sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Debate da ANTENA 1 sobre Évora: os dois candidatos que podem vencer têm poucas soluções novas para a cidade



Acabei de ouvir atentamente o debate sobre as autárquicas em Évora que foi transmitido na Antena 1. E, mais uma vez, não houve surpresas. Um debate destes, por norma, não é esclarecedor, mas o que ficámos a saber era o que já sabiamos: PS e PCP - os únicos candidatos com possibilidades de ganharem a câmara - poucas soluções novas têm para a cidade. Embora os dois candidatos tenham pouco brilho nos discursos a força argumentativa esteve do lado de Pinto Sá, ainda que Manuel Melgão (como seria normal) mostre um maior conhecimento dos projectos, da Câmara Municipal de Évora e da própria cidade. O número apresentado por Pinto Sá relativamente ao número de turistas na cidade de Évora prova esse desconhecimento. O ex-presidente da Câmara de Montemor esteve melhor quando falou do tema da água (que conhece bem) ou mesmo da serra de Monfurado. Mas não explicou como é que a Câmara pagaria as dívidas se não recorresse ao PAEL e foi demagógico quando apontou a perda de emprego nos últimos anos em Évora, como se isso tivesse sido uma responsabilidade da Câmara, esquecendo a crise geral (quanto emprego foi criado em Montemor nestes últimos anos?). Manuel Melgão defendeu-se bem quando questionado sobre as verbas da Acropole XXI disse que esse dinheiro tinha sido canalizado para outros projectos e não se perdeu, ou quando disse que se houve irregularidades nas obras de restauro da Fundação Eugénio de Almeida foi algo dirimido entre a Fundação e a Direcção Regional de Cultura. Mas, em muitas situações pareceu perdido, apresentando justificações frouxas como a da falta de limpeza da cidade devido à saída de trabalhadores.
Maria Helena Figueiredo não esteve mal nem bem, mostrando alguma falta de preparação em certas matérias - nomeadamente sobre as eventuais irregularidades nas obras do Palácio da Inquisição (uma coisa são acusações à mesa do café, outras num debate político), mas marcou pontos acerca da falta de planos para o Centro Histórico ou por ter levantado a questão da exploração mineira da Boa Fé.
Paulo Jaleco esteve ao nível de quem tem estado afastado de todas estas questões e delas apenas tem um conhecimento circunstancial.Não disse grandes asneiras, mas também pouco mais foi além do senso comum corrente. Se for eleito vereador não será dificil fazer o papel de charneira, votando com a força maioritária "para não inviabiizar o funcionamento da Câmara", como alegou, seguindo o exemplo de António Dieb.
Este debate, como se conclui, soube a pouco. Era bom que houvesse um novo debate que desse continuação a este e que abordasse os temas deixados em aberto. Depois de tantas palavras ficou por saber que projectos concretos cada candidatura tem para Évora; como é que se vão resolver o problema das dívidas a fornecedores (não integralmente pagas pelo PAEL); como vão resolver o problema da água e da dívida da água; o que se sabe do desfalque no sector de águas da Câmara; que projectos concretos para o Centro Histórico; que projectos âncora cada candidato tem na manga para apresentar ao eleitorado, seja nos planos cultural, social, económico, etc.
Mas, como parece que já não vão existir mais debates, cada qual fica com aquilo que lhe pareça mais útil de cada candidato...
(Já agora: as pequenas entrevistas publicadas pelo a 5 tons pareceram-me mais esclarecedoras do que o debate de hoje pelo que mostram dos candidatos).

luís bernardes
20 Setembro, 2013 17:55

63 comentários:

  1. Maria Helena Figueiredo ganhou claramente o debate. Mas de longe!

    ResponderEliminar
  2. Depois de ouvir o debate / autárquicas na Antena1, um pensamento central:
    Não às maiorias absolutas!

    Sublinho a importância de uma das ideias expostas pela Dr.ª M.H. Figueiredo, que em meu entender pode ser um argumento de peso para quem está indeciso, assim como para os insatisfeitos dos dois "partidos de maioria" e deseja ABERTURA do jogo político em Évora: votar no BE significa dar um passo importante para pôr fim ao regime das maiorias absolutas, num regime de "tudo sim" ou "tudo não".

