terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Selfie

Selfie é a popular palavra para designar uma fotografia tirada a si próprio, normalmente com um telemóvel, um auto-retrato portanto, e que foi nomeada a palavra do ano 2013 pelo famoso dicionário da Oxford. E já que este é o último dia de 2013, dediquemos-lhe uma crónica.
Óscar Wilde, o romancista irlandês da segunda metade do século XIX, autor do famoso romance Retrato de Dorian Gray afirmou que "Um retrato pintado com a alma é um retrato, não do modelo mas do artista." Ora, um auto-retrato será, então e de acordo com esta opinião de Wilde, partilhada aliás por muitos pintores e fotógrafos, uma espécie de aparição ou de revelação a si mesmo. Se na pintura me parece possível a aplicação da máxima, já numa selfie quer-me parecer que há pouca preocupação com esse lado filosófico ou ontológico de descoberta do “eu” através da selfie.
Mas o que pôs selfie como palavra do ano no dicionário foi também o facto de estas fotografias, postas a circular nas redes sociais, se terem tornado virais neste tipo de canal de comunicação. Já são tantas as selfies, como as fotos de gatos e comida, imagine-se! E o que é certo é que também já se definiram regras para este tipo de auto-retratos. Um “dos and dont’s” para continuarmos na língua da palavra do ano, ou seja, um “a fazer e a evitar”. Parece certo fazer uma selfie em frente à Mona Lisa, ou deixar um espaço em branco ao seu lado para qualquer vedeta que inesperadamente possa passar por ali e ficar na foto; mas nunca se deve fazer pose de patinho, por exemplo, ou autorretratar o seu “traseiro” para o público. Admito que seja um código ainda em construção…
Tudo isto parece muito “ à frente” e fora do que realmente importa na vida, mas o que é certo é que as tecnologias vivem no quotidiano dos nossos jovens (e não só) e fazem-nos viver a um ritmo pouco equiparável ao da máquina de escrever. Por isso, quando julgamos por vezes estar a fazer algo de inovador e arrojado, afinal isso já é banal em qualquer parte desta pequena aldeia wireless que é o Mundo e o jovem de 16 anos lá de casa dá-nos lições sobre o assunto
O que, de facto, me surpreende mais nesta coisa das selfies é precisamente, afinal, o dispensar do fotógrafo. Uma espécie de declaração de independência dos outros, mas afinal uma dependência da máquina e da vontade de “estar na rede”. Uma aparente contradição entre pôr a circular numa rede de comunicação um testemunho, mais ou menos relevante para as nossas vidas, que se tirou sozinho para não ter que (ou porque não se pode) comunicar e pedir «importa-se de me tirar uma foto?».
Logo à noite, vão ser muitas as selfies neste mundo a assinalar o final de um ano e o recomeçar de outro. Partilhado ou vivido consigo próprio, desejo a quem me ouve ou lê, um Bom Ano! e, até para a semana!

Cláudia Sousa Pereira (crónica na Rádio Diana)

Passagem do ano em Beja


Évora: passagem do ano na Escola do Alto de S. Bento


segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Lobo em Pele de Cordeiro

Decorreu na última sexta-feira mais uma reunião da Assembleia Municipal de Évora. O Bloco de Esquerda apresentou uma recomendação ao executivo para divulgar, no espaço de três meses, os dados que atestam as vantagens económicas para a região de Évora da projectada exploração mineira na zona da Boa Fé.
Esta recomendação foi aprovada por unanimidade, e surgiu por parecer haver uma alteração na tomada de posição da Câmara Municipal de Évora acerca do referido projecto.
Se o anterior executivo emitiu um parecer desfavorável em sede da Comissão de Avaliação do Estudo de Impacte Ambiental desta Exploração Mineira (afirmando que não era evidente a geração de benefícios para as populações locais e referindo, sobretudo, as desvantagens ao nível ambiental), já o actual executivo parece ser mais favorável à viabilização do projecto.
Assim, é importante que a Câmara Municipal de Évora apresente um estudo que inclua: a manutenção de infra-estruturas (viárias, de distribuição de água e tratamento de esgotos, entre outras); monitorizações adicionais a questões não contempladas pela empresa, como sejam as relacionadas com a saúde pública, continuadas e para além do encerramento da actividade mineira; a previsão de prejuízos nas árvores e nas produções hortícolas atingidas pelo empoeiramento fora do estrito perímetro do Estudo de Impacte Ambiental; a previsão dos valores cautelares a solicitar à empresa, para que possam ser minimizados os danos provocados por um eventual abandono prematuro da exploração e cobertos os danos em património natural e edificado; e o impacto económico nas actividades existentes (turismo, agricultura, silvicultura, etc.).
É importante relembrar que se trata de uma exploração mineira a céu aberto na Serra de Monfurado, com uma área compremetida equivalente à do Centro Histórico, envolvendo duas crateras com 120m e 90m, equivalentes a 40 e 30 caves, respectivamente. Prevê-se uma mobilização de quase 11 milhões de toneladas de rocha, contendo uma tonelada de arsénio, libertado no empoeiramento (provocando chuvas ácidas) e na lixiviação (infiltrando-se no solo e nos aquíferos).
Os números são de facto assustadores: 11 mil toneladas de arsénio na bacia de rejeitados, a que se somam 252,5 toneladas de amil xantato (químico inflamável e irritante para a pele e olhos e incluído na lista de produtos perigosos) e 1080 toneladas de sulfato de cobre puro.
E não tenhamos ilusões. Mesmo que a empresa de exploração garanta que recuperará toda a zona após a exploração, essa é, provavelmente, uma promessa que nunca será cumprida. De facto, a norma das explorações mineiras é o abandono após a fase mais produtiva para as empresas, de que resultam 175 minas abandonadas em Portugal e mais de 21 mil num dos paraísos mineiros: o Canadá.
Os dados são alarmantes, pelo que é importante que os responsáveis políticos não tomem decisões sem informar devidamente os cidadãos acerca dos reais impactos do projecto. Não deixaremos que isso aconteça. O futuro não se vende a preço de saldo.
Não posso deixar de desejar um óptimo 2014 a todos os ouvintes, ciente que este será tanto mais frutuoso quanto maior for a luta de todos por uma sociedade mais justa e fraterna.
Até para a semana.

Bruno Martins (crónica na Rádio Diana)

domingo, 29 de dezembro de 2013

Orçamento da Câmara de Évora para 2014 com menos 10 milhões de euros relativamente a 2013


Reunida na passada sexta-feira, a Assembleia Municipal aprovou, apenas com os votos a favor da CDU, o orçamento para 2014 do Munícipio de Évora (o PS votou contra e o PSD e o BE abstiveram-se; nas Opcões do Plano toda a oposição se absteve) no valor de 93,220 milhões de euros -  menos 10 milhões de euros do que no ano passado (aqui). 
Logo no preâmbulo, o executivo refere que este é um orçamento restritivo devido a várias razões, entre elas, "uma restrição financeira orçamental decorrente da enorme dimensão da dívida e dos compromissos existentes no final do anterior mandato" no valor de 80.171.522,82 euros (ver quadro); "uma vertente de redução da autonomia financeira e económica" decorrente da diminuição das transferências do Estado (este ano no valor de 365.000 euros); o "contrato que o anterior Executivo Municipal assinou com o Governo no âmbito do designado PAEL", o que faz com que "fica bem evidenciado que, após integrar no OM todos os enormes valores comprometidos de várias formas até ao final do mandato anterior, quase não há margem financeira e económica para definir novas ações que tenham componente financeira. Em particular, e como atempadamente se tinha alertado, está praticamente impossibilitado o investimento público municipal de que Évora tanto carece para amenizar a brutal crise económica e social que lhe é imposta".

