quinta-feira, 1 de agosto de 2013

MUNICÍPIO DE ÉVORA: QUE PERFIL ESCOLHER NAS ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS?

Os eborenses serão em breve convocados a escolherem o próximo Presidente da CM de Évora, que iniciará um novo ciclo político, findos os 12 anos correspondentes a 3 mandatos consecutivos do PS como força política absoluta primeiro e maioritária depois, desde 2001. Essa será a primeira nota a reter: o pior que os eborenses poderão fazer, será absterem-se do exercício dos seus direitos, mas acima de tudo, dos seus deveres como eleitores decisores a quem cabe a escolha da qual não poderão mais tarde queixar-se apenas pela crítica, se não tiverem exercido no ato da eleição, a sua opção efetiva.
Ora, como as eleições são um momento especial que tende a iludir todo o resto dos mandatos, procurando as candidaturas dirigir a atenção dos eleitores para os fatos mais recentes, para os últimos 6 meses antes das eleições, importaria fazer um exercício “à priori” ou “ex-ante” sobre qual o perfil de candidatura que melhor servirá os interesses da autarquia eborense neste momento, em 2013 e tendo em vista o horizonte de um novo ciclo político até 2020, correspondente ciclo europeu do novo QEC (Quadro de Referência Estratégica no âmbito do ciclo europeu 2020).
Podemos começar por questionar se o melhor perfil de Presidente do Município será o da continuidade da gestão dos últimos 12 anos, empenhado nos descalabros e insucessos da gestão anterior, prometendo agora fazer melhor não se sabe bem o quê, porque, já se percebeu que a medida de certas candidaturas quanto à melhoria conseguida é muito parca e que facilmente se reduzirá a uma pedra de calçada agora desencaixada ou a algum balcão supostamente único num serviço municipal que não conseguiram por a funcionar melhor em benefício dos eborenses, ao longo de 12 largos anos.
O insucesso do PS na gestão da CM de Évora durante 12 anos deve-se apenas à sua incapacidade e incompetência para governar os destinos do concelho, por um lado e, por outro lado, a uma total incapacidade e incompetência na gestão da máquina que é a autarquia em si, a qual em nada funciona hoje melhor que há 12 anos atrás. O mínimo que os eborenses esperariam hoje, passados 12 de vacas gordas com 8 anos de governação socialista ao nível nacional, seriam a redução da dívida herdada e uma modernização substancial do funcionamento dos serviços municipais. Nada disso foi conseguido, nem no primeiro mandato, quando o PS teve maioria absoluta, nem nos seguintes e, mesmo aí, poderão os eborenses agradecer ao vereador do PSD as iniciativas que foram levadas a cabo, com ponderação, responsabilidade e controlo, a partir de 2005.
Esta é, por outro lado, uma fragilidade da candidatura da CDU à CME nestas eleições: o número de propostas ativas, ou de iniciativa que 3 vereadores da CDU apresentaram (ou não) nomeadamente durante os últimos 8 anos em que o PS perdeu a maioria absoluta e ficou representado na CM com os mesmos 3 vereadores que a CDU. As atas das reuniões da CME, disponíveis no site respetivo da web revelam apenas uma atitude da CDU ao longo dos últimos 8 anos: uma oposição de rejeição total contra o PS que governava e contra o PSD que apoiava quando achava oportuno e do interesse de Évora e dos eborenses.
A permanente, reiterada e sistemática atitude de rejeição e de oposição negativa e destrutiva da CDU durante tantos anos, acabou por ser corrosiva até internamente, ao ponto de este força política deixar de funcionar de forma coerente e como alternativa, antes dando origem a uma candidatura de alguém de fora do concelho, já reformado e impedido de se candidatar a outro concelho, da linha mais ortodoxa do PCP e bem diferente em termos de perfil do ex-presidente Abílio. Será este o perfil desejado para presidir e gerir um novo ciclo de futuro para o concelho de Évora?
Em qualquer dos casos de escolha dos eborenses, pelas candidaturas do PS ou da CDU, poderão contar com presidentes de CM que apenas desculparão a dívida acumulada por má gestão própria, vociferando contra o governo que não resolve os problemas que o PS criou e agravou em Évora, ou então, manifestações de rua permanentes e uso e abuso dos autocarros da autarquia para transporte dos funcionários sindicalizados em direção às manifestações da CGTP em Lisboa, caso fosse a CDU a força vencedora nas próximas eleições autárquicas.
Restam assim, as candidaturas protagonizadas por independentes associados a forças políticas, suficientemente desprendidos das estruturas partidárias e que lhes permitam por um lado, algumas ruturas controladas com o passado dos últimos 12 anos em Évora e, que alarguem por outro lado o leque de abrangência para além das sedes dos partidos, que se sintam suficientemente à vontade para poderem criticar e exigir perante os governos (sejam do PSD ou do PS) o cumprimento das promessas que fazem em campanha e que são determinantes para a vida do concelho e do Alentejo, como seja a construção do Hospital Regional em Évora, que foi orçamentado pelo PSD em 2005 e abandonado pelo PS a meio do mesmo ano aquando das eleições legislativas seguintes.
O pior que poderia acontecer a Évora e ao futuro dos eborenses, seria que todos os que criticaram tão severamente ao longo dos últimos 30 anos a subserviência da gestão municipal à influencia da Rua de Avis ou da Travessa da Alegria, não valorizem o que nisso, poderá ser diferente nestas eleições por parte de outras candidaturas, bem mais promissoras.

