terça-feira, 31 de julho de 2012

A viagem dos putos. Dia 18. 31 de Julho. Londres-Colos


Dia 18. Terça-feira, 31 de Julho. Já no País Basco, alguns quilómetros andados entre Hondarribia. e San Sebastián (Donostia). Ficaram num parque de campismo a 4 quilómetros da cidade, sempre a subir. Hoje foi dia feriado no País Basco. Amanhã vão comprar um cartão de telemóvel espanhol e vão seguir mais para sul, onde as montanhas aguardam. Vai ser duro!

Gaspar, estás a cumprir!!!



A taxa de desemprego em Portugal subiu duas décimas para os 15,4 por cento em junho, mantendo-se estável tanto na zona euro (11,2 por cento), como na União Europeia (10,4), revelou hoje o Eurostat.
Os dados mais recentes do gabinete oficial de estatísticas da UE revelam que Portugal continua a ter das mais elevadas taxas de desemprego da Europa, apenas superada por Espanha (24,8) e Grécia (22,5, valor referente a abril).
Na comparação homóloga, verifica-se que a taxa de desemprego em Portugal subiu 2,8 pontos percentuais, de 12,6 por cento em junho de 2011 para 15,4 em junho de 2012. Face a maio, a subida é de duas décimas, de 15,2 por cento para 15,4 por cento.
Já a taxa de desemprego entre os jovens com menos de 25 anos permaneceu estável em junho, mantendo-se em 36,4 por cento, das mais elevadas da União Europeia, e 7,1 pontos percentuais acima do valor registado um ano antes (29,3 por cento).
Em termos gerais, a taxa de desemprego estabilizou na zona euro, nos 11,2 por cento, o mesmo sucedendo no conjunto dos 27 Estados-membros (10,4 por cento), o que significa que atualmente existem 25,1 milhões de desempregados na UE, 17,8 milhões dos quais na zona euro.
Comparando com os dados homólogos, há mais 2,1 milhões de desempregados na UE e mais 2,0 milhões na zona euro.
O Eurostat calcula mensalmente uma taxa harmonizada de desemprego para todos os países da UE. Esta taxa utiliza uma metodologia comum a todos os 27 para permitir comparações. Os resultados do Eurostat não são necessariamente iguais aos obtidos pelo Instituto Nacional de Estatística.

De entre os alentejanos, para prantar alcunhas, não há moços mais danados que os da Amareleja


(Depósito de Água / Aldeia da Luz)

Não será obra do acaso que o “Tratado das Alcunhas” tenha sido talhado, página a página, pelo amigo Francisco Ramos, amarelejense dos quatro costados.

Vamos ao que interessa, que isto do rabiscar também escalfa. Como já vem alinhavado nas letras anteriormente agrafadas, o enredo tem a ver com um dueto telefónico amovível entre dois nativos da Amareleja.
O astro-rei já vai alto e a canícula já morde a meias com a inflação. Do bolso do António sai um daqueles toques com que as operadoras teimam em competir na formação de aprimorados melómanos.
- Tou? Não, não estou na Amareleja – Responde arrastadamente o Tóino para o outro amovível.
- O que é que estou a fazer? Porra, estou a trabalhar na aldeia da Luz – De rajada circula o olhar não vá alguém ter escutado a imposturice. Na ausência de vivalma, desafogado, repõe a verdade.
- A trabalhar, nem por isso. Estou aqui à sombra do corneto – Precisa, enquanto escoa verticalmente o olhar pelo espigado betão.  

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Houve quem na altura não compreendesse que Évora estava a mudar


A Cidade está parada.......

Por onde anda o movimento:"A Cultura está ViVa e manifesta-se na Rua?

Anónimo
29 Julho, 2012 23:41

A viagem dos putos. Dia 17. 30 de Julho. Londres-Colos


Dia 17. Segunda-feira, 30 de Julho. Chegada ao País Basco Espanhol. Fizeram durante o dia cerca de 100 quilómetros, numa parte já com montanha, entre Vieux-Boucau-les-Bains e Hondarribia. Cerca de metade da viagem já está concluída.

