sexta-feira, 12 de julho de 2013

Évora: Governo remete para Ministério Público auditoria às obras da Pousada da Juventude


"O processo de auditoria interna às obras de remodelação da Pousada da Juventude de Évora foi enviado para o Ministério Público.
O secretário de Estado do Desporto e Juventude, Emídio Guerreiro, fala num “conjunto de irregularidades processais”.
“Detetou-se um conjunto de irregularidade processais na relação entre os dirigente da Movijovem da altura e da empresas pelo que foi meu entendimento remeter todo este processo para o Ministério Público para apurar responsabilidades”, revela.
Segundo o governante, no “processo de reavaliação”, foi constatado que se tinham pago “cerca de 850 mil euros à empresa anterior, mas, feitos autos de medição, verificou-se que obra feita era menos 110 mil euros, números redondo, do que aquilo que tinha sido pago”." (ler mais)

9 comentários:

  1. O edificio foi adquirido no governo socialista do Guterres,a partir daí foi fartar vilanagem em obras,PS e PSD "enterraram " ali muito do nosso dinheiro.

    Já agora investiguem o caso Silveirinha/Lusitano /CCRDA.

    ResponderEliminar
  2. UMA ESTÓRIA EXEMPLAR

    Na sequência do postal anterior não resisto a escrever mais um poucochinho sobre a educativa estória do Hotel Planície (actual Pousada de Juventude).

    Não irei à mais remota, a do imediato pós-revolução em que se consumou a ocupação e a "gestão dos trabalhadores", que redundou no gigantesco passivo que comprometeu irremediavelmente a empresa.

    Estou a pensar nos episódios mais recentes, aqueles que assinalam o fim do Hotel Planície e o início da "Pousada da Juventude" a que fiz referência.

    Passam-se estes no tempo do governo Guterres-Sócrates-Pedroso-Seguro. A pasta da juventude estava muito bem entregue.

    E acontecia que o Hotel Planície ia laborando, já nas mãos de uma sociedade a que tinha ido parar no rescaldo das vicissitudes revolucionárias.

    Era titular e responsável por essa sociedade e pelo Hotel o Sr. Quaresma, pessoa bem conhecida no sector hoteleiro, em Évora, pela ligação já antiga dele e da família a essa actividade (no Hotel Santa Clara).

    Pois, como disse, o Hotel lá ia andando. Mas a qualquer observador era evidente que por razões financeiras o problema não tinha solução. Com efeito, o tal passivo existente fazia com que, por melhor que se trabalhasse, com índices de ocupação no máximo e receitas correspondentes, a empresa só estivesse a trabalhar para satisfazer compromissos bancários.

    Nenhuma unidade hoteleira daquela dimensão pode gerar receitas que ultrapassem o peso de um passivo superior a duzentos mil contos, por melhor que trabalhe. A não ser que tenha também uma máquina de fazer dinheiro, como os tais rapazes vêem o Estado.

    Mas existia um activo valioso: o edifício, sito no melhor local de Évora, e com características que abriam a possibilidade de outros aproveitamentos.

    Não evidentemente por outros interessados em hotéis, que sempre se confrontariam com a mesma dificuldade em rentabilizar algo que contava à partida com débitos da ordem que se referiu.

    A solução era obviamente, como sempre se pensa em Portugal em circunstâncias destas, o Estado.

    E assim aconteceu: um belo dia surgiu a notícia da aquisição do imóvel do Hotel Planície pelo Estado, para instalar a tal Pousada da Juventude, e tudo se consumou em luzida cerimónia.

    Algum tempo depois começou a funcionar a Pousada da Juventude no local, até que anos depois alguém, certamente alarmado com os custos de funcionamento, e confrontado com restrições orçamentais, terá tomado a iniciativa de a encerrar invocando a necessidade de fazer obras.

    Ao tempo do negócio de compra, após a excursão dos responsáveis do desgoverno de então (Seguro, Sócrates, Pedroso, Guterres), encontrei um alto dirigente do PS eborense, que foi governante, deputado, e agora é cabeça de lista às legislativas.

    Não resisti a interpelá-lo sobre o assunto. Parecia-me ruinoso o que me tinham dito; segundo as informações, e grosso modo, o Estado largou mão de uns trezentos mil contos (concretamente ao que me disseram o sr. Quaresma ainda terá podido ficar com uns vinte mil contos, o resto evidentemente foi o pagamento do passivo), e isso para ficar dono de um edifício que em seguida para funcionar como Pousada de Juventude iria gerar despesas permanentes que em não muito tempo provavelmente atingiriam outro tanto. Tinham inaugurado um sorvedouro de recursos públicos. Porquê e para quê?

    O político referido, com sinceridade e desfaçatez, retorquiu-me de pronto: ó pá, o que é que tu queres, isso foi discutido lá no partido, era preciso resolver o problema do Sr. Quaresma, que é bom homem, cá dos nossos, e foi isso que se arranjou... as coisas são assim, paciência...todos fazem o mesmo...

    Nada mais educativo do que o convívio com os profissionais.

    [http://viriatos.blogspot.pt/2005/01/uma-estria-exemplar.html]

    ResponderEliminar
  3. Esta é uma excelente notícia que só os sectários, os facciosos, os pobres de espírito e os falsos defensores da cidade não aplaudirão a mãos ambas. Finalmente aparece alguém que desbloqueia a vergonhosa situação em que há anos se encontra o Hotel Planície, adquirido por nele ser instalada a Pousada da Juventude e que nunca foi utilizado enquanto tal por via de negociatas que impediram a conclusão da sua reconversão. Esta decisão, que será complementada com a retomada de obras que permitirão a sua abertura até final do ano, merecia em MINHA OPINIÃO, o agradecimento público da cidade. Ou lá porque o homem é do PSD está excluído de tal ? Aguardo com curiosidade as próximas reuniões da Câmara e da respectiva Assembleia Municipal. António Dieb e Florival Pinto avancem com a proposta de congratulação da cidade pela decisão do Secretário de Estado da Juventude e Desporto, para ver qual será a receptividade das outras forças políticas que tão empenhadas se dizem na defesa dos interesses da cidade.

    ResponderEliminar
  4. Emendo, José Frota, em vez de José Frora, como saiu em virtude de mau batimento da tecla devida.

    ResponderEliminar
  5. As reuniões do PS eram no Hotel Planicie
    .

    ResponderEliminar
  6. O cabeça de lista do PS,Melgão .foi presidente do IPJ

    ResponderEliminar
  7. O psd ainda fez do edificio a casa pia,PS e PSD estão "enterrados" nas NEGOCIATAS e empreitadas.

    ResponderEliminar
  8. Aguardemos para ver quais os procedimentos internos do Governo perante os resultados da auditoria. A acusação de terem sido pagos 110 mil euros a mais, exige, no mínimo, a abertura de procedimento(s) disciplinar(es).

    Aguardemos para ver se este envio do processo ao Ministério Público, não se insere numa táctica muito habitual de atirar areia para os olhos dos eleitores.

    Já cá tivemos em Évora o caso da "Cerca Três" e do falso "selo branco", que foi abafado desta forma.

    ResponderEliminar
  9. PS e PSD "enterraram" dinheiro dos nossos impostos ao desbarato,Pousada;casa pia,pousada..........as obras sucederam-se .......agora a Dois Meses de eleições o PSD parece querer "entalar" o PS/Évora nestas Negociatas.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.