domingo, 16 de junho de 2013

Bloco de Esquerda apresenta 4 mulheres nos primeiros cinco nomes para a Câmara de Évora


O Bloco de Esquerda apresentou esta tarde os primeiros nomes a alguns dos órgãos autárquicos do concelho de Évora. Perante pouco mais de cem pessoas (confirma-se: sem a presença de autocarros vindos daqui ou dali),  usaram da palavra o mandatário das Listas do BE em Évora, João Almeida, a presidente da Comissão de Honra, Margarida Morgado, o cabeça de lista à Assembleia Municipal, Bruno Martins, a cabeça de lista à Câmara, Maria Helena Figueiredo e o coordenador do BE a nível nacional, João Semedo.
Neste momento o Bloco de Esquerda apenas tem um eleito na Assembleia Municipal de Évora.

Lista  do BE para a Câmara Municipal:
1.Maria Helena Figueiredo
2.Ana Cardoso Pires
3.Francisco Perez Cardoso (e não Nuno Rosmaninho como o acincotons erradamente tinha referido)
4.Margarida Alegria
5.Joana Caspurro
6.Diogo Parreira
7.Hermógenes Ribeiro

Lista para a Assembleia Municipal
1.Bruno Martins

2.Bento Anastácio
3.Carla Martins
4.Nuno Rosmaninho
5.Elisabete Barradas
6.José Dias
7.Cândida Cardoso
8.João Barreto
9.Patrícia Bruno
10.Francisco Augusto

Cabeças de Lista às Assembleias de Freguesia
União das Freguesias de Bacelo e Senhora da Saúde
Vitor Frango

União das Freguesias de Évora (São Mamede, Sé e São Pedro, Santo Antão)
José Eliseu Pinto

União das Freguesias da Malagueira e Horta das Figueiras
Amália Oliveira

21 comentários:

  1. Estão reunidas as condições para a realização de debates temáticos com TODOS os candidatos das várias forças politicas.Se esperarem pelo PS corremos o risco de não haver debate algum.

    ResponderEliminar
  2. Pouco mais de cem pessoas? Na foto, incluindo os candidatos, não conto sequer 35...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se fosse pela quantidade Évora deveria ser o modelo de cidade gerida pela Esquerda. O que se verifica é que após a governação da dita "esquerda" chegámos a este estado calamitoso. Quando aparece nesta área uma proposta alternativa e mobilizadora "os velhos do restelo" vem a terreiro com quantidade e genero. Tenham tato a política é que tem que ser discutida.

      Eliminar
  3. Que significado tem referir quatro mulheres nos primeiros 5 nomes. O BE, na melhor das hipóteses, muito improváveis, aspiraria a eleger um vereador.

    Então por que é que o Carlos Júlio - que não consegue disfarçar toda a sua parcialidade - refere 5 nomes, quando os lugares efectivos são 7?

    Será para não ter que dizer que o 6º e o 7º são homens? Um título honesto, menos manipulador, seria dizer que BE apresenta quatro mulheres para os sete lugares efectivos.

    ResponderEliminar
  4. Consta na cidade que o atraso nas listas PS se devem a dois nomes:Claudia para a cãmara

    Fernando Morgadinho,para assembleia de freguesia Bacelo /Sra.da Saúde,parecem ser estes os dois nomes da polémica.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito bem camarada!
      Continue com essa conversa.

      Já se percebeu que se não és um filho da puta és a mãe dele!

      Eliminar
    2. Já se percebeu que no PS/Évora as putas saíram e deixaram o poder entregue aos filhos, os jovens turcos que estão a levar este concelho ao desastre.

      Eliminar
  5. A questão de fundo do PS não são nomes,é a situação caótica em que estes cavalheiros deixaram o concelho,eles sabem bem o que fizeram,isso tem levado muitos socialistas a afastarem-se de participar nas listas e na campanha.O PS não merece continuar na cãmara,deve ser penalizado por isso nas eleições,e ficava satisfeito se conseguissem um QUARTO LUGAR,era merecido.

    ResponderEliminar
  6. Quando o BE teve nas últimas autárquicas 2,8% dos votos o então candidato, Miguel Sampaio, com algum realismo, escreveu que o candidato talvez não tivesse sido a melhor escolha. Pessoalmente, considero a nova candidata melhor, mas ainda assim, acho estranho o Miguel Sampaio não integrar a lista, nem sequer para a Assembleia Municipal.

