segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

O anonimato é sempre um acto de cobardia


Há três anos e tal que um grupo - umas vezes mais outras menos - de pessoas, todas elas perfeitamente identificadas e reconhecíveis, "alimenta" este blogue com notícias, opiniões, ligações, etc. Sempre dando a cara e afirmando as suas convicções. Sempre lutando pela liberdade de opinião e por isso não impondo qualquer controlo ou pré aprovação de comentários. E é um caminho para continuar.
Mas ainda hoje não me deixa de surpreender a pobreza e a cobardia do anonimato quando se trata de fazer acusações ou apontar delitos de opinião. Uma grande parte dos comentários publicados no acincotons continua a ser anónimo. Poder-se-ia dizer que continham denúncias ou relatos de situações que poderiam pôr os seus autores em dificuldades. Mas não: são comentários banalissimos apesar de muitos deles, pelo tom em que são feitos e pelo ódio que transmitem, denotarem problemas já do foro psicológico e características de má formação pessoal.
E esta é uma conclusão que se pode tirar das caixas de comentário deste blogue ou de outros do mesmo género (estou a pensar no MaisÉvora, embora aqui o(s) seu(s) autor(es) deêm o "flanco" uma vez que também não se identificam): muitos dos nossos concidadãos, gente por quem passamos na rua ou que está ao nosso lado na mesa do café, bons pais que vemos levarem os filhos à escola, o senhor António do talho do fim da rua ou mesmo o deputado municipal que fala dos "valores ameaçados" trazem dentro de si, escondida e clandestina, uma personagem cheia de ódio, de raiva e de ideias feitas que - embora sempre anonimamente - não evitam atirar sobre os outros quando se encontram sozinhos frente a um computador. Mascarados pelo anonimato desferem golpes a torto e a direito como qualquer aprendiz de torturador ou terrorista faccioso faria sem se importarem com os danos por si causados. 
Os vários comentários sobre o "comunismo" ou sobre o "estalinismo", desenquadrados, anónimos, sem qualquer preocupação histórica, até a mim, que sou profundamente não marxista-leninista-estalinista ou o que queiram, me fere a sensibilidade. Mas tudo seria suportável caso os autores de algumas destas prosas inqualificáveis e não suportadas por qualquer argumento assinassem por baixo e dessem a cara pelo que afirmam. É o que fazem as pessoas responsáveis. E cada vez mais o viver em sociedade terá que ser um acto de assumida responsabilidade individual, que não pode ser diluída no anonimato do grupo ou da turba ululante.
E a hipocrisia chega ao ponto de haver um anónimo que critica os outros por ... serem anónimos. Escreve alguém, a dado ponto, na caixa de comentários: "Anónimo disse... Como a comunalha gosta de funcionar. No anónimato e na clandestinidade. 28 Janeiro, 2013 10:19". 
Perceba-se: ele, anónimo, (e não pertencente à "comunalha", que pelos visto é o perigo mais iminente que nos ameaça o viver colectivo) admoesta, não se sabe quem, por ser anónimo... 
E vai ser com este povo, em que muitos ainda gostam de andar nas tocas do medo e do silêncio, sem ousarem assinar o que escrevem - da mais banal ideia até à acusação mais grave ao vizinho do lado -, que é preciso contar para alterar o estado de coisas. Lá que vai ser difícil também me parece: é o mesmo povo que suportou quase em silêncio - tirando algumas gestas heróicas - 48 anos de fascismo e que desde aí tem vivido como sempre viveu: de joelhos.

23 comentários:

  1. Morreu antes de ontem, o Jaime Neves, o herói Português que impediu que a ditaduta Comunista pró Sovietica fosse instalada no nosso País.

    Este embora não tão “profundamente não marxista-leninista-estalinista” como o Carlos Júlio, soube dar a resposta, tanto aos idiotas anónimos anti-comunistas, quanto aos comunistas activistas do PREC - tão bonzinhos que foram coitadinhos - que em nome do Povo, iam limpando só o que era bom.

