terça-feira, 14 de maio de 2013

O que ganhariam os portugueses se este governo caísse?

Sondagem, 10 de Maio

Umas das ideias quando este blogue foi criado, há três anos e meio, era a de também contribuir para algum debate de pontos de vista diferentes. Propomos por isso, agora, uma discussão em torno de um tema que tem dividido as opiniões e que se prende com a exigência de queda do governo e eleições antecipadas: Os partidos políticos de esquerda, do PS ao BE, passando pelo PCP e pela CGTP, mas também alguns movimentos sociais, como o Que se Lixe a Troika têm feito desta exigência quase a sua única palavra de ordem. Dizem que o governo já não tem a legitimidade eleitoral que teve aquando das eleições de há menos de dois anos. Outros argumentam que isso seria acrescentar problemas à situação actual e que nada se resolveria: as medidas de austeridade continuariam e um novo governo (presumivelmente do PS + CDS?) apenas iria agravar a situação. É este o debate que propomos: eleições antecipadas: sim ou não?
Iremos também - há sempre um princípio - apagar todos os comentários que não tenham a  ver com o tema proposto à discussão.
Ficam aqui, resumidos, os argumentos:
A favor da queda do Governo. 
1O Governo de Passos Coelho perdeu a legitimidade eleitoral e há hoje um profundo descontentamento sobre as medidas aplicadas, que violam as promessas eleitorais e, nalguns caso, não cumprem a Constituição.
2) Um novo governo poderia alterar as políticas e suavizar o impacto da austeridade junto dos portugueses.
3) Uma nova composição da Assembleia da República poderia fazer com que nenhum partido ou coligação tivesse maioria absoluta, permitindo um maior debate e discussão àcerca das medidas adoptadas.
A favor dos que consideram que a queda do Governo pouco iria influir na situação dos portugueses 
1) O partido que poderia vencer as eleições (se elas se realizassem hoje e conforme demonstram todas as sondagens) seria o PS que assinou o acordo com a Troika e que, no geral, defende que ele seja cumprido, o que não iria alterar o estado de coisas.
2) O grosso das medidas mais gravosas já foram aplicadas nestes dois anos de mandato e se um novo governo tomasse posse voltava tudo ao início. Ou seja, é no início dos mandatos que qualquer governo (até devido ao calendário eleitoral) toma as medidas mais gravosas para o eleitorado, uma vez que tem um horizonte de quatro anos para governar.
3) A demissão agora do Governo e a convocação de eleições iria acrescentar uma crise política à crise económica e social que o país atravessa não trazendo quaisquer perspectivas de uma alternativa diferente da existente (seja através de um governo PS, seja através de um governo PS+CDS, uma vez que o PS já dissse que se ganhasse as eleições iria propor uma coligação alargada - de que sempre se afastaram, pelos motivos conhecidos, PCP e BE).
Bom debate.

21 comentários:

  1. Que aconteceria se o governo caísse?

    Portugal entregue aos mesmos bichos já que o povo tem a certeza de não querer dar isto os bichos marxistas

    ResponderEliminar
  2. Se houvesse a possibilidade, mesmo remota, de PS, PCP e BE fazerem um acordo de governo, com um programa claro sobre o que iriam ou não fazer, acho que as eleições podiam mudar alguma coisa. Assim, no quadro actual, acho que são inúteis. Se houvesse eleiçoes iriam apenas servir para dar tacho aos que sairam de lá há menos de dois anos e qur começaram com os PEC e toda essa tralha.

    ResponderEliminar
  3. O que é que impede o Bloco de se aliar ao PS e fazerem um governo de incidência parlamentar?

    ResponderEliminar
  4. 12:18
    A troika!

    A TROIKA é que manda nisto. PS, PSD e CDS são apenas marionetas nas mãos da troika.

    A não ser que o PS resolva pedir desculpa aos portugueses e voltar a costas à troika, não há qualquer hipótese de coligação entre a esquerda e o PS.

    ResponderEliminar
  5. As Eleições nada resolvem:


    Portugal e a Europa estão nas mãos dos NEO-NAZIS dos MERCADOS e Alemães.

    ResponderEliminar
  6. O memorando foi assinado pelo PS,por isso tudo continuaria igual.

    ResponderEliminar
  7. Os despedimentos,as pensões,os subsdios.......vem lá tudo no memorando...votar nada resolve.

