domingo, 7 de julho de 2013

Gabriel Pereira: o regresso ao absolutismo


Sou professor há quase trinta anos e há mais de vinte e cinco que, sempre voluntariamente, faço da Gabriel Pereira a minha segunda casa - na verdade, muitos têm sido os dias em que dela faço o meu primeiro lar. Por isso, muito tempo e energia lhe tenho, amorosamente, devotado.
Ao longo destas quase três décadas tenho convivido e vindo a habituar-me às teias que sucessivos ministros e suas equipas de pedagogos, legisladores, tecnocratas e burocratas, comodamente instalados nos gabinetes da 24 de Junho e da 5 de Outubro, têm tecido, ora em tom laranja, ora em colorido rosa, à volta da Escola. Teias que se fazem para logo depois, ao ritmo das entradas e saídas do poder, se desfazerem, se sobreporem e contradizerem, multiplicando-se numa intrincada, paralisante e insana urdidura. Percebe-se assim porque, para além de outras fortes razões, a profissão de professor é tão “amiga” dos anti-depressivos, dos ansiolíticos e de outros fármacos congéneres.
Mas, nos dias que correm, os professores da Gabriel Pereira vêem-se confrontados com um ataque diferente. Tudo parece indicar que a teia que hoje se está a tramar contra esta escola é tecida, não em Lisboa – pelo menos não directamente em Lisboa – mas em Évora. Daí a surpresa e o receio em muitos instalados. Também porque um dos vértices da teia está a ser segregado no interior da própria Gabriel Pereira. Dos autores/das autoras sente-se o bafo. Da prepotência e do autoritarismo do eu quero, eu posso, eu faço. Ao gosto dos tempos que julgávamos passado e que não fazem parte –nunca terão feito – da cultura desta escola. O bafo da prepotência e da arbitrariedade por explicar, “fundamentadas” em razões que a razão não consegue descortinar e que, por isso, suscitam, legitimam e dão férteis campos para as suposições de que se fala e que me recuso a acreditar possam ser o móbil por trás da Oferta Formativa cozinhada para a Gabriel Pereira para o ano lectivo de 2013/2014. Uma coisa é certa, se se concretizasse o desenho desta teia - leia-se Rede – ela conduziria a muito curto prazo a uma diáspora sem destino certo de uma parte muito significativa do corpo docente desta escola, ou seja, ao puro e simples desmantelamento deste estabelecimento de ensino. Assim, num abrir e fechar de olhos. Porque quem reina manda. E viva o regresso ao absolutismo. Ao obscurantismo. E se se andou durante anos e anos a fazer a apologia da estabilidade do corpo docente das escolas como forma de promover o sucesso educativo, aqui está um excelente corolário: cumpra-se a deslocalização gratuita de professores, mesmo que isso custe o alienar de todo um trabalho de muitos e muitos anos de dedicação e esforço, mesmo que isso signifique que as sinergias que se foram criando na escola ao longo de décadas e décadas de persistência e perseverança se percam num abrir e fechar de olhos. O que é que isso interessa? Sim, o que é que isso interessa a quem tem vindo a cair ali e aqui de pára-quedas e que, mais cedo ou mais tarde, abandonará o cargo que agora tristemente ocupa com destino a parte incerta, deixando para trás um montão de destroços e mais um contributo para o adiamento do futuro que é disso que sempre se trata quando as intervenções na área da educação se saldam por incompetência, irresponsabilidade, cegueira ou…
E então? Ficamos de braços cruzados à espera que a teia nos paralise? Aqui deixo uma proposta a todos os pais, encarregados de educação e alunos que este ano se vão matricular no 10º ano de escolaridade. Se a Gabriel Pereira é mesmo a escola em que pretendem prosseguir estudos, não hesitem. No acto de matrícula, no impresso de inscrição, assinalem-na como primeira opção. Como segunda opção. Como terceira opção. Vamos todos juntos lutar contra a prepotência e a ignorância com as armas da liberdade, do querer e do esclarecimento.

Anónimo

6 comentários:

  1. O Memorando da Troika assinado em Maio de 2011,pelo PS,PSD e CDS,foi o assumir da DESTRUIÇÃO dos Serviços Publicos,nomeadamente a educação,Saúde e Segurança Social.

    nos últimos anos passaram pela DREA,os senhores Bravo NIco,Verdasca e presentemente uma criatura do CDS,todos eles com o mesmo Objectivo DESMANTELAR a Escola Publica.

