terça-feira, 17 de setembro de 2013

Évora: 1º dia de Campanha Eleitoral (pelos olhos da LUSA)

da noite de ontem:


Seguro defende a escola pública em comício em Évora de apoio a Manuel Melgão

O secretário-geral do PS acusou na segunda-feira à noite o Governo de estar a fazer “o maior ataque à escola pública depois do 25 de Abril”, assinalando que “questões ideológicas” separam os socialistas dos partidos da coligação.
“Está a ser feito o maior ataque à escola pública depois do 25 de Abril”, afirmou António José Seguro, durante um discurso no comício de apoio à candidatura do socialista Manuel Melgão à Câmara de Évora, que decorreu no Teatro Garcia de Resende, naquela cidade.
O líder socialista deu como exemplos casos de “escolas com 180 crianças sem auxiliar de educação”, um agrupamento com “126 crianças com necessidades especial com apenas três professores” e “turmas com 30, 35 e mais alunos”.
“Encontramos alunos que frequentam vários anos, mas que estão na mesma turma, segundo dados revelados por responsáveis, cerca de 2.000 horários sem professores e escolas sem professores e professores sem escola para poderem continuarem a lecionar”, referiu.
Seguro realçou que cada professor despedido está a “somar-se ao quase um milhão de portugueses desempregados”, mas referiu que, com esse plano, o Governo está “sobretudo a retirar qualidade na escola pública”, o que “não afeta apenas o professor despedido”, mas sim “todos aqueles que estudam na escola pública”.
O secretário-geral do PS contou que uma professora lhe tinha perguntado hoje por que motivos “os partidos não se entendem sobre as questões da educação e porque é que se disputam”, dizendo que lhe respondeu que “esta é uma questão ideológica, não é uma questão partidária”.
“Há quem entenda que a escola deve reproduzir as desigualdades e que, por isso, as escolas devem escolher os seus alunos em função de critérios que apenas vêm reproduzir essas mesmas desigualdades”, afirmou.
O responsável contrapôs que os socialistas entendem que “a escola deve servir para combater essas desigualdades e que na escola pública têm direito todos os filhos, independentemente dos rendimentos que tenham os seus pais, do local de origem ou da terra onde vivam”.
“Não aceitamos uma escola para ricos e uma escola para pobres”, afirmou.
António José Seguro realçou ainda que o PS não aceita que se cortem mais nas pensões e nas reformas e que o Governo “faz mal” ao insistir nos cortes, porque “o que está a acontecer ao país é uma autêntica hemorragia”. (LUSA)

já hoje:



Candidato CDU a Évora alerta para agravamento da situação social

O candidato da CDU à Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, alertou hoje para o agravamento da situação social no concelho, devido à crise, e defendeu um papel mais proativo do município para minorar esses problemas.
“A situação social está em agravamento no concelho”, disse, realçando que a câmara não possui “competências nem condições para resolver os tremendos problemas causados pela crise”, mas tem “a obrigação de agir de forma mais proativa para os procurar minorar”.
Carlos Pinto de Sá falava à agência Lusa no primeiro dia de campanha eleitoral após uma reunião com a Associação de Reabilitação, Apoio e Solidariedade Social (ARASS), dos Canaviais, que presta apoio a 28 pessoas portadoras de deficiência.
Segundo o cabeça-de-lista da CDU, a associação “faz um trabalho excecional para proporcionar dignidade e melhor qualidade de vida” aos utentes, mas “não tem tido apoio do município”.
“A última ajuda foi em 2009 e só há poucos dias é que foi pago o que faltava”, criticou.
As dificuldades financeiras que “muitas pessoas atravessam, inclusive da classe média”, também foram lembradas pelo candidato: “Têm aumentado os pedidos de apoio e a procura de refeições gratuitas”.
Caso seja eleito, Carlos Pinto de Sá prometeu fazer da área social “uma prioridade”, tencionando “renovar a Rede Social do concelho” e “lançar um programa integrado de apoio social”.
A Rede Social, precisou, deve ser “redinamizada” para “potenciar o trabalho em rede e rentabilizar os recursos”.
Já o programa integrado, disse, pretende “apoiar investimentos das instituições sociais e humanitárias, para alargar a capacidade de resposta e criar novas valências, e apoiar, de forma direta, quem tem necessidade imediata de suprir dificuldades”. (LUSA)