    ResponderEliminar
  8. Tem é de acabar com as coutadas de privados em Portugal , meia dúzia deles , que desde o 25 Abril fazem como a Troika faz ao Governo , são eles que mandam em Portugal mesmo votando em qualquer partido que seja a sua cor .


    Enquanto existirem por aí fortunas abismais e Mexias ou outros com ordenados abismais , podem até voltar os Caminhos de Ferro , os Silos de ceriais ... estamos todos condenado ao poder anárquico de alguns !


    Jorge

    ( ciclista )

    ResponderEliminar
  9. ULTIMA HORA:


    Despedimentos no Hospital de Évora?

    ResponderEliminar
  10. 20 de Maio


    25 de Maio


    1 de Junho


    Dias de Luta Contra as TROIKAS


    LISBOA

    ResponderEliminar
  11. A Administração Regional de Saúde,quer DESPEDIR ENFERMEIROS no HOSPITAL de ÉVORA?

    ResponderEliminar
  12. A TROIKA quer despedir Enfermeiros,e os seus lacaios locais obedecem.

    ResponderEliminar
  13. A TROIKA e seus LACAIOS querem FECHAR o País.

    ResponderEliminar
  14. Resta -nos a REVOLTA.........

    ResponderEliminar
  15. Mas será que acreditam mesmo em que uns milhares de pessoas levadas em autocarro para Lisboa e postas a gritar frente a Belém vão mudar alguma coisa? Que o voluntarismo de um ou mais partidos, sem qualquer capacidade para estabelecerem pontes com outros grupos politicos e sociais, que não conseguem descolar nas songadens, vai conseguir alterar alguma coisa?

    ResponderEliminar
  16. A LUTA DE CLASSES ESTÁ DE VOLTA?

    «A acumulação de riqueza num pólo é, ao mesmo tempo, acumulação de miséria, agonia das formas de luta, escravidão, ignorância, brutalidade, degradação mental, no pólo oposto», escreveu Marx.

    Um dossier crescente de evidências tem mostrado à saciedade que ele estava cheio de razão. É, infelizmente, muito fácil encontrar estatísticas que mostram que os ricos estão cada vez mais ricos, enquanto a classe média e os pobres não conseguem o mínimo decente para sobreviver.

    Um estudo de Setembro último do Economic Policy Institute (EPI) de Washington constata que o salário médio anual de um trabalhador do sexo masculino a tempo integral nos EUA em 2011 era de 48 202 dólares americanos, um rendimento menor que em 1973. Entre 1983 e 2010, 74% dos ganhos da riqueza total nos EUA foram para os 5% mais ricos, enquanto 60% sofreram um declínio. Ninguém fica admirado, portanto, por muita gente continuar a dirigir um segundo olhar à teoria do filósofo alemão do século XIX.

    (dedicado ao palerma das @11:32}

    ResponderEliminar
  17. @11:32

    Continua a chamar palermas aos outros que vais longe mais o teu marxismo do tempo da pedra.

    Já pediste desculpas à humanidade pelos crimes do Estaline? Ou continuas carregado de vergonha?

    ResponderEliminar
  18. @20:51
    Desculpa lá a intromissão mas ele não chamou 'palermas aos outros'. Chamou palerma a um sujeito bem concreto: o sujeito que fez o comentário das 11:32.

    E, se queres que te diga, 'palerma' até foi uma palavra simpática para a besta alarve que fez o dito comentário. Pois só uma besta alarve usaria os termos que ele usou para calissificar 'outros' (aqui sim, outros...) só por não pensarem como ele.

    Já agora, não me digas que és tu a besta alarve?

    ResponderEliminar
  19. Voltando ao tema proposto para debate e independentemente de considerar que este governo só tem feito disparates duvido que se outro fosse para lá agora fizesse coisa diferente. O PC e o BE não contam para este peditório de que se têm sempre posto fora e o PS não tem nada a aparesentar de diferente daquilo que foi o reinado de Sócrates. Mais do que entretidos em eleições - que não iam mudar nada - é preciso é irmos construindo alternativas com base nas assembleias de base e em formas de democracia directa que possam gerar modelos viáveis e alternativos ao actual sistema capitalista, hierárquico e falsamente representativo.

    ResponderEliminar
  20. @22:03
    Quem manda é a troika.
    PS, PSD e CDS (e Presidente da República) são apenas moços de recados.
    Assinaram o memorando, agora rezem...

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.