    ResponderEliminar
  2. O PSD/Évora está a destruir a Escola Publica,e a colocar os seus dirigentes nos lugares de chefia ,é fartar vilanagem .......Incompetentes,Mediocres e Propotentes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vai à urgência que tães febre.
      O PSD na manda na Educação e em Évora na manda em nada. respondo-te porque penso que na és um estúpido qualquer, mais do que um estúpido inteiro és um ignorante grosseiro.

      Eliminar
    2. quem manda Em Évora. seja na Educação na Saúde e em tudo!
      Post deste mesmo blog!
      "Há dias foi revelada na internet uma lista de nomes de pessoas ligadas à maçonaria. Umas todos sabíamos que o eram, outros já faleceram, outros são anónimos cidadãos. Não reconheço qualquer valor especial em pertencer-se ou não a esse tipo de organização. Tem a ver com o foro íntimo de cada qual. Mas não percebo o secretismo que vigora em torno desta entidade e o não se quererem revelar nomes, nem dizer que se integra a maçonaria. E a verdade é que, de cada vez que se conhece uma lista de nomes, se percebem melhor relações de poder, de proximidade e de confiança pessoal que a mera actividade profissional, política ou cívica não permitiriam descortinar. Sendo esta lista (agora) pública, e para se perceber melhor os elos de que se tece o tecido social (económico, político, cultural) em que nos movimentamos, trago para o acincotons alguns nomes que constam desta lista (até à letra L apenas, dado que foi isso que foi revelado) ligados ao Alentejo ou/e à loja eborense Aurora Alentejana.


      Aurora Alentejana António José de Carvalho Domingues Firmo
      Aurora Alentejana António Manuel Dias Pereira Santos Pinheiro
      Aurora Alentejana António Manuel Leitão Cavacas
      Aurora Alentejana António Paulo Santiago Jorge
      Aurora Alentejana Carlos Alberto Lourenço Cunha
      Aurora Alentejana Francisco Inácio Morita Coimbra
      Aurora Alentejana Francisco Manuel da Silva Rosa
      Aurora Alentejana João Luis Latas Lázaro
      Aurora Alentejana João Pedro Segurado Dias
      Aurora Alentejana Joaquim António Banha da Fonseca
      Aurora Alentejana José Alberto Noronha Marques Robalo
      Aurora Alentejana José Augusto Dias
      Aurora Alentejana José Carlos Alegria
      Aurora Alentejana José Ernesto Idelfonso Leão D’Oliveira
      Aurora Alentejana José Lourinho Graciano
      Aurora Alentejana José Luis Quitério Mendes Matos
      Aurora Alentejana José Luis Simões de Morais Luz
      Aurora Alentejana José Manuel Fernandes Varge
      Aurora Alentejana José Rodrigues Dias
      Aurora Alentejana Leonardo Manuel Valido Maia
      Lusitânia José Carlos das Dores Zorrinho
      Ocidente Luis Manuel Capoulas Santos
      Acácia Filipe José Guerreiro Palma

      Fernando Pessoa Adérito Vicente Serrão

      Eliminar
  3. Olá.
    Bom domingo.
    Aqui no Brasil, a situação, não se difere muito não. Tal, qual.
    Mas, estou lhe deixando um ...
    CONVITE
    Passei por aqui lendo, e, em visita ao seu blog.
    Eu também tenho um, só que muito simples.
    Estou lhe convidando a visitar-me, e, se possível seguirmos juntos por eles, e, com eles. Sempre gostei de escrever, expor as minhas idéias e compartilhar com as pessoas, independente da classe Social, do Credo Religioso, da Opção Sexual, ou, da Etnia.
    Para mim, o que vai interessar é o nosso intercâmbio de idéias, e, de pensamentos.
    Estou lá, no meu Espaço Simplório, esperando por você.
    E, eu, já estou Seguindo o seu blog.
    Força, Paz, Amizade e Alegria
    Para você, um abraço do Brasil.
    www.josemariacosta.com


    ResponderEliminar
  4. É muito fácil encontrar mais exemplos de nomeações de CAP de legitimidade altamente questionável, e facilmente justificadas pela constatação das filiações partidárias...

    E também são conhecidos exemplos de "prémios" e "castigos" pelas posições assumidas, na gestão da rede escolar...

    Veja-se o exemplo de Alcácer do Sal...

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.