PSD/Évora (aqui)

30 comentários:

  1. "poderão os eborenses agradecer ao vereador do PSD as iniciativas que foram levadas a cabo, com ponderação, responsabilidade e controlo, a partir de 2005."
    AH AH AH AH
    Há gajos com uma grande lata

    ResponderEliminar
  2. O PERFIL
    Para teres a "mama" do PS/PSD, o mais fácil é ser da família, ou afilhado.
    Se já fores rico tens ingresso assegurado.
    De qualquer maneira, se ainda não a vendeste, vais ter que vender a alma ao diabo.
    Descartar valores humanos e sociais, a palavra, a honra, a honestidade, a responsabilidade.
    Tens que ganhar a confiança da associação criminosa.
    Tens que ter currículo. Um desfalque ou uma falência litigiosa, são altamente considerados.
    Se não tiveres diploma, falsifica.
    Um carro de alta cilindrada é obrigatório, mesmo que seja a crédito, ou roubado.
    Fato, gravata, brilhantina, dentes alvos, bem palitados.
    Tens que jurar fidelidade à "cartilha" e cumprir os mandamentos do corrupto.
    Tens que ser um empresário nova vaga. Em tudo o que fizeres, és obrigado a roubar o estado e o interesse publico, para lucro dos gatunos apaniguados.

    Pergunta ao Ruivo, ou ao do "selo branco", que eles sabem como é.
    Se tiveres acesso directo às cúpulas das associações criminosas, pergunta ao Miguel Lima ou à Fernanda Ramos, ao Branquinho ou ao Dieb.

    ResponderEliminar
  3. Desejo, sinceramente, que o PSD consiga manter o seu vereador na CME. Mas começo a ter algumas dúvidas.

    ResponderEliminar
  4. «Fernando Seara pode candidatar-se a Lisboa até nova decisão do tribunal

    Juízes suspenderam a proibição que o impedia de avançar para a Câmara de Lisboa.

    O Tribunal Constitucional suspendeu a proibição de Fernando Seara se candidatar à Câmara de Lisboa. Isto significa que até esta instância judicial se pronunciar sobre se o autarca pode ou não avançar para a corrida eleitoral, o candidato pelo PSD e CDS pode dar seguimento à sua candidatura.

