quarta-feira, 3 de abril de 2013

DGAfundanço

(Gui Castro Felga)
Se algo existe que nos diferencia, que define a condição humana, é a capacidade de sonhar, a possibilidade que temos de imaginar o que se esconde para lá do horizonte, a multiplicidade de caminhos que essa dádiva nos disponibiliza.
Podemos até optar por integrar um rebanho, ou uma alcateia, ou uma vara, mas isso não é condição, é escolha. Somos nós em última análise, que decidimos das nossas vidas, que construímos os nossos projectos, que usamos as ferramentas que melhor nos convêm.
A cultura é a oficina onde essas ferramentas se forjam, é o produto da interacção entre as gentes e o meio, a matriz de um povo. Se a base desse iceberg não é visível, é pouco importante, porque está lá, presente, e determina os nossos dias, no modo como nos expressamos, como nos alimentamos, como percorremos as nossas vidas, é ela que nos faz gente entre as gentes.
É ela que incita também à criatividade, à superação, ao crescimento, é dela que nasce a educação, a formação, é ela que origina o prazer, a fruição, o belo, por ela nos pomos em causa e crescemos, através dela evoluímos.
Um povo que se limite a sobreviver, que se reduza à luta pela subsistência, é um povo condenado, reduzido ao horizonte próximo, como um rebanho, sem sonhos, sem caminhos, apenas com a triste inevitabilidade do fim que se aproxima.
As artes são a expressão do nosso pulsar, sem elas, a nossa identidade é um valor oculto, guardado numa gaveta, ou numa prisão, sem elas apenas nos restam as grilhetas do dia após dia.
Quando os governantes são analfabetos funcionais e criminosos, cínicos e egoístas, a primeira coisa que fazem é assassinar a cultura, porque é desse acto que os rebanhos nascem, da falta de coragem de nos assumirmos gente, de nos afirmarmos sem receio, de crescermos no prazer da verticalidade.



6 comentários:

  1. Só com a IMPLOSÃO do BLOCO CENTRAL,poderá haver MUDANÇA.

    ResponderEliminar
  2. "PJ investiga apoios do QREN"

    A bem dos futuros rebentos ainda nascidos em Portugal e que nunca terão a coragem de limpar euros da UE , é bom que a PJ meta em escuta , parece que já estão alguns ... ; a forma de em vez de pedir empréstimos aos bancos , as empresas falidas e sem liquidez em Évora , tem metido projetos falsos para deles dar a famílias particulares o que os outros sem interesse nesses projetos vão ter que pagar em impostos ao longo da vida e a acumular os que nascem hoje .

    Milhões de euros estafados em buracos financeiros e projetos úteis para meia dúzia de contrabandistas de impostos !

    Tenham vergonha na cara bandidos !

    Jorge

    ( ciclista )

    ResponderEliminar
  3. Enquanto uns estão agora a discutir na Assembleia ... e outros a preparar eleições , outros a contar euros para logo ter pão e sopa :

    Aqui estão mais uns que mamam na teta da vaca ... TRABALHEM para eles !!!!

    http://www.arlindovsky.net/wp-content/uploads/2013/04/listagem-19-pdf.pdf


    Jorge

    ( ciclista )

    ResponderEliminar
  4. que subsidios sao esses? que tipo de subsidios?

    ResponderEliminar
  5. joaquim palminha silva03 abril, 2013 20:14

    Parece-me que M. Sampaio deslizou
    (ainda bem!)para os lados da bandeira negra libertária! Belo texto!
    Saúde e Anarquia!
    J.Palminha Silva

    ResponderEliminar
  6. quanto vale o buraco do Cendrev

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.