segunda-feira, 30 de setembro de 2013

CDU volta a ser a maior força autárquica do Alentejo com vitórias em mais 5 concelhos do que em 2009


* Depois das eleições de ontem, a CDU voltou a ser a maior força autárquica do Alentejo com 19 das 47 Câmaras da Região (há 4 anos tinha ganho 14 munícipios) e com 2 das 3 capitais de distrito, Beja e Évora (Portalegre foi ganha por uma candidatura independente).
* No deve e haver autárquico, a CDU perdeu para o PS Vendas Novas (Évora), Nisa e Crato (Portalegre), mas ganhou Beja, Évora, Alcácer do Sal, Vila Viçosa, Cuba, Grândola e Monforte ao PS e Alandroal aos independentes do MUDA.
* O PS que detinha 21 Câmaras perdeu 3 ficando com 18 em toda a região (perdeu Beja, Évora, Alcácer do Sal, Grândola, Vila Viçosa, Cuba e Monforte, para a CDU e Borba para os independentes, mas ganhou Almodôvar ao PSD, Sines, aos independentes, Vendas Novas, Nisa e Crato, à CDU).
* As listas independentes mantiveram a maioria em 4 concelhos, tantos como há quatro anos - com as mudanças de Sines e do Alandroal (em que a lista independente vencedora em 2009 foi impedida de se candidatar pelo Tribunal Constitucional) que foram ganhas pelo PS e pela CDU, compensadas pelas vitórias de independentes em Portalegre (ao PSD) e Borba (ao PS), mantendo-se as listas de independentes também vencedoras em Estremoz e Redondo.
* O PSD perdeu duas das 8 Câmaras que detinha na região, uma delas Almodôvar, o único município a que presidia nos distritos de Beja e Évora, fica apenas representado no distrito de Portalegre. (A outra Câmara perdida pelo PSD foi a de Portalegre para uma lista independente)
* A nível distrital, em Évora, a CDU tem 6 munícipios (4, em 2009); o PS 5 (tinha 7), os Independentes, 3 (3).
* Em Beja, a CDU tem 8 (6); o PS 6 (7). 
* Em Portalegre, PS 6 (5), PSD 6 (7), CDU 2 (3); Independentes 1 (0)
* No Litoral, CDU 3 (1) e PS 1 (2).
* A nível de votos, saliente-se a vitória expressiva com mais de cinco mil votos da CDU em Évora;
* Os apenas 303 votos que separaram a maioria absoluta da CDU do PS em Beja;
* Os 22 votos que determinaram a vitória da CDU em Moura, um concelho com mais de 13 mil eleitores inscritos;
* A fraca votação do BE em Évora, que apesar de ter tido uma campanha mais expressiva do que há quatro anos, teve apenas mais 200 votos e o facto da lista de Independentes "por Beja com todos" não ter conseguido sequer eleger um vereador (mas ganhando uma junta de freguesia - São Matias - e elegendo um deputado municipal).
* De reter também  a alta taxa de abstenção no concelho de Évora, que se fixou nos 50,31%  (45,48%, em 2009), bem como o elevado número de votos brancos e nulos, 6,14% (2,75%, em 2009)

33 comentários:

  1. A votação do BE em Évora não foi tão fraca como isso. Subiu perto de 40% na sua expressão percentual. O problema é que as votações do Bloco são como um harmónio. Acompanham as oscilações do PS ao contrário: quando o PS sobe (ganha) o BE desce (perde) e vice-versa. Estão demasiado dependentes do voto (útil ou não) nos socialistas.

    ResponderEliminar
  2. Quando digo que foi fraca tem a ver com a campanha e as expectativas. O ter subido 200 votos (os tais 40 por cento) parece-me importante, mas insuficiente para as expectativas criadas durante a campanha.

    ResponderEliminar
  3. Uma das razões (não a única) que me leva a pensar que o voto no BE para a Câmara é mais afectado pelo voto útil no PS do que na CDU é que a votação para a Câmara aproximou-se bastante mais, em percentagem, da votação para a Assembleia Municipal nestas eleições de 2013 do que nas anteriores de 2009.