    A notícia é avançada pela agência Lusa, que teve acesso a um acórdão do Tribunal Constitucional.»

    Depois de vários posts a aplaudir outras decisões judiciais sobre as providências cautelares da “Revolução Branca”, vamos ter NOVO post no Cinco Tons sobre este assunto. Tenho a certeza. O Carlos Júlio nunca brinca em serviço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também tenho a certeza que vai sair um NOVO post sobre o assunto.
      E é mesmo já a seguir...

      Eliminar
    2. Já agora, desculpem lá qualquer coisinha, e embora não costume dialogar com anónimos acho que estão muito, mas muito enganados. E se tivessem feito uma aposta já a teriam perdido, aliás como qualquer pessoa que me conheça sabe.
      1. Nunca publiquei nada em que defendesse que os presidentes recandidatos com mais de 3 mandatos não se pudessem recandidatar;
      2. Pessoalmente acho que não vai haver qualquer impedimento;
      3. Sendo o PSD e o PCP velhas e sabidas raposas quando avançaram com candidatos nestas circunstâncias em autarquias tão importantes como Lisboa, Porto, etc. era porque tinham uma margem grande de segurança de que não haveria impedimentos.
      Caros anónimos, como vêm, a vossa deturpação e manipulação daquilo que por aqui se vai dizendo tem velhas barbas, como Matusalém.
      Desculpem esta intromissão. Mas uma vez por outra não se torna hábito e até dá gozo. E é bom vê-los por aqui tão animados.

      Eliminar
    3. Só para avivar a memória do Carlos Júlio:

      Post AcincoTons - 20 de Março de 2013:
      «Fernando Seara impedido de se candidatar a Lisboa!
      Tribunal impede Fernando Seara de ser candidato às eleições autárquicas»


      TÍTULO do post:
      «PCP: e agora, no Alentejo, o que fazem com Pinto Sá, João Rocha, Vitor Proença...?»

      Post AcincoTons - 15 de Abril de 2013
      Depois de Seara a Lisboa, agora é Menezes que não se pode candidatar ao Porto. São só tiros nos pés. E os outros andam de rabinho tremido. Vamos a ver se a justiça consegue manter-se distante de quem manda e acabar com as chico espertices de que 3 mandatos afinal não são 3.

      TÍTULO do post:
      «A chico espertice de que 3 mandatos afinal não são bem 3»


      É por isso que tenho a certeza que está para sair um NOVO post com esta decisão do Tribunal Constitucional que anula as anteriores.
      E, já agora, com a posição do Carlos Júlio, a esclarecer os leitores do ACincoTons que acha “que não vai haver qualquer impedimento”. Aliás, como parece ter pensado SEMPRE visto que as “velhas e sabidas raposas quando avançaram com candidatos nestas circunstâncias em autarquias tão importantes como Lisboa, Porto, etc. era porque tinham uma margem grande de segurança de que não haveria impedimentos”…

      Eliminar
    4. Isso são apenas a reprodução de notícias que sairam na imprensa, a que tantas vezes se dá destaque aqui no acincotons. Nenhuma delas representa a minha opinião pessoal que é aquela que expressei mais acima - e que, aliás, muita gente conhece.
      Quanto ao resto sabe que a decisão agora tomada pelo Tribunal Constitucional não resolve o problema. Os casos só vão ser analisados após o dia 5 de Agosto, quando terminar o prazo para apresentação das candidaturas. Na altura, quer o movimento revolução branca, quer o BE já anunciaram que vão impugnar as candidaturas nessas condições junto dos tribunais desses concelhos. Só então se saberá, em definitivo, qual o destino destas candidaturas.
      De qualquer forma, considero meramente a título pessoal, como já disse, que o PSD e o PCP para terem avançado para uma jogada de tão alto risco é proque têm algumas garantias de que a lei pode ser "lida" desta maneira e que não haverá problemas. Caso estes candidatos fossem impugnados e impedidos de concorrer seria um valente "tiro no pé", com consequências imprevisíveis para esses partidos. Basta olhar para casos como o de Lisboa, Porto, Évora...
      Concluo aqui esta conversa, que foi o abrir de uma excepção. O diálogo nunca é possível com anónimos. As conversas geram-se entre pessoas de rosto aberto, que sustentam as suas afirmações onde quer que seja.

