votos na CDU dá essa garantia e permite também outra coisa que é manifestar a vontade de mudança que se sente. Ela tem de ser traduzida em votos”, frisou o candidato comunista, no final de uma visita às piscinas municipais.
A um dia de terminar a campanha eleitoral, Carlos Pinto de Sá disse estar convencido de que “a CDU vai ter uma grande vitória no concelho de Évora” nas eleições autárquicas do próximo domingo.
Na visita às piscinas municipais, o candidato, que esteve acompanhado por alguns apoiantes, entre os quais o deputado do PCP João Oliveira, entregou panfletos e inteirou-se das condições de trabalho dos funcionários.
“Defendemos o emprego público, os postos de trabalho e os direitos dos trabalhadores para que se possam manter os serviços públicos prestados às populações”, vincou, referindo que “tem sido posto correr” que a CDU tinha a intenção de despedir trabalhadores, o que “é obviamente uma calúnia sem sentido”.
Já o PS, acusou, “tenta passar pelos intervalos da chuva”, mas “não está isento de culpas”, porque “tem a sua assinatura no memorando da ‘troika’, que prevê despedimentos de milhares de trabalhadores da função pública e também das autárquicas locais”. (LUSA)

19 comentários:

  1. A CDU tem dito que em Évora o numero de trabalhadores empregados caiu desde 2001.
    Conclusão da CDU: Resultado da incompetência de quem geriu a CME

    E em Montemor? será que subiu?
    Dados do INE (
    http://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_unid_territorial&menuBOUI=13707095&contexto=ut&selTab=tab3
    Variação populacional;
    2012_ Évora : -594; Montemor: -202
    2011_ Évora : -435; Montemor: -203
    Trabalhadores empregados
    2012_ Évora : ? ; Montemor: 2034
    2011_ Évora : 6705; Montemor: 2164

    Para se ser honesto há que comparar também com Montemor que foi gerida pelo candidato da CDU

    Conclusão da CDU?

    ResponderEliminar
  2. É tudo a mesma cagada. Trabalhador que vote neles está a abrir a sua própria cova. PS, PCP, PSD, BE são o problema. Gente séria punha-se à venda, a preço de saldo, dá cá o teu voto que eu te falo ao ouvido? Nojeira!

    ResponderEliminar
  3. Évora precisa de TODAS as boas ideias, independentemente da origem donde vieram.
    A próxima câmara terá de ter abertura e capacidade para trabalhar e apelar à PARTICIPAÇÃO de TODOS.
    Sem isso, Évora não sairá do pântano onde se encontra.

    Mas há por aqui muita gente que, parece, ainda não se apercebeu da gravidade da situação.

    ResponderEliminar
  4. O PInto Sá ainda não percebeuu isso. O seu ataque desastroso contra o Bloco de Esquerda foi uma resposta aos que no interior do seu partido o contestam e exigem mais sangue e dureza. Pobre diabo, depois de uma boa carreira em Montemor, agora entregue aos bichos.

    ResponderEliminar
  5. Pinto de Sá atacou foi a política socialista na Câmara de Évora.

    E nunca disse que a perda de postos de trabalho era da responsabilidade exclusiva ou principal da Câmara PS. O que diz é que, essa evolução negativa do emprego, desmente a história de sucesso, da captação de investimento e da promoção do desenvolvimento económico que o o PS anda, enganosamente, a vender.

    A realidade económica e social do concelho degradou-se muito. O PS não pode, sem se cobrir de ridículo, logo desmentido pelos números, afirmar o contrário, reclamar os méritos e gabar-se disso.

    ResponderEliminar
  6. Este Pinto Sá já devia ter metido a viola no saco e ir cantar para outra freguesia. Nem o PCP, mesmo sectário, merece isto. Se é tão bom economista os números de Montemor não mostram nada de bom.