    Bem sei que a candidata bloquista à Câmara era muito melhor que o anterior, mas o candidato bloquista à Assembleia Municipal também era muito melhor que a anterior (apreciação que não traduz qualquer menosprezo pelos anteriores) e não deixa de ser significativo que a diferença de votação para os dois órgãos seja maior quando o PS ganha folgadamente do que quando a CDU ganha ainda mais folgadamente.

    ResponderEliminar
  4. Há uma questão que considero pertinente: a responsabilização criminal dos políticos.

    Não me parece que responsabilizar politicamente quem mal agiu numa Câmara, como agora aconteceu ao PS, seja suficiente. Há que os responsabilizar criminalmente.

    Um político, lá por ser presidente ou vice-presidente camarário, não pode fazer negócios ruinosos para a população e, perdendo a seguir as eleições, ir embora para casa a rir e com os bolsos bem cheios.

    Esta gente tem de ir a tribunal.

    Tem de explicar porque é que favoreceu o amiguinho pato-bravo, roubando o erário público.
    Tem de explicar porque é que, enquanto executivo camarário, beneficiou o camarada de partido à custa de empobrecer a população, que agora vai ficar a pagar esses negócios ruinosos.

    Esta gente que esteve à frente da Câmara de Évora é pior que incompetente; esta gente fez negócios escuros, esta gente corrompeu-se e foi corrompida, esta gente deu muito dinheiro a ganhar a outros criminosos.

    Esta gente não pode ficar a rir-se do povo de Évora. Têm de ir a tribunal e pagar com os ossos na cadeia se assim for decidido.

    Para quando, neste país, a verdadeira responsabilização criminal de políticos corruptos?

    jmc

    ResponderEliminar
  5. Um dado muito interessante. A abstenção no concelho de Évora é mais elevada que a média nacional, mas o mesmo já sucedia de modo agravado nas últimas eleições autárquicas.

    A abstenção em Évora aumentou menos do que no resto do país.

    Não é bom haver uma abstenção elevada. Mas, em Évora, a desmobilização eleitoral não progrediu tanto como em geral. O que dá um sabor ainda mais especial à vitória local da CDU.

    ResponderEliminar
  6. A propósito, o mesmo sucede com os brancos e nulos.

    ResponderEliminar
  7. O BE cometeu dois erros graves nestas eleições, que se revelaram autênticos tiros nos pés:

    1. A política de impugnação nos Tribunais, com base numa interpretação discutível da lei, em vez do combate político contra a renovação sucessiva de manatos. Na opinião do cidadão comum ficou a ideia de que o BE queria ganhar na secretaria, aquilo que não conseguia ganhar através do voto;

    2. No caso de Évora a inexistente ou ineficaz demarcação com as políticas do PS ao longo dos últimos anos. A tentativa de criticar e envolver de modo equivalente PS e CDU, sem aprofundar as questões (como no caso da DÍVIDA, em que não foram capazes de perceber nem demarcar-se da óbvias mentiras do PS) revelou-se um fiasco. A verdade é que o BE foi incapaz de perceber (ou não quis) que CDU e PS governaram a CME de modo muito diferente, quer em termos de quantidade de realizações quer em termos de prática de participação das populações e agentes. E não reconhecer isso revelou-se fatal, porque os eborenses, ao contrário do que alguns julgam, têm memória.

    Perante isto, os resultados não poderiam ser muito melhores.

    ResponderEliminar
  8. Mais uma para a CDU.

    Confirma-se, com o final da contagem oficial: CDU conquista Silves (dada para o PSD/CDS nos mapas eleitorais divulgados pela comunicação social) e com margem folgada: CDU 34,68%, PSD/CDS 27,32%, PS 25,62%, BE 5,09%.

