sábado, 15 de junho de 2013

Espectáculo comemorativo dos 100 anos de Cunhal hoje em Beja

19 comentários:

  1. Homenagem a ditadores. Portugal escapou desta ditadura comunista, mas teve outra igual com Salazar. O verso e o reverso do mesmo: comunismo e fascismo praticamente nada os distingue. Esperemos que um e outro estejam enterrados debaixo de toneladas de terra e de história.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. santa ignorância
      hás de ir para o céu dos ignorantes

      Eliminar
    2. Fascismo é uma das formas do capitalismo. Quando a democracia burguesa deixa de ser eficaz, recorre a outros métodos. E o fascismo é apenas um deles.
      Por isso comparar o fascismo com o comunismo, vai muito para além da ignorância. É, provavelmente, uma das consequências da lavagem mental a que o capitalismo nos submete.

      Eliminar
  2. Portugal infelizmente não se livrou há Ditadura dos mercados e aos corruptos que nos ultimos 25 anos nos governam.

    ResponderEliminar
  3. Sem dúvida.
    Uma forma de fascismo é o comunismo. O Cunhal era um leal Estalinista, tenho participado activamente em reuniões internacionais durante o século XX onde estavam presentes dos mais caninos opressores da história. Há muitos escritos e obras publicadas sobre isso. O capitalismo tresloucado que vivemos hoje é coisa de meninos de copo de leite.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Capitalismo tem muitas faces e o fascismo é uma delas. O Capitalismo tresloucado que vivemos hoje, travestido de neo-liberalismo, podem muito bem transformar-se em fascismo. Basta que o donos da alta-finança sintam os seus privilégios ameaçados e considerem que resolvem os seus "problemas" pela força e pela retirada de direitos a quem trabalha.
      O fascismo pode estar muito mais perto do que muitos julgam, mas não tem nada a ver com comunismo. Pelo contrário, tem sido uma das formas do Capitalismo se opor ao avanço do Comunismo.

      Eliminar
    2. O Capitalismo de Estado preconizado pelo PCP é ou não é uma forma de opressão? Claro que sim.

      Pessoalmente também não dúvido que o neo liberalismo seja uma forma de opressão ou imposição. Está aí a troika, por exemplo.

      Eliminar
    3. Então em que ficamos: a conversa era sobre "comunismo" ou "capitalismo de estado"?
      Que grande confusão vai por essa cabeça.

      Eliminar
  4. Olha... os comentários que iriam estar fechados "até às eleições" já abriram. E logo com um post sobre o Cunhal! Bravo!!!!

    ResponderEliminar
  5. O dito comunismo de inspiração marxista-leninista nunca foi mais do que o capitalismo de estado, opressor e asfixiante, transformado em fascismo, seja na sua versão soviética ou na sua versão maoista. Como muito bem diz Noam Chomsky, o grande linguista e militante anti-capitalista, numa entrevista a propósito da queda do muro:
    "A minha reacção ao fim da tirania soviética foi semelhante à minha reacção à derrota de Hitler e Mussolini. Em qualquer dos casos foi uma vitória do espírito humano. Devia ter sido particularmente festejada pelos socialistas, uma vez que um grande inimigo do socialismo tinha por fim caído. Tal como você, fiquei admirado ao ver como as pessoas -- incluindo gente que se tinha considerado anti-estalinista e anti-leninista -- estavam desmoralizadas pelo colapso da tirania. O que revela que elas estavam mais profundamente comprometidas com o leninismo do que acreditavam".
    Também eu comemorei vivamente o fim das tiranias a leste. Tanto como o fim do fascismo em Portugal e Espanha. A humanidade não ficou muito melhor, mas sempre ficou com algumas ditaduras a menos.E isso é sempre bom, sobretudo quando elas se ergueram em nome do "socialismo", sujando e enlameando uma palavra que foi de esperança e expectativa para milhões de trabalhadores em todo o mundo.
    É pena alguns fósseis que vão vegetando aqui nesta "pátria amada" ainda não terem dado por isso.

    ResponderEliminar
  6. PC da China, o maior expoente mundial do comunismo actualmente, é o grande obreiro do dessa dualidade entre capitalismo de estado - a exploração do homem ao serviço do Estado e das elites partidárias - e economia de capitalista de iniciativa privada.

    O PCP preconiza exactamente o quê neste momento pós-Cunhal?
    Com Cunhal, preconizava um modelo de cariz nitidamente pró-Soviético, até pelas relações de proximidade que ele e outros membros mantiveram ao longo da história com o regime.

    Actualmente pela via dos compromissos internacionais do país seria extremamente complicado para o PCP exercer o poder neste contexto, se quisesse manter alguma coerência entre o discurso e a prática.
    Capitalismo de Estado? Ou economia centralizada de cariz Pró-Soviético?
    Como co habitar com as regras liberais da União Europeia?