(clique para aumentar)

Para o executivo, "em 2014, passam 40 anos sobre a Revolução de 25 de Abril de 1974, acontecimento maior na História de Portugal e do Povo Português e na História do Alentejo e de Évora: comemorar o 40º Aniversário do 25 de Abril, de forma amplamente participada, e com um vasto e diversificado programa ao longo do ano, deve constituir-se como égide das OP e da atividade municipal em 2014".
Não há grandes obras de vulto (o Salão Central fica, mais uma vez, adiado), apenas intervenções pontuais. No mapa das receitas e despesas fica mais claro para onde são canalizados os dinheiros do orçamento camarário, seja ao nível das receitas, seja da despesa.

                                                                (clique para aumentar)

Pode consultar as Grandes Opções do Plano e o Orçamento da Câmara de Évora para 2014 (conforme documento apresentado e aprovado pela Assembleia Municipal) AQUI

Haja serenidade (sobre algum tipo de comentários anti-PCP neste blogue)!


É lamentável este tipo de comentários!
Mais lamentável se torna, quando sabemos que eles só existem porque os autores se escondem por trás do anonimato.
É lamentável que pessoas normais, por muito que simpatizem com um partido (neste caso refiro-me ao socialista) fiquem tão desesperadas, tão raivosas, essas sim, por saberem que um partido com que se identificam perdeu as eleições.
Há que aceitar as derrotas. Os comunistas ganharam e ainda bem. Se vão fazer muito ou pouco ninguém sabe. Mas sinceramente pelo trabalho de outras câmaras comunistas a nível nacional, não há razão para não acreditar que são pessoas razoáveis de bom senso, que podem fazer algo pela cidade.
É vergonhoso, haver pessoas que defendem um partido que teve anos e anos seguidos numa cidade sem nada fazer, ficando com o dinheiro dos contribuintes, sem apresentar nada em troca, e ainda acharem que foi injusto, e que os outros que ganharam não prestam.
Talvez o anónimo que está tão desgraçadamente, revoltado por não ter sido o PS a ganhar, tenha em mente que perdeu algo. Habituou-se quiçá a viver pendurado entre gestos generosos de amigos do partido, sem lhe custar muito a vida. A sua prosa só me faz pensar isso...
Conforme-se criatura! Viva a vida e sorria! O tempo que tem saudades, esse, já não voltará mais. Sabe porquê? Enquanto os eborenses abriram os olhos e souberam escolher pessoas, houve outras câmaras a nível do país que fizeram o mesmo e estiveram a borrifar-se para as orientações dos partidos. Veja ( se o conseguir) o caso da câmara do Porto. Os eleitores não são estúpidos, são pessoas inteligentes e sabem quais foram os partidos que levaram o país à ruina assim como sabem a quem pertencem as Câmaras mais endividadas.
Acorde do sono em que está, pois a realidade é outra e não se compadece com pessoas nostálgicas e derrotadas.
Parta para outra e seja uma pessoas mais feliz.
Que 2014 possa fazer de você uma pessoas mais equilibrada, mais inteligente, mais feliz...
Acredite, que os meus votos são sinceros.

Anónimo
28 Dezembro, 2013 19:33

sábado, 28 de dezembro de 2013

Assembleia Municipal de Évora aprova por unanimidade recomendação do BE sobre Mina da Boa Fé

Foto José Ferrolho/DA

Considerando que:
1. No Parecer da Comissão de Avaliação do Estudo de Impacte Ambiental da Exploração Mineira prevista para a zona da Boa Fé, se inclui uma tomada de posição da CME, onde se lê: “Câmara Municipal de Évora apreciou o projeto tendo em conta o Estudo de Impacte Ambiental (EIA), bem como as informações prestadas na reunião técnica de esclarecimento. Tendo constatado que alguns aspetos deste projeto não se encontravam devidamente clarificados no EIA e questionando a sua implementação como uma vantagem para o município. Concluiu que não é evidente a geração de benefícios para as populações locais e refere sobretudo as desvantagens ao nível ambiental no território deste concelho, pelo que não poderá emitir parecer favorável a este projeto.” [Processo de AIA nº 2620, pág. 80].
2. Na resposta do Presidente da Câmara de Évora à proposta do Bloco de Esquerda para as Grandes Opções do Plano para 2014 de combate a qualquer projecto de mineração no sítio Rede Natura 2000 da Serra de Monfurado, lê-se: “Defendemos que o projecto poderá avançar se for compatível com os valores ambientais em presença e assegurar a reposição do terreno após exploração” [ofício de 24 de Dezembro de 2013 assinado pelo Sr. Presidente da Câmara Municipal de Évora].

O Bloco de Esquerda recomenda:
Que o Executivo Camarário seja mandatado para divulgar, no espaço de três meses, os dados que atestam as vantagens económicas deste projecto para a região de Évora, e que justificam a mudança introduzida na posição anteriormente apresentada às entidades públicas sobre a matéria,
Esperando que, nessa contabilização, sejam incluídos dados sobre: manutenção de infra-estruturas (viárias, de distribuição de água e tratamento de esgotos, entre outras); monitorizações adicionais a questões não contempladas pela empresa, como sejam relacionadas com saúde pública, continuadas e para além do encerramento da actividade mineira; previsão de prejuízos nas árvores e nas produções hortícolas atingidas pelo empoeiramento fora do estrito perímetro do Estudo de Impacte Ambiental; previsão dos valores cautelares a solicitar à empresa, para que possam ser minimizados os danos provocados por um eventual abandono prematuro da exploração e cobertos os danos em património natural e edificado; impacte económico nas actividades existentes (turismo, agricultura, silvicultura, etc.).
O Bloco de Esquerda recorda que o projecto mineiro de ouro de Corcoesto, na Galiza, foi inviabilizado há algumas semanas, entre outras razões, porque o governo galego exigiu a cativação prévia pela empresa de 25% do dinheiro necessário para toda a exploração, tendo esta recusado tal exigência.
O Bloco de Esquerda recorda ainda que a norma das explorações mineiras é o abandono após a fase mais produtiva para as empresas, de que resultam 175 minas abandonadas em Portugal e “mais de 21.000” (vinte e uma mil) num dos paraísos mineiros: o Canadá [dado do portal governamental canadiano dedicado aos Federal Contaminated Sites]. O que, numa segunda etapa, poderá justificar nova avaliação económica das “vantagens” deste tipo de empreendimento para a autarquia de Évora, numa versão menos optimista.
Évora, 27 de Dezembro de 2013
O membro da Assembleia Municipal eleito pelo Bloco de Esquerda,
Bruno Manuel dos Santos Martins (aqui)

(A RECOMENDAÇÃO FOI APROVADA POR UNANIMIDADE)

Ceia da Silva é a personalidade do ano para o "Diário do Alentejo"

(clique na imagem para aumentar)

O presidente da Entidade Regional de Turismo do Alentejo, Ceia da Silva, foi eleito a personalidade do ano pelo Diário do Alentejo. Nesta rubrica os destaques foram também para a arqueóloga Conceição Lopes que vai representar Portugal no Comité do Património Mundial da Unesco e para os Bombeiros.

Diário do Alentejo desta sexta-feira


Últimos espectáculos


Évora: orçamento para 2014 aprovado na Assembleia Municipal apenas com os votos da CDU


Reunida esta noite a Assembleia Municipal de Évora aprovou o Orçamento autárquico para 2014 apenas com os votos a favor da CDU. 
O PS votou contra, enquanto que o PSD e o BE se abstiveram, pemitindo, assim, a aprovação do Orçamento para o próximo ano, mas mostrando que esta gestão CDU irá contar com uma oposição empenhada por parte das restantes forças presentes na Assembleia.
Já as Grandes Opções do Plano foram aprovadas com os votos da CDU e com a abstenção do PS, PSD e BE.

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Perguntas (nada) inocentes.


Já foram detidos os criminosos que durante 26 anos escravizaram um homem em Évora?
Já foi detido o dono do cavalo que provocou a tragédia da passada quarta-feira em Évora?
Deve ser gente com influência na Cidade.

