sábado, 4 de maio de 2013

O Triunfo dos Porcos


Ontem, liguei o rádio do carro e ouvi a comunicação do 1º Ministro.
Fui invadido por uma sensação terrível, misto de desânimo e impotência, como se a  revolta, a  raiva me tivessem exaurido, escoado todas as forças para resistir, para continuar a lutar.
Olho em volta e vejo gente triste, preocupada, desesperada, muitos (talvez a maioria) sem soluções, a viverem um fim a prazo, em que cada gesto, cada reacção, mais não é do que um passo em frente para o desespero e para a miséria.
Milhões de desempregados, cerca de seiscentas mil crianças a passar necessidades de toda a sorte, e o chefe do governo, enquanto anuncia medidas ainda mais gravosas, mais terminais para muitos, a dizer que estamos no bom caminho, que o sofrimento valerá a pena.
Valerá certamente a pena para alguns, para aqueles que beneficiam com esta desgraça, com este terror, com este retrocesso miserável à idade média.
Quem se candidata a um cargo público, tem de ser responsabilizado pelo incumprimento das suas promessas, não apenas politicamente, criminalmente também. Porque sabe de antemão que pode ou não cumprir, e se promete o irrealizável, mente propositadamente para benefício próprio, ou de alguns, ou de quem lhe encomenda e paga a fraude.
Desvalorizam as instituições democráticas com as suas mentiras e incumprimentos e obrigam, com a crise que geram, os outros a incumprir involuntariamente,  a ignorar as regras da democracia, porque quem nada tem a perder, não tem limites, nem fronteiras, nem bom senso. Tem fome, tem dívidas, tem filhos em casa que não entendem na sua inocência o que se passa, que veem os pais a discutir, a separarem-se, sem paciência nem tempo para carinhos, sem atenção ao seu crescimento.
Transforma-se assim o país numa coutada, em que tudo é possível, porque a miséria não pensa, nem resiste, a miséria tenta sobreviver à miséria que lhe sobrevem.
Esta é a realidade incontornável dos nossos dias, o triunfo dos porcos.

28 comentários:

  1. E uma solução marxista-leninista-trotskista-estalinista seria o triunfo dos javardos?

    ResponderEliminar
  2. Miguel
    Eu já nem oiço nem leio tudo o que se relacione com essa gente que nos desgoverna e só pensa no seu bem estar.
    Essa gente só é forte com os fracos e fraca com os fortes.
    Com a merkel a atitude deles, estarem a ser sodomizados e a pedir desculpa de estarem de costas

    ResponderEliminar
  3. 12:37
    Já há muito tempo que essa questão se não põe.
    Abra os olhos, alcance (ou tente) um pouco além do seu umbigo e vai perceber o despropósito do seu comentário...

    ResponderEliminar
  4. «Quem se candidata a um cargo público, tem de ser responsabilizado pelo incumprimento das suas promessas, não apenas politicamente, criminalmente também»

    Julgo que nem seria necessário ir tão longe...
    Bastaria que fosse IMEDIATAMENTE demitido, e convocadas novas eleições, sempre que o eleito fizesse o CONTRÁRIO daquilo que prometeu durante a campanha eleitoral.

    Por exemplo:
    - o eleito prometeu não aumentar os impostos e, mal se sentou na cadeira, decidiu aumentá-los: demissão obrigatória e imediata, por fraude eleitoral.

    E seria assim, sucessivamente, até os aldrabões entenderem que não teriam qualquer benefício das fraudes e mentiras.

    Mas, sendo óbvia uma medida desta natureza, também é óbvio porque não há interesse em torná-la letra de lei. Ela dificultaria os tráficos de influências em que assenta o actual sistema. Com uma medida desta natureza rapidamente se desmoronaria o edifício corrupto que nos suga o esforço do trabalho e nos tenta aniquilar a esperança num futuro melhor.

    ResponderEliminar
  5. Oh Sampaio


    Duvidas que a tua alternativa e dos teus "compangons de route" não seria o triunfo dos javardos?
    Ou preferes javardolas?
    Para mais, os novos anarquistas são mesmo porcos e tudo devem a um bom banho!

    ResponderEliminar
  6. 13,01

    Desculpe lá. Banho precisa o senhor. E completo, com interior da cabeça e tudo bem passados por água.

    acrata

    ResponderEliminar
  7. ordinário das 13.01 a miséria também te vai apanhar, só te lavas por fora porque a mente é suja, sujinha sujinha
    Tratares o Sr por ho, hás.de morrer de fome e os teus filhos bendizendo o gaspar e o passos pela tua penúria

    ResponderEliminar
  8. @13:16

    As tuas pragas passam-me ao lado, comunóide.

