quinta-feira, 7 de março de 2013

DA de amanhã


6 comentários:

  1. primeira página fantástica. Bom jornal.

    Samuel Melro

    ResponderEliminar
  2. CAMARADA SEGURO ,por favor vem a Evora pôr Ordem na casa.

    ResponderEliminar
  3. CAMARADA SEGURO ,por favor vem a Evora pôr Ordem na casa.

    ResponderEliminar
  4. Olhem lá o Fascista ... e o dele baixa ?


    Qual será o futuro dessas crianças na capa com mentalidades destas ?

    São tão fortes a mandar matar os pobres do sistema ...

    """

    António Borges defende manutenção do salário mínimo, mas “o ideal até era que os salários descessem” para combater desemprego.

    07 Março 2013, 17:05 Jornal Negócios


    """


    Jorge

    ( ciclista )

    ResponderEliminar
  5. Durão Barroso não tem “vergonha na cara”
    onstança Cunha e Sá (vídeo), num comentário à mensagem enviada pelo presidente da Comissão Europeia à conferência da TSF, disse ontem que Durão Barroso não tem “vergonha na cara”.

    Quando o presidente da Comissão Europeia se coloca na posição de que não tem nada a ver com o passado e o presente da economia portuguesa, vale a pena avivar-lhe a memória relativamente a duas questões (deixando de lado a política europeia, dado o papel subalterno a que Durão Barroso foi votado por Merkel):

    1. Antes da crise do subprime, foram os Governos do PSD, em especial o de Barroso e o de Santana, os que mais fizeram crescer a dívida, sendo que o de Sócrates foi o único que a reduziu. Pode confirmar-se isso num estudo de Ricardo Reis intitulado O consumo público em Portugal. Um olhar desde 1985. Veja-se também o que diz Luís Reis Ribeiro num artigo intitulado Governo de Barroso foi o que mais subiu dívida antes do subprime.

    2. Quando a Europa se apercebe dos efeitos da maior crise dos últimos 80 anos, procurou, ainda que timidamente, incentivar os governos a apostar no investimento público. O próprio Durão Barroso anunciou um plano de propostas para o relançamento da economia europeia, orçado em 200 mil milhões de euros. Foi nesse contexto que o Governo de então se propôs tomar medidas nos seguintes eixos prioritários: modernização do parque escolar, energias renováveis, eficiência energética e redes de transporte de energia, modernização da infra-estrutura tecnológica (redes de banda larga de nova geração) e reabilitação urbana. Portanto, com o apoio da Comissão Europeia (e de Durão Barroso).

    ResponderEliminar
  6. Há gente cuja hipócrisia parece coisa nata, genética.
    Barrosos é um deles.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.