      Cumprimentos.

      CJ

      Eliminar
    5. Mudar de opinião não é crime.
      Só os burros nunca mudam de opinião.

      Eliminar
    6. Pelo que vou apercebendo até os burros mudam de opinião. Só que não têm consciência da mudança.

      Eliminar
    7. Ó Carlos Júlio, vá lá, não sejas tótó e dialoga com mais este anónimo, que não te ofende nem te quer mal.

      Mas alguma vez na vida o BE impugnaria uma candidatura só porque é encabeçada por alguém que acabou de cumprir três mandatos noutro concelho? Ó Júlio, é preciso não perceber nadinha de nadinha.

      Achas que o BE se juntaria ao Revolução Branca (cujo nome já diz muito) por exemplo para impugnar a candidatura da CDU aqui em Évora? Estás a ver a Maria Helena Figueiredo, a sua candidatura ou o partido que a veicula, a impugnarem a candidatura de Carlos Pinto de Sá e da CDU?

      Ó Carlos, mas quantos anos é que tu tens disto? É possível que sejas tão ingénuo, tão tótó?

      O BE, nem aqui em Évora, nem em parte alguma, alguma vez impugnará seja o que for por este motivo.

      O BE é um partido demasiado oportunista. Quando os ventos, da comunicação social, da opinião pública, dos comentadores, de alguns juristas, sopravam a favor da interdição de mais de três candidaturas consecutivas de um presidente de Câmara fez logo as suas costumeiras entradas de leão, anunciando que impugnaria quem tal desrespeitasse.

      Mas assim que os ventos viraram, que os juristas, os tribunais e a própria opinião pública se foram convencendo de que não tem pés nem cabeça proibir alguém de se candidatar, num novo concelho, em pé de igualdade com os restantes candidatos, sujeito como os outros ao escrutínio e vontade popular, só pelo facto de ter sido presidente de câmara noutra autarquia, então o BE fez as suas costumeiras saídas de sendeiro e nunca mais ninguém lhe ouviu, nem ouvirá, palavra sobre o assunto.

      Cada vez que o João Semedo ou qualquer outro candidato bloquista voltasse a dizer que impugnaria candidaturas adversárias por este motivo perderia votos. E pronto, isso basta para que nunca mais voltem a falar disto. Já perceberam que a população gosta de ver jogo limpo no terreno eleitoral e reage muito mal a estas golpaças de secretaria para afastar candidatos que estão ali, abertamente, às claras, a disputar, exactamente como os seus adversários, a eleição.

      A causa tornou-se demasiado impopular. E o BE, de espinha mole, com o oportunismo característico, arrependeu-se logo das fanfarronadas iniciais.

      Entradas de leão, saídas de sendeiro. Deixa lá, Júlio, deixa cair o assunto, não mexas mais nisto. Os bloquistas, os candidatos bloquistas, a direcção do partido bloquista agradeceriam se não voltasses a lembrar promessas incómodas.

      (Quanto à decisão final do Tribunal Constitucional não é segura, mas é, contudo, provável. Afinal, para além de todos os argumentos democráticos e de bom senso, o que foi, de facto, aprovado na AR, foi que a interdição era de mais de três mandatos seguidos na mesma autarquia).

      Eliminar
    8. Diz, agora, e bem, o Carlos Júlio:
      «Os casos só vão ser analisados após o dia 5 de Agosto, quando terminar o prazo para apresentação das candidaturas.»

