sexta-feira, 29 de março de 2013

Sugestão: recuperar os concertos no coreto do jardim público


A 28 de Janeiro de 1887 o vereador das obras públicas Joaquim Francisco de Sales da Costa propôs em reunião de câmara a construção de um coreto para a realização de concertos de música com o fito de animar culturalmente as tardes do romântico e muito frequentado Passeio Público, inaugurado quase duas década e meia antes. O responsável pelo pelouro do Passeio, conselheiro José de Oliveira Soares secundou de imediato a iniciativa, embora tivesse sugerido algumas alterações ao projecto que acabaram por ser aceites. 
Quatro firmas apresentaram-se ao concurso público, sendo duas do Porto e outras tantas de Évora. Saiu vencedor o construtor local Luís Francisco da Silva que arrematou a obra por 1.200$00 réis. De acordo com Túlio Espanca «o desenho geral do conjunto arquitectónico, integrado no espaço verdejante da Natureza, obedeceu ao gosto imperante na época, relacionando onde avultavam os estilos híbridos desde o estilo neo-gótico dos imbricados do zimbório da Sé, aos arcos de ferradura luso-mouriscos das janelas e coberturas inspiradas nas obras coevas do palácio real, dominado pelo ferro fundido, anunciando entre nós, as primícias da era industrial». 
Os detalhes técnicos sobre a obra foram dados à estampa na edição 381 de 13 de Maio de 1888 do semanário “O Manuelinho de Évora”. Sucintamente aqui se respiga que «a base do coreto é formado por uma prisma hexagonal regular, cuja altura sobre o terreno é de 1,60 m e constitue uma caixa de ressonância um pouco mais alta, à custa de um pequeno subterrâneo, perfeitamente saneado. A face superior ou piso do coreto, que é um hexágono regular tem de diâmetro máximo 8,5 m e mínimo de 7,64 donde se depreende que é um vasto coreto para as nossas necessidades musicais. 
O concerto inaugural verificou-se a 20 de Maio desse ano, num dia de domingo em que o Passeio Público estava repleto de gente para assistir à novidade. Nele tomaram parte a Banda da Real Casa Pia de Évora, a Charanga do Regimento de Cavalaria nº. 5, a Filarmónica de Minerva e finalmente a recém-formada Filarmónica do Grupo de Amadores de Música Eborense. 
Durante mais de 70 anos as diversas filarmónicas da região, a banda da GNR e a Banda Militar do Exército ali actuaram durante as tardes e por vezes noites de domingo, com excepção dos meses de Inverno, animando os eborenses que adoravam ir passear ao Passeio, depois Jardim, Público, que era o grande espaço de convívio, lazer e namoro da cidade. Depois as coisas mudaram. A frequência dos jardins passou de moda. Os espaços fechados passaram a ganhar a preferência das pessoas e dos artistas. Os bares, as discotecas, os “shopings” e os centros comerciais engravidaram de gentes. O nosso Jardim Público era um cóio de prostitutas, pederastas e drogados. 
Mas lentamente com a saída daquela área do RAL 3 e a sua ocupação pela Universidade, o incremento do turismo a partir da classificação pela UNESCO, uma nova consciência ecológica e a ruptura com a clausura da juventude em gaiolas de fumo e dióxido de carbono, têm vindo a devolver o gosto pela vida ao ar livre. A inclusão de um quiosque de apoio contribuiu também para isso. E embora o grande pulmão verde da cidade ainda não tivesse passado pela sua requalificação, sucessivamente prometida e nunca concretizada em três mandatos de maioria PS , a frequência do Jardim voltou a ganhar adeptos. 
É assim que se volta a pôr a questão da sua revitalização que deve ser enquadrada na urgente reanimação cultural da cidade. Certo que o belíssimo coreto alvo de muitas objectivas de quem nos visita necessitará de algum tratamento e reabilitação, operações que aparentemente não serão assim tão onerosas. Candidatos a ali actuar também não faltarão. As filarmónicas existentes no distrito são pelo menos treze entre as quais a recente Associação “ Liberalitas Julia”. Mantêm-se as bandas da GNR e Militar. E existem ainda as Orquestras Clássicas do “Eborae Musica e da Universidade de Évora que em versão reduzida ali poderão também exibir-se. É lançar mãos à obra.

José Frota (por email)

14 comentários:

  1. Aí está uma boa sugestão.
    Como se vê, com alguma imaginação e pouco dinheiro é possivel fazer coisas úteis e animar a cidade.
    Venha uma câmara com capacidade de trabalho e vontade de ouvir e acolher as boas sugestões da população.

