terça-feira, 24 de setembro de 2013

Ainda a participação e a cidadania


Cidadania e participação foi o tema do fórum TSF de hoje.

Ontem, a partir de Évora, este espaço de referência da rádio portuguesa ensaiou um primeiro balanço da campanha eleitoral autárquica, juntando aos comentadores nacionais o Prof. da Universidade de Évora Silvério Rocha-Cunha. Este, chamou a tenção para o "enfraquecimento da cultura política " com a predominância do discurso nacional sobre o local, nos tempos e espaços dedicados às autárquicas. E sublinhou que assim,  nem se discute a nível nacional o que é substantivo, nem a nível local se permite o debate do que interessa aos locais.

Hoje, a partir de Tavira, os Orçamentos Participativos foram o ponto de partida para o programa que contou com os contributos do Prof. António Covas da Universidade do Algarve, do sociólogo Nelson Dias, Presidente da Associação In Loco e especialista nesta matéria, e ainda  de Viriato Soromenho  Marques (comentador nacional).
Ficou, logo no inicio, clara a necessidade de distinguir entre Orçamento  Participativo e o conjunto de práticas de gestão participada. Orçamento Participativo é uma dessas práticas com características  e lógicas de funcionamento próprias. Mas existem muitas outras formas e modalidades de participação, e de exercícios de cidadania.
Ficou também bem evidenciada que a participação dos cidadãos não é uma variável independente, ou seja depende das condições em que se desenvolve, das estruturas que a facilitam ou inibem, dos vários quadros legais, sociais, políticos que a promovem ou despromovem. Ou seja, a participação não acontece por geração espontânea. Só é uma realidade se for facilitada.

Quando avultam fundadas criticas sobre o papel da Comunicação Social nesta campanha, A TSF, através do "Fórum", acrescenta com estas edições, reflexões importantes para a compreensão do sistema político, social e cultural para o qual contribuímos, de uma ou de outra forma.  Sendo escassas as condições de reflexão, são de louvar as que emergem. 

10 comentários:

  1. Convido os tecnicos da Unesco virem a Évora ver o estado deplorável do centro histórico,e não se esqueçam passar pela rua de machede e ver o MAMARRACHO construido numa varanda,dizem que a criatura é candidato do Partido Socialista ,cabeça de lista a assembleia de freguesia.

    ResponderEliminar
  2. GRANDE NOITE de MUSICA TRADICIONAL PORTUGUESA.


    Quarta-Feira 21 Horas Praça do Giraldo


    RONDA dos QUATRO CAMINHOS/CANTARES de ÈVORA.

    ResponderEliminar
  3. O que se passa com Melgão?

    Parece cansado,triste e desmotivado.

    Paulo Jaleco está a supreender os municipes pela sua determinação.

    Será vamos ter uma luta entre jaleco e Pinto de Sá?

    ResponderEliminar
  4. Fernanda Ramos,Libório,Lima,Troncho.......desapareceram......

    ResponderEliminar
  5. @ 17:12

    O que andas a fumar?!

    ResponderEliminar
  6. força Engº. Melgão, cá estarei para lhe "botar" nas urnas o meu voto.
    O que vai por ai é tudo dor de cotovelo.

    ResponderEliminar
  7. a comunalha continua a dar papas e bolos para apanhar tolos.

    Tragam Os XUTOS!

    ResponderEliminar
  8. Ontem aquela senhora vereadora apareceu a dizer mentiras... hoje não sei onde andou mas coisa boa não deve ter sido.
    Pela Cultura em Évora!

    ResponderEliminar
  9. XUTOS para quê ? Quem vai dar valentes xutos no traseiro dos socialistas são os eleitores no próximo dia 29 ! Não precisamos de mais xutos, os que cá estão chegam bem para correr com os xuxas da Câmara de Évora. Nem vão parar !

    ResponderEliminar
  10. Há cerca de 20 anos que deixei de votar.
    E deixei de votar por uma razão simples. Aqueles em quem votamos não se interessa nada por nós.
    Prometem, prometem, mas já sabem que nunca irão cumprir essas promessas.
    È tão fácil prometer uma aeroporto internacional para Évora.
    Um parque desportivo com relva sintética e pista de tartan, até se pode prometer um canal navegável até ao mar de maneira a que grandes navios venham acostar em Évora.
    Eles sabem que nunca poderão cumprir o que prometem, mas prometem tudo.
    A intenção deles em primeiro lugar é servir o partido e aquilo que o partido disser é o que eles fazem. Não julguem que um Presidente de Câmara governa pela sua cabeça. Desenganem-se
    Depois em segundo lugar é arranjarem lugares para os familiares e amigos.
    No fim de tudo é que fazem algo pela população. E fazem algo mais perto das novas eleições.
    Os presente candidatos não tem esses atributos.
    O Povo português vive emprenhado pelas orelhas. O que lhe dizem é o que eles aplaudem.
    Como é possível votarem novamente num candidato que já os enganou??
    Gostaria de voltar a votar mas num candidato que dissesse que não prometia nada mas que iria ver se seria possível isto ou aquilo, sem exageros.
    E um candidato que mal entrasse na Câmara ordenasse um levantamento geral das administrações anteriores de maneira a que os munícipes pudesse saber por onde foi o dinheiro público e quem para lá entrou por compadrio.


    No dia que esse candidato aparecer, TEM O MEU VOTO

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.