      Só não explicou o que queria dizer com estes títulos:
      (20 de Março de 2013)
      «PCP: e agora, no Alentejo, o que fazem com Pinto Sá, João Rocha, Vitor Proença...?»
      (15 de Abril de 2013)
      «A chico espertice de que 3 mandatos afinal não são bem 3»

      Diz agora:
      «considero meramente a título pessoal, como já disse, que o PSD e o PCP para terem avançado para uma jogada de tão alto risco é proque têm algumas garantias de que a lei pode ser "lida" desta maneira e que não haverá problemas. Caso estes candidatos fossem impugnados e impedidos de concorrer seria um valente "tiro no pé", com consequências imprevisíveis para esses partidos»

      Mas o que escreveu há uns meses, parece-me a mim que não foi bem a mesma coisa:
      «Depois de Seara a Lisboa, agora é Menezes que não se pode candidatar ao Porto. São só tiros nos pés. E os outros andam de rabinho tremido. Vamos a ver se a justiça consegue manter-se distante de quem manda e acabar com as chico espertices de que 3 mandatos afinal não são 3.»

      Serei eu que estou a interpretar mal o texto, o foi o autor que se atrapalhou na composição?

      Eliminar
    9. 14,54

      É só para informar que no dia 5 de Agosto o Blodo de Esquerda de Évora vai impugnar a candidatura de Carlos Pinto Sá (CDU) à Câmara de Évora junto do Tribunal da comarca. Fica o esclarecimento de quem não tem "a espinha mole".

      Eliminar
    10. Ah, Ah, Ah, gostava de ver isso, "espinha rija". (Só teria pena pela Maria Helena, que não merece tanta burrada.)

      Eliminar
  5. Para uma discussão séria sobre o que o PSD aqui afirma nada como consultar as actas das reuniões de Câmara e da Assembleia Municipal. O PSD fez fretes, atrás de fretes, à gestão do PS . Para mim é tão responsável pelo desastre como o PS. Foi o vereador do PSD que viabilizou ao PS muitas das opções que conduziram este concelho ao desastre ! O vereador do PSD não só votou favoravelmente como se absteve, violentamente diriam os seus amigos do PS, em decisões que conduziram a CME à falência e a uma dívida de 80 milhões de euros ! Na verdade o executivo só foi composto por 3 vereadores da oposição porque o quarto, o do PSD, esteve do lado da péssima gestão que caracterizou os últimos mandatos do PS na CME. Será que o PSD pensa que somos todos acéfalos e desligados do que se passou?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito que seja verdade que o PSD fez ALGUNS fretes ao PS. Mas que assim seja, isso NUNCA o colocará em pé de igualdade quanto às responsabilidades no "desastre".

      Essas responsabilidades terão de ser assacadas em primeiro lugar e principalmente ao Presidente da Câmara e ao Partido que o suporta.

      Meter no mesmo saco um vereador (sem pelouros) e um Presidente da Câmara é branquear a situação e contrubuir para ilibar os verdadeiros responsáveis pelo desastre. A não ser que se demonstre que foi o vereador do PSD a IMPOR as suas políticas aos 3 ELEITOS do PS.

      Eliminar
    2. A crítica, quando excessiva, torna-se não só injusta como deixa de fazer sentido. É o caso desta equiparação entre as responsabilidades de PS e PSD. Só por ignorância ou má-fé se pode justificar tal paralelo.
      Para quem conheça a orgânica de funcionamento de uma Câmara Municipal, sabe que cade ao Presidente da Câmara (um órgão unipessoal, com atribuições e competências próprias) grande parte (talvez a maioria!) das decisões de gestão de um Município. Só as restantes são submetidas ao outro órgão do Municipio: a CÂMARA MUNICIPAL.
      A não ser que alguém demonstre a existência de um cambalacho entre o vereador do PSD e o Presidente da Câmara PS, não é possível sustentar que PS e PSD são igualmente responsáveis pelo desastre. Os responsáveis são os eleitos do PS, os únicos que tiveram pelouros e cargos executivos durante os últimos 12 anos.
      E o resto é conversa de embalar, para distrair meninos rebeldes...