    2001 2011 2012
    População 18.560 17.377 17.174
    Idosos por cada 100 jovens 203,4 236,9 241,2
    Pensionistas da Seg. Social e CGA em % da população - 48,5 49,3

    ResponderEliminar
  7. @22:57
    A situação da câmara é gravíssima, ao contrário do que os socialistas tentam fazer crer.
    Pinto de Sá parece ser a pessoa mais indicada para liderar uma equipa capaz de alterar o actual estado de coisas.
    Mas, para poder ter sucesso, terá de fazê-lo com TODOS e aproveitando TODAS as boas ideias, venham elas donde vierem.
    Ele tem afirmado isso em diversos momentos de campanha e, creio, ser homem de palavra.

    Por isso terá o meu voto.

    Se vencer, como espero, a partir de segunda-feira vou estar a atento às medidas e à forma de funcionamento.

    ResponderEliminar
  8. Até há poucos dias, os socialistas, diziam que Évora estava a caminho da EXCELÊNCIA.

    A EXCELÊNCIA terminou numa câmara falida e com a dívida atirada para as costas dos eborenses, obrigados a pagar durante 20 anos taxas e impostos no MÁXIMO.

    A EXCELÊNCIA revelou-se um descalabro tão grande que nem os serviços mínimos de higiene e limpeza conseguem assegurar.

    A EXCELÊNCIA anunciada em enormes parangonas, despida de fantasias e mentiras é afinal MEDIOCRIDADE da mais reles.

    Por isso Évora tem de aproveitar a oportunidade do próximo dia 29 para MUDAR e infringir uma grande derrota aos vendedores de banha da cobra instalados em gabinetes de excelência na Praça do Sertório.

    ResponderEliminar
  9. Estes gajos do bloco têm uma grande lata. Tentaram impedir, na secretaria, que o homem se candidatasse, e agora vêm, quais virgens ofendidas, reclamar porque ele apelou a que não votassem neles. A grande diferença é que enquanto o Pinto de Sá os tenta vencer nas eleições apelando ao voto do povo, os bloquistas tentaram afasta-lo da eleição impedindo que o povo fizesse uma escolha livre. Grandes democratas...

    ResponderEliminar
  10. Dia 29 mais uma grande vitória do PS em Évora, o que nem sequer é grande feito, mais já se tornou até monótono.
    ISTO DE GANHAR SEMPRE TAMBEM CHATEIA.

    ResponderEliminar
  11. @00:00
    Já agora, para desmascarar mais uma das habituais mentiras e mistificações do PS/ÉVORA, recordo-te que, desde 1976, houve 10 eleições autárquicas em Évora: o PS ganhou 5, e a CDU ganhou 7.

    Se isto significa que o PS ganhou SEMPRE, então está bem....

    Mas nunca te esqueças que PELA BOCA MORRE O PEIXE!
    E dia 29, estamos cá para ver.

    ResponderEliminar
  12. «houve 10 eleições autárquicas em Évora: o PS ganhou 3, e a CDU ganhou 7»
    Assim é que está certo.

    ResponderEliminar
  13. @00:07
    Tu também te precisas de lembrar que, para o jovens turcos, a história de Évora começou em 2001.
    Para esta gente, tão arrogante como ignorante, antes disso era a pré-história.

    E, como tentaram apagar o "antigamente" da história de Évora, foram incapazes de aprender com o que de bom foi feito e corrigir os erros de que não foi tão bem feito.

    Resultado: uma sucessão gigantesca de erros e asneiras, que terminaram na falência e que agora alguém terá de apanhar os cacos....
    Os eborenses vão já começar a sentir nos bolsos a partir do próximo ano e durante 20 anos... Pelo menos.



    , e Évora

    ResponderEliminar
  14. Esqueci-me doutra, mas cá vai.

    E os aldrabões que obrigaram, por via do PAEL, os munícipes e as EMPRESAS a pagar taxas e impostos municipais (IMI, IMT e DERRAMA) no valor máximo dizem que vão atrair empresas e investimentos.

    Se fosse verdade, seria um verdadeiro fenómeno mundial: as empresas deslocarem-se para os locais onde as taxas e impostos são mais altos.

    Mas, se o fenómeno não se verificar, o que é bem provável, vamos assistir a muitas empresas a fazer contas e a deslocar-se para outros concelhos com fiscalidade mais favorável.

    ResponderEliminar
  15. mas alguém acredita que o Pinto de Sá ganha as eleições.