Anónimo
27 Dezembro, 2013 22:18

Évora: hoje na Harmonia, às 23 horas



Fim de semana com espectáculos em Portugal!!! 
27 de Dezembro PAYASOS DOPADOS apresentam o novo disco «La Odisea Cotidiana de los Famosos y Heroicos Nadies» prometemos muita festa e protesto na Sociedade Harmonia Eborense !!!
Entrada:Sócios quotas ao dia grátis//Sócios temporais 3€
No dia do concerto
novo cd 5€
Aproveita
novo cd + CLICK (2009) 6€ !!!
https://www.facebook.com/events/222755907904048/

Dia 28 no Cavaleiro (Odemira) na Ass. Cultural e desportiva do Cavaleiro //22hs
https://www.facebook.com/events/465853570189884/

Não podemos confundir a árvore com a floresta


Vamos lá a ver se nos entendemos, se estamos a falar em ciganos estamos a falar duma coisa mas se estamos a falar em vigaristas, ladrões, aldrabões então estamos a falar doutra.
Não sou daqueles que diz que lá porque é ciganos é criminos, assim como não posso dizer que se é negro é malandro (outra discriminação existente no nosso país). Há tantos criminosos ciganos como certamente há das pessoas ditas normais, para já tinhamos que saber o que é uma pessoa normal, mas isso leva-nos para outro lado. 
Uma coisa é certa, existem em Portugal entre 30 a 50 mil ciganos, e o rendimento Mínimo é pago a cerca de 200 mil pessoas, afinal há mais ciganos que eu imaginava. Eu defendo os ciganos, mas não defendo os criminosos nem os ladrões, assim como não distingo entre etnias, uma coisa é uma pessoa ser criminosa, seja ela quem for, outra é vir para aqui disparar, ainda por cima sem se saber ao certa de quem era o animal, disparar a torto e a direito sobre uma etnia, que quer queiramos quer não são tão Portugueses como qualquer outro individuo, desde que nasça neste rectângulo.
É abusivo e falta de princípios vir para aqui com dislates, que só fica mal a quem os profere.
Não sou nem nunca serei a favor dos vigaristas, seja ele quem for,nem sou "amigo" de ciganos, não posso é deixar passar em claro o abuso de certas pessoas que se julgam acima dos outros e cheios de virtudes, quando se fossemos vasculhar a sua vidinha encontraríamos muito lixo debaixo do tapete.
Vá lá, portem-se bem e não digam asneiras, pensem primeiro no que vão dizer e ataquem quem devem atacar pois não podemos confundir a árvore com a floresta.

MdM
27 Dezembro, 2013 00:02

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

A última do ano

A última crónica de cada ano divide sempre o cronista. Ou faz o balanço do ano que termina ou fala do que se perspectiva para o ano seguinte. A terceira alternativa é ignorar que é dia de Natal, e que a crónica seguinte irá para o ar já no dia 1 de Janeiro e pegar num dos temas da actualidade mais premente.
Um pouco farto de balanços e de olhar para bolas de cristal mais ou menos embaciadas, vou optar pela terceira alternativa e falar do presente imediato. Conhecidas as conclusões do último Conselho Europeu, ficámos todos a saber para onde apontam as mentes brilhantes que, ao serviço de interesses obscuros, vão determinando os caminhos que os povos da Europa serão obrigados a percorrer num futuro mais ou menos imediato. Não há novidades nesse caminho onde se preconizam medidas gravosas de transferência de carga fiscal do capital para o trabalho, mais privatizações, acentuar a diminuição de salários e a desregulação laboral, cortes violentos de direitos sociais acompanhada de maior concentração de capital.
Este caminho pressupõe sempre um ataque ao que resta da soberania dos Estados, empurrando esta Europa para o federalismo sem a preocupação de perguntar aos detentores da soberania, os povos, se aceitam esse caminho. Não se trata de abdicar voluntariamente da soberania mas sim de uma verdadeira expropriação.
Já estou a ver os executantes destes ditames a neles se escudarem para justificar o aprofundamento das condições de exploração no nosso país, como se não bastassem as humilhantes condições que aceitaram quando assinaram o memorando de entendimento com a troika, acrescidas da sua própria agenda ideológica, que pretende acertar contas com aquilo que foi conquistado após a Revolução de Abril de 1974.
No ano em que se comemoram os quarenta anos da Revolução de Abril e sob o pretexto de “estarmos quase a sair debaixo do jugo da “troika”” vão exigir-nos mais passividade, que nos acomodemos até Junho, que tenhamos compreensão perante tanta inevitabilidade.
Não pensem nisso. Se nem no período festivo abrandou a mobilização contra este caminho de desastre, não serão os cândidos apelos a “comer e calar” que irão desmobilizar aqueles que acham que um governo que insiste em governar contra a Constituição só pode ser demitido. Alguns já estarão a dizer “o gajo disse que não ia falar do futuro e não falou de outra coisa”. Não estive a falar do futuro, estive a falar daquilo que o Conselho Europeu entende hoje que deve ser o futuro. Concluam lá o que entenderem, o futuro será aquilo que os povos europeus quiserem que seja.
Até para a semana

Eduardo Luciano (crónica na Rádio Diana)

Évora: 3 mortos e 5 feridos em acidente de viação

Três pessoas morreram e cinco ficaram feridas com gravidade, na sequência de uma colisão de dois veículos ligeiros e um cavalo, ocorrida quarta-feira à noite nos arredores de Évora, disse à agência Lusa fonte dos bombeiros.
A fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Évora indicou que o alerta foi recebido às 20:55 e que os feridos foram transportados para o hospital de Évora e os três mortos foram encaminhados para os serviços de medicina legal daquela unidade hospitalar.
A mesma fonte indicou que o acidente ocorreu na Estrada Nacional 114 entre Évora e Montemor-o-Novo, na zona de São José da Peramanca, a cerca de três quilómetros de Évora.
Segundo a fonte do CDOS, no acidente morreu também o cavalo.
O trânsito na zona do acidente está cortado nos dois sentidos e está a ser desviado para outra estrada, de acordo com fonte da PSP de Évora.
Fontes da polícia indicaram ainda que um dos feridos graves é uma criança e que um dos veículos envolvidos na colisã frontal é da zona de Paio Pires.
As operações de socorro mobilizaram 31 operacionais, apoiados por 16 veículos das corporações de bombeiros de Évora, Montemor-o-Novo e Arraiolos, uma viatura Suporte Imediato de Vida (SIV), de Estremoz e um veículo do Serviço Municipal de Proteção Civil de Évora. (LUSA)

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Para mim o Natal sois vós




Queridos Amigos

Para mim o Natal sois vós. 
Vós e todas as pessoas de quem gosto. É um valor supremo da condição humana o facto de ter amigos, de saber que o caminho por mais duro que seja é sempre partilhado. 
Nestes tempos conturbados há vozes que se levantam e gestos de coragem simples, sem a arrogância dos donos da verdade, sem o dedo apontado aos que pensam e sentem e vivem diferente. 
Partilhei durante algum tempo este espaço de liberdade e isenção, ganhei com isso muito mais do que dei e continuo ainda a ganhar porque o A Cinco Tons faz parte do meu percurso diário, sempre fará. 
Quero apenas desejar-vos que continuem a ser quem são. 
Não desejo felicidade, nem liberdade, nem melhores dias, porque esses construí-los-emos nós, em conjunto com todos os que aspiram a uma sociedade mais fraterna, mais justa, mais inclusiva. 
Um Grande Abraço 

Miguel Sampaio (via email)

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Pedro Lobo Antunes: muito mais do que um arquitecto