A viagem dos putos. Dia 16. 29 de Julho. Londres-Colos


Dia 16. Domingo, 29 de Julho. Cada vez mais perto da fronteira com Espanha.  Sairam de Parentis-en-Born e chegaram a Vieux-Boucau-les-Bains, numa jornada de cerca de 80 quilómetros,

A viagem dos putos. Dia 15. 28 de Julho. Londres-Colos


Dia 15. Sábado, 28 de Julho. Deixaram Lège-Cap-Ferret e pedalaram até Parentis-en-Born. Foram cerca de 60 quilómetros.

Foram grandes num dos melhores FMM de sempre



Aqui numa reportagem com locução do Mário Dias, a voz do festival músicas do mundo de sines.

sábado, 28 de julho de 2012

A viagem dos putos. Dia 14. 27 de Julho. Londres-Colos



Dia 14. Sexta-feira, 27 de Julho. Dizem-me ao telefone que choveu a bom chover e que fez trovoadas durante a noite e grande parte da manhã pelo que decidiram não se meter à estrada. Ficaram todo o dia em Lège-Cap-Ferret, onde voltaram a dormir. Querem este sábado recuperar o tempo perdido. Vamos a ver se a chuva deixa.

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Antes das férias: Relvas, mais uma vez.

Cortesia JE. Por mail

Carneiros são carneiros, de Parnúgio ou de outro pantomineiro qualquer…



Acontece que os carneiros ainda que carneiros também lêem, decifrar o que lêem é que é problemático. Escrever também escrevem, geralmente alarvidades e pela sorrelfa não vá o Parnúgio ou o outro pantomineiro qualquer topar e amargarem a punição de precoce tosquia… ainda que a tosquia seja uma das fortes razões da sua existência!

DA de hoje


Évora: síntese da última reunião pública de Câmara (25 de Julho)


Em reunião pública de 25 de Julho, a Câmara Municipal de Évora aprovou por unanimidade uma moção em que “manifesta a sua oposição à extinção de qualquer freguesia, urbana ou rural, de acordo com o processo em curso, por aquilo que representam para as populações, recusando ser cúmplice do processo que visa a descaracterização do Poder Local Democrático”. 
Esta moção, proposta pela CDU, recebeu também os contributos da Vereação socialista através do Presidente da autarquia, José Ernesto d’ Oliveira. O Vereador do PSD, António Dieb, esteve ausente da reunião pública por motivos profissionais, pelo que não expressou a sua concordância com esta posição.


Reabilitação de campos de jogos e projeto para o sucesso escolar 

Foi aprovada a reafectação de verba (40 mil euros) atribuída à Junta de Freguesia dos Canaviais para a construção de equipamento desportivo na freguesia e que agora será utilizada no melhoramento e reabilitação de equipamento desportivo existente na área geográfica da freguesia. A proposta foi aprovada com três votos a favor (PS, incluindo o do Presidente) e três abstenções (CDU). 
O ponto sobre a Atividade de Enriquecimento Curricular – Aprovação do acordo de Colaboração com Agrupamento para o ano letivo de 2012/2013 foi também aprovado com três votos a favor (PS, incluindo o do Presidente) e três abstenções (CDU). 
Mereceu também aprovação um protocolo de cooperação a celebrar com a Escola Secundária André de Gouveia e a Associação EPIS – Empresários Pela Inclusão Social, o qual se centra na implementação de uma rede de mediadores de capacitação para o sucesso escolar dirigido aos alunos do 3º ciclo da ESAG. Este ponto obteve três votos favoráveis (PS, incluindo o do Presidente) e três abstenções (CDU). 
A proposta de fixação de contingente de táxis do concelho de Évora para os próximos dois anos foi aprovada por unanimidade. Deste modo, mantem-se o contingente atualmente existente no concelho, uma vez que a realidade atual do setor, em termos de procura, não justifica diminuir ou aumentar o número de vagas que são neste momento 48. 