    E os PIM's? Não há PIM's na lista? Não gostam da cabeça de lista ou zangaram-se com o BE?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Percebo perfeitamente que o Miguel Sampaio não tenha querido integrar a lista trambulhando de cabeça-de-lista para um 3º lugar. É uma questão de dignidade e pudor.

      Eliminar
    2. Só para dizer que o Miguel vai na lista. Só foram apresentados 10 nomes. Ele vai lá estar, claro. Mas é verdade, que não aceitou ser terceiro para fazer guerra ao primeiro, como acontece noutros fóruns mais ou menos políticos. Assume com dignidade o seu lugar nas listas para a Assembleia Municipal. Como, aliás, deve ser.

      Eliminar
  7. Podiam ao menos pôr uma mulher em segundo lugar na Assembleia Municipal, único órgão em que têm possibilidades de eleger alguém.

    De que serve andar a candidatar mulheres em posições que não são eleitas e depois, naquele(s) lugares(s) em que isso é possível, preencher tudo com homens? Recorde-se que o BE, há quatro anos atrás, apenas elegeu um candidato para a assembleia municipal.

    Provavelmente o BE é o partido aqui em Évora que vai ter a lista mais masculinizada para a Assembleia Municipal (nos lugares em que tem possibilidades de eleger).

    Olho para a lista e constato logo: desta vez o BE só elege homens!

    Respeito a vontade da Amália não querer continuar na AM e respeito, naturalmente, a inclusão de um homem, que o BE entendeu ser o mais indicado, como cabeça de lista para este órgão.

    Mas, bolas, tinha que ser outro homem em segundo? As mulheres é só para encher a vista, em lugares sem possibilidades?

    (Ao CJ exigia-se um bocadinho mais de sentido crítico: a verdade é que esta é, de facto, a lista do BE em Évora mais masculinizada de sempre).






    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ó ié: o PC nos 10 primeiros para a Assembleia tem 4 mulheres tantas como o Bloco de Esquerda... Tal é o desnorte dos camaradas... andam completamente de cabeça perdida com tanta acusação frouxa. Pudera! O PC tem a pior lista de há muitos anos, seja para a Câmara, seja para a Assembleia. Não podem já com um gato pelo rabo. E essa do Bloco só poder eleger para a Assembleia tem muito que se lhe diga. Ó pessoal do PC: vamos a apostas? Mas que diacho: nunca em tempo algum o PC teve uma mulher à frente nas listasseja na Câmara seja na Assembleia e vêm para aqui com postas de pescada? Chiça São Staline.

      Eliminar
    2. O que o PC e os outros têm na lista é lá com eles. Do BE é que se esperava alguma coisa de diferente. Não é admissível que um partido que fala tanto em igualdade de género nos lugares cimeiros da assembleia municipal só candidate homens.

      Eliminar
    3. E o que interessa que sejam homens ou mulheres? O que eu quero é que sejam honestos, dedidcados e competentes.

      Eliminar
  8. Perante pouco mais de cem pessoas?
    5 filas de 7 cadeiras = 35 pessoas, se estivessem todas ocupadas.
    6 no palco e mais 10 em pé, dá pouco mais de 50.

    ResponderEliminar
  9. Só uma classe que recusou, como ultraje, a possibilidade de ser avaliada para efeitos de progressão profissional – isto é, uma classe de medíocres reivindicam o direito constitucional de ganharem o mesmo que os competentes – é que se pode permitir a irresponsabilidade e a leviandade de decretar uma greve aos exames nacionais. Nisso são os professores exemplares: transmitem aos alunos o seu próprio exemplo, o exemplo de quem acha que os exames, as avaliações são um incómodo para a paz de um sistema assente na desresponsabilização, na nivelação de todos por baixo, na ausência de estímulo ao mérito e esforço individual.
    Mas a greve dos professores vai muito para lá deles: reflecte o estado de espírito de uma parte do País que não entendeu ou não quer entender o que lhe aconteceu. Deixem-me, então recordar: Portugal faliu. O Portugal das baixas psicológicas, dos direitos adquiridos para sempre, das falcatruas fiscais, das reformas antecipadas, dos subsídios para tudo e mais alguma coisa, dos salários iguais para os que trabalham e os que preguiçam, faliu. Faliu: não é mais sustentável. (…) Se alguém conhece uma alternativa mágica em que se possa ter professores sem crianças, auto-estradas sem carros, reformas sem dinheiro para as pagar, acumulando dívida a 6,7 ou 8% de juros para a geração seguinte pagar, que o diga.