A notícia chegou-me através do escultor Pedro Fazenda, irmão da Manuela, amiga de muitos anos do Pedro Lobo Antunes. A noticia era breve: ontem, sábado, morreu o Pedro. Soube depois, de doença súbita, em Lisboa, onde agora vivia, depois de ter sido um dos elementos-chave da chamada canção de intervenção (nos idos dos anos 60, em toda a cintura de Lisboa, com Francisco Fanhais, por exemplo, para quem musicou vários poemas de Manuel Alegre num dos seus primeiros discos - "Canções da Cidade Nova ou Dedicatória", de 1970). 
Poeta e também cantor, Pedro Lobo Antunes colaborou na criação da "Comunal" - Cooperativa de Árgea (Torres Novas) que teve um papel marcante no movimento associativo agrícola do pós-25 de Abril. 
Arquitecto, foi professor e integrou depois o GAT de Torres Novas. Mais tarde foi vereador da Câmara de Torres Novas pelo PS e membro da Assembleia Municipal, de que se demitiu em 2010 alegando que a sua vida familiar e profissional estava em Lisboa.
Irmão do escritor António Lobo Antunes, o Pedro era de uma fina sensibilidade artística e pessoal, tendo também vários poemas seus, cantados em espaços públicos, ainda antes do 25 de Abril. Fica um exemplo:


FLORES

Nascem flores onde quiseres
Nascem flores na tua mão
Crescem flores onde estiveres
Nascem flores também no chão

Há fome de flores no teu país
Há falta de flores na tua cidade
Precisa de flores o teu amigo
Precisa de flores a nossa paisagem

Atrás da orelha uma flor
Pendurada da boca uma flor
Todo o teu peso passa-o à flor
Mais flores menos dores mais flores

Nos teus olhos vê-se a flor
Vê-se a flor que trazes dentro
Nascem flores onde quiseres
Não deixes que as leve o vento

Pedro Lobo Antunes

(corrigido em 30/3/2014, com alterações sugeridas por Francisco Fanhais)

2014: os desafios crescem


Votos de um excelente 2014!

Em 2014 os desafios crescem e avolumam-se as dificuldades. Mas procuramos continuar, abertos à colaboração, à cooperação e à partilha de horizontes e projectos. Agradecemos a TODAS e TODOS os que contribuíram para as iniciativas de 2013 com o seu empenho, com o seu esforço e trabalho e, tantas vezes, apenas com a sua presença e confiança! Sem isso não seria possível continuar!
2014 trará algumas novidades, num ano que se prevê marcado por dificuldades acrescidas: ainda não abriram os concursos para o financiamento anual (DGARTES) e o município de Évora, também a atravessar momentos difíceis, garante a cedência dos espaços, a cooperação e o apoio logístico mas não o financiamento. Procuramos, apesar de tudo, continuar, porque entendemos ser necessário e útil o trabalho que vos trazemos, e que conta em primeiro lugar convosco. Com a vossa presença, com o vosso apoio, com a vossa disponibilidade.
É por isso, por contarmos convosco e por sabermos qeu contam connosco, que continuarão as exposições na Igreja de São Vicente, que continuarão os Outros Cinemas à terça-feira, que continuarão os Cruzamentos. É por isso que haverá mais formação, mais reflexão e debate, num espaço que queremos plural, livre e aberto à cidade. Que queremos vosso! 

José Alberto Ferreira/Escrita na Paisagem

Neste Natal um poema de David Mourão-Ferreira para reflectir


NATAL UP-TO-DATE*

Em vez da consoada há um baile de máscaras
Na filial do Banco erigiu-se um Presépio
Todos estes pastores são jovens tecnocratas
que usarão dominó já na próxima década

Chega o rei do petróleo a fingir de Rei Mago
Chega o rei do barulho e conserva-se mudo
enquanto se não sabe ao certo o resultado
dos que vêm sondar a reacção do público

Nas palhas do curral ocultam microfones
O lajedo em redor é de pedras da Lua
Rainhas de beleza vêm de helicóptero
e é provável até que se apresentem nuas

Eis que surge no céu a estrela prometida
Mas é para apontar mais um supermercado
onde se vende pão já transformado em cinza
para que o ritual seja muito mais rápido

Assim a noite passa E passa tão depressa
que a meia-noite em vós nem se demora um pouco
Só Jesus no entanto é que não comparece
Só Jesus afinal não quer nada convosco

David Mourão-Ferreira

*Publicado pela 1ª vez no «Diário de Notícias» de 25 de Dezembro de 1969.
Incluído posteriormente em CANCIONEIRO DE NATAL (1971).

(sugestão de R. Arimateia, aqui)

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Arcebispo de Évora: "na grande hospedaria do mundo" nem todos "encontram lugar"


O arcebispo de Évora, José Alves, afirmou hoje que todas as pessoas "têm direito a um lugar e a uma vida digna", mas observou que "na grande hospedaria do mundo" nem todos "encontram lugar".
Esta é "uma situação que continua a repetir-se constantemente, com um sem número de pessoas que não têm onde morar", realçou José Alves, na sua mensagem de Natal, divulgada hoje pela Arquidiocese de Évora.
"Na grande hospedaria do mundo, nos nossos dias e ao nosso lado, há muitos que não encontram lugar", refere, afirmando que "não encontram lugar na família, nos ambientes de trabalho, nas escolas, no emprego, nas casas de habitação, nos hospitais".
"Resta-lhes a rua e as instituições de caridade que os socorrem", acrescenta.
Para o prelado alentejano, a sociedade "continua a não ter lugar para acolher os que precisam, mas, ao mesmo tempo, no coração humano, há muitos lugares disponíveis para a defesa dos interesses individuais".
"É mais fácil encontrar lugar para o Natal do consumismo do que para o Natal da partilha, da promoção da dignidade da pessoa humana e da defesa dos valores da vida", pode ler-se na mensagem.
O arcebispo lembra que "o Filho de Deus não teve lugar na hospedaria" e que "nasceu numa gruta, na pobreza e na humildade, para redimir a humanidade do pecado da exclusão social e do apego exagerado e do uso injusto dos bens materiais, que, afinal, pertencem a toda a humanidade".
Nesse sentido, José Alves conclui que "a autêntica celebração de Natal é aquela que se esforça por ampliar as dimensões da hospedaria do mundo, de forma que haja lugar para todos os seres humanos". (LUSA)

Segunda-feira é hoje


A nossa cidade chegou a este triste fim sem POLICIA nem Autarquia,construiu-se esta barraca com 40 metros quadrados na via publica junto da rua da creche Malagueira,onde até a calçada foi retirada do chão para fazer suporte da mesma.isto passou-se durante uma semana de montagem até a obra final.
O local tá referenciado a 3 anos por tiroteios e trafico de droga e que esta a porta do jardim de infância e da Escola EB1 da Cruz da Picada.
Espero que Segunda feira o novo Presidente Pinto de Sá mande aplicar as leis pegando no incompetente serviço de fiscalização e no incompetente comissario de policia e limpem o espaço publico e reponham a calçada na sua função.
Cumprimentos.


António (via mail)

SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA POLÍTICA DE ÉVORA: OS CATÓLICOS PROGRESSISTAS (1964-1976)