Contratos-programa com associações desportivas 

O Documento Técnico de Ponderação para apoio às associações desportivas do concelho de Évora foi aprovado com três votos favoráveis (PS), o voto de qualidade do Presidente e três contra (CDU). Tendo em conta as limitações no presente ano que impedem a autarquia de atribuir apoio de pagamento de natureza financeira - de acordo com a legislação publicada em 2012 - foi aprovado que o valor de ponto a aplicar nas tabelas do referido documento técnico seja de 0.30 euros, valor que reflete a componente de apoio logístico e material que as associações desportivas habitualmente necessitam para a sua atividade. 
A proposta camarária referente à aprovação dos contratos-programa de desenvolvimento desportivo 2012, foi aprovada com os votos favoráveis do PS e um da CDU e dois votos contra (CDU). 
A minuta de contrato de concessão entre o Município de Évora e a Transportes Rodoviários de Évora para cujo objeto é a gestão do serviço público de transporte coletivo regular de passageiros de Évora foi aprovada com três votos a favor (PS), o voto de qualidade do Presidente e três contra (CDU). 


Outros assuntos abordado

No período antes da ordem do dia, o Presidente deu conhecimento e lamentou os factos recentemente sucedidos com os Bombeiros Voluntários de Évora (perda de viaturas e ferimentos em elementos da corporação no decurso da sua missão de combate aos incêndios) e a Vereadora Cláudia Sousa Pereira, referiu as notícias que dão conta do não encerramento de escolas no concelho e da não despromoção da Urgência do Hospital de Évora, assuntos com os quais a Câmara Municipal se congratula e que tinham merecido manifestações de desagrado caso se concretizassem. (informação da CME)

A viagem dos putos. Dia 13. 26 de Julho. Londres-Colos


Dia 13. Quinta-feira, 26 de Julho. O Gil e o Daniel pedalaram mais cerca de 60' quilómetros para sul entre  Naujac-sur-Mer e Lège-Cap-Ferret, que fica junto a uma grande baía - a baía de Arcachon. Estão neste momento a cerca de 200 quilómetros do País Basco e da fronteira entre Espanha e França (Irún), a que devem chegar depois de amanhã, dia 29 de Julho.

Câmara de Évora deixa de dar apoios financeiros às associações desportivas






Através de uma decisão aprovada na última reunião de Câmara, a autarquia de Évora prepara-se para informar as associações que se candidataram aos apoios públicos de âmbito desportivo (financeiros, materiais e logísticos) de que "a atual situação financeira do país e do município implica a tomada de medidas de ordem excecional, pelo que não será possível a aprovação de qualquer medida de natureza de pagamento financeiro às associações no presente ano", como se pode ler no modelo de carta a que o acincotons teve acesso e que pode ser aqui lida na íntegra (basta clicar nas imagens  publicadas mais acima).
Neste documento, assinado pelo vice-presidente da Câmara, Manuel Melgão, refere-se que, por isso, a Câmara deliberou "aprovar a celebração de contratos-programa desenvolvimento desportivo com vista à atribuição de apoios atualmente possíveis, ou seja apoios materiais e logísticos."
No entanto, para a próxima época, ressalva a autarquia, "não poderá, para já, assumir qualquer compromisso em relação aos mesmos, devido ás limitações que nos poderão vir a ser impostas superiormente e que ainda não conhecemos na sua totalidade. Estas limitações poderão ter implicações em alguns apoios não financeiros que até aqui têm sido prestados aos Clubes/Associações pela Câmara".

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Trabalho no campo

Esta tarde o PCP falou de Évora cidade de cultura

Esta tarde, o PCP falou de Évora, " cidade de cultura sitiada pela insensibilidade e incompetência do executivo municipal do PS".
Tratou-se de uma conferência de imprensa onde foi divulgado um  texto que responsabiliza a actual gestão municipal pelo desinvestimento na cultura e elogia a resiliência dos que insistem : "com a participação dos agentes, dos criadores e dos cidadãos em geral Évora será sempre uma cidade de Cultura".
Ler o texto distribuído à comunicação social, aqui.

