segunda-feira, 10 de junho de 2013

"Dia de Portugal! e dos Portugueses?", por Bruno Martins

A semana passada ficou marcada por declarações inacreditáveis por parte do Presidente da República e Primeiro-Ministro acerca da Greve dos Professores.

O Primeiro-Ministro optou por fazer uma ameaça velada, afirmando que, caso não sejam fixados os serviços mínimos, o Governo terá de actuar, além de sugerir hipocritamente que os professores deviam canalizar a sua indignação para a greve geral do dia 27 de Junho.
Já Cavaco Silva optou pela estratégia populista e democraticamente perigosa. Afirmou que os alunos seriam os prejudicados pela greve, e que estes não podiam ser meios para atingir fins.
Estas declarações são inadmissíveis… Um Presidente da República que tem admitido tudo ao Governo, que tem permitido o ataque consecutivo à Constituição da República Portuguesa, que tem permitido e dado aval às políticas austeritárias mais brutais de que há memória, vem agora de uma forma populista e demagógica procurar defender os alunos do efeito de uma Greve Geral.
Como pode ser Cavaco considerado Presidente da República, quando é apenas o Advogado de Defesa de um Governo que perdeu toda a legitimidade para Governar?
Cavaco…
Não se preocupou com o aumento do número de alunos por turma.
Não se preocupou com as alterações curriculares absurdas.
Não se preocupou com a redução do apoio pedagógico aos alunos.
Não se preocupou com o aumento da carga horária dos professores.
Não se preocupou com a redução do número de funcionários.
Não se preocupou com os mega-agrupamentos.
Não se preocupou com o aumento das propinas.
Não se preocupou com a redução da comparticipação nos passes escolares.
Não se preocupa com um desemprego jovem muito superior aos 40%.
Não se preocupa com o facto de termos cada vez mais crianças e jovens a chegar à escola com fome.
Não se preocupa com 1 em cada 5 jovens dos 18 aos 24 anos a abandonar o sistema de ensino.
Lembrou-se dos jovens quando os professores, com toda a legitimidade do mundo, decidiram fazer greve.
A luta dos professores tem de ser a luta dos alunos, a luta dos pais, a luta de todos os portugueses.
Espero que neste Dia de Portugal, sejamos capazes de reflectir sobre a necessidade de sermos solidários, e de saber identificar aqueles que a bem de um programa de extermínio social pretendem minar os alicerces da solidariedade. Porque as palavras também são uma arma, esta semana Cavaco e Passos voltaram a disparar contra a Democracia…
Até para a semana.

Bruno Martins (rádio diana)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.