sexta-feira, 26 de abril de 2013

José Ernesto Oliveira, de saída da Câmara, diz que PAEL vai "resolver a maior parte das dívidas de curto prazo"


A Câmara de Évora vai "resolver a maior parte das dívidas de curto prazo", após ter assinado com o Governo o contrato de adesão ao Programa de Apoio à Economia Local (PAEL), afirmou hoje o presidente do município.
Em declarações à agência Lusa, o autarca, José Ernesto Oliveira (PS), indicou que o contrato do PAEL "foi assinado esta semana com o Governo" e que "falta apenas o visto do Tribunal de Contas" para a sua concretização.
"Este contrato prevê que a câmara tenha acesso a um financiamento, a 20 anos, de 32 milhões de euros, que vai permitir resolver a maior parte da dívida de curto prazo" e, ao mesmo tempo, "aliviar muitas empresas locais", referiu.
Trata-se, segundo o autarca, de "um momento muito significativo para a câmara e para a economia local", já que as empresas credoras vão "receber aquilo a que têm direito e que o município tem sido impedido de o fazer por completa impossibilidade da sua tesouraria".
"A câmara quer ter as suas contas saldadas e em dia, mas, infelizmente, não foi possível por razões que se prendem com os cortes e com a diminuição das receitas, mas também com a postura da empresa Águas do Centro Alentejo e do Governo", assinalou.
De acordo com José Ernesto Oliveira, o visto do Tribunal de Contas "é o último passo" do processo, pelo que se mostra esperançado que a apreciação seja "rápida" para que o município também disponibilize as verbas "o mais rapidamente possível".
Contudo, o presidente da Câmara de Évora lamentou que "metade da verba total" do empréstimo do PAEL, cerca de 16 milhões de euros, seja para a empresa Águas do Centro Alentejo, que "continua a ser o grande credor e o grande sorvedouro de recursos" do município.
"Temos uma ação em tribunal para sairmos do sistema" multimunicipal da Águas do Centro Alentejo e "para sermos indemnizados", porque "a câmara tem sido altamente prejudicada pela ação" da empresa, afirmou o autarca.
Lembrando que o município "solicitou a saída do sistema em 2010", o presidente da Câmara de Évora criticou o Governo e a ministra da Agricultura e do Ambiente, Assunção Cristas, porque têm "impedido a câmara" de sair da Águas do Centro Alentejo. (LUSA)

17 comentários:

  1. Vai resolver as 'dividas de curto prazo' e deixar a câmara e os eborenses amarrados a essa dívida por muito longo prazo. Vão ser mais de 20 anos a pagar taxas e impostos no máximo!

    E para quê?
    - Para pagar obras em edifícios particulares (10 milhões na Praça de touros)
    - para pagar obras inuteis e que estão a apodrecer (+ 10 milhões na dita expansão dos Leões)
    - para pagar vigarices da entrega das águas à AdCA (30 milhões de património municipal, entregue ao desbarato)
    - para pagar 15 milhões em 'ofertas de terrenos e infra-estruturas, à Embraer (cuja factura vai ser paga pelos que vierem a seguir)
    - para pagar projectos inuteis (e em duplicado!) como aconteceu na dita 'Acrópole XXI'.
    - ETC., ETC., ETC.

    Se houvesse justiça, esta gente não se escaparia a responder perante ela, pelos 12 anos de gestão danosa.

    ResponderEliminar
  2. Vai dar de frosques para ir para a Embraer, dizem por aí...
    Se se conformar, já não é só gestão danosa. É pura vigarice, em causa própria.

    ResponderEliminar
  3. A lista PS:


    Melgão

    Claudia


    Brigola


    Chalaça


    Francisco costa

    ResponderEliminar
  4. Estes são os TÓTÓS que aceitaram ir a jogo.

    ResponderEliminar
  5. Quem é o rapaz ceguinho, com a bandeira amarela?

    ResponderEliminar
  6. A propósito...quem roubou a câmara nas questão do desvio de receitas?
    Que aconteceu?

    ResponderEliminar
  7. Sim, o que aconteceu ao bandido que roubou o dinheiro da água?
    Como é do partido corrupto (PS) foi colocado a trabalhar na secretaria da Escola de S. Clara; a ver se as pessoas se esquecem dele.
    Justiça? Isso não há.
    Nada se apura, tudo se esquece, tudo fica em águas de bacalhau. O ladrão meteu o dinheiro ao bolso e fica a rir-se. Porquê? Dizem que a mulher dele, muito próxima do Zé do Cano, sabe muito, sabe demais. Não convém chateá-la.
    É assim que este "país" funciona, como a república das bananas que é.