    ResponderEliminar
  9. PARABÉNS à CDU

    Abraço a Pinto Sá
    Votos de um desempenho que não duvido será muito mais do meu agrado do que
    o do derrotado PS

    continuo a acreditar que a lei de Limitação de Mandatos só ardilosamente foi ultrapassada - não só pela CDU

    ou afinam o texto da referida Lei (Decreto-Lei?) ou daqui a 4 anos temos mais do mesmo

    abstenção acima dos 40% dá para pensar

    vitória de Isaltino, na Cadeia, é "rabo escondido com gato de fora"

    DEMOCRACIA é melão ainda por abrir

    ResponderEliminar
  10. Uma primeira análise aos resultados das eleições em Évora

    Os ganhadores, em número de votos, nas eleições para a Câmara de Évora, relativamente a 2009, foram a CDU com mais 2.587 votos que há 4 anos atrás, o Bloco de Esquerda com mais 192 votos e a abstenção/brancos e nulos com mais 3.095 eleitores a preferirem não indicar a sua orientação de voto do que em 2009.
    Os perdedores são o PS com menos 4.158 votos e o PSD/CDS com menos 1.128.
    Em termos de transferência de votos o PS e o PSD perdem directamente para a CDU e para a abstenção, sendo o total de votos perdidos pelos dois 5.286 (a CDU apenas “arrecada” metade e o BE nem chega a 200 votos). O resto do eleitorado preferiu abster-se ou votar nulo/branco, constituindo a abstenção e os brancos e nulos, de longe, a maior força política (que não está, enquanto tal, constituída) em Évora.
    A CDU, que foi a força mais votada, reuniu pouco mais de 22 por cento dos eleitores do concelho, o PS 15 por cento, o PSD/CDS 7,5 por cento e o BE menos de 2 por cento.
    Sendo Évora um dos concelhos do país com maior percentagem de abstenção e de votos brancos e nulos (57,45%, a que correspondem 15.653 eleitores) alguma conclusão terá que ser tirada pelas estruturas partidárias locais.

    ResponderEliminar
  11. «constituindo a abstenção e os brancos e nulos, de longe, a maior força política (que não está, enquanto tal, constituída) em Évora»

    Bem podes limpar o traseiro a essa alucinada análise. Uma análise que mete toda a abstenção no mesmo saco, como se fosse toda igual, ou como se resultasse toda ela de um movimento concertado ou organizado de cidadãos não merece outro destino.

    E a melhor desmonstração disso mesmo é que não vejo referido no texto qualquer tentativa ou aproximação para identificar algumas das milhentas motivações que levaram os eleitores a abster-se. Desde os motivos profissionais, os motivos de saúde, o simples comodismo, os mortos (10%?), e, naturalmente, também os desmotivados pelo actual sistema politico.

    Agora o que não parece minimamente plausível é meter toda essa gente no mesmo saco e contabilizá-la como se fosse uma “força política”…
    Desculpe lá, mas isso parecem raciocínios à moda do Carlos Júlio.

    ResponderEliminar
  12. Tenho pena

    Mereciam a vitória mas por minoria que é para saberem o que custa governar sem maiorias.

    Vou guardar o PDF do programa da CDU PCP e ver até onde chegam. Lembro que vão romper com as Aguas do Centro Alentejo e atrair investimentos (como se os comunistas gostassem de repente do capital dos empresários).
    Quero ver o emprego a aumentar em Évora mas sem o feito EMBRAER pois os comunistas nem se dignificaram em ir à inauguração.



    Évora não merecia uma ditadura Comunista nesta fase do campeonato

    ResponderEliminar
  13. 17:25
    Toma Rennie que isso passa.
    E, já agora, podes meter a dita dura, num buraquinho que deves ter oa fundo das costas.

    Ou ainda não percebestes que a maioria dos eboreneses está farta de argumentos cretinos?

    ResponderEliminar
  14. Uma primeira conclusão que Luis Bernardes, das 16:40, pode tirar, se olhar com cuidado para os resultados, é que, seja a abstenção, que é, como já era, superior à média nacional, seja o conjunto de brancos e nulos (este claramente inferior à média nacional), aumentaram menos em Évora do que no resto do país.

    Uma segunda conclusão é que juntar abstenção - onde se incluem a emigração, que tanto tem penalizado o Alentejo e o país, os falecimentos e mudanças de residência não abatidos (a chamada abstenção técnica), os alheados da vida política (alguns dos quais nem se deram conta de que havia eleições), os indiferentes - com votos brancos e nulos (estes mesmo tão ou mais heterogéneos que os abstencionistas), todos no mesmo saco, é uma cretinice de um tamanho que não cabe em saco nenhum.