    ResponderEliminar
  2. Aí está uma boa sugestão.
    Como se vê, com alguma imaginação e pouco dinheiro é possivel fazer coisas úteis e animar a cidade.
    Venha uma câmara com capacidade de trabalho e vontade de ouvir e acolher as boas sugestões da população.

    ResponderEliminar
  3. E porquê só filarmónicas????
    Porque não também fadistas, artistas populares, conjuntos, etc..
    Afinal música de coreto não é so filarmonica.
    Basta haver uma entidade onde se inscrevam os artistas para actuarem GRATUITAMENTE e abrir o jardim, depois da feira, como se fazia em tempos idos até á meia noite. Adapatar iluminação decente, que dantes tinha.
    Aquele jardim já fez a delicia de muita gente em tempos idos.... quando não havia TV.

    ResponderEliminar
  4. Tu actuas GRATUITAMENTE no supermercado, na farmácia, no pronto-a-vestir? Esta ideia dos artistas actuarem gratuitamente é uma cretinice da pior espécie. Não comem,os artistas? Mas provavelmente dás 30 ou 40 euros para ir ver o Tony Carreira, esse já come, e bem!

    ResponderEliminar
  5. Mensagem de Páscoa 2013

    Camaradas, e fiéis comunistas portugueses (do PCP e seus aliados "verdes" e outros companheiros):

    O nosso grande irmão Kim Jong-un informa-nos que esta páscoa será gloriosa: pois

    “chegou o momento de acertar contas com os imperialistas dos Estados Unidos".

    Essa potência do mal será destruída e a hora da NOSSA paz universal chegou.
    A nossa fé inquebrantável nos amanhãs que cantam vai dar os seus frutos vermelhos.
    Chegou a nossa hora. Preparai-vos para tomar o poder em portugal. Não se esqueçam que sois os legítimos e únicos
    representantes do povo português. Esta escrito no livro CAPITAL. Marx, Lenine e Staline nos guiarão.


    A Igreja Comunista Portuguesa



    ResponderEliminar
  6. anónimo das 12:42 existem muitos loucos como o líder da coreia,basta olhar para a europa ver os dirigentes LOUCOS e CORRUPTOS que nos DESGOVERNAM.

    ResponderEliminar
  7. Sócrates não é diferente do líder da coreia,é mais um louco que nos levou para o Abismo,durão barroso,esse grande líder da classe operária não passa de um CHULO.

    ResponderEliminar
  8. Cavaco é um triste miserável,que permitiu o MAIOR ASSALTO de sempre o BPN.

    ResponderEliminar
  9. artistas actuarem gratuitamente? merda para isso? tu trabalhas de graça? porra..

    zico

    ResponderEliminar
  10. O Frota, queres outro tacho na CME, é?

    ResponderEliminar
  11. DAR VIDA ao Centro Histórico é possível,com pouco dinheiro.

    Jardim Publico e Praça do Giraldo dois espaços que Devem ter VIDA.

    Évora tem de apostar na Cultura,os espaços existentes tem de ser rentabilizados e dinamizados.Uma equipa competente e trabalhadora na autarquia pode fazer muito com pouco dinheiro,a ideia do Frota é excelente..........precisam-se de mais.

    ResponderEliminar
  12. ARTISTAS TRABALHAREM GRATUITAMENTE.

    Estes parasitas da sociedade que reclama aqui contra os artistas trabalharem gratuitamente, de certeza que são aqueles que fazem trabalho de merda e cobram como se fosse um trabalho de grande artista.
    Que mal tem um artista eborense dar uma noite APENAS UMA NOITE para actuar gratuitamente para dar animação ao jardim e a Évora???

    ResponderEliminar
  13. @10:36

    O problema nao é "dar uma de graça". O problema é que toda a gente quer "dar uma de graça". O problema é quando alguém factura quando o artista "dá uma de graça". Ok...poderá não ser o caso do jardim publico...
    Mas se você for carpinteiro será que vai reparar os bancos do jardim de graça?? Se for pedreiro será que vai reparar os muros do jardim de graça??

    ResponderEliminar
  14. pois.. e quando TUDO o que se faz, tem que ser pago: uma licença, um documento, um jantar.. a função publica está muito mal habituada... até desconto nas pastas de dentes tinham... ridiculo...

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.