Atenção: recomeça hoje a Semana dos Palhaços em Évora

(clique na imagem para ver programa)

Évora: concentração de professores - hoje, Praça do Sertório, 18 horas


A viagem dos putos. Dia 12. 25 de Julho. Londres-Colos


Dia 12. Quarta-feira, 25 de Julho. Saíram de Pont-l'Abbe-d'Arnoult. e atravessaram o o estuário de La Gironde, de barco. Em vez de irem para um parque de campismo ficaram numa de "campismo selvagem" algures numa península que lembra a de Tróia. Não falei com eles. O telemóvel está quase sem bateria e vai ter que durar mais umas horas. Sei que o Gil caiu da bicicleta e ficou com alguns ferimentos, mas não é grave. Devem estar na zona de Naujac-sur-Mer. Terão andado cerca de 60 quilómetros e já estão perto de Bordéus. 



Cisma deste também «bárbaro» igualmente do Sul



“(…) Cada uma das histórias que se seguem está, seguramente, nimbada pelo hálito do inexoravelmente perdido, por esse «inventário de perdas» de que falou Osvaldo Soriano e que representa o preço cruel da nossa época. Enquanto fazíamos o trajecto, sem rumo fixo, sem tempo fixo, sem bússola nem ardis, essa formidável mecânica da vida que acaba por reunir os semelhantes levou-nos a encontrar muitos daqueles «bárbaros» a que alude o poema de Konstantinos Kavafis. Os seus sonhos foram temíveis e por isso os aniquilaram ou enviaram para os territórios longínquos fixados para os «bárbaros», mas mesmo assim os seus sonhos continuaram a semear insónias entre os senhores do poder que lembraram o perigo do regresso dos «bárbaros», de tal modo que a ameaça se converteu em obsessão e nos bancos foram dadas ordens para desacreditar os «bárbaros», meia dúzia de incapazes de pensar por si só escreveram livros sobre a «idiotice dos bárbaros», e eles responderam plantando florestas, imaginando uma alternativa à desumanização do sistema imperante, organizando a vida para que viver fosse alguma coisa mais do que um verbo.
(…) Este livro nasceu como a crónica de uma viagem realizada por dois amigos, mas o tempo, as mudanças violentas da economia e a voracidade dos triunfadores transformaram-no num livro de notícias póstumas, no romance de uma região desaparecida. Nada do que vimos existe agora tal como o conhecemos. De certo modo fomos os afortunados que presenciaram o fim de uma época no Sul do Mundo. Desse Sul que é a minha força e a minha memória. Desse Sul a que me aferro com todo o amor e toda a raiva.

(excerto da introdução “Sobre este livro”)

O escritor chileno Luis Sepúlveda, companheiro chegado de Salvador Allende até ao seu final, e o seu amigo argentino Daniel Mordzinnski conhecido como o «fotógrafo dos escritores», viajaram pela Patagónia e pela Terra do Fogo. Dessa fabulosa jornada pelos confins desse Sul nasceu este livro mágico. Sobre a escrita irmanada com as imagens mais não digo, o regalo está em bebê-lo até ao último trago.
Acontece que ainda não me soltei daquela “sumida realidade fantástica” e, como homem também do Sul, ando a cismar se não sou também um singular espectador do final de uma época neste Sul de cá. Neste Sul onde estou acachapado com infinito afecto e desmesurada ira. Neste Sul onde sou também um «bárbaro» maldito!

quarta-feira, 25 de julho de 2012

PSD na Câmara de Évora vota a favor moção da CDU contra extinção de freguesias?


- Considerando que as Freguesias, não constituem um peso financeiro significativo, representando – 0,1 % do Orçamento do Estado, em nada contribuindo quer para a despesa pública, quer para a divida nacional, devem ser, tal como os municípios, entidades a preservar e proteger de intervenções marginais impostas;

- Considerando que as Freguesias possuem um importante valor histórico, patrimonial e cultural, constituindo-se como um factor decisivo para o desenvolvimento da actividade económica, social e cultural essencial para a vida e bem-estar das suas populações;

- Considerando que a extinção de freguesias, ao arrepio da vontade das populações, constitui um severo ataque às bases da representação democrática e afastará os cidadãos dos seus representantes eleitos;

- Considerando que a criação das novas freguesias urbanas em Évora foi, à época, um importante factor da melhoria das condições de vida das populações, quer pela proximidade entre fregueses e seus representantes, quer pelo aumento da capacidade de intervenção no território.


