quinta-feira, 4 de abril de 2013

Adeus ó Relvas, que já de ti não me estou lembrando!



O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, aceitou hoje o pedido de demissão apresentado pelo ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, anunciou o gabinete do chefe do Governo.
"O gabinete do primeiro-ministro informa que o ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, apresentou ao primeiro-ministro o seu pedido de demissão, que foi aceite. Em face desta situação, o primeiro-ministro proporá oportunamente ao Presidente da República a exoneração do ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares e a nomeação do seu substituto", lê-se numa nota enviada à comunicação social.
Não é indicado o motivo da demissão de Miguel Relvas, que é considerado o "braço-direito" político do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho.
Na mesma nota, "o primeiro-ministro enaltece a lealdade e a dedicação ao serviço público com que o ministro Miguel Relvas desempenhou as suas funções, bem como o seu valioso contributo para o cumprimento do Programa do Governo numa fase particularmente exigente para o país e para todos os portugueses".
Miguel Relvas foi o "número dois" de Passos Coelho nas suas candidaturas à liderança do PSD, a última das quais vitoriosa, assumindo em seguida o cargo de secretário-geral e porta-voz da direção social-democrata.
Na sequência das legislativas de 5 de junho de 2011, Passos Coelho escolheu Miguel Relvas para ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, responsável pela coordenação política do executivo, pela tutela da comunicação social e pela reforma da Administração Local.
A passagem de Miguel Relvas pelo XIX Governo foi marcada por diversas polémicas, relacionadas com a sua licenciatura, com as suas relações com o antigo diretor do Serviço de Informações Estratégicas de Defesa (SIED), Jorge Silva Carvalho, e alegadas pressões a jornalistas.(LUSA)

4 comentários:

  1. se O Problema Português fosse só O relvas.
    È toda a classe politica, dou o beneficio da duvida ao BE, pois nunca foi governo e nivel autarquico só gere a Câmara de Benavente.
    Por isso subscrevo o que disse Alexandre Soares dos Santos, um grande projeto Nacional envolvendo toda a sociedade, excluindo os partidos.
    O Canalizador que fez a canalização defeituosa, não vai ser o mesmo que a vai reparar.
    Que o relvas leva umas centenas de incomptentes e velhacos atrás

    ResponderEliminar
  2. O autoclismo não deve ser puxado às mijinhas sob pena de ficar muita merda agarrada aos canos.

    ResponderEliminar
  3. Ah, porque o Paços acredita que o problema fica resolvido com a demissão do relvas? Este gajo é demais...

    ResponderEliminar
  4. RELVAS
    à falta de tapete foi à RELVA


    no meio de tantas
    trocas e baldrocas

    talvez o ministro
    vá ganhar a vida
    a vender
    PIPOCAS

    NOTA - um dos quinhentos mil empregos criados pelo Dinâmico MINISTRO, neste curto intervalo de dois anos

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.