      Eliminar
  6. Gostava que o PSD tivesse a coragem para fazer um presta contas do trabalho do vereador Dieb onde divulgasse qual foi o sentido de votos nas opções da gestão do PS. Já agora divulguem também como votaram os deputados do PSD na Assembleia Municipal. Divulguem, por favor. Quem não deve, não teme. Mais interessante seria que esse presta contas fosse feito por referência aos programas eleitorais que submeteram a sufrágio . Assim, ficaremos todos mais esclarecidos sobre o papel que o PSD desempenhou nos últimos mandatos com assento no executivo camarário e se foi fiel ao que prometeu nas sucessivas campanhas eleitorais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que eu gostava era de ver uma "prestação de contas" do partido que tem cargos executivos na autarquia: o PS!

      E podiam começar pelas PROMESSAS que fizeram na campanha eleitoral e que não cumpriram. Ou até mesmo por aquelas em que fizeram exactamente o contrário do que prometeram.

      E, se alguém ainda tiver dúvidas sobre as referidas promessas, posso dar exemplos...

      Eliminar
  7. Tão responsável é quem tem cargos executivos como aqueles que sentaram o traseiro nas cadeiras do executivo, receberam o dinheiro das senhas de presença( é assim que se chama ? ) e votaram as propostas do PS. O sentido de voto ajudou a implementar ou a travar as políticas. Nunca é de mais recordar que o PS NÃO TINHA A MAIORIA NA CME : 3 PS +3 CDU+1 PSD . Quem deu a maioria ao PS foi o PSD ! Por isso demonstrem que estiveram afastados das políticas ruinosas do PS ! Demonstrem como votou o vereador Dieb . Provem que não esteve ao lado da má gestão do PS !
    Não estou a desculpar o PS, pelo contrário ! Estou a dizer é que o PSD não pode achar que lhe basta escrever um texto onde se demarca do PS quando passou 12 anos a votar como se fosse socialista !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A crítica, quando excessiva, torna-se não só injusta como deixa de fazer sentido. É o caso desta equiparação entre as responsabilidades de PS e PSD. Só por ignorância ou má-fé se pode justificar tal paralelo.
      Para quem conheça a orgânica de funcionamento de uma Câmara Municipal, sabe que cabe ao Presidente da Câmara (um órgão unipessoal, com atribuições e competências próprias) grande parte (talvez a maioria!) das decisões de gestão de um Município. Só as restantes são submetidas ao outro órgão do Municipio: a CÂMARA MUNICIPAL.
      A não ser que alguém demonstre a existência de um cambalacho entre o vereador do PSD e o Presidente da Câmara PS, não é possível sustentar que PS e PSD são igualmente responsáveis pelo desastre. Os principais responsáveis são os eleitos do PS, os únicos que tiveram pelouros e cargos executivos durante os últimos 12 anos.

      Meter tudo no mesmo saco, como se tivessem responsabilidades equivalentes, só serve para confundir e branquear as asneiras dos principais responsáveis pelo desastre: o Presidente da Câmara e Vereadores com responsabilidades executivas (pelouros)...