    Acabar com as maiorias absolutas! Abrir espaços de debate, só se nenhum partido puder fazer, sozinho, o que lhe apraz. Independentemente dos programas, complexos e por vezes coincidentes, um facto estrutural decide de tudo: se algum partido tiver maioria absoluta, definha (ainda mais) o debate cidadão. JRdS

    ResponderEliminar
  3. Luis Bernardes, o Sr. não deve ter ouvido o mesmo debate que eu que também estive atento.
    Para além de mais situa-se na posição fácil de quem espera de um debate de rádio a resolução de todos os males de que Évora padece.
    Não é num debate de uma hora que os candidatos à Câmara hão-de revelar soluções novas e até agora nunca descobertas, retiradas de alguma cartola, para solucionar tudo de uma penada.
    Pinto de Sá defende que as soluções devem ser encontradas com todos, só o que lhe faltava era que as viesse ali apresentar, ainda antes de ser eleito, soluções novas. Estaria a ser demagógico. E por falar em demagogia, Sá não foi demagógico no assunto do desemprego,como o Luís Bernardes afirma. Aí, Melgão mostrou-se o menino marrão que tem as respostas todas bem estudadas, mas logo que surge uma questão não prevista, borra a escrita toda, neste caso contrariando-se a si próprio.
    Pinto de Sá brilhou sim, com mais brilho nos temas do PAEL e da Água.
    Também discordo do Luís Bernardes quanto a Maria Helena Figueiredo que teve uma prestação digna e muito acima do que o BE nos costuma oferecer.
    Ouça outra vez o debate, LB, e experimente um bom aparelho auditivo que vai ver que tudo ficará diferente do que aqui escreveu.

    ResponderEliminar
  4. Para mim Melgão e Pinto de Sá empataram, mas também era mais fácil para eles com experiência autárquica.
    Gostei da candidata do Bloco, dará um contributo interessante como vereadora.
    Não gostei do candidato do PSD.

    ResponderEliminar
  5. Creio que foi uma situação suícida do PS este debate, onde apesar de tudo o candidato socialista conseguiu sobreviver. Quero ouvir mais a Maria Helena Figueiredo e fiquei com a clara ideia que o candidato da CDU é um «chico-esperto» com a mania que é engraçado (aquela boca da bengala foi absolutamente necessária e baixa e espero que lhe tenha tirado votos). Paulo Jaleco pouca ou nenhuma importância teve.

    Fiquei com a clara ideia que o PS sairá vencedor destas eleições e creio que os constantes ataques que sofreu (e repito: conseguiu defender-se e nunca foi «entalado») o acabaram por fortalecer. A CDU perdeu o debate por culpa própria.

    ResponderEliminar
  6. JRS:

    Descanse que nenhum partido vai ter maioria absoluta.
    Historicamente, Évora só conheceu maiorias absolutas quando aconteceram fenómenos extraordinários como foi o caso do alumínio ou o do cano do Zé Ernesto que catalizou toda a direita para votar em si. Por esse motivo, o PSD perdeu, excepcionalmente nesse mandato, o seu eleito na Câmara.
    Desta vez não há fenómenos extraordinários a não ser um candidato PS que não existe, mas isso não é suficiente para ser fenómeno. Até porque como o JRdS sabe, Évora tolera muito melhor a inexistência do que qualquer afirmação forte.

    ResponderEliminar
  7. O mais chocante neste post é, sem dúvida, o título que lhe pôs o Carlos Júlio, como sempre tendencioso, feito para favorecer o BE.

    O que é particularmente grave neste caso é que não hesitou em torcer o que diz o autor do texto, descontextualizando-lhe uma frase e guindando-a a título.

    Quando muito, embora eu discorde, um título mais correcto, para quem leu o texto, seria:

    «Debate da ANTENA 1 sobre Évora (1): candidatos têm poucas soluções novas para a cidade»

    Até porque é o próprio autor que afirma que "Maria Helena Figueiredo não esteve mal nem bem, mostrando alguma falta de preparação em certas matérias" e que "Paulo Jaleco esteve ao nível de quem tem estado afastado de todas estas questões e delas apenas tem um conhecimento circunstancial".

    O debate foi a quatro, em pé de igualdade. Todos se pronunciaram, em pé de igualdade. Pessoalmente, até considero que Carlos Pinto de Sá foi quem introduziu mais temas, quem abordou mais matérias e quem apresentou mais propostas, mas isso é a minha opinião, que julgo poder ser comprovada por uma audição independente e distanciada.

    Mas o título de Carlos Júlio (o título, não a frase do corpo do texto do Luis Bernardes) dá a entender que os candidatos do PS e da CDU foram quem falhou na apresentação de propostas concretas.

    Imagine-se, por exemplo, que se pegava no mesmo texto e, com uma atitude igualmente tendenciosa, mas de sinal contrária à de CJ, se titulava: «Debate da ANTENA 1 sobre Évora (1): candidatos minoritários mostram falta de preparação»

    ResponderEliminar
  8. @18:56
    Não deves ter ouvdo o mesmo debate que eu ouvi.
    Um Melgão aos papeis e sem dizer coisa com coisa. Como aquela do plano de gestão do Centro Histórico que não só não fizeram, como foram humilhados com os papéis que enviaram à reunião de Sevilha da UNESCO e que foram devolvidos por não responderem aos problemas.