- Considerando que a existência de Freguesias rurais são, num concelho como Évora, um dos últimos elementos de combate à crescente desertificação territorial.

- Considerando que a eliminação de freguesias não constava do programa eleitoral de nenhuma das forças políticas candidatas aos órgãos de poder local, não tendo por isso sido sufragada pelo voto popular.

A Câmara Municipal de Évora reunida em 25 de Julho de 2012, manifesta a sua oposição à extinção de qualquer freguesia, urbana ou rural, de acordo com o processo em curso, por aquilo que representam para as populações, recusando ser cúmplice do processo que visa a descaracterização do Poder Local Democrático. 

Moção proposta pela CDU e aprovada por unanimidade, com contributos do Presidente da CME, em Reunião Pública de Câmara. Hoje, 25 de Julho de 2012

ACTUALIZAÇÂO: António Dieb, vereador da Câmara de Évora pelo PSD, não esteve presente na reunião. A "unanimidade" teve a ver com os votos do PS e da CDU. Assim já se percebe melhor!

"Não há intenção....", diz o ministro da Saúde


O ministro da Saúde anunciou hoje no Parlamento que o Governo não vai despromover as urgências dos hospitais Garcia de Orta (Almada), Évora e Gaia.
«Não há intenção de haver desgraduação das urgências nos casos de Évora, Gaia e Garcia», afirmou Paulo Macedo na comissão parlamentar de Saúde.
O relatório da comissão que apresenta sugestões para a reorganização das urgências propunha que nestes três hospitais os serviços de urgência deixassem de ser polivalentes e passassem a médico-cirurgicas.
No relatório da Comissão de Reavaliação da Rede Nacional de Emergência e Urgência, divulgado na semana passada, é sugerido o encerramento de 16 serviços de urgência classificados enquanto tal num despacho de 2008.
Além do encerramento destes serviços, a comissão propunha uma espécie de despromoção de algumas urgências, entre elas as do Garcia de Orta (Almada), Évora e Gaia, que deveriam passar de urgência polivalente a médico-cirúrgica. Neste grupo estava igualmente incluida a urgência do Hospital dos Covões, em Coimbra.
Era igualmente proposta a «despromoção» dos serviços de urgência da Póvoa do Varzim, Mirandela, Figueira a Foz e Castelo Branco, que passam a urgência básica. (AQUI)

Corto Maltese em Évora até Dezembro



Corto Maltese, a personagem emblemática criada por Hugo Pratt, que se tornou uma referência cultural no mundo da Banda Desenhada e da literatura do século XX, vai estar em exposição no Fórum Eugénio de Almeida, em Évora, de hoje, 25 de julho, a 2 de dezembro.

A exposição Corto Maltese: Viagem à Aventura apresenta 51 obras originais de Hugo Pratt, desde aguarelas, a tinta-da-china e guache, que retratam uma das muitas viagens de Corto Maltese, nomeadamente de Veneza, passando por África, de Samarcanda à Polinésia, do Caribe à ilha de Escondida.
Pioneiro na arte de misturar Banda Desenhada com literatura, Hugo Pratt dá a conhecer as aventuras de Corto Maltese, seu alter-ego, através de desenhos de traço simples, mas com grande rigor histórico. Em todas as suas viagens Corto encontra e conhece figuras célebres da cultura global como Rasputin, Butch Cassidy, Ernest Hemingway ou Joseph Stalin. O capitão maltês de Pratt atravessa ainda períodos históricos como a colonização da Oceania, a guerra Russo-Japonesa, a primeira guerra mundial, a revolução russa, a revolução de outubro e a Itália fascista de Mussolini. Os cenários das histórias de Pratt passam pela Etiópia, França, Irlanda, Sibéria, Oceania, Serrado Baiano, Caribe, Amazônia, Cordilheira dos Andes e China, entre outros.