1.Corria o ano de 1964 quando chegaram a Évora os primeiros ecos do Concílio do Vaticano II. Os meios estudantis e operários católicos da cidade começavam a agitar-se perante os novos ventos que sopravam de Roma. Perspicaz, apesar do seu aspecto bonacheirão, João XXIII, procura levar a Igreja a adaptar-se à nova ordem mundial, de cariz sócio-político, saída dos escombros da II Guerra Mundial, preconizando o  “aggiornamiento”, ou seja, o ajustamento dos princípios católicos ao mundo actual e moderno.
O  Arcebispo de Évora, D. Manuel Trindade Salgueiro, passava a maior parte do tempo em Roma, de onde ia mandando  os seus «Ecos do Concílio» para o semanário “A Defesa”  de que era director  há muitos anos Monsenhor José Filipe Mendeiros. Este era na realidade quem mandava na  Arquidiocese, bem acolitado pelo Código José Augusto Alegria, ambos fascistas de formação e convicção. Desesperados com a situação muitos sacerdotes, ansiavam por uma situação que os pudesse por em causa e contavam principalmente com o Padre José Alves Gomes, chefe de redacção de “A Defesa” para os ajudar no desbloqueamento da situação asfixiante que se vivia.
2.Perguntar-se-á quem era José Alves Gomes? Nascera em Vila Fernando, concelho da Guarda, a 3 de Março de 1923 e muito novo veio estudar para o Seminário de Évora  tendo sido ordenando padre em 1946 na Igreja de Arraiolos. Em Outubro desse ano o prelado nomeou-o padre coadjutor de Coruche com a missão de ir pastorear especificamente  a  paróquia do Couço, mais conhecida pela «pequena Moscovo». De grande humildade e inteligência rara, Alves Gomes. fora, ainda enquanto aluno, nomeado editor e administrador da revista “Alvoradas”, órgão mensal do Seminário Diocesano, em publicação desde Janeiro de 1945. Passava agora a acumular com as funções de prefeito e professor do Seminário.
Com grande aceitação entre os jovens, com os quais dialogava abertamente e escutava com atenção, além do serviço religioso prestado, fez da docência da disciplina de Religião e Moral - na Escola de Regentes Agrícolas e depois na Escola Comercial e Gabriel Pereira -, da defesa dos mais fracos, da resistência à ditadura e à estupidez institucionalizada  e do jornalismo activo as grandes paixões da sua vida.
Foi assim que a 17 de Outubro de 1964, “a Defesa”, sob o seu comando e orientação (era o seu chefe de redacção e editor) ousou  desafiar a Censura e o Governo, na pessoa de Franco Nogueira, para defender o sentido espiritual da visita de Paulo VI á Índia, no âmbito do Congresso Eucarístico de Bombaim. A deslocação papal havia exasperado Salazar e Cerejeira, os quais de comum acordo, haviam proibido a difusão de qualquer comentário afora o comunicado oficial emitido. Nenhum deles havia digerido ainda a anexação dos territórios de Goa, Damão e Diu por parte da União Indiana, ocorrida em finais de 1961, situação que não merecera qualquer espécie de condenação ou repúdio, quer da comunidade internacional quer da Santa Sé.
No artigo publicado que constava de 4 parágrafos de alguma densidade de termos, considerava-se que « a propósito desta apostólica visita deve saber-se que Sua santidade foi visitar, não o país agressor, mas uma comunidade de 4 milhões de católicos. Esta verdade está acima de todas as especulações.» No domingo seguinte, comemorativo das festividades do Cristo-Rei, quatro sacerdotes da cidade leram-no integrado no decurso das homílias  das missas de que foram celebrantes: Monsenhores Vicente da Costa (Carmo) e João Luís de Carvalho (S. Mamede), o padre Serafim Tavares (Santo Antão) e o cónego Manuel da Silva Salvador (S. Francisco).
3.O caso chegou ao conhecimento de um agente local da PIDE que elaborou um rápido relatório informando a sede na Rua António Maria Cardoso, em Lisboa. No dia seguinte uma brigada da polícia política deslocou-se a Évora e “convidou” os quatro padres para uma visita às suas instalações, a fim de serem interrogados. Ao tomar conhecimento da ocorrência a Nunciatura Apostólica em Lisboa (Cardeal Maximilien Furstenberg) , avisou o Vaticano recebendo ordens para  protestar  oficialmente e de forma veemente, junto de Salazar, contra a detenção para interrogatório dos sacerdotes.
Por seu turno, o Arcebispo de Évora ausente em Roma a acompanhar os trabalhos conciliares, foi colhido de surpresa e  mandatou de imediato o vigário-geral, José Filipe Mendeiros, persona grata ao Estado Novo, para o representar no caso. Chegou a temer-se o pior, mas depois de fortemente admoestados e intimidados, os párocos foram devolvidos a Évora, ficando no entanto debaixo da mais rigorosa vigilância.
O certo é que o episódio ensombrou a abertura oficial das aulas no Instituto Superior Económico e Social de Évora (ISESE), que marcava o regresso do ensino universitário e da Companhia de Jesus, após dois séculos de extinção. A inauguração solene do ano lectivo, dias depois, a 1 de Novembro, não chegou a realizar porque entretanto o Presidente da República, Américo Tomás, tal como o Ministro da Educação Nacional, Prof..Dr. Inocêncio Galvão Teles recusaram-se a estar presentes na cerimónia., para a qual naturalmente tinham sido convidados.
Entretanto José Alves Gomes torna-se o assistente espiritual das organizações de juventude da Arquidiocese, ou seja da JEC (Juventude Escolar Católica) e da JOC (Juventude Operária Católica). Manuel Trindade morre no ano seguinte e José Filipe Mendeiros é promovido  a procurador à Câmara Corportativa em representação da Igreja Poruguesa facto omitido da sua biografia, a partir de Abril de 1974. Para a mitra episcopal vem o bispo do Funchal, David Sousa,  que era de origem monge da Ordem dos Frades Menores (Franciscanos).
Alves Gomes depressa se apercebeu que David de Sousa não era homem para comandar os destinos de uma diocese em crise. Alheio à vida da instituição restringia o seu múnus  à oração e à crença de que Salazar tinha sido especialmente ungido por Deus para dirigir os destinos de Portugal
Tudo isto veio a contribuir para que sob a orientação humanista de Alves Gomes as relações com as franjas católicos mais críticas da conúbio entre a Igreja e o Estado  ou  mesmo com grupos oposicionistas  moderados se fossem intensificado, Em “ A Defesa”, o padre vai  dando destaque a alguns textos de católicos inconformados com o rumo  da Igreja Portuguesa enquanto nas suas apreciadas “C3” (cartas, crónicas e comentários)  prega , sem qualquer pejo, a sua revolta contra as injustiças, denunciando a prepotência dos poderosos e arremetendo contra os interesses instalados.
4. Quando em 1968 Salazar fica impossibilitado de continuar a governar o país e é substituído por Marcelo Caetano o grupo de católicos eborenses críticos do regime está bem organizado e dispõe mesmo de alguma força dentro da Diocese e até externamente. José Alves Gomes é o polo aglutinador dos seus diversos sectores.  Mariana Calhau Perdigão, professora do ensino primário, filha de abastados propriedades rurais mas de profundas raízes republicanas estava desde os primeiros anos da década à frente da JEC diocesana e havia sido designada presidente da Juventude Internacional Católica; na JOC pontificavam os bancários António Augusto Ramos e Joaquim Ventura Trindade, vice-presidente da   Junta Diocesana da Acçâo Católica e membro da Delegação de Évora do Sindicato dos Bancários. Por sua vez o arquitecto Manuel Tierno Bagulho, conhecido oposicionista católico, técnico superior das  Federações Portuguesas das Caixas de Previdência do Alto Alentejo  e professor de Desenho no Liceu Nacional, é chefe regional da Arquidiocese de Évora do Corpo Nacional de Escutas e integra o primeiro Secretariado dos Cursos de Cristandade.
De Lisboa, do Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras e da militância na JUC (Juventude Universitária Católica). o eborense Manuel Jorge Pombo Cruchinho trará,  um amigo muito especial, Abílio Miguel Joaquim Dias Fernandes , um moçambicano de ascendência goesa a quem ajuda a instalar-se na cidade Abílio Fernandes tinha prestado serviço militar na Reserva Naval e depois de concluído o curso fora contratado como Técnico do Instituto Nacional  de Investigação Industrial, mas alguns problemas de ordem política levaram à sua detenção pela  PIDE. Estava desejoso de deixar Lisboa e consegue mediante a sua militância católica arranjar colocação como professor no jesuítico Instituto Superior de Estudos Sociais e Económicos de Évora (ISESE) leccionando Análise de Balanços e Contabilidade