    ResponderEliminar
  9. O senhor José Rodrigues dos Santos pode dormir descansado. A CDU vai ganhar as eleições (sim, todos o sentimos), mas muito dificilmente ganharia com maioria absoluta. O Jaleco será eleito vereador (para ser eleita a Maria Helena o BE teria que ter mais votos que o PSD/CDS).

    ResponderEliminar
  10. O Luis Bernardes que deixe de comentar à distância e venha a Évora tomar o pulso à campanha. Mas, se quiser soluções e propostas concretas, não seja preguiçoso e consulte os links na coluna da direita deste blog. Não encontrará o do PS, mas isso, meu amigo, já sabe a quem atribuir culpas.

    Concordo consigo que faltam outros debates. Se cá vivesse saberia que houve outras propostas, mas há quem tenha recusado. Venha ao concelho e explicamos-lhe quem foi.

    ResponderEliminar
  11. Melgão foi o mais fraquinho dos candidatos, Maria Helena e Carlos Pinto de Sá foram claramente vencedores do debate,jaleco tem pouca preparação mas mesmo assim foi superior a Melgão.

    ResponderEliminar
  12. Melgão autêntico desastre,o homem não disse nada,foi claramente cilindrado pelas oposições,como foi possível o PS escolher este cromo para candidato?

    ResponderEliminar
  13. JRS como quase sempre fala de qualquer coisa, sem se perceber o que diz e, pelos vistos, sem conhecer Évora.
    Só assim se percebe a despropositada referência às maiorias absolutas. Como se, em Évora, isso fosse a situação corrente...

    Agora o que ele não diz é que Évora, se se quiser ver livre do descalabro PS, deverá de votar CDU, a alternativa capaz de conquistar a presidência da câmara (que é, por acaso, um dos mais importantes órgãos de gestão da Câmara).

    Mas se calhar JRS não sabe ou não lhe convém falar nisso.
    E, porque a decisão sobre o futuro presidente da Câmara é tão importante, é que vou votar CDU para a Câmara Municipal. Para me ver livre deste PS trapalhão e mentiroso.

    ResponderEliminar
  14. Melgão saiu de rastos do debate,por isso recusa um debate com todos num espaço aberto, é muito fraquinho.

    ResponderEliminar
  15. FLOR PEDROSO: Diga-nos uma razão para votar em si?
    MELGÃO: … comigo e o PS Évora atrairá mais empresas e criará mais postos de trabalho, blá, blá, blá…

    Interrupção de PINTO DE SÁ:
    «…mas na última década, com gestão PS, Évora perdeu 1800 postos de trabalho..»

    MELGÃO: «Não sabia que a perda de postos de trabalho tinha a ver com a câmara municipal»,

    E é isto a demagogia do PS e do candidato do PS: quando se criam postos de trabalho, foi o PS. Quando se perdem postos de trabalho, o PS não tem nada a ver com o assunto!

    ResponderEliminar
  16. Depois do debate de hoje percebi perfeitamente porque não que o PS mais debates: precisa de esconder o candidato, para que não se veja a real dimensão da sua mediocridade.

    ResponderEliminar
  17. Depois do debate de hoje percebi perfeitamente porque não quer o PS mais debates: precisa de esconder o candidato, para que não se veja a real dimensão da sua mediocridade.

    ResponderEliminar
  18. O Luís Bernardes não percebeu nada da intervenção de Carlos Pinto de Sá sobre a evolução do emprego no concelho.

    Não houve ali demagogia nenhuma, tanto que até tinha sido o candidato da CDU que introduziu o tema da crise.

    Houve, isso sim, uma resposta à demagogia do candidato socialista, que para disfarçar o desastre camarário se pôs a falar nos sucessos do PS na captação de investimento e no desenvolvimento económico do concelho (de que decorreria a promoção do emprego).

    Pinto de Sá limitou-se a apontar o óbvio. O concelho regrediu economicamente, como mostra a perda dos postos de trabalho, pelo que a Câmara socialista não pode regozijar-se e, muito menos, reclamar os méritos do contrário.

    ResponderEliminar
  19. Parabéns Manuel Melgão. Para os que tinham dúvidas ficou claro quem é o mais preparado e capaz de governar o Município de Évora.

    Francisco Costa

    ResponderEliminar
  20. Hoje arrasámos. O Melgão arrasou o debate e cilindrou os outros candidatos.
    Ninguém estava minimamente preparado para tamanha fraqueza e mediocridade.