    Miguel Sousa tavares, Expresso 15 Junho 2013

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Andas a postar isso em todos os lugares. Porquê não dá a cara? Já agora, não tem opinião própria? Já perguntou a esse senhor quanto ele ganha na televisão para dizer disparates? Um atentado...

      Eliminar
  10. O coordenador do Bloco de Esquerda, João Semedo, acusou hoje o ministro da Educação de “seguir o caminho da incompetência, estratagema, truque e do chico esperto” por ter convocado todos os professores para os exames de segunda-feira.

    João Semedo defendeu que um “governo democrático” e “respeitador dos direitos dos trabalhadores e do direito à greve” teria alterado o calendário dos exames, o que permitiria, no seu entender, acabar com “as dúvidas que muitos estudantes têm se terão ou não exame”.

    “Mas Nuno Crato preferiu seguir o caminho da incompetência, do estratagema, do truque e do chico esperto e criou condições para que, mesmo que a greve seja esmagadora, possa haver exames, contrariando na realidade um direito sagrado para todos os democratas”, acentuou.

    O coordenador nacional do Bloco discursava na sessão de apresentação da candidatura autárquica do partido à Câmara de Évora, liderada pela jurista Maria Helena Figueiredo, que decorreu ao final da tarde em pleno centro da cidade.

    Semedo referiu que “o Governo escolheu a data da greve” ao ter escolhido o mês de junho para “aprovar e determinar medidas gravíssimas” para os professores e para as condições e qualidade do trabalho realizado na escola pública.

    “O que está em causa na greve amanhã [segunda-feira], ao contrário do que o Governo diz, não é apenas este ou aquele direito dos professores, é a qualidade e a sobrevivência da escola pública. É por isso que o BE está do lado dos professores”, disse.

    O líder bloquista assinalou que “não será por acaso que o Governo, aflito, diga agora que está a pensar em alterar o direito à greve em Portugal”, alertando que a medida, caso avance, será “uma machadada no regime democrático, nas liberdades e nos direitos que o 25 de Abril trouxe ao país”.

    “Este ataque confirma o que temos dito - que as políticas de austeridade, estas políticas que violam os direitos há muito tempo alcançados pelos portugueses, esta política de direita, estas políticas sempre a favor dos mais poderosos, não são compatíveis com a democracia”, vincou.

    “E, mais tarde ou mais cedo, na continuação desta política, a direita e o Governo, inevitavelmente, acabariam por atacar direitos democráticos e é isso que está a acontecer”, acrescentou João Semedo.

    Na sua intervenção, a candidata do BE à Câmara de Évora, Maria Helena Figueiredo, afirmou que pretende “inverter a situação de falência do município” e que as “causas e algumas das soluções estão identificadas”.

    “São os contratos desequilibrados, e nalguns casos ruinosos e insustentáveis, como o celebrado com a Águas do Centro Alentejo, que terão de ser renegociados, resolvidos ou denunciados e encontradas as alternativas sustentáveis de gestão”, salientou.

    A dívida e os juros, continuou, “terão também de ser renegociados, escalonados e reduzidos e alguma da dívida impugnada por inexistente ou ilegitima”. (LUSA)

    ResponderEliminar
  11. Desculpem lá

    Este BE não tem capacidade para renegociar a dívida da Câmara.

    Duvido até que haja alguma candidatura que tenha essa capacidade. Nesta situação, quem deve tem mesmo que obedecer porque o credor tem N vezes mais peso que qualquer administração.

    ResponderEliminar
  12. Lá vem a velha e santa humildade e honestidadezinha, que só serve para garantir que o povinho paga e não bufa enquanto que Banqueiros e Corruptos roubam sem vergonha.ura, do desenvolvimento.
    Perde o medo pá!
    Temos sim! temos a capacidade, a força e o direito de recusar pagar a dívida que seja comprovadamente desonesta, e que frenegociar o pagamento das dividas que impeçam a continuidade do trabalho da cmevora em prol dos municipes, da educação, da cultura e do desenvolvimento. perde o medo pá.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.