    Que há de comum, politicamente falando, entre um Carlos Júlio, certamente bastante politizado, que anuncia que não vai votar (ou não vais votar em nenhum, desculpe-se a eventual imprecisão) e o jovem que emigrou para a Alemanha e nem se lembra que há eleições? Que há de comum, politicamente falando, entre um eleitor que vai ao boletim de voto e desenha uma obscenidade em protesto contra a classe política e um filiado socialista desiludido com a Câmara que vota branco porque também não quer votar contra o seu partido?

    Dizer que constituem a maior força política (mas que força política, ó Bernardes?), ainda que não constituída (mas uma força política não é algo constituído, estruturado, organizado?), é uma patetice que não se admite a quem frequentou a escola primária.

    Uma terceira e última conclusão é que Bernardes precisa aprender a ser menos leviano nas suas análises das transferências de votos, a considerar outras variáveis que indiscutivelmente estão presentes (como os novos eleitores) e sobretudo a deixar-se do primarismo de identificar saldos de transferência com as transferências propriamente ditas (dito isto, concordo que PS e PSD/CDS perderam bastantes votos diretamente para a CDU, mas não me atreveria a excluir movimentos entre eles, e muito menos a contabilizá-los à unidade).

    Já agora. Bernardes ganharia muito se passasse a raciocinar em termos de percentagem, sobretudo quando o total de votantes varia significativamente. É que, por exemplo, 10 votos são sempre mais que 9, mas 10 em 100 representam muito menos que 9 em 20. O que traduz mais acertadamente a representatividade e a força política eleitorais de um partido é a sua percentagem e não o número absoluto de votos.

    Quando puder visite o concelho. Talvez perceba melhor ao vivo o que a internet não lhe mostrou durante a campanha: de como esta terra estava fartinha, mas fartinha mesmo até à medula, da Câmara socialista.

    Não pude deixar de constatar a degradação da qualidade das suas análises ao longo da campanha. Ainda assim, li-as com interesse e lhe deixo aqui os meus cumprimentos.

    ResponderEliminar
  15. Mas ninguém reparou que temos, pela primeira vez, 4 mulheres eleitas presidentes de câmara neste distrito? por favor, uma nota em rodapé, qualquer coisa...

    ResponderEliminar
  16. José Pinto de Sá30 setembro, 2013 18:00

    Afinal o Anónimo está a responder ao Anónimo ou ao Anónimo? Ficava tudo mais fácil se as pessoas se identificassem. Quem não deve não teme...

    ResponderEliminar
  17. Porra...e tinha que ser logo em regime de ditadura do proletariado?

    O Eborense sempre foi um bocado burro...têm a mania que é esperto e julga que é de sangue azul.

    O QUE VALE é que o jogo rasteiro e canalha que foram fazendo pela calada da noite em blogs como o anónimo mais Évora deverá acabar....ou continuar...
    Em ditadura, não precisam da oposição pra coisa nenhuma, até porque o lema é: Reivindicar, reivindicar, reivindicar.
    Como se a instalação de uma empresa privada pudesse ser reivindicada aos proprietários.

    Os maus fígados vão-se instalar pela cidade durante uns tempos, até porque os mais arrogantes de todos sempre foram os comunistas quando têm o rei na barriga. Nunca conheci um comunista humilde em maioria absoluta. Quem tem macaquinhos no sótão nunca os deixará de ter.

    Espero que as forças inteligentes da cidade - alguns foram passando aqui por este blog - possam SEMPRE e desde logo, opinar com o seu sentido crítico.
    Até porque as ditaduras das maiorias absolutas vividas em regime democrático pela via eleitoral, são sempre, mas mesmo sempre, efémeras.

    Gostaria que a partir de hoje se pudesse criar aqui um grupo alargado de gente descomprometida com os partidos e de cabeça livre e fresca.

    ResponderEliminar
  18. (estive a ler o MaisEvora)

    Realmente a canalha que entrou para a câmara não deixou de ser canalha.

    Com coisa pouca ainda voltam a ocupar o jornal do velho Piçarra...Quase de certeza, que há meninos na Câmara ligados ao comité que fizeram parte da coisa.