    CHICO TOTÓ

    ResponderEliminar
  21. @20:20
    E por isso é que o PS/ÉVORA não quer mais debates. Tem receio que os eborenses vejam como o Melgão está "preparado para governar o Município de Évora".

    ResponderEliminar
  22. Acabado de chegar a Évora, o camarada Pinto já fez desaparecer 450 000 turistas, mais uns dias fica a cidade livre do resto

    ResponderEliminar
  23. «Depois de tantas palavras ficou por saber que projectos concretos cada candidatura tem para Évora; como é que se vão resolver o problema das dívidas a fornecedores (não integralmente pagas pelo PAEL); como vão resolver o problema da água e da dívida da água; o que se sabe do desfalque no sector de águas da Câmara; que projectos concretos para o Centro Histórico; que projectos âncora cada candidato tem na manga para apresentar ao eleitorado, seja nos planos cultural, social, económico, etc...»

    Para isso é que servem os PROGRAMAS ELEITORAIS. Em debates deste tipo dificilmente se esclarecerão estas questões.
    Leia os Programas e, depois, diga-nos qualquer coisa de mais substancial.

    ResponderEliminar
  24. O Melgão foi a desgraça que já todos esperavamos;
    O Pinto Sá não tão foi bom como o pintam;
    O Jaleco a concordar com o BE;
    acho que ele vai votar na candidata Maria Helena, que deu mostras de grande competencia: informada, assertiva, correcta.
    Eu cá vou!

    ResponderEliminar

  25. O MELGÃO É UM MURCHO!

    NÃO TEM TESÃO!

    ResponderEliminar
  26. Para dia 29 já se percebeu que há duas soluções:
    - Quem está contente com o desenvolvimento económico de Évora, com a limpeza das ruas, com as obras e o progresso urbanistico, vota PS e coloca o Melgão a Presidente da CME;
    - quem não estiver contente com a situação e quer mudar o actual estado de coisas, vota CDU e coloca Pinto de Sá a Presidente da CME.

    Eu já escolhi: entre Pinto de Sá e Melgão não tenho a mínima dúvida.

    ResponderEliminar
  27. Melgão foi o pior autêntico Desastre,todos sabemos que foi a QUARTA escolha do PS.

    CAPOULAS

    António Serrano

    Bravo Nico,eram os candidatos,todos eles recusaram.

    ResponderEliminar
  28. Melgão nem português correcto sabe..........desastre,DEUS nos livre sermos governado por este MEDIOCRE.

    ResponderEliminar
  29. Para quem não ouviu o debate:
    Disse Melgão que a cidade está suja por culpa do inverno e das chuvas.
    (a mesma desculpa usada quando faltou água na cidade durante 2 dias seguidos. Podia, ao menos, tentar usar outra ladainha).

    ResponderEliminar
  30. Começo a estar cansado ver o PS escrever que arrasaram : «ontem arrasámos no Garcia de Resende» (devem ter ficado arrasados porque apenas a plateia estava composta o que justifica a escassez de fotografias). «Hoje arrasámos no debate» ( já têm sorte de o candidato Melgão não ter sido completamente arrasado). Na verdade hoje não arrasaram no debate porque hoje o Melgão tinha a obrigação de ganhar o único debate em que aceitou participar. Melgão devia ser, em principio, o candidato que deveria conhecer melhor os dossiers em debate.
    Foi uma vergonha a forma como desvalorizou a posição que Ana Paula Amendoeira ocupa no ICOMOS e na sua relação com a Unesco. Melgão desconhecia como a cidade pode perder a classificação ( !!!!! ) . Este risco tem sido proferido ao longo dos últimos meses em vários debates públicos. Oh homem, acorde para a vida !
    Perdeu pontos na questão da água e da dívida que o município tem para com as águas do centro alentejo . Podemos ter uma das águas mais baratas mas temos que pagar , nós os moradores, milhões de euros às aguas do centro alentejo ! Oh caros concidadãos acordem para a vida !Nós vamos pagar durante 20 anos este negócio desastroso !
    O mais risível foi a desculpa do ano chuvoso para explicar a sujidade em que somos obrigados a viver!! Esta tem que ser a desculpa esfarrapada destas autárquicas e tem que entrar para a história das autárquicas. Com que então têm pouco pessoal ? Talvez devessem ter contrato mais pessoal operacional e menos chefes e muito menos assessores
    Sabem onde o PS arrasou ? Arrasou com Évora e com o concelho ! Disto já ninguém tem dúvidas