    Não preciso do Gaspar nem de filho da puta de politico nenhum para trabalhar e lutar pelos meus.

    ResponderEliminar
  9. @13:16

    E já agora, muito menos admito que cabrão de político nenhum da extrema-esquerda à extrema-direita venha determinar a minha vida. Desconfio sempre dos demagogos da esquerda e dos oportunistas de direita

    Não tenho complexos.
    Se não for aqui por lá para fora para melhor, onde me dêem a mim e á minha família o devido respeito e valor.


    ResponderEliminar
  10. @ 04 Maio, 2013 12:45

    Ó Sampaio, então para ti uma sociedade é uma anarquia, onde cada um faz o quer e tudo o mais e os filhos (dele ou de quem sejam porque é tudo ao molho), andam por ali a feno, chafurdando e lambendo-se uns aos outros ... não importa o dinheiro, nem o trabalho (irra....bem longe), o que importa são as ganzas que a malta estrunfa e o sol que não faltará no dia seguinte?
    É este o resumo dos teus post e dos teu comentários neste blog.
    Agora, sobre isto, digo-te Sampaio, que isso não é uma sociedade, é uma pocilga bem larga aí numa qualquer herdade ou ... melhor ainda, isso não é uma sociedade mas sim o mato da serra d' ossa onde chafurdam os javardos.
    O gajo que fez o com a chamar-te javardo tinha razão.
    Tu pensas livre e vais longe, como eles, ... Mas, daí até mereceres viver numa sociedade (coisa que não sabes o que é), vai uma grande distancia, e... Daí até mereceres que eu te alimente com os meus impostos, vai uma distancia ainda maior.
    Vai trabalhar, ou vai pró raio que te parta, mas não nesta sociedade, porque ela tem regras e... não deveriam aceitar nem suportar pulhas e parasitas como tu.
    Nem os carraços que agora chegam, são tão mamões como tu. Vai mamar na teta do burro ...

    ResponderEliminar
  11. (no decurso deste festival de cantigas de escárnio e maldizer)

    15:19
    um décimo de Sampaio é sempre que melhor que tu todo inteirinho. Já te viste ao espelho? Se fosses p... tinhas as bordas da c... feitas num calo de tanto levar na dita, ó miserável. (ouvido a uma peixeira da Ribeira, em Lisboa)

    (aguardo pela próxima peixeirada)

    ResponderEliminar
  12. 15 e 19

    Vai estudar ó analfabruto.Nem sabes o que é a anarquia ou o anarquismo. Só a confusão que te vai na mioleira dava para fazer de ti o macaco do circo ou o bobo da corte, que vai dar no mesmo. Deves ser da escola de regentes agrícolas que só viam touros e mulas à frente. Cabeça de abóbora!

    ResponderEliminar
  13. Eu com a história do Javardo - 1º comentário - não queria chegar onde a coisa descambou.
    Mas foi "olho por olho dente por dente" a comparação dos porcos com javardos.

    Os anarquistas mais os comunistas à mocada uns com os outros mandando nisto, seria uma sociedade exemplarmente "rica", "prospera" e sabe-se lá mais o quê.

    :)




    ResponderEliminar
  14. 15:19
    Obrigado pelo seu comentário.
    É sempre reconfortante saber que ainda existem pessoas neste país que pensam pelas suas cabeças e que elaboram raciocínios e textos de tão fino recorte.
    Este blogue através do seu esforço, atingiu um novo patamar.
    Deixou claro, com as suas palavras tão lúcidas, o que nos está a acontecer.
    Não existem assim tantas fracturas na nossa sociedade, existem tecidos necropsiados que podem ser removidos.
    Grato.

    ResponderEliminar
  15. Ao contário do que o autor do post quer faze crer, não fora a governação actual que construiu a nossa pocilga. Foram antes os fabuladores da esquerda "caviar" que, interna e externamente, "venderam" a ideia aos cidadãos que o dinheiro era feito por arte mágica.

    ResponderEliminar
  16. http://fotos.sapo.pt/sergiolavos/fotos/?uid=Bgz6Mn8Qm6K0wzjUDeJA

    ResponderEliminar
  17. Dinheiro a nascer de árvores?

    Ah isso é mesmo com a esquerda folclórica!

    ResponderEliminar
  18. 17:06

    Duvido que chegasse ao descalabro em que estamos agora. Não será claro o estado deplorável a que o país chegou? Duvido que quaisquer forças políticas e sociais conseguissem chegar tão baixo como os gestores do PS/PSD/CDS conseguiram levar o país após quase 4 décadas de governação. Só não vê isto quem não quer mesmo ver.

