sábado, 11 de maio de 2013

Declaração pública de Margarida Morgado


Porque me pergunto muitas vezes: quanto tempo poderá a democracia resistir à constatação agudizada pela crise – que se instala para além do tolerável – de que nos lugares de decisão da nossa cidade, do país, da Europa, do mundo, não há quem represente os interesses dos cidadãos mas apenas os dos credores financeiros.
Porque me pergunto muitas vezes: que vamos nós fazer para que esta crise da democracia representativa resulte num aprofundamento da democracia e não no seu contrário que nos tiraniza?
Porque penso que todos nós, cidadãos, temos o dever difícil de trabalhar mais na vida pública e fazê-lo em todos os lugares onde são tomadas decisões sobre a nossa vida comum.
Porque tenho visto muitas vezes a Helena ligada a inúmeros combates tendentes a criar um quotidiano em que tenhamos tempo e condições para a participação – da vida laboral aos transportes e higiene pública, da vida cultural ao sistema educativo – com o consequente apoio às famílias cuja vida se vai degradando cada vez mais, graças ao desemprego dos seus membros adultos que os atingiu de forma cruel e prolongada.
Porque a Helena sabe – saber de experiência feito e reflectido – que a participação social e política é um meio de conhecimento da realidade em que nos movemos.
Porque a Helena sabe que a autarquia é um palco onde interesses de toda a ordem conflituam, desde logo os de classe, com as suas incidências financeiras, económicas e culturais.
Porque a Helena sabe que às políticas de austeridade que nos são impostas, também pela Câmara de Évora, são necessárias duas condições: identificar as alternativas e dispor de vereadores. Ou seja: actores políticos capazes de lutar por elas, capazes de pensar criticamente a realidade que se lhes depara e agir de maneira justa e condizente.
Por tudo isto eu tenho a honra de presidir à Comissão de Honra que trabalha para levar a Helena… à presidência da Câmara de Évora, enquanto cabeça de lista que o Bloco de Esquerda propõe à população da cidade de Évora.


Margarida Morgado - Presidente da Comissão de Honra da Candidatura Autárquica do Bloco de Esquerda ao Concelho de Évora

13 comentários:

  1. Há algo muito difícil de fazer. Destrinçar os afectos da razão.
    Não consigo fazer isso. há pessoas de quem gosto muito, pessoas que admiro e respeito.
    Margarida Morgado está no topo da lista dos meus afectos. O meu coração fica cheio, sempre que nela penso.
    Maria Helena Figueiredo é também alguém que me diz muito. Corajosa, solidária, participativa e acima de tudo transparente. É quem é, sem medo de críticas, sem ter a absurda atitude de pensar que as suas posições são incontornáveis, irrebatíveis, absolutas.
    São Mulheres, representam uma visão muitas vezes escamoteada pelo poder, pelo quotidiano instituído do quero, posso e mando, pelo esbracejar sexista e redutor dos inúmeros quintais que há séculos estão instalados.
    Fico feliz e honrado com esta candidatura e acima de tudo, com o facto de Margarida Morgado ter aceite dar a cara por esta proposta de mudança.
    Alguma coisa está a mudar,

    ResponderEliminar
  2. Acredito em ti Sampaio.

    O problema é que fora do restrito círculo cultural da esquerda intelectual – normalmente a léguas do povo - ninguém conhece a senhora. Pode até ser a melhor das pessoas, atenção.
    Eu que sou Eborense há + de 40 anos e que ando fora do circuito cultural elitista, não conheço o seu pensamento quanto a perspectivas e soluções que nos levem a ter esperança no futuro.

    O Povo, esse, quer trabalho, dinheiro para comida ou carros ou restaurantes ou férias e um estado social. Acontece que todas estas coisas - que o capitalismo e a economia de mercado proporcionaram – acabaram.
    Terá a esquerda – BE ou PC - capacidade para as fazer devolver intocáveis de novo? Como o vai fazer?
    Ou num plano mais local tendo em consideração os pontos quentes: Dívida e Água.
    Que soluções (devidamente esmiuçadas e pensadas nas suas consequências) preconizam?
    Alguma vez o BE se preocupou devidamente com elas? Se sim, que soluções apresenta?

    Isto sim. Um BE preocupado em arranjar soluções e as mostrar é que era a verdadeira mudança.

    ResponderEliminar
  3. O BE não quer apresentar soluções porque o BE não quer, de facto, o poder.
    O BE alimenta-se da oposição, da má língua, de falar mal do que os outros fazem sem que seja capaz de fazer melhor.
    Que bem que se está na oposição. Trabalhar? Dassss... que isso dá trabalho.

    ResponderEliminar
  4. É por isso que o BE apresenta esta candidata intelectualóide, apoiada por esta velha gagá que nunca fez nada na vida alem de escrever umas coisas a que ela chama poemas. E que meia dúzia de outros intelectualóides aplaudem, na esperança que algumas migalhas da pseudo-glória da velha gagá caiam sobre eles.

    Entretanto, o povo continua a sobreviver.
    Os intelectualóides continuam a deliciar-se com os 'poemas' da velha gagá.
    Que bem que se está na oposição...

    ResponderEliminar
  5. Agora percebi aonde queria chegar o CJ com o post 'Geriatria?'

    ResponderEliminar
  6. A isto é que se chama renovação dos quadros...

    ResponderEliminar
  7. a candidata do B.E. tem profissão
    a candidata do B.E. não veio do céu

    a candidatura do bloco é legal

    a Sra D. Margarida Morgado é uma referencia da Cultura e da Luta anti-fascista nesta cidade.
    Não caiu de paraquedas

    ResponderEliminar
  8. 17.22

    Abre você o computador para escrever isto! Anonimamente ainda por cima. Olhe-se a um espelho: verá a imagem reflectida de quem não tem uma réstea de pudor. E vem para a praça pública, sorrateiro, lançar "postas de pescada" sem tino nem jeito! Com gente assim estamos conversados!

    ResponderEliminar
  9. A senhora não caiu de paraquedas mas ser anti fascista para alguns é ter uma verruga a mais do que os outros! E se o anti fascista for comunista, uiui!
    MAS PERGUNTO EU...UM COMUNISTA (em especial os Estalinistas do PCP ou da UDP por exemplo) não é farinha do mesmo saco que um fascista??

    ResponderEliminar
  10. Blá-blá-blá bons rapazes e votos desperdiçados que talvez ajudem a que Melgão seja eleito, blá blá blá / blá blá blá - de preferência com rima...
    PL

    ResponderEliminar
  11. E onde é que os votos não seriam desperdiçados, PL? Seria no seu candidato (seja ele qual for)? Nós no BE também pensamos que votar noutro candidato que não na Maria Helena é desperdiçar votos...

    ResponderEliminar
  12. @18:25
    Então não se esqueçam de, no fim, ver quantos vereadores elegeram com os votos que tiveram.
    Se o resultado for como julgo que irá ser (zero vereadores), isso só pode significar que nem um voto se aproveitou.
    Mas também é claro que, se não aproveita ao BE, aproveita a alguém. Só falta saber quem ganha com o desperdício...

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.