    PS - quando o meu computador assinala erro em Melgão e eu tento corrigir a única opção é Molengão. Foi isso mesmo que o candidato do PS foi neste debate : mal preparado e molengão

    ResponderEliminar
  31. Tenho para mim que o fracasso do Melgão se deve ao facto de não terem sequer um programa para o concelho ! Querem gerir uma câmara como? Onde estas as linhas orientadoras?
    Se o PS em vez de encomendar tantos artigos de opinião se dedicasse a escrever um programa talvez Melgão tivesse encaixado algumas ideias ...
    Assim se compreende porque razão é que ele se recusa a participar nos debates.
    A campanha começou no dia 17 e o PS continua sem programa eleitoral, pretendem gerir a câmara à vista, sem rumo ? Isso já fizeram nos últimos 12 anos.

    ResponderEliminar
  32. Até o Melgão e a Helena sabem contar turistas, só o Pinto tem a calculadora avariada

    ResponderEliminar
  33. Depois de escutar o debate ficou claro que Pinto de Sá não conhece o concelho. Sem ser apertado por ninguém, cometeu o maior erro de todos e que revelou a sua ignorancia:
    "Évora tem 150 mil turistas".
    São 600 mil,
    e todos os candidatos o acusaram pelo erro grosseiro e que revela completo desconhecimento do concelho.

    Foi uma desilusão.

    E a errar números destes os 1700 postos de trabalho perdidos que disse também devem vir de uma fonte pouco fidedigna.

    Aliás esta referência é verdadeiramente populista.
    Infelizmente todos conhecemos alguém no desemprego.
    É um flagelo europeu e que sempre afetou o Alentejo.

    Por exemplo no concelho de Pinto de Sá, Montemor, o número de desempregados incritos no IEFP duplicou nos último 9 anos.
    A culpa também é dele?

    Se calhar não, mas o não ter atraído empresas para o Parque Industrial da Adúa já é.

    Alias, basta visitá-lo para ver que até Arraiolos (concelho em morte demográfica) tem mais atividade nesta área que Montemor.

    Porque será?

    Porque Pinto de Sá não sabe.

    E o meu voto ficou decidido. Entre os que podem governar, a minha escolha é o PS.
    Pelo menos sabe em que concelho está.

    ResponderEliminar
  34. Reunião à porta fechada na rua de Avis

    - Camarada Pinto, olhe que isto aqui não é como em Montemor, tem de se preparar para os debates e levar a calculadora a funcionar
    - Eu levei e com pilhas da extinta e saudosa RDA
    - Porra, essas estão fora de prazo, agora só usamos made in Korea (do Norte, é claro)
    - Se calhar foi por isso que desapareceram os 450 000 turistas
    - Pois, até já nos ligaram do PCC a protestar, uma parte deles eram chineses e filhos de malta do comité central com acções na EDP
    - Espera aí, agora tenho o Catroga em linha (...) Porra, até este fascista tenho de aturar por causa das suas pilhas fora de prazo
    - Peço desculpa pelo incómodo
    - Qual desculpa, por menos que isso já um passou de primeiro para terceiro

    ResponderEliminar
  35. Conversa de economistas com queda para as artes:
    O americano - O ilusionista David Copperfield fez desaparecer a Estátua da Liberdade
    O norte-coreano: E eu ralado, o camarada Pinto de Sá, em Évora, Alentejo, Portugal, fez desaparecer 450 000 turistas

    ResponderEliminar
  36. Os secretários andam nervosos. E activos...

    ResponderEliminar
  37. Excerto do telegrama urgente da célula marxista-leninista-maoista Força, Força, Camarada Vasco, na extinta UCP Foice e Martelo:
    Dasse, temos aqui 450 000 gajos e gajas de todas as cores, diversas línguas, diversos credos (stop) esfomeados e exigir alojamento com meia pensão (stop) como sabem esta porra foi fechada há uma data anos (stop) tragam lá a porra dos autocarros das câmaras pra levar esta malta de volta (stop) saudações revolucionária e tudo (stop) camarada eduardo

    ResponderEliminar
  38. Candidatos murchos,será do peso divida?A cidade merecia melhor,são puro refugo dos partidos.
    E grave é a falta de conhecimento da cidade por parte dos candidatos,como é possível querem fazer a gestão da mesma?

    ResponderEliminar
  39. No Mais Évora

    Turistas que ficam, turistas que passam

    A dado passo no debate da Antena 1 dos candidatos à Câmara de Évora, depois dos 34 minutos, existe um mal entendido à volta do número anual de turistas em Évora. Carlos Pinto de Sá fala em 150 mil e os outros candidatos dizem que é bastante mais, muito mais, afirmando Melgão que são cerca de 600 mil.