    ResponderEliminar
  7. Chama-se a isto conversa da treta.

    ResponderEliminar
  8. «A base social do fascismo é a pequena-burguesia, as camadas médias, enquanto a do comunismo é a classe operária. Está na natureza da pequena-burguesia oscilar entre os pólos do capitalismo e do proletariado. O fascismo é o movimento da pequena-burguesia voltado para o GRANDE CAPITAL, que utiliza esse movimento para as suas finalidades contra as da classe operária. E por isso a pequena-burguesia é fatalmente enganada. Pois, a ditadura apoiada nos pequeno-burgueses não é a ditadura da pequena-burguesia. Ela é a ditadura do grande capital...»
    (in "O Fascismo, A Pequena Burguesia e a Classe Operária", August Thalheimer, Julho de 1923)

    ResponderEliminar
  9. O próprio facto de comparar fascismo e comunismo é uma estratégia abusiva e intelectualmente aviltante uma vez que ignora as circunstâncias históricas em que cada um dos movimentos se desenvolveu.

    E pelo que se vai percebendo a campanha anti-comunista está ligada à reabilitação do fascismo.

    ResponderEliminar
  10. «A partir da obra fundamental de Marx e dos contributos, tão diversos entre si, de Schumpeter (1942) e de Karl Polanyi (1944), é hoje consensual entre os economistas e sociólogos políticos que o CAPITALISMO NECESSITA DE ADVERSÁRIOS CREDÍVEIS QUE ACTUEM COMO CORRECTIVOS DA SUA TENDÊNCIA PARA A IRRACIONALIDADE E PARA A AUTO-DESTRUIÇÃO, a qual lhe advém da pulsão para funcionalizar ou destruir tudo o que pode interpor-se no seu inexorável caminho para a acumulação infinita de riqueza, por mais anti-sociais e injustas que sejam as consequências.

    Durante o século XX, esse correctivo foi a ameaça do comunismo e foi a partir dela que, na Europa, se construiu a social-democracia (o modelo social europeu, o Estado Providência e o direito laboral).

    Curiosamente, a correcção do capitalismo foi possível devido à existência, no horizonte de possibilidades, de um paradigam alternativo de sociedade, o comunismo e o socialismo. A ameaça credível de que ele pudesse vir a suplantar o capitalismo obrigou a manter algum nivel de racionalidade, sobretudo no centro do sistema mundial.

    Extinta essa ameaça, não foi até hoje possível construir outro adversário credível a nivel global. Na Europa, a social-democracia começou a ruir no dia em que caiu o Muro de Berlim.»

    Boaventura Sousa Santos, in “Portugal, Ensaio contra a Autoflagelação”

    ResponderEliminar
  11. Argumentar que o comunismo foi bom porque permitiu, devido ao medo do seu avanço, melhorias no capitalismo é o mesmo que dizer que o medo é bom porque nos permite confrontar com os nossos fantasmas. Uma hipocrisia, que mesmo que tenha sido verdade não vem acrescentar nada à "bondade" de um ou outro sistema. Foi apenas um circunstancialismo histórico. Quanto ao facto do comunismo e do fascismo serem expressões de massa, populistas e assentes sobretudo na pequeno-burguesia, basta ver as listas do PC para a maioria das Câmaras Munciipais para ver, de facto, qual é base de apoio deste tipo de partidos: a pequena e a média burgeusia. Tanto no fascismo como no comunismo os trabalhadores são apenas carne para canhão dos experimentalismos sociais e, na sua larga maioria, tão escravos como o foram e são noutras modalidades do capitalismo, seja de mercado, seja de estado. Ou melhor: o fascismo é a expressão mais autoritária e concentracionária do capitalismo de mercado, enquanto o comunismo marxista-leninista representa a faceta mais autoritária e concentracionária do capitalismo de estado. Como se viu a leste. E se vê todos os dias na Coreia do Norte ou mesmo em Cuba.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Você é mesmo parvo como parece, ou está só a tentar passar por parvo?

      Eliminar
    2. Está a ver no que dá quando não se tem argumentos? Argumenta-se como você. Paupérrimamente aliás. Atirando pedras e não argumentandonafa. É o marxismo-leninismo que vos torna assim ou é mesmo defeito de fabrico?

      Eliminar
  12. Não conhecia a afirmação de Chomsky (que até pensava alinhado com o reviralho dos PCs) mas concordo plenamente com ela. O fim das ditaduras a leste deveria ter merecido um brinde por parte de toda a esquerda e de todas as forças revolucionárias. O PC português, o grego e outras minudências são apenas bolsas arqueológicas de nada. Para que o progresso e outro mundo nasçam estas excrecências vão ter que ficar reduzidas à sua expressão mínima. Qualquer colaboracionismo com estes defensores do Bloco Soviético é uma traição à ideia do socialismo e duma sociedade diferente, mais justa e igualitária. O resto são tretas.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.