domingo, 19 de maio de 2013

Catarina, um símbolo da resistência alentejana ao fascismo, foi assassinada há 59 anos


O primeiro tema da reflexão grega é a justiça
E eu penso nesse instante em que ficaste exposta
Estavas grávida porém não recuaste
Porque a tua lição é esta: fazer frente

Pois não deste homem por ti
E não ficaste em casa a cozinhar intrigas
Segundo o antiquíssimo método oblíquo das mulheres
Nem usaste de manobra ou de calúnia
E não serviste apenas para chorar os mortos

Tinha chegado o tempo
Em que era preciso que alguém não recuasse
E a terra bebeu um sangue duas vezes puro


Porque eras a mulher e não somente a fêmea
Eras a inocência frontal que não recua
Antígona poisou a sua mão sobre o teu ombro no instante em que morreste

E a busca da Justiça continua

Sophia de Mello Breyner Andresen

Num dia assim, 19 de Maio, há precisamente 59 anos era assassinada a tiro, pelo tenente Carrajola, da GNR, a jovem trabalhadora agrícola Catarina Eufémia, em Baleizão. A memória deste assassínio persiste ainda hoje e esta manhã, Jerónimo de Sousa, em nome do PCP esteve ali a prestar homenagem à ceifeira alentejana. Esta noite, será a vez do Bloco de Esquerda, com Catarina Martins, a homenagear Catarina Eufémia numa sessão marcada para Baleizão. Este poema e este retrato de Catarina, num poster, fez parte de mim desde o início dos anos 70 e andei com ele por todos os quartos por onde passei durante mais do que uma década. A história e o destino de Catarina Eufémia era por nós conhecida, jovens estudantes do liceu de Beja e contada em noites de conversa, sendo na altura já um símbolo da resistência dos trabalhadores alentejanos ao fascismo. Havia memórias anteriores desta resistência que não tinham chegado até nós (como a da pujança do anarquismo e do anarcosindicalismo em todo o Alentejo até ser selvaticamente reprimido e destruído nos primeiros anos da barbárie fascista). Mas a memória de Catarina sempre esteve presente, sublinhada de forma sublime, depois, pela voz e pela música empolgantes de José Afonso:  "ó Alentejo esquecido/'inda um dia hás-de cantar!"



18 comentários:

  1. Passos Coelho bateu em ex-mulher !

    O homem é um fascista daqueles puros !!!


    https://www.facebook.com/ocrime.jornal


    Jorge

    ( ciclista )

    ResponderEliminar
  2. Os FASCISTAS aí estão de novo no PODER .

    ResponderEliminar
  3. PASSOS e CAVACO....dois SALAZARISTAS ........

    ResponderEliminar
  4. Se a Dª Catarina tivesse vivido mais algum tempo e lhe fosse dada a possibilidade de ter assistido à invasão da Checoslováquia, ou lhe tivesse sido proporcionada educação, ficaria com vergonha de ter sido do PCP Soviético.

    Mas foi morta pelos fascistas. O PCP elevo-a logicamente a bandeira.

    ResponderEliminar
  5. 21:51
    Um vintém é um vintém, e um cretino é um cretino!
    Tu não és um vintém...

    ResponderEliminar
  6. Coloco o Cunhal e outras da matilha, no mesmo saco que o Salazar mas na outra divisória ao lado.

    Sabujos dos Soviéticos não são historicamente de confiar. No PCP foram sempre uns cãezinhos dos donos Soviéticos.

    Para quem queria saber das relações do PCP com os Estalinistas Soviéticos, é ler livro do Milhazes e Helena Matos, ou do Pacheco Pereira.

    ResponderEliminar
  7. A corajosa Catarina viveu foi na ignorância como aliás a esmagadora maioria do Povo Português.

    Se ela soubesse a sério o que era o comunismo e se tivesse vivido mais algum tempo, estou convencido que tinha desertado do partido como milhares o fizeram.

    ResponderEliminar
  8. O cretino ladra, mas a caravana passa!

    ResponderEliminar
  9. 22.39

    E tu deves ser o simbolo do conhecimento e da sapiência. Santa ignorância.

    ResponderEliminar
  10. 23:24
    não é preciso 'ser o simbolo do conhecimento e da sapiência' para reconhecer um cretino!
    Basta ler os lugares comuns e os disparates que ele escreve.

    ResponderEliminar
  11. @00:16

    Enfiem os cretinos nos Gulags da Sibéria.

    Funcionários escumalha.

    ResponderEliminar
  12. Interessante documento este poema da Sophia, que não conhecia. Mas tem uns anos um testemunho do malogrado Dr. Henriques Pinheiro (o médico que autopsiou o seu corpo), de Beja. Que pode ajudar a desconstruir parte da memória da resistência comunista (poética, narrativa, nas artes plásticas, etc.), exactamente a partir de uma das + importantes figuras em que ela se alicerçou. Mulher, camponesa do Alentejo, ..., morta a tiro pela GNR. Aqui e ali essas fontes parecem ser desvalorizadas, nomeadamente por militantes na Faculdade de Belas-Artes, mas compreendo que essa não é a missão de um blog.

    ResponderEliminar
  13. 7:31

    Levantas-te cedo.... Agora já nem Sibéria a sério há. O capitalismo deu cabo de tudo.

    ResponderEliminar
  14. [ http://estudossobrecomunismo2.wordpress.com/2005/03/18/natalia-santos-catarina-eufemia-des-montagem-de-um-mito/ ]

    Adenda. Eis um post que resultou da publicação de uma tese da Natália Santos em 2005, defendida na UC. Vale a pena seguir os comentários num blog do JPP para saber +. Intervêm Irene Pimentel, Paula Godinho, Luísa Tiago Oliveira e Diego Palacios Cerezales, entre outros.

    ResponderEliminar
  15. António Gomes21 maio, 2013 09:51

    Será que, para alguns anónimos mentecaptos, não existe a palavra respeito, com o profundo significado que a mesma tem?

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.