      Eliminar
  8. E aquelas que não são competência do Presidente da Câmara e que são submetidas a deliberação ? O vereador Dieb demarcou-se ou esteve do lado do presidente da câmara ? Para que uma crítica violenta como a que foi feita pelo texto do PSD aqui reproduzido, não basta dizer que a maioria das competências são do presidente da câmara e que o PSD nada teve a ver com «a gestão dos últimos 12 anos, empenhada nos descalabros e insucessos ». Palavras leva-as o vento e todas são lindas em período de campanha. De repente parece que Pilatos ressuscitou para dar forma a uma candidatura. Onde anda então o S. Tomé que defendia que para crer precisava ver ? Está em cada um dos eleitores que quer ser esclarecido e que não se contenta com devaneios literários típicos de anos eleitorais

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Naquelas que não são competência do Presidente da Câmara, a responsabilidade é de quem as aprova na CÂMARA MUNICIPAL. E aí estará, certamente, o vereador do PSD incluído em muitas das decisões erradas que foram tomadas nos últimos 8 anos, pois sem o seu voto ou a sua abstenção não seria possível tomar tais decisões.

      Mas daqui não se deduz, nem creio que seja razoável deduzir, que PS e PSD são IGUALMENTE responsáveis pelo desastre dos últimos anos.
      Mesmo que haja responsabilidades atribuíveis a ambos (e seria necessário identificar cada uma decisões erradas e a posição de cada um) há um que é SEMPRE o PRINCIPAL responsável: o PS, que desempenhou a TOTALIDADE dos cargos executivos durante 12 anos (Presidente e Vereadores com Pelouros).

      Por isso reafirmo:
      meter tudo no mesmo saco sós erve para confundir e branquear os PRINCIPAIS RESPONÁVEIS da situação desastrosa em que se encontra a CME.

      Eliminar
  9. Sobre a questão da limitação dos mandatos, aqui abordada, parece-me que algumas pessoas se esqueceram de quem em Portugal existe uma lei fundamental que se chama Constituição da República Portuguesa. É uma chatice haver esta lei, não dá jeito a muita gente nem a muitos governantes mas existe. Ainda existe.
    Esta lei consagra, e garante, a liberdade de cada um de nós e de nós todos: de eleger e de ser eleito. Uma lei, emanada da AR, não pode contrariar a lei fundamental do País, limitando a três mandatos a candidatura aos órgãos autárquicos. Quais são as razões que levaram à aprovação desta lei? Evitar a corrupção? O abuso de poder ? Como se nenhum destes ilícitos tivesse ocorrido em governantes de primeiro ou segundo mandato...
    Convém não esquecer que de 4 em 4 anos os eleitos têm que se recandidatar isto é, renovar a confiança que neles foi depositada ou perdê-la pelos votos depositados na urna. É o povo que decide, de forma livre, se quer que determinado eleito cumpra mais um mandato. É esta a essência da democracia : o povo decide nas urnas se um determinado indivíduo , ou equipa, deve prosseguir ou se chegou a altura de mudar.
    Que dizer, então, dos autarcas com três mandatos que, não podendo recandidatar-se como presidentes, integram o segundo lugar de uma lista? Veja-se o caso da União das Freguesias Malagueira / Horta das Figueiras : Baltazar Damas, presidente de Junta durante 3 mandatos, é o segundo da lista a essa União de Freguesias. Assim já pode continuar a integrar o executivo? Como cabeça de lista não podia mas como número dois já pode ? Procurem que vão encontrar mais exemplos onde os defensores da limitação de mandatos encontraram uma forma de se eternizar no poder. Ora agora tocas tu, ora agora toco eu...Este é apenas um pequeno exemplo local.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Totalmente de acordo.
      Esta lei absurda visa atingir um objectivo duvidoso ou até mesmo perigoso: disseminar a ideia que é por esta via - da limitação de mandatos -, que se combate a corrupção dos políticos.

      Ora isso é completamente falso, como se pode verificar em várias situações bem reais em que a corrupção se iniciou logo no primeiro mandato (vide Fátima Felgueiras).
      A corrupção nas autarquias terá de ser combatida com leis mais correctas e justas e sua efectiva fiscalização e aplicação.
      Ora, o que se tem feito nos últimos anos (em grande parte pela mão do PS, que agora usa a limitação de mandatos como desculpa da sua tolerância, ao longo de décadas, para com os corruptos), são leis cheias de buracos e facilitadoras da corrupção. E, se quiserem, poderei dar alguns exemplos.

