segunda-feira, 1 de abril de 2013

Mário Viegas não era dos mansos



Mário Viegas (Santarém, 10 de Novembro de 1948 — Lisboa, 1 de Abril de 1996)

12 comentários:

  1. PS e PSD "DESISTIRAM" de governar Èvora........esta gente sabe o que fez nos ultimos 30 anos ,prejudicaram a Cidade,apenas trataram das vidinhas dos seus,Agora que Arruinaram o concelho e o País "fugiram" de assumir responsabilidades,as suas "candidaturas" não é para levar a sério.

    ResponderEliminar
  2. ULTIMA HORA:

    Arruaça em directo na SIC Noticias,estes são os analistas do sistema,três PSDs envolveram-se...........isto não é Informação, é LIXO.

    ResponderEliminar
  3. joaquim palminha silva02 abril, 2013 09:28

    Caros comunicadores do «a cinco tons»... Que título é esse? - «Mario Viegas não era dos mansos»... O meu amigo Mário era um animal? Onde é que aprenderam a comunicar e a titular os escritos? Na "Universidade de Cacilhas"?
    Francamente!

    ResponderEliminar
  4. Recuperar o Quisoque do Rossio,o Chafariz,requalificar a zona envolvente do monumento,arborizar,colocar bancos,cuidar do monte alentejano,nivelar o piso........são minimos para um espaço como o Rossio de São Bráz,e não custará uma fortuna.

    ResponderEliminar
  5. Aproveitar o grande Espaço (antiga rodoviaria) como parque está sempre VAZIO,no Centro Histórico,podia ser aproveitado para vários eventos.

    ResponderEliminar
  6. Aproveitar o grande Espaço (antiga rodoviaria) como parque está sempre VAZIO,no Centro Histórico,podia ser aproveitado para vários eventos.

    ResponderEliminar
  7. joaquim palminha da silva

    O Mário não era só seu amigo. Era de outros que por aqui vão escrevendo e continua, como é claro, a ter aqui no acincotons muita gente que o preza. O conceito de não ser manso aqui apenas se entrelaça com o significado político que a palavra tomou em tempos recentes: o que não se conforma, não aceita, protesta e se indigna. O Mário foi isso tudo e muito mais. Nunca o "amansaram" e ele escolheu todos os momentos para o demonstrar. Este manifesto anti-Cavaco, o facto de integrar as listas da UDP (para provocar agitação) ou ser candidato a candidato à presidência da República mostra que o espaço político era um dos que escolhia preferencialmente para as suas "perfomances". E, comparado com a anemia crítica que parece se ter apossado dos nossos actores e criadores que vegetam num possibilismo táctico de perfeita nulidade, Mário Viegas era tudo aquilo que a mansidão não procura. Era capaz de ousar e não se ficava pelas meias palavras.
    Daí o título...
    Cumprimentos.

    CJ

    ResponderEliminar
  8. Compreendo...
    Saudações
    JPS

    ResponderEliminar
  9. Em vez de cobardia podem ir é ver quem anda a dar a empresas falidas fundos da UE no quadro do Inalentejo , aos sempre os mesmos e com o descaramento de agora já darem a empresas privadas para fazerem camas para Chineses .

    Tenham coragem de empregarem um dia os fundos comunitários para o público em geral e de ineresse coletivo .O que andam a dar depois eu e todos temos de pagar em impostos quando esses que recebem fazem de tudo a custo de bons técnicos para não pagarem impostos .

    Tenham vergonha e Évora é um exemplo de como se escavacam euros e metem outros a pagar !


    Jorge

    ( ciclista )

    ResponderEliminar
  10. Por favor pintem a Igreja de Santo Antão,é uma VERGONHA.

    ResponderEliminar
  11. E retirem aqueles bancos PIMBA,e coloquem outros.

    ResponderEliminar
  12. A praça está SUJA e sem Vida,realmente aqueles bancos são horriveis...........coloquem floreiras na praça.......

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.