    Quando se está na oposição, na iminência de uma vitória, são visíveis dinâmicas e adesões ao projeto que se vêm nas iniciativas que se levam a cabo.

    Foi assim quando o Zé Ernesto ganhou ao Abílio respirava-se o desejo de mudança em todas as iniciativas, era uma onda que começou a crescer e não mais parou.

    E hoje, independentemente da manifestação que os apoiantes da candidatura fazem nas redes sociais (particularmente no mais Évora e no acincotons) que é louvável e compreensível, na rua não se passa nada, dir-me-ão que na candidatura do Melgão é igual, admito que sim, com uma diferença o poio a quem está no poder é por norma menos expressivo e espelha-se no silêncio da câmara de voto.

    Admito que o Melgão possa não ganhar, mas no meu entender só um cataclismo lhe tirará a Cãmara isto porque apesar de alguma perda de votos pelo desgaste do exercício de funções, a transferência de votos do PSD (esse sim irá levar uma grande quebra)irá compensar esse desgaste, e digo isto porquê?

    O PSD nas últimas autárquicas subiu significativamente de votação, apresentou listas em todas as freguesias rurais.

    Hoje, apesar das freguesias de Évora terem sido reduzidas de 19 para 12, o PSD apresenta listas com 1 único, ou mesmo nenhum residente nessas freguesias (exemplos: - S. Sebastião da Giesteira e Boa-Fé, destas duas freguesias integraram a lista à quatro anos 28 elementos, hoje só a cabeça de lista é de S. S. da Giesteira, igualmente se passa na Vendinha e S. Manços, sendo que na Torre de Coelheiros nenhum elemento da lista é da Freguesia e para não me alongar não abordo as restantes, onde, com nuances a situação é em tudo semelhante).
    Estas dificuldades são bem reveladoras do que vai acontecer ao PSD no próximo Domingo.
    Portanto, não sendo expétavel que esse eleitorado se desloque para a CDU, é muito provável que o Melgão ganhe, podendo mesmo repetir-se o que aconteceu com a primeira vitória do Zé Ernesto, isto é o PSD não eleger vereador e o PS ganhar com maioria absoluta.

    Não se assustem foi só um exercício de imaginação de quem raramente se engana e nunca tem dúvidas,

    ResponderEliminar
  16. 00:26 O exercício é válido e pertinente. O risco de uma quebra grande do PSD com uma transferência preferencial de votos para o PS existe. Apesar de tudo, creio que já foi maior.
    A luta entre PS e CDU será renhida. Mas estou convencido que, desta vez, esta vai ganhar. A campanha do PS está desmoralizada, os seus apoiantes já começaram a interiorizar a derrota. Pode, é claro, haver surpresas. Mas, neste momento, o estado de espírito é este.
    Basta olhar para a forma como os meios da comunicação social nacional e os comentadores se referem à disputa eborense.

    ResponderEliminar
  17. @00:26
    «não sendo expétavel que esse eleitorado se desloque para a CDU...»

    Se eu fosse a ti não teria tanta certeza. Nestas eleições locais nem sempre funcionam a lógicas racionais e ideológicas. Pelo que vou ouvindo (embora fazendo o desconto do que se pode passar no silencio da urna de voto) muitos desses eleitores PSD poderão votar CDU.
    Mas, numa coisa concordo, é esse eleitorado flutuante que vai decidir quem será o próximo Presidente da Câmara.

    O meu pressentimento é que dificilmente a vitória escapará à CDU. E, por uma razão simples: nunca tínhamos assistido a uma tão grande degradação, desleixo e falta de limpeza da cidade. Pelo menos eu não me lembro e já vivo cá há mais de 30 anos.

    ResponderEliminar
  18. muitos desses eleitores PSD poderão votar CDU.
    Olhe que não o psd nunca geriu a autarquia,tem nestas eleições a grande oportunidade devido o falhanço da gestão comunista 20 e tal anos e da gestão socialista de 12 anos, tem ambos no o descalabro financeiro e urbano a que chegamos.
    Vai ser a grande surpresa por o que se houve nas ruas pelas pessoas.

    ResponderEliminar
  19. mas quem disse que os eleitores BE votariam CDU se este não existisse? um pouco arrogante não?

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.