Ficha da exposição
Proveniência: Fundação Hugo Pratt, Veneza
Título: Corto Maltese: Viagem à Aventura
Obras: 51 obras entre aguarelas, tinta-da-china e guache
Curadores: Stefano Cecchetto e Cristina Taverna
Calendário: 25 de julho a 02 de dezembro de 2012
Diariamente das 09h30 às 19h00
Custo de entrada: 1,00€ 

A viagem dos putos. Dia 11. 24 de Julho. Londres-Colos

                                                                          AQUI


Dia 11. Terça-feira, 24 de Julho. Hoje fizeram cerca de 60 quilómetros entre  La Grève-sur-Mignon e  Pont-l'Abbe-d'Arnoult. "Esteve muito calor, mas anda-se mais depressa. O terreno é mais plano", diz o Gil. Cada vez estão mais para sul. Um dia destes chegam à fronteira com Espanha, em pleno País Basco.

Évora: movimentos ligados ao PCP fazem vigília pela saúde


Ver mais AQUI

terça-feira, 24 de julho de 2012

Egypt after new president !



Cortesia de Adel Sidarus/via mail

Fecharam o Parque Infantil da Malagueira: porque não se põem de acordo para o reabilitarem?


Como alguns sabem eu vivo aqui, na "fronteira" entre a Cruz da Picada e a Malagueira, o bairro "in" de Siza Vieira. E é aqui que moro, do lado dos menos pobres, mas ao lado dos mais pobres, ou seja a alguns metros deste "faz de conta" de Parque Infantil inaugurado há alguns anos. Diga-se que nunca foi grande coisa: um esboço de tabelas de basquetebol, uns baloiços, um escorrega, uma tábua de equilíbrio e nada mais. Sempre sujo, degradado, com dejectos de cão por todo o lado. Apesar disso a miudagem do bairro utilizava-o, nem que fosse para umas partidinhas de futebol. À falta de melhor, o engenho dos miúdos foi tão grande que chegaram a desenhar as balizas nos muros do parque. 
Há semanas que está fechado. O estado de degradação era mais do que evidente. No entanto, servia alguns miúdos que aqui brincavam por poucos mais equipamentos terem para ocuparem os fins de tarde (às horas de sol não, porque o Parque nunca teve sequer uma mísera árvore para dar sombra). Mas o que mais espanta é que a ordem de fecho foi dada pela Câmara. Claro que - advinho-o - o Parque deve ser da responsabilidade da Junta da Malagueira. E a Câmara de Évora é a entidade fiscalizadora.
Sabe-se que, nestas coisas, os partidos pouco respeito têm pelas pessoas em concreto. Imagino que este é mais um capítulo da disputa de território, uma espécie de combate tribal e primitivo, entre o PS, na Câmara, e a CDU, na Junta. 
Mas não se poderiam entender para que os miúdos do bairro possam ter um Parque Infantil em condições e deixassem as questiúnculas partidárias lá bem no fundo do armário dos espíritos?

A vereadora da CDU na Câmara de Évora está de volta

Jesuina Pedreira, a vereadora independente eleita na segunda posição nas listas da CDU pra o mandato em curso na Câmara de Évora, está de volta.
Vencidos os problemas de saúde que a levaram a pedir a sua suspenção de mandato por 60 dias, e esgotado este período, Jesuina Pedreira, empresária de 49 anos cumpridos há poucos dias, regressa  ao desempenho das funções políticas para que foi eleita.
Luís Martins, o 4º eleito nas mesmas listas que substituiu Jesuína durante os últimos dois meses volta à posição de suplente.
Amanhã, quarta25, é dia de reunião pública na CME. A vereadora da CDU retoma já o seu lugar.

A viagem dos putos. Dia 10. 23 de Julho. Londres-Colos

                                                                          AQUI

Dia 10. Segunda-feira, 23 de Julho. Viagem entre Mervent e La Grève-sur-Mignon. Menos de 50 quilómetros. Com paragem em Fontenay Le Comte para comprarem um telemóvel. Susto: apagaram todas as fotos do IPAD, mas depois o Gil conseguiu recuperá-las.