    Carvalho

    ResponderEliminar
  8. Otelo: Salazar preservou mais a soberania nacional do que Cavaco Silva

    Em Guimarães, à margem do colóquio "Ontem, Hoje e sempre Abril", Otelo apontou ainda o dedo ao Presidente da República ao afirmar que "foi com este que começou" o "grande problema do país".

    Para o "general de Abril", como lhe chamaram os populares presentes, Cavaco Silva foi "sempre" um "homem do partido", embora o tenha andado a "disfarçar" ao longo do tempo.

    "Como governante, [Cavaco Silva] nunca teve a capacidade que teve Salazar, que, apesar de tudo que ele era, tentou preservar sempre e foi sempre extremamente duro em relação às negociações com países estrangeiros no que se referia à soberania do nosso país. Cavaco silva não", comparou.

    Para Otelo, "Cavaco Silva foi gerindo o seu poder pessoal como primeiro-ministro e agora como Presidente da República à custa de toda uma degradação politica e sobretudo económica".

    Questionado sobre o discurso do Presidente da República nas cerimónias de comemoração do 25 de Abril, Otelo, apontou que as palavras de Cavaco ilustraram "aquilo que ele é" na verdade.

    "De facto, o Presidente Cavaco Silva foi sempre um homem de partido, embora tenha procurado disfarçar durante algum tempo, com os consensos e não sei o quê. Agora vai procurar o consenso mas castigando violentamente a oposição", referiu.

    Para Otelo, Cavaco Silva "deve ter tento e não procurar perturbar a acção governativa".

    Sobre o actual Presidente da República, o militar apontou ainda "culpas" na actual situação do país.

    "Foi com ele [Cavaco Silva] que começou, de facto, o grande problema do país. Ele foi um mau primeiro-ministro. Fez muitas auto-estradas mas não era isso que interessava. Interessava consolidar economicamente um país que tem pouca indústria", apontou.

    O militar disse ainda que o "objectivo" do 25 de Abril não era "este" país mas sim "instaurar um regime de democracia representativa segundo o modelo ocidental, acabar a descolonização, libertar esse peso angustioso que era e tentar desenvolver o país".

    Segundo Otelo, "perderam-se os grandes ideais" e "perdeu-se o ideal que é todo um povo viver em coesão, feliz, com um sentido de bem-estar e dignidade que hoje não existe".

    Ainda assim, admitiu, "valeu a pena" a revolução.

    "Fundamentalmente porque permitiu rapidamente a um povo, subjugado durante uma ditadura de 48 anos, pela primeira vez, sentir o que era a liberdade. Só por isso valeu a pena", exclamou.

    ResponderEliminar
  9. Quem é o rapaz ceguinho, com a bandeira amarela?

    ResponderEliminar
  10. Se o "rapaz ceguinho, com a bandeira amarela" se descuida, ainda o põem a candidato à câmara...

    ResponderEliminar
  11. ... ou como blogista por aqui.

    ResponderEliminar
  12. Acho piada dizerem que o Zé de Cuba vai para a Embraer. O homemzinho não quer trabalhar e naquela empresa não aceitam imcompetentes.

    ResponderEliminar
  13. Acho piada dizerem que o Zé de Cuba vai para a Embraer. O homemzinho não quer trabalhar e naquela empresa não aceitam imcompetentes.

    ResponderEliminar
  14. Foge Melgão, se não ainda te fazem barão!

    ResponderEliminar
  15. O senhor presidente diz que as aguas de portugal tem lesado a câmara, mas não foi ele que assinou o contrato? Nao foi ele que entregou a gestão da agua de Évora a esta empresa? Então de que se queixa? Quanto muito dizia que tinha cometido um erro! Não custava e servia pelo menos para nos pedir desculpa!
    Lurdes

    ResponderEliminar
  16. gostaria de saber o que se passa no aerodromo de Évora, so o que vejo é pessoal de maos nos bolsos, uma agitação de carros da chefia, 5 pessoas numa torre a fazer nada, ai desculpem a ver os passaros a voar, um dito diretor da proteção civil que nada faz , ups nao entendo mesmo evora esta a perder tudo, agora pergunto eu o que fazem 12 pessoas num aerodromo sem aviões, sem actividade nenhuma ate o paraquedismo se foi, os planadores, o desporto em si , um aerodromo que foi cedido pela FEA para a pratica do desporto e aviaç
    ao civil

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.