    ResponderEliminar
  19. @20:24

    Tão mas há alguém com tato na cabeça entre os anarquistas e a extrema esquerda?

    ResponderEliminar
  20. quando os socialistas mentiam e roubavam e enganavam Sampaio e outros sorriam e diziam estes é que são bons dão,davam o que divida défice hipotecando o futuro,em 2009 ficou bem claro a escolha dos eleitores,depois de avisados do desastre Socrático agora chupem e acordem!

    ResponderEliminar
  21. Estes alentejanos que aqui deixam estas "JAVARDICES" devem de ser descendentes dos senhores feudais que tratavam os trabalhadores rurais
    como escravos,com horarios de trabalho do nascer ao pôr do sol, o almoço eram umas sopas de toucinho rançoso, ou entao para variar umas sopas de tomate, já azedas,esta era a realidade meus caros.Agora os ressabiados estao a vingar-se de quem já comia bifes.

    ResponderEliminar
  22. @23.42

    Olha...mete-os todos no Gulag

    ResponderEliminar
  23. @ 04 Maio, 2013 23:42

    Ó Sampaio, deixa-te de fitas que essa tua barrigona de livreiro à volta do espumante Moet & Chandom não engana ninguém.
    Tu és uma menino da cidade, que não sabe o que é trabalhar nem ganhar a vida com dificuldades.
    Por isso é que és da esquerda caviar, és um intelectual falhado e um exemplar de deitar ao contentor subterraneo do Ernesto como modelo de (falta) de esforço pela vida que não és exemplo para ninguém.
    Como é que tens coragem para vires aqui cagar anormalidades do que leste naqueles alfarrábios que depois deitas para o contentor?
    Bem, é verdade que de alguma forma tens que matar o tempo, mas, porra, levanta esse cu gordo e anafado da cadeira de diretor de cinema que tens na livraria e vai cavar para as hortas urbanas, ou não me digas que nem um talhão o Zé do Cano te deu?
    Porra, olha que o Zé às vezes sabe avaliar as pessoas, ... ele logo lhe palpitou que o teu cano está mais ferrugento que o dele ...

    ResponderEliminar
  24. 00.19

    Não era preciso. Bastava no Campo Pequeno, que a "raça" findava.

    ResponderEliminar
  25. ... como o Otelo, aliás, e bem, preconizou.

    ResponderEliminar
  26. @02:57

    O Otelo? Essa coisa de bem?
    Deixa lá o gajo continuar a apoiar o Esaltino Morais agora lá no Xelindró.

    ResponderEliminar
  27. António Gomes05 maio, 2013 17:42

    Não percebo como a infâmia e a perversidade continuam a ser recebidas no "A cinco Tons".
    Os tais merdosos comentadores anónimos e anódinos (saberão eles o que significa tal palavra), continuam a ter voz no vosso blog, porque, penso que, em nenhum outro lugar a têm.
    Julgo que serão fulanos frustrados e iletratos que, não terão consciência do que é ser cidadão, num país em que, outros lutaram, para que eles, infelizmente, terem direito, a um lugar.
    O lugar deles será o chiqueiro que pretenderão criar para os outros, mas onde não quererão chafurdar.
    Chamar-lhe fascistas talvez seja pouco.
    Já agora, eu que me considero infoexcluido, gostava de chamar a atenção para os blogers do "A cinco tons", do que me foi transmitido por um amigo que, tem um blog, onde entravam anónimos porcos e infames, como os comentadores que supra comentam: "Consigo saber quem são...Há meios informáticos que mo permitem..."
    Tal escreveu no seu blog.Parece que foi remédio santo...Acabaram-se tais comentários.Deixo à vossa consideração e a quem, perceba mais do que eu, de computadores.
    MIguel continua porque eles calar-se-ão.

    ResponderEliminar
  28. Ao anónimo das 00.45.
    Fique lá a saber e para seu governo se assim essa cabecinha desmiolada o entender que não preciso de ir a livros para saber e escrever o que tão de verídico aqui mais acima deixei escrito,foram os meus pais que infelizmente e não só eles o sentiram na pele,estas são histórias mais que vividas,sentidas, por muitos alentejanos.Para além da boa alimentação, ainda havia muito mais para contar, tenha tino nessa boca, e vergonha não ofenda esse Srº.Sampaio,"que eu nem sei quem é".
    Eu, sou uma filha do meu "nosso"? Alentejo e dói-me a alma quando leio comentários asquerosos como o vosso.
    am.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.