      Eliminar
  10. «acabamos com o espetáculo degradante dos sacos plásticos cheios de lixo amontoados no Centro Histórico…»
    Manuel Melgão

    O candidato do PS tem toda a razão. No tempo da CDU o Centro Histórico era um nojo com a recolha de lixo em sacos de plástico. Colocados nas ruas, os cães e gatos espalhavam o lixo todo. Sei do que falo. Era uma nojeira pegada e o exemplo que nos tempos "do paraíso na terra" que para os comunistas era évora o que mais contava era a propaganda. A realidade que se lixasse. Era o lixo nas ruas, os constantes cortes de água no verão ou por causa de complicações na rede. Uma miséria franciscana, digna de outras épocas, que agora querem branquear, dizendo que tudo foi bom no seu tempo e tudo mau agora. Nem tanto ao mar, nem tanto à terra. Se perderam as eleições há 12 anos foi porque o povo de Évora os despediu por incompetência e mau serviço.
    Melhoraram? Duvido. A arrogância que agora demonstram é o e exemplo que nada aprenderam. Ficaram mais azedos e a competência a mesma: nenhuma.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O candidato do PS ou é ignorante ou não passa de um mentiroso, seguindo a cartilha do Ernesto.

      As obras dos contentores começaram antes do PS chegar à presidência da câmara. Só o Melgão, e meia dúzia de secretários, parece que não sabem disso.

      Eliminar
    2. Os senhores do PS, com a sua habitual intrujice, acham que as obras que vinha do tempo da CDU e eles concluíram, são obras integralmente do PS. (como é o caso desta dos contentores ou dos arranjos das muralhas)

      Ao mesmo tempo que conseguem esse milagre de apagar o passado, imputam as despesas dessas obras (algumas delas só concluídas, em 2004 ou 2005, à dívida CDU.

      Ou seja, os intrujões escolhem o melhor de dois mundos: a OBRA É PS, a DÍVIDA é CDU.

      Continuem a votar nos intrujões mas, depois, não se admirem do estado de falência em que a CME se encontra… e que todos nós vamos ter de pagar em impostos e taxas no máximo, durante 20 anos (pelo menos)!

      Eliminar
    3. É pá, não fales do nojo que era o Centro Histórico que me lembro logo do nojo que é hoje.

      Merda de cão por todos os lados...
      Ervas a crescerem livremente pelas ruas e largos até secarem, porque já ninguém as corta nem deitam herbicida...
      Sarjetas secas a exalarem cheiro a esgoto, porque a câmara de excelência perdeu o hábito de lhes deitar água no Verão…
      Contentores de lixo sem serem lavados ou desinfectados, há meses ou anos, a exalarem um insuportável cheiro a podre.
      Espaços verdades abandonados e cada vez mais degradados…
      Ruas onde a circulação se parece com a navegação em mar encapelado, tal a dimensão e quantidade de lombas ou buracos…

      Por favor não me fales em nojo, porque me faz lembrar a degradação a que chegou o centro histórico nos dias de hoje.

      Eliminar
  11. Nojo é o que se vive em toda a cidade, sim porque os bairros fora do centro histórico também são cidade ! Nojo ! É lixo, é mato, é ervas por todo o lado, são contentores que cheiram mal, sujos, sujos, sujos até mais não. Por onde quer que nos viremos só vemos lixo !
    Está melhor o centro histórico? Cheira mal para onde quer que nos viremos. Pode não ter sacos mas que está tudo mais sujo e mais porco, ninguém duvida. Ninguém pode ser um exagero. Alguém que use óculos da marca PS pode não ver mas aí o problema é do material ou da falta de visão ( ou de ambos).
    Há 12 anos o povo despediu a CDU e fê-lo usando de um direito inalienável que voltará a usar a 29 de setembro para despedir o PS !

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.