sexta-feira, 15 de março de 2013

Tudo te tiram e tu deixas!


"Tiraram-te os subsídios, tiraram-te salário, tiraram-te dias de férias e feriados, tiraram-te o emprego, tiraram-te a casa e o carro. Tiraram-te direitos se fores despedido, tiraram-te saúde e educação. Justiça, essa, verdade seja dita, nunca tiveste. Tiraram-te os filhos que partiram. Tiraram-te a esperança, tiraram-te a cor dos dias. Só não te tiraram a dignidade. Essa não. Essa é o teu último reduto de nada. A dignidade nunca ta tiraram porque tu nunca a tiveste. Sim, tu, tu nunca tiveste, de facto, qualquer dignidade, porque, se a tivesses tido, não tinhas deixado que te tirassem nada." 

Telmo Rocha (no facebook)

20 comentários:

  1. Perante
    a destruição de País quase milenar, há que responsabilizar criminalmente
    Passos Coelho, Vitor Gaspar e Carlos Moedas.
    A demissão não chega, a cadeia é único lugar dos incompetentes, que levam centnas de Portugueses á miséria, à fome, ao suicidio e ao parricidio


    BE exige demissão de Gaspar, "responsável pela destruição da economia"

    "Estes números dão conta de uma enorme destruição da economia, maior recessão, maior número de falências de sempre, mais desemprego, chegando assustadoramente perto dos 20%. Para o BE, é claro que quem é o responsável por esta destruição da economia tem de pedir a demissão", disse
    Pedro Filipe Soares, na Assembleia da República, em reacção à conferência de imprensa do membro do Governo.

    Gaspar anunciou hoje, após a sétima avaliação do Programa de Assistência Económica e Financeira por parte da troika (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional) uma revisão da recessão de um por cento para 2,3 por cento este ano, além de admitir uma taxa de desemprego de mais de 18%, com tendência a aumentar até 2014.

    ResponderEliminar
  2. «há que responsabilizar criminalmente
    Passos Coelho, Vitor Gaspar e Carlos Moedas»

    E cadé os outros que chamaram a troika?

    ResponderEliminar
  3. táctica do generico:
    "foram todos, eles..."
    e a culpa que morra solteira,
    novamente.

    ResponderEliminar
  4. 14,01 é claro como agua os que chamaram a troika já falidos e os que 2007 até a chegada da mesma mais não fizeram que divida e defice.

    ResponderEliminar
  5. Tiram-te, tiram-te, tiram-te...
    E a ti não tiraram? Foi só aos outros?
    Os outros não têm dignidade? E tu, meu imbecil? Além de mandar palpites no facebook a apontar o dedo e responsabilizares os outros, o que tens feito? Estou farto destes merdas que acham sempre que os outros é que são responsáveis pela situação em que estão. Coitadinhos, eles não são responsáveis por nada. Bardamerda. E bardamerda para um blog que dá destaque a estas cavalgaduras. Puta que os pariu!!!!!!

    ResponderEliminar
  6. @14:38
    Eu pelo menos recuso-me a votar nestes merdas do Centrão PS/PSD/CDS.
    E tu, FAZES O QUÊ?

    ResponderEliminar
  7. Ao contrário de ti, que de 4 em 4 anos te recusas a votar nos "merdas do Centrão" e depois limitas-te a andar pelo facebook a mandar palpites, eu tenho participado em manifestações, greves e todas as formas de luta possíveis no meu local de trabalho. Participo em associações de cultura e faço voluntariado em duas ong. Não chega? Talvez não. Mas, mesmo assim, é mais do que apenas me recusar a votar nos merdas do Centrão...
    E, já agora, o que é que isso tem a ver com o meu comentário ao post?

    ResponderEliminar
  8. João Tavares
    ainda bem que participa, é muito importante que o diga.
    assim todos ficamos a saber que está em todas as formas de luta possíveis no seu local de trabalho, que faz greve, e que integra voluntariamente duas ONG.
    Quanto ao resto, não vejo como possa insultar uma pessoa apenas por dizer o que pensa e o que sente.
    Não sabe se a pessoa em causa faz greve, se integra ONGs e acima de tudo se está em todas as lutas possíveis no local de trabalho, ou já agora, fora dele também e se calhar, dando a cara por algumas lutas que v. considera impossíveis.
    Em relação ao blogue tem toda a razão, bastas vezes publicamos coisas de cavalgadura... mas não se preocupe, que não vamos puxar a post o seu comentário...
    fica só por aqui, porque como saberá não só publicamos, como também não eliminamos...
    Foi um prazer tomar conhecimento do seu sábio relinchar...