O ambiente de contestação alarga-se ao Seminário onde o vice-reitor Manuel Madureira Dias, assistente diocesano da Acção Católica, dirá na sessão solene de abertura desse ano: «Nenhuma autoridade poderá impedir que a liberdade se exercite nem a obediência poderá impedir o seu exercício». As autoridades civis que assistem ficam surpreendidos com a ousadia , não querendo acreditar no que ouviam.
5. Na cidade o ambiente de descontentamento contra o regime permanece em estado de intensa expectativa dada a promessa feita por Marcelo Caetano de reformar a União Nacional abrindo nela espaço para todos os que desejam «uma evolução na continuidade» sem grandes roturas mas através da adopção gradativa de uma perspectiva liberalizante na senda futura a percorrer. «A sua intenção notória era a captar quadros da Acção Católica que nos últimos anos do salazarismo haviam aparecido ligados à esquerda estudantil e aos socialistas, agrupados em torno da revista O Tempo e o Modo », segundo o historiador Rui Ramos. Marcelo Caetano anunciou por outro lado, a realização de eleições abertas à concorrência da Oposição Democrática desde que respeitadas determinadas condições. E porque a morte de centenas de jovens, todos os anos e em número crescente, nas guerras de África começavam a perturbar as  consciências as quais se começavam a interrogar sobre os verdadeiros interesses que estavam em jogo, esse foi um dos termos interditos à discussão eleitoral.
São comunistas ou simpatizantes  os primeiros eborenses a empenhar-se na constituição de uma Comissão Democrática Eleitoral (CDE)  na esfera mais vasta do Movimento Democrático Português como forma de concorrer ao acto eleitoral. Sem nomes sonantes para avançar com uma lista credível é aos católicos progressistas que vão buscar apoio para se apresentar a sufrágio. A ligação a partir de Lisboa é operada pelo arquitecto Nuno Teotónio Pereira , uma das principais figuras dos católicos progressistas enquanto o núcleo de Évora é animado por José Alves Gomes.
Entretanto, Alves Gomes aproveita a ida de Paulo VI a Genebra, em Junho, para participar, a convite no 50º. Aniversário da OIT (Organização Mundial do Trabalho) para afirmar que «a presença da Igreja marcará um capítulo novo no diálogo com o mundo operário». No semanário católico eborense prossegue :« para o mundo operário, a Igreja aparece como uma poderosa organização feudal e como uma sociedade de homens muito poderosos com domínio obre os crentes». O editor ressalva o exemplo de alguns padres que cumprem a sai missão junto dos mais carenciados e ostracizados mas censura acerbamente »a maioria que prefere viver à sombra dos poderosos servindo os seus interesses e ignorando a vida de miséria  dos que são vítimas da exploração gananciosa dos grandes senhores».
Dois meses e meio depois, Alves Gomes faz reproduzir no jornal, um artigo da intelectual católica Helena Cidade Moura, publicado no vespertino “A Capital” em que a sua autora evoca o 5º. Aniversário da morte do Padre Abel Varzim- o grande apóstolo do Movimento Operário Católico- deixando bem claro que «ele abriu uma esperança que não soubemos merecer».
O escândalo rebenta na Arquidiocese quando a lista da Oposição Democrática é conhecida. Dos quatro candidatos dois são católicos influentes e conhecidos – o arquitecto Manuel Tierno Bagulho e o ex-bancário e director de uma pequena empresa, Joaquim Ventura  Trindade. Os dois outros candidatos, ambos escritores, são Armando Antunes da Silva e Mário Ventura Henriques; ambos da área comunista, ainda que apenas o segundo seja militante.
Os sinos tocam a rebate no Convento do Carmo onde está instalado o Arcebispo David Sousa e no Largo da Sé onde o Cabido Diocesano custa a aparar o golpe. Por todo o lado se faz constar que leigos e padres católicos estão mancomunados com o Partido Comunista pelo que é necessário vigiá-los  e votar em massa na  União Nacional, cuja lista é encabeçada pelo advogado e proprietário Manuel Cotta Dias ( vice-presidente do Banco de Fomento) será nomeado Ministro da Economia e Finanças).
6. Se dúvidas havia elas ficaram definitivamente esclarecidas. A Diocese estava claramente  cindida em dois grupos antagónicos: o dos nacionalistas católicos e o dos católicos progressistas: os primeiros, mantendo-se fiéis à concepção corporativa do Estado e defendendo a política colonial do Portugal «uno e indivisível», enquanto os segundos procuravam dar resposta aos desafios colocados  pelo mundo moderno e defensores das expectativas abertas pelo Vaticano II discutindo a concepção de Nação e a presença de Portugal em África. Este problema será pela primeira vez ventilado durante a campanha a nível nacional, pelo arquitecto Manuel Tierno Bagulho, em sessão realizada no Teatro Garcia de Resende.
A PIDE que abrira uma delegação na Rua Gabriel Victor do Monte Pereira, sob o comando do célebre inspector Melo está atenta a todos os movimentos dos oposicionistas. E a repressão vai no sentido da atemorização da estudantada  que motivada pelas perspectivas de pôr termo  ao castrador regime do Estado Novo ajuda na distribuição da propaganda dita “subversiva”. No Liceu o fascista reitor, Adelino Augusto Marques de Almeida, figura grada da Mocidade Portuguesa e mandado para Évora para servir os mais sinistros interesses da organização assume o sabujo papel de denunciante dos próprios alunos que participam na entrega de propaganda os quais são detidos por algumas horas para interrogatórios e intimidação.
Claro que as eleições vieram a dar a vitória aos candidatos da União Nacional que em Évora obtiveram 19.341 votos contra 2.069 do MDP/CDE. Houve muita gente recenseada que, por medo, não votou. Assim mesmo os resultados assustaram os próceres do regime que os encararam mais como resultado do afastamento dos católicos que como manifestação de alguma força dos comunistas a quem aqueles quiseram prestar apoio.
As consequências não se fizeram esperar. Manuel Tierno Bagulho foi afastado da docência no Liceu e viu serem rescindidos os contratos que tinha com a Federação das Caixas de Previdência tendo de retirar para Lisboa para exercer a sua profissão como arquitecto privado. Quanto ao Padre José Alves Gomes levará um ano a ser saneado publicamente de todos os cargos que exercia, nomeadamente de chefe de redacção de «A Defesa», num momento em que já desenvolvia esforços para operar uma profunda remodelação do semanário,  tomando como exemplo o que D.António Ferreira Gomes, bispo do Porto, fizera em relação à “Voz Portucalense”.
Às intenções do editor a quem padres e leigos salazaristas e conservadores. Altamente D. David de Sousa decidiu retirar-lhe a confiança pessoal. Pusilânime, timorato e atarantado, o prelado não sabia bem o que fazer, tanto mais que no Seminário as saídas se acentuavam (Henrique Granadeiro e Diogo Pires Aurélio)  e muitos jovens que haviam começado a frequentar o ISESE se afastavam definitivamente. Padres houve que desertaram (Luís Manso e Henrique Sabino). Mas houve que esperar que  Monsenhor Filipe Mendeiros onde fora dirigir a abertura da Faculdade de Teologia da Universidade Católica  em 1968 terminasse a respectiva comissão para regressar ao comando da Diocese que o prelado não assegurava e retomasse a direcção efectiva.
Há um ano quando os restos mortais de David Sousa foram transladados do Cemitério dos Remédios para serem tumulados numa capela da Igreja do Espírito Santo, o Cónego Senra Coelho tentou amenizar a imagem desastrada que ele deixara ao argumentar que o «Arcebispo franciscano encontrou um clero muito bem preparado mas que os tempos imediatos ao Concílio II e os ventos chegados do Maio francês de 1968 transformaram o seu pontificado em cruz pesada e calvário., pois presenciou o início da crise vocacional e o debandar de alguns sacerdotes que deixaram de exercer o seu ministério».
Para que o movimento não ficasse totalmente bloqueado Mariana Perdigão, Joaquim Ventura Trindade e Abílio Fernandes ainda tentam que em Évora seja aberta uma delegação da SEDES (Associação para o Desenvolvimento Económico e Social) fundada em 1970- organismo que o Governo consentira no seu aparecimento e que tinha por lema a difusão do humanismo, do desenvolvimento e social e da democracia. No seu âmbito cabia «uma vontade de mudança e uma  prática de militância social diversificada abrangendo o associativismo académico, a contestação manifesta contra o regime e a participação em organizações cristãs e actividades sindicais. Mas a informação da delegação da PIDE e a oposição feroz do sinistro Ministro do Interior António Gonçalves Rapazote inviabilizaram tal desejo.
