sexta-feira, 19 de julho de 2013

Manuel Melgão entrevistado na Rádio Diana



Depois de Carlos Pinto Sá (CDU), Maria Helena Figueiredo (BE) e Paulo Jaleco (PSD), Manuel Melgão foi ontem entrevistado na Rádio Diana. Nesta entrevista, o candidato do PS à Câmara de Évora estabeleceu como uma das suas principais prioridades o reforço da ação social, dizendo que tenciona aumentar o apoio social à população, através dos cartões do município, e revelou que já apresentou propostas na câmara nesse sentido.
“Uma delas tem a ver com a possibilidade de a câmara passar a apoiar pequenas obras, porque muitas vezes as pessoas com dificuldades económicas não têm possibilidade de fazer “pequenas obras, como arranjar uma torneira ou alterar uma pequena instalação elétrica”, disse.
Outra das propostas de Manuel Melgão passa pela possibilidade de a câmara, através das suas equipas técnicas, “fazer pequenos projetos de legalização” na área do urbanismo.
“Muitas vezes, há pequenas obras que não estão legalizadas, como marquises ou anexos, e noto que as pessoas querem legalizar, mas não têm condições económicas para contratar um técnico”, destacou.
Na entrevista, o presidente da Câmara de Évora e candidato socialista revelou ainda que a Escola Básica André de Resende vai ser requalificada, estando a câmara a “aguardar o visto do Tribunal de Contas” para avançar com a obra. (Rádio Diana).

A entrevista pode ser ouvida aqui.

16 comentários:

  1. Isto não foi uma entrevista ,foi uma conversa combinada com o "pézinhos",isto é jornalismo de SARGETA.

    ResponderEliminar
  2. O apoio em pequenas obras fazia parte do Programa Eleitoral de 2009.
    Só não percebo porque estiveram à espera 4 anos, para levar o assunto à reunião de Câmara.
    E ainda menos percebo quando se sabe que quem vai aplicar a medida e tirar os louros dela vai ser o próximo executivo!
    Ou seja: o PS a fazer os filhos e a arriscar-se a que sejam outros beneficiarem deles.

    O meu partido está entregue aos bichos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. @12:22
      Essa foi só a mentira da prache, para fugir ao debate.
      Ele sabe bem as (in)capacidades que tem. Ou ele ou quem o lançou às feras!

      Eliminar
  3. Estou baralhado. Mas o PS não disse que o Melgão só participava em debates e dava entrevistas como candidato depois de formalizar as candidaturas "junto do tribunal competente"? Começando assim, que credibilidade pode ser a sua? Cada coisa que diga já não é para levar a sério.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. (Falhou a resposta. Vamos lá ver se agora é que é)
      Essa foi só a mentira da prache, para fugir ao debate.
      Ele sabe bem as (in)capacidades que tem. Ou ele ou quem o lançou às feras!

      Eliminar
    2. Ele falou enquanto presidente da câmara.

      Eliminar
    3. Pois foi. O candidato ficou à porta. Só o deixam entrar depois de formalizada a candidatura.

      Agora a sério: expliquem lá porque precisam de esconder o candidato, para que ele não vá a debates?

      Eliminar
  4. @12:21
    Os assuntos polémicos na CME: a FALÊNCIA financeira e a Gestão das ÁGUAS, nem sequer ao de leve foram abordados.
    O FAUSTINO a prestar 'serviço' aos seus camaradas, e a mostrar a nódoa que é como "jornalista"...

    ResponderEliminar
  5. Melgão dá aqui provas de participar nos debates, conversas, entrevistas, ou reuniões, que ele considera que lhe podem ser favoráveis. Outros riscos não corre. Disso é exemplo a recusa da Coleção B para discutir cultura, sabendo mesmo que quem convidou foi um agente com quem a CME manteve um relacionamento "previligiado". Mas Melgão só fala mesmo com quem quer e não com todos. Por isso é que não será nunca o presidente de todos os eborenses.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem foi o Presidente que foi convidado. Foi o vereador da cultura. E ficou decidido que só participariam em debates após a formalização das candidaturas.

      Eliminar
    2. DEBATES só após formalização das candidaturas.
      ENTREVISTAS pode ser em qualquer altura.
      Eles lá sabem porque é preciso ESCONDER o candidato...

