sábado, 10 de agosto de 2013

A informação serve para provocar mudanças, ou já só é entretenimento ?



Evidenciar a promiscuidade entre o público e o privado, a dependência asfixiante do politico face ao económico, a ausência de ética na gestão politica e económica, publica e privada ,é o que alguns ainda vão conseguindo fazer, como neste caso.
Segue-se a pergunta : Não é o conhecimento dos factos, devidamente comprovados, impulsionador de medidas concretas ? Não é a informação suporte de mudança ? Ou persistirão "mãos invisíveis" que garantem a resignação geral, fazendo-nos apenas lamentar  não pertencermos ao privilegiado grupo dos  "criminosos ?

6 comentários:

  1. A informação serve para disfarçar os diabos em Portugal , pois é mais fácil saber-se o que existe no mar de Itália povoado por Sìrios do que realmente é verídico em qualquer canto por cá .

    Somos todos a CNN do Mundo !


    Jorge

    ( ciclista )

    ResponderEliminar
  2. Nem entretenimento é ...parece que andamos todos autistas...ou então somos todos invejosos de ser corruptos. Cada português faria o mesmo se estivesse no mesmo contexto. É a única explicação que encontro para o que acontece à nossa volta!

    ResponderEliminar
  3. Este SENHOR DEVE VIVER NO MUNDO DA LUA...COMO SE FOSSE POSSÍVEL EM PORTUGAL TOCAR NESTES POLITICOS CORRUPTOS.
    ELES É QUE FAZEM AS LEIS E PRECAVEEM-SE PARA NAO SEREM APANHADOS.
    A UNICA E VIAVEL SOLUÇAO É QUE CADA POLITICO SÓ PODERIA ESTAS NO ESTADO UMA LEGISLATURA, DEPOIS RUA, VÁ TRABALHAR.
    E QUE HAJA UM SUPERVISOR QUE NAO DEIXE QUE QUANDO SÃO SUBSTITUIDOA DESPAREÇAM PAPÉSI COMO GJ AVCONTECE QUANDO O GOVERNO MUDA DE DONO

    ResponderEliminar
  4. Um 'SUPERVISOR'?
    Já cá tivemos um durante 48 anos. E os resultados não foram bons.

    O que precisamos é SABER ESCOLHER gente séria que coloque o interesse público acima dos interesses particulares e pessoais.
    E, a quem não fizer isso, rua!, nas próximas eleições.
    O que precisamos é de banir das consciências dos portugueses a máxima: "é corrupto, mas faz!", substituindo-a pela máxima: "é corrupto, vai para a cadeia!"

    ResponderEliminar
  5. Quanto mais estado mais corrupção, clientelismo e parasitismo - já para não dizer opressão. Cuba, URSS, Leste da Europa e por aí.

    Quanto menos estado numa economia sem espirito de iniciativa como é a nossa, significa miséria e fome. África, India e por aí

    Quanto a mim, Portugal foi, é e será sempre um misto das duas formas com a agravante de não mandar para a prisão - como fazem os países desenvolvidos da Europa do Norte, por exemplo - os prevaricadores, pela simples razão, que isto é uma oligarquia encapuçada onde o poder passa de pais para filhos, genros, enteados, parentes ou amigo do amigo - seja na politica central, autárquica e até na administração pública.
    Qualquer coisa que se faça neste país tem o dedo da cunha, do padrinho, do favorecimento.

    Por isso mesmo, NÃO VOTO em cambada de partido nenhum, porque são culturalmente o corolário cultural desta que já tem barbas.






    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Por isso mesmo, NÃO VOTO em cambada de partido nenhum, porque são culturalmente o corolário desta coisa que já tem barbas"

      Eliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.