    ResponderEliminar
  19. Presidentes de Câmara eleitos no Distrito de Beja

    Aljustrel: PS, Nelson Domingos Brito
    Almodôvar: PS, António Manuel Ascensão Mestre Bota
    Alvito: PCP – PEV, António João Feio Valério
    Barrancos: PCP – PEV, António Pica Tereno
    Beja: PCP – PEV, João Manuel Rocha da Silva
    Castro Verde: PCP – PEV, Francisco José Caldeira Duarte
    Cuba: PCP – PEV, João Manuel Casaca Português
    Ferreira do Alentejo: PS, Aníbal Sousa Reis Coelho de Costa
    Mértola: Jorge Rosa
    Moura: PCP – PEV, Santiago Augusto Ferreira Macias
    Odemira: PS, José Alberto Candeias Guerreiro
    Ourique: PS, Pedro Nuno Raposo Prazeres do Carmo
    Serpa: PCP – PEV, Tomé Alexandre Martins Pires
    Vidigueira: Manuel Narra

    Presidentes de Câmara eleitos no Distrito de Évora

    Alandroal: PCP – PEV, Mariana Rosa Gomes Chilra
    Arraiolos: PCP – PEV, Sílvia Cristina Tirapicos Pinto
    Borba: não apurado
    Estremoz: Grupo de Cidadãos I, Luis Filipe Pereira Mourinha
    Évora: PCP – PEV, Carlos Manuel Rodrigues Pinto de Sá
    Montemor-o-Novo: PCP – PEV, Hortênsia dos Anjos Chegado Menino
    Mora: PCP – PEV, Luís Simão Duarte de Matos
    Mourão: PS, Maria Clara Pimenta Pinto Martins Safara
    Portel: PS, José Manuel Clemente Grilo
    Redondo: Grupo de Cidadãos VII, António José Rega Matos Recto
    Reguengos de Monsaraz: PS, José Gabriel Paixão Calixto
    Vendas Novas: PS, Luís Carlos Piteira Dias
    Viana do Alentejo: PS, Bernardino António Bengalinha Pinto
    Vila Viçosa: PCP – PEV, Manuel João Fontainhas Condenado

    Presidentes de Câmara eleitos no Distrito de Portalegre

    Alter do Chão: PPD/PSD, Joviano Martins Vitorino
    Arronches: PPD/PSD, Fermelinda de Jesus Pombo Carvalho
    Avis: PCP – PEV, Nuno Paulo Augusto da Silva
    Campo Maior: PS, Ricardo Miguel Furtado Pinheiro
    Castelo de Vide: PPD/PSD, António Manuel das Neves Nobre Pita
    Crato: PS, José Correia da Luz
    Elvas: PS, Nuno Miguel Fernandes Mocinha
    Fronteira: PPD/PSD, Rogério David Sádio da Silva
    Gavião: PS, José Fernando da Silva Pio
    Marvão: PPD/PSD, Victor Manuel Martins Frutuoso
    Monforte: PCP – PEV, Gonçalo Nuno Ribeiro Brandão Amanso Lagem
    Nisa: PS, Maria Idalina Alves Trindade
    Ponte de Sor: PS, Hugo Luis Pereira Hilário
    Portalegre: Grupo de Cidadãos X, Maria Adelaide Franco Lebreiro de Aguiar Marques Teixeira
    Sousel: PPD/PSD, Armando Jorge Mendonça Varela

    Presidentes de Câmara eleitos no Litoral Alentejano

    Alcácer do Sal: PCP – PEV, Vitor Proença
    Grândola: PCP – PEV, António Figueira Mendes
    Santiago do Cacém: PCP – PEV, Álvaro dos Santos Beijinha
    Sines: PS, Nuno José Gonçalves Mascarenhas

    ResponderEliminar
  20. 17:50

    Se acham que 56,5% de abstenção e de votos brancos e nulos é pouco, que posso fazer senão rir? Dêem a volta aos números, torçam-nos que eles hão-de dizer o que vocês querem como essa da "esmagadora vitória" da CDU com apenas mais 11 mil votos e menos de 40 Câmaras (O PS tem 150... e quase dois milhões de votos...)