      Eliminar
  6. lolol

    tanta gente preocupada

    ResponderEliminar
  7. Ação Social? ouvi bem?
    Este candidato esqueceu-se de que foi ele que ao longo destes anos foi responsável pela Habévora, e fez aumentos de mais de 400% nas rendas das casas dos pobres da cidade.
    Desde 2006 esta empresa municipal perseguiu e intimidou com ameaças de despejos se não pagassem esses brutais aumentos, os moradores desses bairros, que passam por grandes dificuldades, tal como todos os pobres deste país.

    ResponderEliminar
  8. Uma chachada de "entrevista"

    Fiz um esforço enorme para ouvir estes 66 minutos de "entrevista". Ponho "entrevista" entre aspas porque não se tratou nada disso. Foi uma conversa o mais inócua possível. O "entrevistador" pegou naquilo que o candidato do PS disse serem as linhas mestras da sua candidatura (políticas sociais, educação e desenvolvimento económico) e foi por aí fora, com a mão debaixo do candidato não fosse ele se perder no meandro de alguma questão.
    Lá para o fim, e telegraficamente, quase pedindo desculpa, o director da rádio diana lá pediu a opinião do "entrevistado" sobre a cultura, o centro histórico, o ambiente... (dizendo mesmo que a estes assuntos é dada uma desmesurada importância, na sua opinião...).
    O candidato do PS a isso quase nem respondeu. Deu a impressão que eram "perguntas fora do baralho" daquilo que estava combinado.
    E é estranho - muito estranho - que não tenha havido uma pergunta sequer sobre o endividamento da Câmara, a relação com as águas do Centro Alentejo, o PAEL, a relação com os agentes culturais e desportivos, etc., etc...
    Manuel Melgão e a sua candidatura podem sempre dizer que essas perguntas não lhe foram feitas - por isso não houve respostas.
    Para mim, que não sou de deixar as palavras a meio, este parece mais um daqueles jogos com "resultado combinado", neste caso com perguntas previamente definidas.
    Foi um mau trabalho da rádio - neste caso do seu director, José Faustino- (quando comparado o nível de perguntas feitas quer a Pinto de Sá quer a Maria Helena Figueiredo), mas foi também um mau serviço prestado à candidatura de Manuel Melgão. Quem ouve a entrevista (mesmo dolorosamente, pela falta de ritmo e de entusiasmo do candidato) percebe que há aqui um erro de casting - Melgão, com todos os seus defeitos e qualidades, não tem perfil para candidato à presidência da Câmara de Évora. Poderia dar um bom veredor das obras, do desenvolvimento económico, da educação, da acção social, sei lá... Mas - perdoem-me os seus apoiantes - para presidente de Câmara, de uma cidade como Évora,definitivamente, por enquanto - não sei o que vai acontecer noutros debates e entrevistas - não tem estaleca nem dimensão. É um personagem de segunda!
    É uma pena. Mas a verdade é esta. Apesar do sentimento com que fiquei desta ter sido uma entrevista combinada (e aqui a "federação" deveria intervir como a federação de futebol intervém quando suspeita de jogos com resultados combinados) a prestação de Manuel Melgão foi muito abaixo do que se poderia supor. Nem atingiu os critérios mínimos para que, se fosse atleta, lhe fosse permitida a participação nos Jogos Olímpicos. Aqui, se esses critérios existissem, estaria definitivamente afastado do "jogo eleitoral", pelo menos como cabeça de lista.
    Quanto a Paulo Jaleco ainda não ouvi a entrevista. Vai ser o meu próximo "calvário". Depois direi.
    Luís Bernardes

    ResponderEliminar
  9. Uma chachada, sim ! Mas como é que o municipio de Évora e o concelho podem sequer ponderar em manter um candidato da continuidade da ruína desta cidade? Veja-se a falta de limpeza, de investimento cultural, até de investimento económico de que tanto falam mas que não conseguem contabilizar em termos de população do concelho beneficiada. O que se torna ainda mais atroz é a forma como se fecharam nos paços do concelho parasitando do trabalho feito por agentes culturais, escolas, freguesias e outros a quem deixaram de apoiar. Já nem falo na vergonha do prémio da sociedade portuguesa de autores ! Como se atreveram depois do deserto cultural a que votaram Évora?

    ResponderEliminar
  10. Luis Bernardes, Américo Torres, dois alter-egos CDU. E a carinha, não dão?

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.