    ResponderEliminar
  9. Manifestações em todo o país (eventualmente uma greve geral)
    -> São necessárias manifestações em todo o país (eventualmente uma greve geral)... tendo em vista alterações à Constituição... que permitam uma Mudança de Paradigma Democrático:
    - RETIRAR PODERES AOS POLÍTICOS... e... um sistema menos permeável a lobbys.
    .
    .
    -> As manifestações em causa... não terão nada a haver com as manifestações à CGTP... por motivos óbvios:
    - as manifestações à CGTP visam o perpetuar/eternizar da parolização do contribuinte: queda de governos semestre sim, semestre sim,... leia-se, 'mudar as moscas'... ficando o sistema inalterável (vira o disco e toca o mesmo): um sistema aonde os lobbys manobram sempre a seu belo prazer... e... aonde, ao passarem a «ex-», os governantes terão belos 'tachos' à sua espera.
    .
    .
    .
    .
    Anexo:
    Não é muito difícil de perceber que é um imperativo... RETIRAR PODERES AOS POLÍTICOS (e um sistema menos permeável a lobbys):
    1- Auto-estradas 'olha lá vem um', nacionalização de negócios "madoffianos" (ex: BPN), etc… anda por aí muito pessoal a querer mandar naquilo que não é seu - o dinheiro dos contribuintes - consequentemente, como é óbvio, o Contribuinte tem de defender-se: "O Direito ao Veto de quem paga" [blog 'fim-da-cidadania-infantil'].
    .
    2- Político armado em 'milagreiro económico', é político que quer carta branca para pedir empréstimos...
    -> Contrair dívida (para isto, ou para aquilo) pode conduzir a uma ESPIRAL RECESSIVA: o aumento de impostos para pagar a Dívida Pública... provoca uma diminuição do consumo... o que provoca um abrandamento do crescimento económico... o que, por sua vez, conduz a uma diminuição da receita fiscal!
    Por outras palavras: pedir dinheiro emprestado é um assunto demasiado sério para ser deixado aos políticos!!!
    -> Será necessário uma campanha para motivar os contribuintes a participar... leia-se, votar em políticos, sim, mas... não lhes passar um 'cheque em branco'!... Leia-se, para além do "O Direito ao Veto de quem paga", é urgente uma nova alínea na Constituição: o Estado só poderá pedir dinheiro emprestado nos mercados... mediante uma autorização expressa do contribuinte - obtida através da realização de um REFERENDO.
    .
    3- A participação do Banco Público, CGD, nas negociações de Cartelização da Banca.... vem reforçar aquilo que já se sabia: existe por aí muito político cujo 'trabalhinho' é abrir oportunidades para a superclasse (alta finança - capital global):
    - caos nas finanças públicas;
    - privatização de bens estratégicos: combustíveis... electricidade... água...
    Resumindo: os políticos não podem continuar a ter o poder de nomear directamente os gestores das empresas estratégicas (ex: água, e outras a definir)... leia-se, deve existir um CONCURSO PÚBLICO de gestores... e... embora seja o governo a escolher a equipa gestora vencedora do concurso público... todavia, deve existir a obrigatoriedade de partilhar informação... no sentido de que o contribuinte possa acompanhar o andamento do concurso público.

    ResponderEliminar
  10. O M.Sampaio ao seu melhor nivel.
    Mas de um livreiro sem livraria, que outra coisa seria de esperar?

    ResponderEliminar
  11. A crise financeira que eclodiu em 2007 obrigou os países do Velho Continente, e não só, a aumentar as dívidas públicas para conter o seu impacto negativo. Porém, e adaptando um ditado popular à economia, é agora evidente que "país prevenido vale por dois". E Portugal não estava preparado, ao contrário da maioria dos parceiros da União Europeia.

    No final de 2007, a dívida pública média dos países da UE26 - sem Portugal e fazendo contas sobre os números individuais de cada Estado - era de 43,8% do produto interno bruto (PIB), valor que até ao final de 2010 deu margem para um aumento do endividamento médio até 61,3% do PIB - mais 17,5 pontos -, fruto não só do impacto da crise, como das medidas anticíclicas que cada Estado lançou.

    Já em Portugal, a economia não só não estava preparada como reagiu mal. Apesar de o Estado ter aumentado o seu endividamento mais do que os seus parceiros da Europa - de 68,3% para 93%, ou 24,7 pontos (mais 41% que a média da UE) -, certo é que o país continua hoje como o único sem perspectivas de crescimento económico. Feitas as contas à evolução das dívidas dos 27, Portugal foi o quinto que mais se endividou no período - só atrás do Reino Unido [44,5% para 80%], da Irlanda [25% para 96,2%], da Letónia [9% para 44,7%] e da Grécia [105% para 142,8%].

    Além do mau comportamento da dívida, os números do Eurostat ontem oficializados mostram também que Portugal fechou os quatro exercícios em questão - 2007, 2008, 2009 e 2010 - com um défice anual médio de 6,45%, o quarto pior da UE - pior só Irlanda (13,47%), Grécia (10,5%) e Reino Unido (7,3%). Considerando todos os 26 (sem Portugal), o défice médio anual de cada Estado da UE nestes quatro anos foi de 3,5%.