    ResponderEliminar
  21. Parece que os perdedores gostam de desvalorizar os que ganham. Ganhar eleições com maioria relativa ou com maioria absoluta é sempre uma vitória que os eleitores quiseram dar a uma força política. No caso de Évora os eleitores quiseram, de forma inequívoca, dar a maioria absoluta à CDU .

    Dos que ficaram em casa não reza a história, nunca saberemos em quem votariam por isso apenas se pode especular. Há anos que a abstenção é elevada e querer minimizar a vitória da CDU em Évora utilizando a abstenção é sinal de desonestidade intelectual ou incapacidade para interpretar de outra forma : os que verdadeiramente contam, os que foram exercer o seu dever de cidadãos, optaram por dar o seu voto à CDU para a Câmara Municipal, para a Assembleia Municipal e para as grandes freguesias de Évora. Isto é que conta !

    A CDU ganhou e o PS perdeu. Parabéns a Carlos Pinto de Sá e à sua equipa.

    Ao PS resta-lhe reflectir sobre as razões que levaram a esta derrota histórica e responsabilizar os seus dirigentes políticos, Francisco Costa e Bravo Nico, pela escolha de um candidato que ambos sabiam que não ia ser capaz de vencer as eleições. Esta foi a derrota de Manuel Melgão, Claudia Pereira, Capoulas Santos, Francisco Chalaça, Henrique Troncho, Paula de Deus mas também é a derrota de Francisco Costa.

    ResponderEliminar
  22. Esta é também a derrota de José Ernesto Oliveira. A derrota do Partido Socialista em Évora ficou traçada há quatro anos quando foram utilizados argumentos eleitorais inaceitáveis. Destaco a colocação de tapumes junto ao Bairro de Almeirim - como se estivessem prestes a iniciar-se as obras de construção do Complexo Desportivo de Évora - e a colocação de um letreiro no Salão Central Eborense anunciando que estavam prestes a ser iniciadas as obras de recuperação.
    http://2.bp.blogspot.com/-YKS3MUetTJk/UbyMxuvZAjI/AAAAAAAARU8/ACjPn4huRbk/s1600/complexo+desportivo.jpg
    e
    http://www.cm-evora.pt/NR/rdonlyres/9B5093C8-4184-434B-A79C-6DE5A6468D3C/0/MOSAICO2.pdf

    ResponderEliminar
  23. É a derrota da Mentira e da Negociata contra o povo,o slogan do doutor passarinha era primeiro as pessoas,claro as pessoas amigas!
    Tomem cresçam e aprendam !

    ResponderEliminar
  24. Vitória da ditadura.

    Estes gajos nem em Marte vão dar ouvidos à oposição.

    Pode até ser que enrolem o povo com festas, bonecos, musica popular, papas e bolos, porque foram eles que lhes deram maioria...

    mas se os poucos investimentos que o país conseguir atrair, vão para outras terras que oferecem mais condições e rejeitam Évora, este partido comunista durará o tempo que os filhos do povo sem trabalho querem que dure.

    ResponderEliminar
  25. @8:51

    É pá, tanta azia. Lá se foi o tachinho de secretário ou assessor? Temos pena.
    VAI TRABALHAR MALANDRO...

    ResponderEliminar
  26. @08:51
    Ainda estás na fase de NEGAÇÃO?!

    Ainda não percebeste por que os eborenses rejeitaram, com estrondo, as práticas e as políticas do PS/Évora?

    Ainda não percebeste (e são os números oficiais que o dizem) que Évora entrou em estagnação e declínio na última década e não durante a gestão CDU?

    Ainda não percebeste que a Évora a "caminho da excelência" nunca existiu, a não ser nas cabeças de meia dúzia de pantomineiros e nos milhares de comunicados da propaganda PS?

    Pelos vistos, SÓ TU ainda não percebeste, aquilo que a esmagadora MAIORIA DOS EBORENSES percebeu.

    ResponderEliminar
  27. Tanto voto nulo...hum....

    ResponderEliminar
  28. @12:21
    E, mesmo assim, com o aumento da abstenção, a lista da CDU/Évora ainda teve mais 2.000 votos, do que em 2009.

    Mais 5.000 votos que o PS! É o que se chama uma vitória "arrasadora"...

