quinta-feira, 14 de março de 2013

Transferências e mudanças de lugar


A escritora Alice Veira, militante do PCP e viúva do jornalista, escritor e crítico de televisão Mário Castrim, vai ser ser cabeça de lista pelo PS à Assembleia Municipal de Mafra. O PCP não gostou e já emitiu uma nota a este respeito. Eduardo Luciano, o vereador da CDU na Câmara de Évora também não, e expressou-o hoje na crónica semanal na Rádio Diana:

Alice onde??? 

Sempre gostei de ler e sempre admirei a capacidade dos que conseguem escrever para crianças e adolescentes, esse público tão especial e sensível.
De todos os escritores e escritoras que se dedicam a esse fantástico trabalho, admirava em particular a escrita de Alice Vieira e li, já adulto, algumas das suas obras mais emblemáticas.
Sempre associei a figura da escritora a um posicionamento político coerente como comunista e nunca me apercebi de declarações públicas que pudessem ser entendidas como um afastamento das convicções que julguei serem as suas.
Ontem fui surpreendido com a notícia de que Alice Vieira teria aceitado ser cabeça de lista do Partido Socialista à Assembleia Municipal de Mafra.
Não sou propriamente daquelas pessoas que se surpreendem com situações de gente que muda de campo político ou que declara apoios fora da sua área política, mas a Alice Vieira era para mim, assim como uma espécie de património emocional intocável.
Pode parecer estranho mas é como se um daqueles familiares próximos, que conhecemos desde sempre, um dia chegasse ao pé de mim e me dissesse que se iria candidatar pelo CDS, porque não tinha resistido ao convite de um amigo por quem tinha muita consideração.
A justificação dada pela escritora parece saída de uma outra cabeça que não aquela que imaginei estar sobre os seus ombros, afirmando que decidiu aceitar o convite de Elísio Summavielle porque "as autárquicas são eleições em que se vota no trabalho das pessoas" e não nos partidos.
Ainda bem que o Elísio se candidatou pelo PS, porque se se tivesse candidatado pelo PNR e tivesse convidado a autora do “Rosa, minha irmã Rosa”, agora teríamos uma militante do PCP candidata por um partido neo nazi porque, segundo o seu entendimento, nas autárquicas o importante são os candidatos e não o projecto político que apoiam.
Não está em causa o direito de cada um de mudar de opinião e de optar por outros caminhos, mas caramba… a Alice Vieira? E com aquela justificação?
Eu não acredito em homens ou mulheres perfeitinhos, em santos, anjos ou figuras que se idolatram até ao dia em que percebemos que afinal são apenas gente, mas ainda assim existem pessoas que esperamos que contenham em si tudo o que há de melhor na humanidade e imaginei assim a escritora.
Continuarei a aconselhar a leitura dos seus excelentes livros mas já não sou capaz de olhar para as capas da mesma forma. Coisas minhas.
Até para a semana

17 comentários:

  1. O PCP acusou Alice Vieira de "quebra dos compromissos" por se candidatar a presidente da assembleia municipal de Mafra pelo PS, nas próximas eleições autárquicas, mas a escritora disse hoje não estar preocupada.

    Num comunicado, a direção regional do PCP refere que houve da parte da escritora uma "quebra de compromissos e deveres inerentes a um membro do PCP", uma vez que é militante do partido.

    Contactada pela agência Lusa, Alice Vieira esclareceu que está "há muitos anos afastada do partido", não tem qualquer responsabilidade partidária no PCP e já não paga quotas há muitos anos".

    "Estou no meu direito de integrar seja que candidatura for, porque são eleições autárquicas, em que os eleitores não votam nos partidos mas nas pessoas", motivo pelo qual acredita no trabalho que o socialista Elísio Summavielle tenciona desenvolver na câmara de Mafra, se ganhar as eleições.

    No comunicado, o PCP acusa Alice Vieira de apoiar os objetivos do PS: "fazer das eleições autárquicas um momento para iludir no tempo a sua recusa de pôr fim a um governo politicamente derrotado e para disfarçar a sua identificação com as opções essenciais da política de agressão aos direitos e rendimentos dos trabalhadores e do povo que a ‘troika’ e os partidos que subscreveram o memorando de entendimento têm em curso".