Não obstante isto o grupo conseguiu manter-se razoavelmente unido apesar da falta de Alves Gomes, votado ao ostracismo pela Arquidiocese, colocado na prateleira e sem actividade pastoral atribuída mas sob a vigilância apertada dos esbirros do inspector Melo que lhe seguiam todos os seus passos e montavam guarda nocturna à sua residência humilde e discreta no Bairro do Poço Entre-as Vinhas (depois Bairro de Nossa Senhora da Saúde), um lugar de habitações clandestinas em que a grande maioria dos seus habitantes gente do campo que tinham vindo para a cidade à procura de uma vida melhor.
7. Muitos anos depois, Monsenhor Mendeiros virá justificar o clima pesado que então se vivia em “ A Defesa” quando em 1973 o jornal cumpriu o seu cinquentenário, dizendo que «a efeméride se comemorara «em ambiente toldado de nuvens de crise política nacional ,devido à Guerra do Ultramar. A celebração das Bodas de Prata (sic) por consequência não podia ser festiva senão enquanto o permitia a publicação de um número de 26 páginas e uma Concelebração Litúrgica presidida pelo prelado na igreja sede da paróquia do jornal, com os sacerdotes a ele mais ligados. Tudo num ambiente culto e elevado». O testemunho do cónego não podia ser mais eloquente sobre as divisões no seio da Diocese, o desinteresse pelo aniversário do jornal e as marcas que o saneamento de Alves Gomes deixara.
Nesse ano de 1973 haverá de novo eleições para a Assembleia Nacional mas a ligação entre PCP e dirigentes católicos conseguida anteriormente não é possível de concretizar novamente. Todos estes foram afastados das posições de relevo que ocupavam nos órgãos diocesanos. Mas mesmo individualmente há um distanciamento em relação á CDE cuja lista é composta por gente de pouco crédito e até desconhecida na cidade nunca por cá tendo sequer passado e  afecta à mais inflexível ortodoxia estalinista (Ana Faro  e Alves é de Lisboa e António Areosa Feio é do Porto) ou então por militantes da segunda linha comunista eborense e de pouca simpatia como Fernando Iglésias dos Santos, director fabril e Fernando Passão, trabalhador rural. Estes dois tinham apoiado a lista da CDE anteriormente e mantiveram-se  no movimento, tal como Abílio Fernandes (católico) e Antunes da Silva. (em Lisboa). O grosso dos comunistas eborenses mantinha-se na clandestinidade.
8. A Revolução de Abril fez com que a esmagadora maioria dos católicos progressistas, amedrontados com a hipótese de uma ditadura soviética que se desenhava no horizonte, particularmente no Alentejo,  viesse a aderir ao recém - constituído Partido Popular Democrático. Mariana Calhau Perdigão, António Augusto Ramos, Carlos Crus (bancário e industrial de panificação, prematuramente falecido num acidente de viação) e Armando Barbosa criam o embrião do que será o núcleo eborense do partido a que virão juntar-se entre outros Manuel Jorge Cruchinho, os advogados Armando Cunha e Sertório Barona e ainda Henrique Granadeiro e Manuel Ferreira Patrício.
O pânico instala-se na Arquidiocese com o Arcebispo a refugiar-se na oração enquanto a sede de “A Defesa” é ameaçada de vir a ser incendiada., destruída  e alguns padres de serem fuzilados como era possível ver-se pinchado nos seus muros e portas. Mendeiros e Alegria chegam a ser acusados pelos  colegas de pertencerem á PIDE, facto que a Comissão de Extinção da referida polícia política não confirmará, por entretanto terem sido destruído muitos ficheiros e desaparecido muitos outros documentos nos dias sequentes  à Revolução.
Só Abílio Fernandes permanecerá no MDP/CDE e consegue em nome da sua condição de católico que a Arquidiocese lhe alugue pessoalmente um prédio ao cimo da Rua do Raimundo para que nele se instale a sede do Movimento. Embora se distancie dos seus antigos companheiros não renega a sua fé até lhe ser pessoalmente conveniente (havia que manter preservado o estatuto de docente do ISESE) e a oportunidade irá deparar-se quando é  convidado para encabeçar a lista da FEPU (Frente Eleitoral Povo Unido) coligação que engloba o Partido Comunista, o MDP/CDE e a Frente Socialista Popular, fórmula encontrada pelos comunistas de conquistarem o maior número de autarquias possível nas primeiras eleições em 1976.Eleito  presidente, Abílio Fernandes adere ao PCP e repudia a sua fé religiosa e troca-a pela crença no comunismo. A sua prestação de serviço militar na Marinha (Exército Colonial como lhe chamavam os comunistas) e a militância  católica são então apagada da sua biografia oficial que passa a ser elaborada e redigida pelo PCP.
9. Dissolvido este grupo é tempo de saber o que aconteceu a cada um, nomeadamente no âmbito político, a seguir à instauração da democracia.
O padre José Alves Gomes depois de feita a sua travessia do deserto veio a ser reabilitado nos anos seguintes à Revolução tendo exercido as funções de capelão da Casa dos Duques de Cadaval em Évora, chefe do Gabinete das Relações Exteriores da Universidade de Évora, Secretário da Pastoral Rural e delegado da Rádio Renascença em Évora. Vítima de doença grave faleceu em 26 de Julho de 1985 no Hospital de Santa Marta em Lisboa.
Mariana Calhau Perdigão veio a ser a primeira mulher  a exercer o cargo de governador civil em todo o país, tendo sido nomeada para a função em Évora no 1º. Governo da Aliança Democrática, liderado por Francisco Sá Carneiro, lugar que manteve com Francisco Pinto Balsemão e donde saiu em 1983. Foi depois eleita deputada à Assembleia da República em representação do PSD tendo cumprido o mandato até 1985. Com a eleição de Cavaco Silva que detestava, deixou a actividade político-partidária e reaproximou-se da Igreja exercendo diversas cargos de relevo em instituições de Cultura. Faleceu a 11 de Novembro de 2008.
O arquitecto Tierno Bagulho ainda regressou a Évora para tomar posse da Comissão Administrativa da Câmara de Évora logo a seguir ao 25 de Abril mas afastou-se também da vida política ao verificar o rumo que as coisas tomavam. Joaquim Ventura Trindade, vivendo entre Elvas e Évora e dirigindo a sua empresa em Campo Maior, foi eleito presidente da Câmara elvense pelo PSD no triénio 1980-82, tendo constituído um caso único na história do poder local pois exerceu o cargo gratuitamente. Sim, gratuitamente. Depois afastou-se da vida partidária. Tem 80 anos e ainda hoje ainda hoje assina uma crónica semanal no “Diário do Sul” de acordo com o seu estatuto de independente.
Manuel Jorge Pombo Cruchinho foi professor do ISESE e da Universidade de Évora, Director Geral das Contribuições e Impostos, Secretário-Geral do Ministério da Administração Interna, Director da EDP e Presidente do Conselho Fiscal do BPA, num percurso de grande descrição. Até há um mês e meio era vogal do Conselho Fiscal da Fundação Eugénio d’Almeida onde ganhou prestígio e fez fortuna Henrique Granadeiro que desde 1984 pertence à Administração, vai portanto para 30 anos. Ele é o verdadeiro dono da Fundação seguido da secretária-geral Maria do Céu Ramos, filha de António Augusto Ramos. Todos os outros  membros dos corpos sociais não passam de figuras decorativas, de meros verbos de encher.
Manuel Madureira Dias foi enviado para pároco de Elvas em 1970 e em 1988 nomeado bispo do Algarve, lugar a que renunciou em 2004.por razões de saúde causadas por problemas cardíacos e circulatórios. Por seu turno David Sousa renunciou alegadamente por idênticas razões em 1981 e recolheu-se ao Seminário Franciscano da Luz, onde esteve até falecer em 2006, com 94 anos. Fidelíssimo ao Estado Novo foi incapaz de ler os sinais da história. Depois de 1974, viveu atormentado e amedrontado pelos tempos do PREC , do gonçalvismo e da reforma agrária. Apavorado, desacreditado e desrespeitado por aqueles de quem fora serventuário e lhe exigiam agora acção firme em tomadas de posição contra os sucessivos ataques à Igreja era um homem atarantado vivendo no pavor do comunistas. Retirado de Évora, passaram-lhe todas as maleitas e gozou em sossego de mais 25 anos de vida.
Resta Abílio Fernandes cujo perfil é bem conhecido pelo exercício de mais de um quarto de século do cargo de presidente da Câmara Municipal, período durante o qual teve alguns diferendos com a Arquidiocese, a partir do momento D. Maurílo Quintal de Gouveia assumiu a mitra episcopal. Este chegou a ameaçá-la de um processo de despejo do prédio que lhe havia alugado para instalar a sede do MDP/CDE, na altura praticamente já inexistente e que já servia como segunda sede do PCP. Quanto à sua amizade com o homem que o trouxera foi-se diluindo ao longo dos tempos até se limitar nos dias de hoje, segundo julgo saber, a um frio cumprimento de circunstância quando casualmente se encontram.