    Na verdade tratou-se de um mal entendido. O número de Carlos Pinto de Sá referia-se ao número de turistas que ficam em Évora, enquanto os outros candidatos se referiam ao número de turistas que passam (ou ficam) por Évora.

    A prova disso é que o candidato da CDU, que está a falar da necessidade de revitalizar e reanimar o Centro Histórico, refere os turistas que vão passeando, vão vagueando por ali sem qualquer animação e, mais à frente, se refere à “estadia média destes turistas” em Évora, que diz ser de dia e meio, no que todos concordam.

    Se todos concordam nisto, todos se referem ao turista que fica, pelo menos, uma noite. Mas então, ainda que de modo não completamente rigoroso, é Carlos Pinto de Sá quem tem razão. Pelo menos, é quem está muito mais próximo do número real.

    Isto a avaliar pelos últimos dados disponíveis, retirados do Anuário Estatístico da Região Alentejo 2011, editado pelo INE.

    Nesse ano de 2011, o número de hóspedes por habitante foi de 3,6. Como a população do concelho era de 56.640 habitantes, o número de hóspedes foi de 203.904. Mas como a proporção de hóspedes estrangeiros era de 40,6%, conclui-se que o número de hóspedes estrangeiros foi apenas de 82.785. São estes que têm uma estada média de 1,5 noite (para os nacionais não são fornecidos dados), mais curta, por incrível que pareça, que no Redondo, Reguengos de Monsaraz ou Vila Viçosa! [Todos os dados foram retirados do Anuário citado, p. 83 q. II.1.2 e p. 419 q. III.11.1].

    Recapitulando. Cerca de 204 mil hóspedes por ano, cerca de 83 mil estrangeiros, cerca de 121 mil nacionais. Destes últimos, parte ficam por motivos de turismo, como por exemplo a família que vai do Porto para o Algarve e decide passar um dia em Évora, mas parte ficam por motivo de trabalho, como por exemplo o professor universitário lisboeta que dá aulas na Universidade de Évora e aqui dorme algumas vezes por semana.

    Os dados do candidato da CDU são os mais aproximados e não devem distanciar-se muito dos turistas, estrangeiros e nacionais, que pernoitam em Évora. Os 600 mil referidos por Melgão são ficção. Mas creio que ambos falavam de turistas de tipo diferente. Um mal entendido, pois.

    O que é indiscutível é que o candidato da CDU foi o que introduziu mais temas, abordou mais matérias, desceu mais ao concreto e se mostrou mais preparado.

    Mleonor

    ResponderEliminar
  40. E o ca..... do Melgão não foi trucidado como a CDU prometia. Valentia do Melgas ou fraqueza do Pinto? É caso para dizer que a Melga se aguentou (e bem) ao Pinto. Quem diria?

    ResponderEliminar
  41. @23:39
    Ninguém diria.
    Sobretudo quem ouviu o debate e conheça minimamente Évora e como funciona uma câmara municipal.

    ResponderEliminar
  42. @22:34
    Os 1800 postos de trabalho perdidos nos últimos 10 anos são dados do INE (que, pelos vistos, nào é fonte pouco fidedigna nem conhece a excelência de Évora)

    Já os 600 mil turistas/ano ninguém conhece a fonte nem a forma como foram calculados.

    Por isso, com o teu rigor de análise acho que fazes a escolha certa: o eng. Melgão e o PS, porque ÉVORA NÃO PODE PARAR... mesmo que sejam os únicos a não ver que Évora está a andar há 12 anos, mas é para trás.

    ResponderEliminar
  43. @22:34
    Os 1800 postos de trabalho perdidos nos últimos 10 anos são dados do INE (que, pelos vistos, passou a fonte pouco fidedigna... e nem conhece a excelência de Évora)

    Já os 600 mil turistas/ano ninguém conhece a fonte nem a forma como foram calculados.

    Por isso, com o teu rigor de análise acho que fazes a escolha certa: o eng. Melgão e o PS, porque ÉVORA NÃO PODE PARAR... mesmo que sejam os únicos a não ver que Évora está há 12 anos a andar para trás.

    ResponderEliminar
  44. Em turismo não se contam turistas contam-se dormidas, se o mesmo turista dormir cá 7 noites conta 7 dormidas. O Melgão tem razão e referiu-se à medida que é usada para contabilizar o sector turístico.
    Um turista que durma 8 noites tem exatamente a mesma equivalência a 8 turistas que durmam uma noite.