    ResponderEliminar
  2. @12.14

    Aliás, esses bonzinhos que ocupavam tudo o que mexia, continuam cá bem vivinhos da silva a picar o cartão nas festas do avante

    ResponderEliminar
  3. O Canalha do Jaime Neves foi tão bom naquilo que fazia que para a história ficaram os vários massacres que praticou de uma forma extremamente violenta e cruel que mostram uma mente doente e perversa . Só os Canalhas elogiam os canalhas!

    ResponderEliminar
  4. Eis, no meu entendimento, um post oportuno e cheio de sentido. Pode mesmo ajudar no caminho que temos pela frente. Porque a raiva, medo, inveja ou ódio que guardamos no "fundo do nosso saco" não é recurso que ajude a nada, a não ser à destruição contínua.

    As caixas de comentários deste e de outros blogs revelam o que muitos dos nossos concidadãos pensam do instrumento de intervenção social conhecido como "participação".
    Em muitos casos esse precioso instrumento é aqui reduzido a um mecanismo de dejecção ou de exibição do que existe de pior entre nós.
    Daqui resulta que ficamos assim mais conscientes de que participar, informar, comunicar, é no nosso sistema social tão díficil quanto indispensável.
    E pode ser que com essa consciência alguns comecem a ponderar os níveis e formas de intervir, sabendo que os resultados que, enquanto comunidade, formos capazes de produzir serão aqueles com que viveremos - nós e os nossos filhos.
    Porque, se podemos admitir que começamos qualquer construção por baixo, pelo nível mais básico ou incipiente, não é aceitável que nos pirmitamos estagnar neste primeiro nível.

    ResponderEliminar
  5. Rui Nuno

    O PCP e os comunistas que apoiavam o MPLA dessa altura, tinham consciência dos assassínios cometidos contra brancos (e pretos)? Ou eram meninos de copo de leite e não sabiam?
    Quem é mais canalha?

    ResponderEliminar
  6. Jaimes Neves preparava um banho de sangue e FUZILAMENTOS de militantes de Esquerda....Eanes,Vasco Lourenço e Costa Gomes impediram-no.

    ResponderEliminar
  7. JAIMES NEVES era de extrema-direita radical.

    ResponderEliminar
  8. 12,46 se o Jaime neves não poe fim o prec hoje Portugal era Cuba de Fidel Ou a Correia,só por isso foi um grande homem,numa guerra a vida e a morte andam de mão dada.
    Em relação os anónimos,muitos são funcionários da autarquia,em 2009 numa limpeza de servidores da autarquia era o forte mais evora.

    ResponderEliminar
  9. A culpa é vossa, dos autores do blogue. Desculpem que vos diga isto, mas a culpa é vossa.
    Porque raio de ingenuidade acharam vocês que os comentadores seriam todos pessoas bem formadas, educadas, que não se aproveitariam do anonimato para ofender o vizinho? Mas em que mundo vivem vocês, no dos contos de fadas?
    É claro que as pessoas se aproveitam do anonimato para divulgar o seu pensamento e este, à imagem de outras facetas humanas, tem lá de tudo: desde o bom ao péssimo.
    A solução é simples: exigir um registo prévio (nome, e-mail) e só assim aceitar comentários. Passa a haver uma selecção, só pessoas bem intencionadas e com opiniões a sério continuarão a comentar, as outras vão-se embora emporcalhar outros blogues.
    Vocês é que sabem: ou querem por cá apenas gente verdadeiramente interessada em discutir as coisas e avançar com opiniões sérias ou querem continuar com estas caixas de comentários cheias de lixo de gente raivosa e mal formada.
    Mas depois não se queixem, a culpa é vossa. Alguem pode culpar o cão por morder se é essa a sua natureza?
    jmc

    ResponderEliminar
  10. Caro jmc:

    Pela minha parte aceito e assumo a responsabilidade de defender a caixa de comentários aberta e livre porque entendo que essa possibilidade pode ser por si só educadora, pedagógica comunicativa.
    Só se, e quando, confrontados com as nossas produções, opiniões ou expressões ndividuais e colectivas, somos levados a pensar e discutir sobre elas. E é suposto que isso nos torne melhores.
    Não entendo este post como uma queixa, mas antescomo uma apreciação do uso que cada um faz das suas liberdades.
    O que não podemos é limitar a liberdade de expressão dos outros porque consideramos essas expressões inuteis, desagradáveis ou mesmo "emporcalhadoras".
    As piores, ou mais mal formadas expressões de opinião, devem ter espaço de revelação, ou seja devem ser permitidas, o que não quer dizer que as defendamos ou apoiemos. Porque há uma grande diferença entre as duas possibilidades (permitir ou conferir credibilidade) não as podemos confundir ou fundir. Não lhe parece que reprimir ou proibir só piora o estado de coisas?

    É em qualquer caso um grande prazer ler aqui a expressão das suas opiniões, como vem acontecendo com certa regularidade
    ao longo da vida deste blogue. Cumprimentos

    ResponderEliminar
  11. Claro que sim, cara Dores.
    Do seu ponto de vista, tem toda a razão. Eu é que, porventura velho e desiludido com a Humanidade, não acredito que a liberdade eduque todas as pessoas. A liberdade é um bem demasiado precioso para se desperdiçar com imbecis, com ignorantes que se orgulham de o ser, com inimigos da própria liberdade.
    Na sua opinião, o seu (vosso) Blogue é como uma casa, com a mesa posta e a porta aberta; entra quem quiser entrar e vocês esperam que as pessoas eejam educadas e comam apenas aquilo de que necessitam, ordeira e pacificamente. Infelizmente, não acredito nos seres humanos. Os muitos anos de vida obrigaram-me a pôr de lado essa visão benévola da humanidade. J.J.Rousseau, ele próprio, foi forçado a corrigir a sua opinião inicial, sabia? O Bom Selvagem é, em grande parte, um selvagem que rejeita as oportunidades de melhorar e pretende continuar a ser selvagem.O que fazer contra isso? Obrigá-lo a ser como nós achamos que ele devia ser?
    Fica-lhe bem essa bondade. Por mim, descreio na Humanidade e só deixo entrar em casa quem eu quero que entre.
    Respeito a sua opinião, não respeito os animais que por aqui andam a vomitar venenos vários.
    E repare que eu próprio, no meio disto tudo, prefiro permanecer anónimo. Se os comentários fossem apenas para pessoas identificadas, imediatamente me identificaria e passaria a colaborar com muito mais regularidade. Assim, entristece-me vir aqui.
    Cumprimentos
    jmc

    ResponderEliminar
  12. Há formas de saber de onde eles teclam e quem são...

    ResponderEliminar
  13. Pois há
    No tempo da pide também era assim, só que ai eram vcs os perseguidos, imagina que tinhas ganho no 25 de Novembro, eu já estava preso ás ordens do Otelo

    ResponderEliminar
  14. Agora é a Internet que "fala" mais alto...

    ResponderEliminar
  15. Achega-te cá... O Manuscritos Digitais todos sabem quem são...

    ResponderEliminar
  16. Achega-te ao meu servidor... Vá, coragem!

    ResponderEliminar
  17. http://digitalmanuscripts.wordpress.com/contact/

    ResponderEliminar
  18. http://digitalmanuscripts.wordpress.com/2008/12/28/responsabilidade-online/

    ResponderEliminar
  19. Bebeste Manuscritos Digitais? Ou só fumaste aquelas coisas que fazem rir?

    ResponderEliminar
  20. È isso manuscritos Digitais, snifa cola e fuma tudo o que há nas smartsohps

    ResponderEliminar
  21. Fecha mas é as smartsohps...

    ResponderEliminar
  22. Avante Blogosfera: http://storage.canalblog.com/10/29/176117/12425524.pdf

    ResponderEliminar
  23. Escrevendo um comentario e assinando ANÓNIMO, é o mesmo que assinar ANTONIO FAGUNDES, OU INACIO MURTA OU MESMO OLIVEIRA SALAZAR, continuam as pessoas a ser anónimas.
    Mesmo esse que dizem dar a cara, como é que eu sei quem são????

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.