Candidato PSD/CDS-PP a Évora quer maior aposta no desporto

O candidato do PSD/CDS-PP à Câmara de Évora, Paulo Jaleco, defendeu hoje maior aposta camarária na área do desporto, que permita rentabilizar as infraestruturas existentes e criar um equipamento municipal para a prática de várias modalidades.
“Évora está completamente desajustada quando falamos da prática do desporto e isto tem que se inverter”, disse o cabeça-de-lista da coligação.
Paulo Jaleco falava à agência Lusa, no primeiro dia da campanha eleitoral para as autárquicas, à margem de uma ação em S. Miguel de Machede, onde se dirigiu para “ouvir as preocupações” dos residentes.
Realçando ter estado ligado a várias modalidades desportivas no concelho, ao longo dos anos, como praticante ou dirigente, o candidato criticou a falta de atenção municipal a esta área.
“A possibilidade de os cidadãos poderem praticar desporto em Évora está um pouco hipotecada e as principais lacunas passam pela falta de infraestruturas”, afirmou.
Os “poucos” equipamentos existentes “pertencem aos clubes, a autarquia não tem infraestruturas adequadas de cariz municipal”, continuou, defendendo que os espaços já existentes “têm de ser valorizados”.
A par disso, é necessário criar uma infraestrutura municipal, “adequada à realidade do concelho”, que permita “o desporto espontâneo” e “a prática de várias modalidades”.
“É inconcebível que Évora, capital de distrito e que se quer afirmar como a principal cidade do sul do país, não tenha uma pista de atletismo”, exemplificou.
Para o cabeça-de-lista do PSD/CDS-PP, tem de haver “uma atitude de proximidade com os agentes desportivos” e deve ser criado “um plano estratégico para o desenvolvimento desportivo e social do concelho”.
“As associações desportivas, como clubes, associações e o desporto escolar, devem ser chamadas a participar e a colaborar nas políticas municipais para esta área”, sublinhou. (LUSA)


BE diz que um vereador em Évora traz “mais transparência”

A candidata do Bloco de Esquerda (BE) à Câmara de Évora, Maria Helena Figueiredo, considerou hoje que a eleição de um vereador bloquista para o executivo “é suficiente” para tornar a gestão do município “mais transparente”.
“O Bloco de Esquerda nunca esteve representado [na câmara] e dada a conjuntura também não é espetável que ganhe a presidência da câmara. Todavia, basta um vereador do BE para, pelo menos, uma coisa mudar, que é a falta de transparência da câmara”, afirmou.
Maria Helena Figueiredo realçou que um vereador do BE “é suficiente para que haja transparência” no município, frisando que “nada se passará na câmara que os cidadãos não saibam e não haverá negócios que os cidadãos não conheçam”.
“A nossa grande aposta é na transparência”, sublinhou, realçando que, se existir “uma gestão transparente” no município, “as coisas vão muito ao lugar”.
A candidata bloquista falava aos jornalistas durante uma arruada que passou pelas principais ruas do centro histórico de Évora.
Sem se intimidar no contacto com a população, Maria Helena Figueiredo e três dezenas de apoiantes entregaram panfletos da candidatura do BE a Évora e explicaram os seus argumentos aos eleitores.
“Queremos uma cidade melhor e um centro histórico com mais vida” foi uma das frases utilizadas pela candidata bloquista, já depois se ter cruzado com a comitiva da CDU e de ter cumprimentado o candidato comunista, Carlos Pinto de Sá. (LUSA)

19 comentários:

  1. Que eu saiba, e até prova em contrário cabe à Câmara Municipal de Évora, neste caso ao executivo de PS, dotar a escolas de pessoal não docente (auxiliares de ação educativa), bem como os docentes para as AEC's. Portanto é pura demagagia este discurso por parte do Líder do PS, que anda a confundir a campanha autárquica com a campanha para líder do seu próprio partido, e para um pseudo candidato a 1.º Ministro.
    Era bom que o Sr. Tozé Seguro tivesse vindo a Évora dizer aos Eborenses qual é o programa do PS para a gestão do Município, que devido a uma gestão desastrosa à semelhança da gestão que o PS fez na governação do País cujo resultado foi a Banca Rota!

    ResponderEliminar
  2. Que pobrezinho e cheio de lugares comuns o progarama da CDU. Mais um programa estratégico para a cultura? Vamos a ver se o Salão Central vai ser recuperado? Um parque para caravanas junto ao Centro Histórico? Este PC anda mesmo à deriva.

    ResponderEliminar
  3. Tem o disco rígido estragado e ficou sem memória RAM.