    ResponderEliminar
  45. Se os dados são do INE, devia cita-los. Ao não fazer isso, demonstrou que estava a falar de cor sem verdadeiro conhecimento, tal como aconteceu com o numero de turistas. Não sabe e pior que isso não assume que não sabe. Aliás a quantidade de posts a querer justificar o que foi dito só revela que se procura uma justificação à medida". Confesso que a minha escolha estava quase feita. Esta ignorância sobre a minha cidade apenas deu uma pequena ajuda. E eu prefiro quem conheça Évora e o concelho. Esperava que Pinto de Sá conhecesse. Não conhece. Acabou por ter de ir em cantigas doutros. E as cantigas eram más.

    ResponderEliminar
  46. @00:41
    Se houvesse 600 mil dormidas/ano as camas das unidades hoteleiras de Évora teriam uma ocupaçao anual de 100% e não chegavam...

    Por isso tens de arranjar outra justificação.

    ResponderEliminar
  47. @00:46
    Deves andar muito distraído. Pois a citação do INE tem sido feita bastantes vezes.
    O teu problema (e do PS!) é que os 1800 postos de trabalho que Évora perdeu nos últimos 10 anos não condizem com a narrativa de excelência que o PS nos anda a tentar vender.

    ResponderEliminar
  48. É incrível como é que estupidamente se deixa passar a ideia que a cidade tem uma afluência de 600 000 mil turistas ano.
    Pinto de Sá está certo. Certíssimo.
    O número de 600 000 turistas, até dou de barato que querem dizer visitantes, é delirante.
    Afluiriam a Évora, quase todos os dias 2000 visitantes (poupo o conceito de turistas).
    Mas no Posto de Turismo procede-se ao registo (muito inflacionado desde sempre) mas nem este se atreve a apresentar registos desta ordem.
    Peçam os registos.
    Peçam (nem numa noite os vão conseguir adulterar).
    IRRA.
    Há mais que fazer que desmentir mentirosos.
    IRRA.

    ResponderEliminar
  49. 00:41 Não sejas tolo. Estatísticas poderá haver muitas. As do INE contabilizam os hóspedes (o nº de hóspedes por habitante), a proporção de hóspedes estrangeiros, o nº de noites por hóspede estrangeiro e o nº de dormidas em estabelecimentos hoteleiros (por 100 habitantes), entre outras coisas.

    A propósito, se fizeres as contas, que são muito fáceis, vês que o nº total de dormidas nos estabelecimentos hoteleiros do concelho de Évora em 2011, seja de nacionais seja de estrangeiros, seja de turistas ou não, não chegou a 313 mil, cerca de metade do que disse o Melgão. Metade, percebeste?

    ResponderEliminar
  50. Sim, Melgão, Jaleco e Maria Helena têm uma visão delirante do turismo eborense. "Muuuito mais" de 150 mil (Mª Helena dixit), "Bastante mais" de 150 mil (Jaleco dixit), "600 mil" (Melgão dixit).

    Jaleco fica-se pelo "meio milhão, talvez", Mª Helena concorda ("Exactamente!", dixit), Melgão diz que "os últimos dados apontam para 600 mil", Mª Helena concorda ("Exactamente!", dixit). É uma festa, 500 mil (Jaleco), 600 mil (Melgão), Mª Helena concorda com ambos, em menos de três segundos sobe a parada em 100 mil, têm é que ser "muuuito mais". É uma alegria!

    Mas esta gente não pensa? A estadia média é de um dia e meio (Carlos Pinto de Sá dixit, os outros acenam que sim). Se forem 600 mil, ou perto disso, são cerca de 2.466, perto de 2.500, dormidas por noite, mais do que a capacidade hoteleira instalada, todos os dias do ano (repito: todos os dias do ano e não apenas no pico do Verão).

    Estamos entregues aos bichos! Valha-nos o realismo do candidato da CDU!

    ResponderEliminar
  51. Olha, agora a CDU quer ganhar nas caixas de comentários dos blogues o que perdeu no debate. Dasss.

    ResponderEliminar
  52. Vê lá como é o mundo, eu tenho exactamente a opinião ao contrário.

    ResponderEliminar
  53. O ps bateu no fundo,não existe plano de proteção e salvagurada do CH,não existem uma canditatura com um plano para a requalificação do mesmo etc..
    12 anos que andaram a fazer?
    Bem percebo agora o caso bairro do Escurinho que o Eng.Melgão disse ter projecto e estar em negociações,tudo MENTIRAS!
    As urnas deviam castigar forte e feio estes socialistas por tudo o que fizeram a cidade e os eborenses,mas o sistema dos comilões e famílias que se alimentam da maquina vão dar luta para os poleiros ficarem intactos!
    A doutora Claudia devia ter vergonha quando fala em trabalho feito,permite que a escola EB1 e jardim de infância da Cruz da Picada,funcione junto de uma lixeira habitacional e de um largo degradado cheio de lixo e pessoas dormir em automóveis, e com todo o tipo de criminalidade instalada sem se mexer,tendo essa pasta da Educação em sua posse,tenha no mínimo VERGONHA, demonstra uma incapacidade confrangedora e humilhante por parte da sua pessoa!