José Frota (mail)

Fontes

Imprensa
Jornal  “A Defesa” (1946-1976)
Frota, José “Um comunista saído da Igreja”, Jornal Expresso, 15/5/1993
Frota, José “ Diocese enfrentou Salazar (1964)- quatro padres foram chamados à pide”  Revista “Évora Mosaico”, nº 6 , 3º. Trimestre 2006, Edição da Câmara Municipal de Évora.

Bibliografia
ANTOLOGIA “O Tempo e o Modo”- Revista de Pensamento e Acção”, Edição da Fundação Calouste Gulbenkian /Centro Nacional de Cultura, Lisboa, Dezembro de 2003.
ALMEIDA, João Miguel, “A Oposição Católica ao Estado Novo 1958-1974, Edições Nelson de Matos, Lisboa., 2008.
FROTA, José, “História da Imprensa Eborense, Edição de Autor, Évora, 2003.
LEMOS, Mário Matos e, “Candidatos da Oposição à Assembleia Nacional pelo Estado Novo (1945-1973) – Um Dicionário”, Editorial Texto/Divisão de Edições da Assembleia da República, Lisboa,2009.
PIMENTEL, Irene Flunser Pimentel. “A História da PIDE”, Edição do Círculo dos Leitores, Temas e Debates, Casais de Mem Martins, 2007
RAMOS, Rui, “História de Portugal”, A Esfera dos Livros, Lisboa, 2009.
ROSAS, Fernando e OLIVEIRA, Pedro Aires, “ A Transição Falhada – O Marcelismo e o Fim do Estado Novo (1968-1974), Editorial Notícias, Lisboa, Abril de 2004.
ROSAS, Fernando, “Nova História de Portugal, O Estado Novo (1930-1960), Vol.XII, Editorial Presença, 1990. 

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Concerto de Natal no Palácio D. Manuel (Évora)


Contos na "é neste país" este sábado (Évora)

21 de Dezembro de 2013, pelas 11.30h


Com quantos pontos se conta um conto?


Ana Dias, Carolina Martino, Nídia Cambim & Tiago Barriga

Este sábado pelas 10 horas "Vozes do Imaginário" cantam no mercado Municipal de Évora


Cantos ao Menino, Reis e Janeiras da tradição musical portuguesa pelas Vozes do Imaginário
este sábado dia 21 às 10h00, no Mercado Municipal de Évora

Tribunal Constitucional: uma imagem que diz (quase) tudo


Évora: Imaginário volta a repôr a peça de Manuel António Pina "História com pés e cabeça"

Dias 21/22 e 28/29 de Dezembro, às 16h na sede do IMAGINÁRIOASSOCIAÇÃO CULTURAL

Convidamos “toda a família” a assistir à peça de teatro

HISTÓRIA COM PÉS E CABEÇA de Manuel António Pina.
Um texto de forte densidade poética, entre o universo ilimitado da imaginação e a liberdade de sonhar

“Penso de mais, tenho pensamentos a mais. Ocorrem-me quando menos interessa e não consigo segurá-los na cabeça…”

“…Sou assim, é difícil mudar! Os pensamentos são meus, não os posso amordaçar…”


Évora: marionetas na Casa dos Bonecos até 5 de Janeiro


Começa amanhã às 11,30H.

Évora: este fim de semana no Armazém 8

Sexta-feira:

Domingo:


Mais uma grande (e demolidora) capa do jornal i

 
Independentemente de ser "game over" ou não, esta é uma grande capa.

Encerra hoje a exposição CORPO.NU.DESENHO # 5, no Grupo Pro-Évora


Convite para o encerramento da exposição de desenho CORPO.NU.DESENHO # 5, sexta-feira, 20 de Dezembro pelas 18h.
Os artistas estarão presentes para conversar e beber um copo com quem vier.

À atenção dos serviços municipais!

(foto publicada há dois anos aqui)

APELO ao Vereador João Rodrigues:
A avenida São João de Deus os passeios estão completamente tapados com folhas, zona de muito movimento de idosos, o perigo de queda é grande, apelo ao Senhor vereador para esta Sexta-Feira seja feito um Grande esforço para que esta extensa zona fique limpa.
(agradecia ao acincotons que dê destaque a este apelo).
Anónimo
19 Dezembro, 2013 21:16 

A avenida São João de Deus tem bastante movimento de idosos na deslocação ao hospital,os passeios cobertos de folhas é um PERIGO,a cãmara deve IMEDIATAMENTE Limpar toda a zona.
Senhor Presidente da cãmara mobilize parte dos funcionários dos Serviços para Limparem a Circular,o Perigo de queda nos passeios é grande.
Anónimo
19 Dezembro, 2013 21:38

Apelo:
A todos Cidadãos para esta Sexta-Feira ao principio do dia ,por mail,via telefone ou pessoalmente exigir a Varrida completa da Circular.
Anónimo
19 Dezembro, 2013 21:40 

APELO ao Executivo da Cãmara:
Évora tem uma população envelhecida,andar pelas ruas da nossa cidade para muitos é penoso,devido a irregularidade do piso,com a forte chuvada de hoje a circular ficou completamente tapada de folhas,que constituem um Perigo para os idosos,as avenidas da área do hospital constituem um risco agravado para as centenas de destes cidadãos que se tem que deslocar a estes serviços.
Por isso reforço aqui o meu Apelo ,para o executivo esta sexta-feira mobilize os serviços ,para que Toda a Área da circular seja Limpa,pelos nossos Idosos.
Anónimo
19 Dezembro, 2013 22:06

Senhor Presidente da cãmara:
Venho-lhe pedir que tome medidas no sentido dos serviços de Higiene e Limpeza,intervenham na área da circular,já que o piso devido á quantidade folhas constitui um perigo,peço não por mim mas pelas centenas de idosos que se deslocam para os serviços de saúde a pé.
Desde já lhe agradeço,espero que a autarquia faça um redobrado esforço e limpe toda a circular nesta sexta e sábado.
Anónimo
19 Dezembro, 2013 22:14 

É necessário os serviços de limpeza limpar a Malagueirinha do lado onde não moram os dirigentes do PCP.
Anónimo

19 Dezembro, 2013 23:13 

Vamos la Dr P Sá, há que mandar varrer a Cidade. Isto está pior que no tempo do Dr. ernesto!!
Anónimo
20 Dezembro, 2013 00:11