    ResponderEliminar
  4. Aos olhos dos eborenses (e não da Lusa), neste primeiro dia, a campanha da CDU teve mais dois registos notáveis.

    Uma grande arruada, ao final da tarde, no Centro Histórico, com muitas dezenas de participantes.

    Uma muito interessante Jam Session, na sede de campanha (Praça do Giraldo), que terminou há bocado.

    ResponderEliminar
  5. Dos eborenses duvido. Talvez de algumas dezenas de eborenses seja mais correcto. Mas, claro, na aflição dos últimos dias, cada voto conta e é importante. É como os alunos cábulas que não estudaram o suficiente e veêm que vão perder o ano por falta de aplicação. Assim parecem algumas forças políticas cá da praça. Benza-os deus. Agora é que andam ao tio-ó tio quando tiveram quatro anos para criar espaço e alianças e se assumirem como alternativa...

    ResponderEliminar
  6. Gostei de ver a humilhante receção ao grande líder socialista Tó Zé Seguro. Acompanhado do Bravo Nico- que recusou ser candidato à CME - chega num brutal Audi e tem o Melgão tímido e envergonhado, à espera.

    Gostei de ver a Évora "de excelência e que faz melhor" a não conseguir encher o Garcia de Resende.

    FAZER MELHOR (que pior é impossível) o GRANDE LEMA DE CAMPANHA DESTAS AUTÁRQUICAS

    ResponderEliminar
  7. E tu, mê magano, ainda estiveste lá a encher a sala que tão despovoada estava? De Audi? O Jerónimo vem de 4L. Era só o que faltava burguesias aqui na freguesia. Não me digas que te assentaste lá a fazer número para a SIC no almofadado do Garcia? Malvado, excomungado, talvez circuncizado, é o que és. Levas com dois credos ao Jerónimo, um pai nosso à Odete e uma avé maria ao Oliveira e vai em paz com o pai das pátrias pendurado na lapela. E a leitura de três avantes de fio a pavio, semana sim, semana não, que um homem (mesmo excomungado) não é de pau!

    ass)reverendo comissário do povo e arredores

    ResponderEliminar
  8. De audi?!! uma vergonha de facto.devia parecer as inquilinas da habevora arregimentadas pelo grande presidente comunista serra quando vão reclamar das rendas sociais.

    ResponderEliminar
  9. Melgão é Divida......Obra Zero.

    Apressadamente varre a Merda de 12 anos.

    ResponderEliminar
  10. Um cabeça de lista trauliteiro e arruaceiro candidato ps?

    No bacelo/Sr.da Saude

    ResponderEliminar
  11. É verdade o que se diz por aí no burgo que o actual presidente da Câmara e candidato às eleições tem recusado debates e que apenas aceitou participar num ? Isto é extremamente grave ! Isto significa que ou o candidato tem medo de prestar contas sobre os seus mandatos ou que não se sente preparado para debater ideias e propostas. Algo vai mal na candidatura do Eng Melgão. Diria mesmo, muito mal

    ResponderEliminar
  12. É verdade sim senhor. Não aceitou por exemplo o debate que o CEAI (Centro de Estudos da Avifauna Ibérica)queria promover sobre o ambiente.

    ResponderEliminar
  13. A campanha eleitoral para as eleições autárquicas começou ontem oficialmente, 3ª feira. Apenas duas forças políticas, numa atitude de respeito para com o eleitorado eborense, que deve ficar registada e ser convenientemente realçada, apresentaram o seu programa eleitoral para a autarquia.

    Essas forças foram o PSD/CDS e a CDU.

    Qualquer cidadão eleitor de Évora que queira conhecer a integralidade das propostas, basta aceder-lhe aos sites eleitorais oficiais ou então clicar nos links que foram publicamente disponibilizados pelos partidos.

    A apresentação e divulgação atempada do conjunto de propostas e não apenas a publicitação de orientações genéricas (frequentemente muito vagas) e de algumas medidas avulsas, marcou a diferença das campanhas do PSD/CDS e da CDU em relação às campanhas do PS e do BE.

    É natural que haja atrasos na impressão, tanto mais que as tipografias, nesta época aguda de solicitações eleitorais, estão assoberbadas de trabalho e incapazes de responder como se gostaria. Por exemplo, a CDU já fez saber que divulgará uma versão mais reduzida, mais resumida, mais popular, de leitura mais rápida e circulação mais ampla, em papel e não apenas digital, do seu programa. Outras forças talvez façam o mesmo.

