segunda-feira, 6 de maio de 2013

VMER de Évora inoperacional grande parte do tempo


A Ordem dos Médicos denunciou hoje que a Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) de Évora está inoperacional em quase metade dos turnos, traduzindo as "proporções alarmantes" que estão a tomar as dificuldades financeiras no setor da saúde.
O Hospital Espírito Santo de Évora confirmou, numa reação à agência Lusa, a inoperacionalidade da VMER, por falta de médicos.
Em comunicado, o bastonário da Ordem dos Médicos, José Manuel Silva, afirma que os "problemas e dificuldades financeiras" do Serviço Nacional de Saúde "começam a atingir proporções alarmantes, originando falhas nas circunstâncias mais delicadas e sensíveis, que podem fazer a diferença entre a vida e a morte".
Como exemplo refere o caso da VMER de Évora, "que está inoperacional em 40% a 50% dos turnos", deixando os cidadãos do distrito de Évora "sem nenhum meio qualificado de emergência médica pré-hospitalar".
De acordo com a escala de médicos da VMER daquele hospital para o mês de maio, em 17 dos 31 dias há turnos por preencher.
Numa nota, o Hospital Espírito Santo de Évora reconhece que a viatura de emergência médica pré-hospitalar "não tem operacionalidade a 100% assegurada, por falta de médicos", prometendo, sem avançar uma data precisa, regular a situação a curto prazo.
O hospital adianta que os médicos que se mostraram interessados em prestar serviço na VMER estão, desde finais do ano passado, a receber a devida formação.
Para o bastonário da Ordem dos Médicos, o caso da VMER de Évora explica-se por "o Ministério da Saúde continuar a privilegiar as contratações através de empresas fornecedoras de mão-de-obra, em vez de contratar diretamente os profissionais devidamente qualificados de que necessita".
"Quem sofre são os doentes”, afirma José Manuel Silva, considerando a situação "desumana e intolerável".
Segundo o bastonário, há ainda uma circunstância que "agrava" a situação destes cidadãos e que se prende com o facto de não haver substituição do Conselho de Administração do Hospital do Espírito Santo de Évora, há vários meses em gestão corrente.
O bastonário questiona, a propósito, se o Ministério assumirá a responsabilidade pela morte de algum cidadão por este motivo e questiona quando estará resolvida a situação. (LUSA)

5 comentários:

  1. A Administração Regional de Saúde do Alentejo,quer DESTRUIR o Serviço Nacional de Saúde,falta de meios,redução de camas em hospitais,entrega do hospital de Serpa.

    Senhor Doutor Robalo DEMITA-SE.

    ResponderEliminar
  2. Este Senhor é socialista?

    Se o fosse já se tinha DEMITIDO,assim vai pactuando com esta politica CRIMINOSA na Saúde levada a cabo por este governo NEO-LIBERAL.

    ResponderEliminar
  3. DEMITA-SE Senhor Doutor Robalo,BASTA.

    ResponderEliminar
  4. O BLOCO CENTRAL da ARS deve ser responsabilizado por todas estas situações de AUTÊNTICA politica CRIMINOSA na saúde.

    ResponderEliminar
  5. Em Maio de 2011 PS/PSD/CDS,assinaram o Memorando da Troika,isto está lá tudo,esta são as medidas do documento.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.