Susana Mourão e Marta Lucas estiveram hoje na SIC Noticias




O filme: aqui

AS 10 escolas que o Governo pretende encerrar no Alentejo


Ponte de SôrEB1 de Ervideira
AlandroalEB1 de Montejuntos
AlandroalEB1 de Venda
EstremozEB1 São Lourenço de Mamporcão
Reguengos de MonsarazEB1 de Caridade
AlmodôvarEB1 Semblana
AljustrelEB1 Jungueiros
OdemiraEB1 Pereiras - Gare
OdemiraEB1 Amoreiras - Gare
OuriqueEB1 Panóias
                                                           AQUI

novo director no Instituto do Desporto e da Juventude

João Araújo nomeado Director Regional do Instituto Português do Desporto e Juventude
O professor, e ainda Diretor Regional -Adjunto da Educação Alentejo, João Araújo, deverá ser o novo Diretor do IPDJ Alentejo, tendo já sido nomeado para o efeito. Esta situação resulta de um longo processo cheio de “incidentes diplomáticos” formais.
A opção oficial da tutela, pelo nome, perfil e competências, terá sido, inicialmente, outra e a alteração resulta de mais uma “guerra laranja” das distritais alentejanas do PSD, desta feita, ao mais alto nível, envolvendo o Secretário de Estado Alexandre Mestre e o próprio Ministro Relvas, o que terá levado, inclusivamente, ao adiar das posses, por mais três semanas.
Araújo surge assim, mais uma vez, já tinha sido segunda escolha para a educação em agosto do ano passado, como uma “opção de recurso” para “calar Beja”. João Araújo sucede a…18 meses de ausência de chefias e autogestão daquele organismo regional, das áreas do desporto e da juventude. O último Diretor Regional, ainda do PS, saiu, a seu pedido…em dezembro de 2010.
http://www.registo.com.pt/politica/joao-araujo-no-ipdj/#.UA0kzbTYiiw

anónimo, 24 Julho, 2012 01:31

No centro histórico de Évora, uma cartografia íntima



Susana Mourão é socióloga e trabalha em reabilitação urbana no Centro Histórico de Évora.
Depara-se quotidianamente com a coexistência de tempos que não são os do calendário, o das notícias dos jornais e das televisões, mas são outros tempos que muitas pessoas concretas vivenciam neste mesmo tempo a que chamamos nosso.
Esta coexistência de tempos diferentes no tempo da actualidade, não é na maioria das vezes uma coexistência consciente ou pacífica. Quando nos damos conta do resvalar para outro tempo que não é o nosso, impomo-nos tendencialmente uma actualização, custe o que custar. Temos necessidade de nos distanciarmos do que nos parece não ser o nosso tempo, mas o tempo dos outros.
Acontece ainda que não conseguimos pensar o tempo, ou os tempos, sem o espaço ou os espaços. Na verdade, diz Castells " o espaço é tempo cristalizado" (Castells, 2007, A sociedade em rede" vol.1,Lisboa, Gulbenkian, pg.534). É desta relação entre tempos e espaços que sendo nossos, percepcionamos, quase sempre, como sendo apenas dos outros, que trata o documentário de Susana Mourão e Marta Lucas em exibição no festival  Escrita na Paisagem, numa casa devoluta mesmo em frente à Igreja de S. Vicente no Centro Histórico de Évora.
"Henriqueta, uma cartografia íntima" é um trabalho que resulta de 4 anos de acompanhamento de uma história de vida em relação com "o habitar" de um lugar no centro histórico de Évora. Um lugar a que muitos chamam seu, mas é ainda necessário descobrir, conhecer melhor, para reabilitar, ou seja para cuidar... de modo a que faça sentido para quem o habita.
Susana Mourão vai estar, esta manhã, num programa da SIC para explicar aquilo a que chama "uma prática documentada". Antes de sair para Lisboa, sintetiza  no "A cinco tons" a acção que filmou:

"Habitar significa pertencer a um lugar concreto, como na Rua do Cano 75, em Évora. Este lugar,protegeu e foi protegido por Henriqueta, pois foi nesta casa que ela nasceu e sempre viveu.

