quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Contributos para o debate autárquico 6: água e defesa do meio ambiente


A questão da água tem sido central em Évora nos últimos anos. O PS, ainda na gestão de José Ernesto Oliveira, defendeu a saída da Câmara da empresa Águas do Centro Alentejo, a que a autarquia deve mais de 36 milhões de euros, com um aumento da dívida de cerca de 6 milhões de euros por ano - depois de ter sido o responsável pela adesão a este sistema,  e o caso ainda se encontra em Tribunal.
A CDU, tal como o Bloco de Esquerda, que sempre foram contra a integração do sistema de águas nas Águas do Centro Alentejo, defendem a saída da Câmara desta empresa. Resta saber como e a que preço.
Na ordem do dia, no concelho, em termos ambientais, está também a exploração prevista de ouro na freguesia da Boa Fé (ainda em fase experimental) que tem sido um dos temas da campanha do Bloco de Esquerda que afirma temer graves problemas ambientais em toda aquela zona se a exploração efectiva tiver lugar.

Contributos para o debate autárquico 1: Centro Histórico e extra-muros ou Cidade ?
Contributos para o debate autárquico 2: Valorizar a Assembleia Municipal
Contributos para o debate autárquico 3: O Bairro da Malagueira
Contributos para o debate autárquico 4: Criação de empresas e/ou burocracia municipal
Contributos para o debate autárquico 5: A relação da Câmara com os agentes culturais e desportivos

7 comentários:

  1. Esta introdução ao tema seria de gargalhada se não fosse uma tristeza e um miserável frete aos amigalhaços do PS.
    Vejam bem que Évora foi atirada para um negócio ruinoso, após muitos avisos, mas "esqueceram-se" de dizer quem foram os responsáveis pelo desastre. E é isto o CincoTons.

    ResponderEliminar
  2. Se não sabes ler e como já não há novas oportunidades vai para o ensino nocturno.

    "(...) depois de ter sido o responsável pela adesão a este sistema (..)"

    deve ser triste ser como tu! É isto a política em Évora!

    ResponderEliminar
  3. A candidata do BE à Câmara de Évora manifestou-se hoje contra a mina de ouro na freguesia de Boa-Fé, acusando a gestão PS de cometer o "erro fatal" de alterar o Plano de Intervenção em Espaço Rural.
    Em declarações à agência Lusa, Maria Helena Figueiredo afirmou estar contra a exploração mineira na Serra do Monfurado, na freguesia de Boa-Fé (Évora), por se tratar de uma área "classificada como Rede Natura 2000" que "tem de ser respeitada".
    "A câmara cometeu um erro fatal, que foi o de alterar o Plano de Intervenção em Espaço Rural para a Serra do Monfurado, que foi modificado especificamente para permitir a atividade mineira", criticou.
    A candidata realçou que o Bloco de Esquerda (BE) tomou esta posição "muito veemente e muito clara", assinalando que foi o único partido que se manifestou contra quando o assunto foi levado a uma reunião da Assembleia Municipal de Évora.
    A canadiana Colt Resources prevê abrir uma mina de ouro na freguesia de Boa-Fé, no concelho de Évora, sendo que, no caso de ser aprovada e licenciada, a fase de produção e extração não arranca "antes de 2015", segundo um responsável da empresa.
    À margem de uma ação de pré-campanha para as autárquicas de 29 de setembro, no centro histórico da cidade, Maria Helena Figueiredo defendeu, por outro lado, que o município deve, "não apenas renegociar alguns contratos que existem, mas, sobretudo, encontrar novas formas de financiamento através de receitas camarárias".
    Para a candidata bloquista, existe "uma oportunidade única" para o município, que consiste no aproveitamento dos "fundos estruturais 2014-2020 e do Horizon 2020" para assumir "um papel de 'pivot' no relançamento da economia local".
    "É necessário preparar um plano de economia integrado com um plano regional, que evidencie a competitividade da região e que envolva parcerias regionais", disse.
    Referiu ainda que a câmara deve ser "capaz de ela própria ser beneficiária destes fundos comunitários" e de preparar "candidaturas com bons projetos que possam ser financiados". (LUSA)

    ResponderEliminar
  4. Abrigado sobre o tema da água, há muitos pontos sob os quais convinha que as várias candidaturas fossem esclarecendo.

    Um é este da relação da CME com as Àguas Centro Alentejo.

    Outro é o da privatização da Água em sentido mais lato. Aqui cabe a discussão da pertinência de movimentos nacionais e internacionais. Sobre este ponto Carlos Pinto de Sá adiantou a sua posição em 4 artigos publicados no Semanário Registo
    http://www.registo.com.pt/opiniao/a-luta-pelo-reconhecimento-e-institucionalizacao-da-agua-como-um-direito-humano-parte-iv-de-iv/#.Uid9RTZvPQA
    mas muito há ainda por dizer, compreender e assumir.

    Um terceiro ponto que não tendo directamente a ver com a Água, em Évora é sensível é o esclarecimento devido sobre o processo de fraude ou roubo no sistema interno da autarquia, alegadamente cometido por um funcionário. Em nome de uma gestão clara, os cidadãos merecem conhecer o tratamento dado à questão e a sua evolução.

    ResponderEliminar
  5. ÉVORA.......Limpa


    O Primeiro gesto também é seu!

    Dia 29 de Setembro vote......e ajude a dar uma nova Cãmara á Cidade.

    ResponderEliminar
  6. As propostas da JS/Évora: https://docs.google.com/file/d/0B8ALuWhf4bIYTEpVc1lLeTdGVjA/edit

    ResponderEliminar
  7. A minha tia está um tudo-nada patareca. Bem, por vezes, nem tanto e nos seus momentos de lucidez ainda desfere uns golpes certeiros.

    - Então não é que aqueles rapazes amigos da Coreia do Norte foram buscar ali ao lado buscar uma cassete usada e esqueceram-se que por aqui já só se usa tecnologia digital…

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.