    ResponderEliminar
  29. Oh das 10:12

    Caguei pro PS!
    Eles tiveram o que mereceram: Corridos!
    Não preciso de partido nenhuma para coisa nenhuma, tu talvez precises. Além disso não sou funcionário público

    os Eborenses é que não mereciam uma ditadura absoluta. O PCP são arrogantes até ao osso, não dão ouvidos a ninguém que não seja lá do team e por isso mesmo ninguém da esquerda gosta deles nem se dá com eles.

    Não percebeste que em tempo de bancarrota o mais que vocês podem fazer pela cidade é melhorar a limpeza (são comunistas e falam a mesma língua) e mais subsídios para os agentes culturais que vos apapariquem. Mas para isso têm que tirar de outro lado.

    Em matéria de criação de oportunidade para que empresas se instalem por cá, vocês não valem nada. o Alentejo Comunista é a região mais subdesenvolvida da Europa.

    São tão ursos que até uma manifestação foram fazer à porta da EMBRAER no dia da Inauguração. A propósito, Pinto ou Luciano, conseguem ter tomates para falar decentemente com a administração da EMBRAER?

    ResponderEliminar
  30. É com enorme satisfação que vejo a CDU ter uma votação tão expressiva e esclarecedora e, ainda, reparar na queda aos trambolhões de um PS que nunca esteve à altura de uma cidade com o prestígio de Évora. E por isso quero dar os PARABÉNS aos eleitos da CDU assim como a toda a equipa que trabalhou para atingir este resultado histórico que permitiu ganhar inequivocamente estas eleições e possibilitou aos eborenses dar uma vassourada a gente que já há muito devia ter desandado da câmara.

    Outra grande satisfação é ver que o Avó Baboso Melgão, o marialva forcado Francisco Bosta, a incompetente e mal formada Cláudia Pereira, o Natarodinhas, o ser ambulante, irão todos ver se chove para outras bandas!
    Como o povo costuma dizer: Cá se fazem, cá se pagam ou ainda Tarda mas não falha.

    Boa sorte e muita coragem para este novo elenco camarário que daqui para a frente espera-vos muito trabalho, já que este PS deixou a câmara em escombros!

    ResponderEliminar
  31. @14:14
    Esse deve ser o estertor final. após o colapso de Domingo.

    Ora, tenta lá expicar-nos, à luz desses "brilhantes" argumentos, porque se ouviu aquele "estrondo" no Domingo?
    Porque perdeu o PS quase 5.000 votos dos eborenses?
    Porque ganhou a CDU, apesar do aumento da abstenção, mais 2.000 votos?
    Porque ficou, afinal, o PS com cerca de metade dos votos da CDU.

    ResponderEliminar
  32. Oh das 14,14 és tão parvo como queres aparentar? Sabes o que foram os comunistas e outros fazer à porta da Embraer? Vaiar o 1 ministro !! Achas que toda a gente é estúpida como tu? Ou bronca ? Mostra-me lá as frases de protesto contra a embraer ! Mostra ! eu estive lá e o que se fez foi participar na onda nacional de vaiar o primeiro-ministro, como fizemos noutros locais

    http://www.jornaldenegocios.pt/economia/detalhe/primeiro_ministro_vaiado_em_evora_a_chegada_a_embraer.html

    ResponderEliminar
  33. @14.18 Esqueceste-te de mencionar uma outra grande derrota do PS : S. Miguel de Machede, a terra do grande líder do PS Bravo Nico onde perderam para o BE !! Onde Bravo Nico tem enterrado dinheiro comunitário na Suão, onde Bravo Nico foi presidente de Junta Perderam para uma funcionária que tinha trabalhado na escola com o Bravo Nico.... Quem os conhece bem até concorre contra eles heheehh.
    Bravo Nico e Francisco Costa são os grandes responsáveis políticos pela derrota do PS porque foram eles que impuseram os candidatos da continuidade que Évora já não aguentava : Melgão e Claudia Pereira. Agora deviam demitir-se e Melgão devia dar lugar aos novos candidatos na vereação porque até aparentam ser pessoas sérias. O nº1 e o nº 3 da lista ditaram a derrota do PS pela incompetência e pela arrogância. Ainda assim Melgão era um pouco mais educado que a Claudia.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.