    Fechando o foco nos países do euro, geografia sobre a qual reside a crise da dívida, as conclusões não diferem.

    Fazendo contas aos 17 países da moeda única, a dívida pública média de cada Estado passou de 51,5% em 2007 para 69,9% no final de 2010 - valores que incluem Grécia, Irlanda e Portugal, os que já pediram ajuda ao FMI. Sem estes três países, os números do euro seriam inferiores: de 48,4% para 61%.

    O mesmo ocorre se analisarmos os défices orçamentais da zona euro: sem os três países ajudados, os 14 do euro fecharam 2007 com um excedente orçamental de 0,5% - muito graças aos excedentes de Alemanha (0,3%), Estónia (2,5%), Espanha (1,9%), Chipre (3,4%), Luxemburgo (3,7%), Holanda (0,2%) e Finlândia (5,2%). Com a crise e a reacção à mesma, o mesmo grupo do euro, sem Irlanda, Grécia e Portugal, terminou 2010 com uma média de défice de 4,6% do PIB.

    Redução em 2011 pode ser inferior Como o i avançou aquando da chegada da troika FMI/BCE/CE a Portugal, as metas auto-impostas pelo governo agora demissionário para redução em 2011 do défice português - até 4,6% - deverão ser revistas, como forma de evitar um estrangulamento (ainda mais) excessivo à economia. Tal hipótese foi ontem confirmada por Bruxelas, segundo o "Económico" online. "Todos estes elementos [sucessivas revisões em alta dos défices de 2009 e 2010] serão tidos em conta pela troika" na definição da trajectória de redução do défice nos próximos anos, afirmou Amadeu Altafaj, porta-voz do comissário europeu dos Assuntos Económicos e Monetários. O mesmo cenário (abrandamento da redução do défice) ocorreu na Irlanda e na Grécia.

    "Se a UE observar o fracasso da execução orçamental, poderá ter abertura para aliviar a meta dos 4,6% de défice para este ano. Mas isso não quer dizer que haja um amolecimento das medidas de austeridade, porque as metas para 2012 e 2013 continuam as mesmas", disse Mário David, eurodeputado do PSD, ao i, a 14 de Abril deste ano.

    ResponderEliminar
  12. Foderam este país de alto a baixo! E não temos um cabrão de um presidente da república que ponha estes pulhas no olho da rua!

    ResponderEliminar
  13. @João Tavares,

    em primeiro lugar quero clarificar que o comentário das 14:44 não é da minha autoria, portanto não foi comigo com quem estiveste a estabelecer tão interessante diálogo.

    Em segundo lugar, quero dizer-te que estou à inteira disposição para que me possas chamar imbecil e cavalgadura cara a cara.

    Telmo Rocha

    ResponderEliminar
  14. 16:39
    tu não te cansas?
    não tens nada mais interessante para fazer?

    ResponderEliminar
  15. Sempre que passo por este blog e vejo os comentários, ou melhor, as horas a que são escritos, não deixo de me surpreender. Mas esta gente não tem nada para fazer? São reformados? São desempregados? São trabalhadores/funcionários na sorna?
    Alguns que se identificam e são conhecidos, não me espanta pois são desocupados profissionais. Mas os outros? Parece-me que este país está pior do que muita gente pensa.

    ResponderEliminar
  16. Estás a esquecer-te que há mais de 1 milhão de desempregados e 1 milhão e meio de reformados.

    ResponderEliminar
  17. lolol


    eu quando tiver tempo vinho aqui ler este "bate papo"

    ResponderEliminar
  18. Este post é mesmo de extrema-esquerda. Andam a dizer isto a vida toda.

    Parecem aqueles mentirosos compulsivos: quando a coisa pegou fogo a sério ninguém mais acreditou.

    ResponderEliminar
  19. Sim, custa-me escrever, mas às vezes tenho dúvidas, sobre se aqueles que deram os votos aos vários governos PS/PDS/CDS, tiveram mesdmo dignidade...
    É com gozo que, em locais públicos, onde ouço queixas e lamúrias sobre a austeridades e as sequelas que advieram para aqueles que queixam, costumo responder em alto e bom som: "A única alegria que tenho é que nunca votei PS, PSD e CS."
    Após a essa difamação por mim proferida, o silêncio costuma imperar.

    ResponderEliminar
  20. @11:51

    Pois camarada.
    Segundo as ultimas sondagens, 70% do povo não confia no governo e os mesmos 70% não vêm alternativa na oposição.
    Este povo, é o mesmo povo que mesmo com este estado de coisas, teima enão dar ao partido comunista e ao bloco de esquerda veleidades para sequer sonhar em governar segundo a sua agenda ideológica.

    Deve ser muito frustrante para os militantes e simpatizantes comunistas e neo comunistas.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.