    ResponderEliminar
  54. Estavam todos equivocados, menos o Pinto de Sá. Por isso é que ele pediu desculpa quando foi corrigido pelos adversários. Estava preparadíssimo, sem dúvida!

    Continuem a difamar a cidade, que é suja e tal, que é isso que irá trazer mais turistas!

    ResponderEliminar
  55. Sim, não se pode dizer mal do Melgão, senão os 600 mil turistas não passam cá a noite. Isto está entregue aos bichos!

    ResponderEliminar
  56. Será que em Évora não haverá outra figura do PS ,com outro carisma,com outra força anímica,com outra "garra"?Não basta ser "boa pessoa"e ter alguma fluência no discurso.E a mensagem que se quer passar de "medo" do regresso da CDU,já não pega.Para além disso como será possível manter a Câmara,sem programa,sem algo que permita ao eleitor analisar as propostas,compará-las com as outras forças políticas.Não acredito na possibilidade de vitória do PS,por culpa do próprio PS,não por virtude da CDU.Mas é a cidade que temos.Prevejo:
    CDU com a maioria-Presidente e 2 vereadores
    PS a 2 ou 3 pontos percentuais da CDU,com 3 vereadores
    PSD/CDS com 1 vereador.
    BE ainda não terá qualquer representante
    Não será fácil à CDU governar esta Câmara ,invertendo a tendência de definhamento que se sente há anos na cidade .Aí será fundamental o papel de charneira do PSD.Não nos esqueçamos que historicamente no Alentejo e a nível autarquico a CDU sempre se relacionou melhor com o PSD que com o PS.
    Com estas eleições terminará o ciclo da "excelência" do PS e os pertidos ter-se-ão que entender.O PS terá que reconhecer os seus erros e para bem da cidade, deverá assumir uma atitude construtiva.Deixem-se de baixa política,trabalhem e assumam,todos,em conjunto, que o importante é Évora e o concelho.Inspirem-se em cidades como por exemplo Viana do Castelo e Braga.Vejam o que aí foi feito.Vão a Saragoça,cidade espanhola muito maior que Évora, e vejam como foi resolvido o problema de estacionamento,revitalizando o seu centro histórico.Aprendam com as experiências dos outros e adaptem-nas a Évora.
    Todos beneficiaremos com isso e os que nos visitam ainda ficarão com uma imagem mais positiva da nossa cidade.

    ResponderEliminar
  57. @10:51
    Completamente de acordo com este comentário. É exactamente o que eu sinto e penso.

    ResponderEliminar
  58. Todos sentimos a cidade PODRE em declinio e suja,mas para os ilustres Socilistas é tudo culpa da cdu.
    -A divida de 80 milhões
    -A falta de funcionários de limpeza
    -A falta de organização dos serviços
    -O recurso a mentira constate
    -A Malagueira e a conclusão dos seus espaços públicos
    -O BR.Escurinho(VERGONHOSO CENARIO)!
    -as famosas circulares exteriores
    -os 3 parques prometitos desportivo,actividades economicas,e o famoso parque da cidade a zona de lazer.
    etc...
    e ver os signatários destas acusações
    Chalaça
    Monarca
    Cláudia
    Francisco da costa
    Troncho
    etc...todos pais desta miséria a que chegou Évora!

    ResponderEliminar
  59. @12:57
    Segundo o Melgão a falta de limpeza e as ervas nas ruas é culpa do INVERNO rigoroso!

    E eu pensei logo:
    - Coitadinhos dos ingleses, dos suecos ou dos noruegueses. Deve viver atafulhados em procaria...

    ResponderEliminar
  60. Natanael faz as malas e volta para Labutes!

    ResponderEliminar
  61. 10@51
    É uma opinião lúcida. Também me identifico com esta percepção.

    ResponderEliminar
  62. Sr presidente da câmara municipal engº manuel melgão...não tem nada haver com a câmara municipal de évora com a perda de postos de trabalho no concelho?????

    nunca parou para pensar, que a falta e o atraso de pagamento por parte da câmara aos seus fornecedores como empresas, lançou pessoas para o desemprego????????

    nunca parou para pensar, que o facto de não cumprir os compromissos assumidos por parte da câmara aos agentes culturais, foram pessoas para o desemprego????????

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.