segunda-feira, 25 de março de 2013

Que chatice! Afinal os novos blindados da GNR não faziam falta!



A criminalidade violenta e grave desceu 7,8 por cento, em 2012, segundo o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) de 2012, hoje apresentado em Lisboa.
O mesmo documento, que apresenta os principais resultados da criminalidade e atividade das forças e serviços de segurança em 2012, refere que as participações à PSP, GNR e Polícia Judiciária desceram 2,3 por cento.
Estes dados foram hoje apresentados no final de uma reunião do Conselho Superior de Segurança Interna, presidida pelo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho.
Em conferência de imprensa, o secretário-geral do Sistema de Segurança Interna, Antero Luís, afirmou que a criminalidade violenta e grave registou em 2012 o segundo melhor valor da última década.
“Portugal é um país seguro, quer no contexto europeu, quer mundial”, disse, sublinhando que pelo quarto ano consecutivo registou-se uma descida da criminalidade.
O RASI do ano passado, que só vai ser disponibilizado na íntegra quando for entregue na Assembleia da República, até ao final da semana, inclui nove novos tipos de furtos, como o furto de metais não preciosos.
Segundo os dados divulgados, no ano passado registaram-se 15.172 furtos de metais não preciosos.
Antero Luís garantiu que a introdução de novos furtos “não vai alterar em nada a comparação” com os relatórios de segurança interna anteriores.
O secretário-geral do Sistema de Segurança Interna adiantou que há atualmente uma “preocupação” relacionada com a criminalidade itinerante, que é composta por grupos que circulam pela Europa e cometem crimes. (LUSA)

1 comentário:

  1. Mentira. A criminalidade aumentou, e explodiu.
    Os governos europeus e os banqueiros roubam à descarada.
    O assalto do Chipre foi uma mera experiência da Europa, às ordens dos banqueiros, um "precedente" para aplicar aos outros países.
    Agora já podem ir directamente às contas bancárias dos cidadãos, e roubar para saldar as dívidas dos banqueiros.

    Os carros de combate serviriam para intimidar e suster a indignação dos cidadãos, roubados.
    Mas por esse motivo, escusavam de ter gasto dinheiro.
    Conseguiram responsabilizar os cidadãos pelo desgoverno e pelos roubos da finança.
    Conseguiram matar a justiça e a cidadania.
    A carneirada está pronta para pagar os crimes do capital financeiro, sem necessidade de carros de combate.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.