    A escritora é a cabeça de lista do PS à Assembleia Municipal de Mafra nas eleições autárquicas deste ano, sendo o candidato do PS à câmara o ex-diretor do Instituto de Gestão do Património Arquitetónico e Arqueológico (IGESPAR).

    Na corrida à presidência à Câmara de Mafra nas próximas eleições autárquicas estão já dois candidatos: Hélder Silva, pelo PSD, que ainda não anunciou o candidato à assembleia municipal, e Elísio Summavielle pelo PS.

    O atual presidente, José Ministro dos Santos (PSD), não pode recandidatar-se, devido à lei da limitação de mandatos. (LUSA)

    ResponderEliminar
  2. Pois é Lúcio

    As pessoas depois de certa idade (umas mais cedo do que outras) já não estão para projectos partidários castrantes e dogmáticos.

    Dª Alice, mulher inteligente.

    ResponderEliminar
  3. a continuar com o sectarismo actual
    tão aqui tão a falar sozinhos

    ResponderEliminar
  4. As pessoas depois de certa idade (umas mais cedo do que outras) já não estão para projectos partidários castrantes e dogmáticos.

    Durão Barroso, homem inteligente.

    ResponderEliminar
  5. As pessoas depois de certa idade (umas mais cedo do que outras) já não estão para perder tempo com projectos que não lhes aumentem as constas bancárias.

    José Ernesto, homem inteligente.

    ResponderEliminar
  6. As pessoas depois de certa idade (umas mais cedo do que outras) já não estão para perder tempo a preocupar-se com os outros. Preferem preocupar-se com assessorias milionárias e reformas douradas.

    Eduardo Catroga, homem inteligente.

    ResponderEliminar
  7. As pessoas depois de uma certa idade já não têm imaginação, nem gosto pela inovação, e mais vale fazerem o que sempre fizeram, duma forma automática, já sem prazer, a mando do partido, do que andarem a servir de empecilhos nos corredores e no bar da sede.

    Pinto Sá

    ResponderEliminar
  8. As pessoas depois de uma certa idade já não têm imaginação, nem gosto pela inovação, e mais vale fazerem o que sempre fizeram, duma forma automática, já sem prazer, do que andarem a servir de empecilhos pelos corredores.

    Jorge Mario Bergoglio (Papa Francisco I), um "jovem" inteligente.

    ResponderEliminar
  9. Assim se vê a força do PC, não era este o grande slogan?, pois é agora parece que passou para.
    Assim se vê o dogmatismo do PC ou então assim se vê a democracia do PC..
    MdM

    ResponderEliminar
  10. As pessoas depois de certa idade (umas mais cedo do que outras) já não estão para projectos partidários castrantes e dogmáticos.

    Dª Alice

    ResponderEliminar
  11. As pessoas depois de certa idade (umas mais cedo do que outras) já não estão para projectos partidários castrantes e dogmáticos.

    Barros Moura

    ResponderEliminar
  12. As pessoas depois de certa idade (umas mais cedo do que outras) já não estão para projectos partidários castrantes e dogmáticos.

    Zita Seabra

    ResponderEliminar
  13. As pessoas depois de certa idade (umas mais cedo do que outras) já não estão para projectos partidários castrantes e dogmáticos.

    Carlos Brito

    ResponderEliminar
  14. Isto a propósito da expulsão de Alice Viera..

    Assim se vê a força do PC, não era este o grande slogan?, pois é agora parece que passou para.
    Assim se vê o dogmatismo do PC ou então assim se vê a democracia do PC..
    MdM

    ResponderEliminar
  15. A propósito da capacidade mental dos Mentecaptos de M.

    Eu até acho que o PC devia ceder militantes para concorrerem pelos partidos anti comunistas.
    E também devia oferecer lugares nas suas listas para os militantes dos partidos do capital.
    Isto é que seria democrático.

    ResponderEliminar
  16. @22:45

    "O calimero foi ao cú à abelha maia"

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.