    O que nenhuma pode desculpar-se é da não disponibilização on-line, por exemplo nos sites de campanha, nos blogs, nas redes sociais, como o facebook, por mail, visto que essa difusão é gratuita e automática.

    A campanha oficial começou, e prossegue, sem que alguns dos partidos concorrentes se disponham ou se dignem informar, em concreto, o que pretendem e o que propõem para o concelho.

    A diferença de atitude, de atenção, de respeito, de consideração, diria até que de apreço, pelos eleitores e a população ficou bem visível. Independentemente de considerações de conteúdo, certamente muito diferenciadas mas que aqui não estão em causa, cumpre dar os parabéns ao PSD/CDS e à CDU e um forte sinal de reprovação ao PS e BE.

    ResponderEliminar
  14. O PS encheu o Garcia num grande comicio, prenúncio da Grande vitória que Manuel Melgão irá ter no próximo dia 29. Onde estão os comicios, públicos dos outros candidatos?
    O Pinto de Sá, que não consegue, apoio da cidade de Évora bem poderias ir a Montemor, buscar uns camaradas para fazer alguma iniciativa pública que não o envergonhe. Ou será que os de Montemor estão tão fartos dele que nem por aí se safará?

    ResponderEliminar
  15. @11:06
    Deixa lá que a gente percebe as razões do teu nervosismo: a perpectiva, cada vez mais notória, da derrota PS no próximo dia 29.

    ResponderEliminar
  16. Vejam bem o que é o PS. O Cabeça de lista da CDU é recebido na ARASS pela atual companheira do ex-director da Segurança Social e atual presidente da ARASS (Drº José Oliveira). Não haveria mais nunguém da direção para receber os candidatos?

    ResponderEliminar
  17. Os candidatos na generalidade são fracos e sem carisma .Não sei se terão visão e estratégia para o futuro de Évora,muito em particular para evitar a morte do Centro Histórico,pelo que não vislumbro grandes melhorias no futuro da cidade,tanto mais que financeiramente é o que se sabe.Programas só conheço os do PSD e da CDU.Do PS e BE nada. Terão estado à espera do dos outros candidatos ,para se inspirarem?Apesar de tudo, pareceu-me melhor estruturado o do PSD.O da CDU custa a chegar ao fim.Espero que o do PS, ao propor-se fazer melhor que a anterior Câmara PS,proponha ,por exemplo,a requalificação da estrada de Almeirim,principal acesso da cidade à Embraer,obra que pela "elevada complexidade e custo"não conseguiu concretizar.Que triste imagem da cidade da excelência.E ainda que explique aos eborenses se pretende deixar cair a obra de construção do ramo nascente da variante,ou se quer de facto executá-la.Assim tudo ficaria mais claro e Évora melhor perceberia o slogan "Fazer melhor" .Finalmente vejam o que foi feito em cidades como Braga,Viana do Castelo,Viseu e até Beja para se inspirarem .Digo-vos que ,tal como muitos eborenses,tenho muitas dúvidas em quem votar .Ainda estou à espera de uma boa razão para o fazer.Tenhamos esperança....

    ResponderEliminar
  18. Mas alguém tem dúvidas quanto ao sentido de voto? O PS teve 12 anos para mostrar que compreendia Évora e o concelho, para fazer melhor do que a CDU, para conquistar a população, os agentes culturais, desportivos e económicos. Manuel Melgão, candidato da continuidade, da falência da Câmara e dos agentes culturais, da condenação da cidade ao marasmo e à falta de limpeza , nada mais tem a oferecer. Por outro lado, por muito simpática que pareça ser a alternativa do BE neste momento há que concentrar votos na única força que pode tirar o PS da Câmara . Essa força é a CDU ! Não há volta a dar. Dia 29 escolhemos se queremos continuar com o PS ( eu não quero) ou se votamos, mesmo que seja um voto útil, na força que os pode tirar de lá.
    Eu não tenho dúvidas. Perante a desgraça a que chegou a cidade eu vou votar em quem tire o PS da Câmara. Infelizmente não me basta que uma força eleja um vereador. Évora precisa que os vereadores do PS deixem de ter pelouros e que aqueles assessores saiam todos da câmara antes que a afundem mais. Dia 29 eu vou votar CDU .

    ResponderEliminar
  19. Diogo, cscscscscscsc. Ataca Diogo. Deita Diogo. Dá a pata Diogo. O Diogo é mau. Já pra casa. Ai.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.