Em 2007, Henriqueta tinha 77 anos, e pela primeira vez, ela vai mudar-se de casa, da Rua do Cano 75 para a Travessa dos Peneireiros 10, em Évora.
Henriqueta sabe, que a sua casa na Rua do Cano 75 vai ser reabilitada.
O lugar que sempre cuidou, vai desaparecer.
O lugar que a protegeu, vai morrer.
O lugar que ela que protegeu vai renascer.
Henriqueta sabe, que um dia vai voltar.
Partindo desta mudança para a Travessa dos Peneireiros 10, procuramos o tempo existencial de Henriqueta, o tempo como ela sente o desaparecimento da cartografia da sua casa, que um dia irá nascer com uma cartografia nova.
Henriqueta, uma cartografia íntima, o lugar onde os seus móveis, utensílios, roupas e objectos, perdem a sua função e o seu uso, mas nunca a sua função emocional, de viver, de sentir, de recordar.

segunda-feira, 23 de julho de 2012

A viagem dos putos. Dia 9. 22 de Julho. Londres-Colos


Dia 9. Domingo, 22 de Julho. Viagem entre Chemillé e Mervent. 100 quilómetros. "Um dia cansativo", disseram. O telemóvel do Daniel avariou-se. Calor? Pancada? Amanhã vão comprar outro que este já se "finou".

A viagem dos putos. Dia 8. 21 de Julho. Londres-Colos




Dia 8. Sábado, 21 de Julho. Viagem entre  Ménil e Chemillé. "Foi bom. Fizémos 80 km e foi rápido. Já estamos mais em forma", diz o Daniel através de SMS.

A viagem dos putos. Dia 7. 20 de Julho. Londres-Colos


Dia 7. Sexta-feira, 20 de Julho. "Fizemos a viagem muito rápido, a estrada era plana e não havia grandes subidas,  e estamos numa vila com um rio bonito", diz o Daniel ao telefone. Falei com o Gil. Diz que foi um dia bom, sem grande esforço. Fizeram 56 quilómetros entre Sainte-Suzanne e  Ménil.

domingo, 22 de julho de 2012

A granel






Repentinamente veio-me à tona do sentido fónico: dúctil. Por vezes, pode-se denominá-lo de termo extraordinariamente apropriado.
Repentinamente desencantei na gaveta da memória um empoeirado sexto sentido premonitório. Em tempos, momentaneamente, prendi a atenção no debute de um artista e deslindei de imediato o resto do seu papelucho no enredo do cenório.
Reflexões a granel na calmosa chatice de um domingo à tarde…            

sábado, 21 de julho de 2012

Luís Rego na "alta política"

Na Ovibeja, em 2009, já com pose de assessor e com um extintor por perto (foto de Nuno Veiga)

Foi jornalista. Da Rádio Diana, em Évora. Da Voz da Planície, em Beja. Da SIC, em Évora. Durante anos foi o rosto da SIC no Alentejo. Acompanhou, como assessor, o ministro António Serrano quando este, pelo PS, assumiu a pasta da Agricultura. Bom relações públicas, com um leque vasto de amizades, Luís Rego não voltou à SIC e tentou, como "free lancer", ganhar a vida junto de algumas produtoras de televisão. Fez o que pôde mas a vida está difícil para quem gostaria de ter alguma autonomia. Volta agora à "política"
Acabo de receber um mail assinado pelo Luís Rego, enquanto assessor do Grupo Parlamentar do PS a convidar-me para acompanhar a visita que Carlos Zorrinho, o líder parlamentar do PS, vai realizar esta segunda-feira à Embraer, em Évora.
Agora são altos voos, ó Rego. De assessor de ministro ao de grupo parlamentar sempre vai alguma distância...

Impressionante esta foto que circula no facebook




“E, lembre-se, quando se tem uma concentração de poder em poucas mãos, frequentemente homens com mentalidade de gangsters detêm o controle. A história provou isso. Todo o poder corrompe: o poder absoluto corrompe absolutamente.”


Lord Acton, em carta ao Bispo M.Creighton, 18
87

Da brotoeja nesta cidade



Como é que uma cidade, governada por
idiotas,
egoístas,
incompetentes,
prepotentes,
desonestos,
aldrabões,
irresponsáveis,
gatunos,
...
pode ser, apesar de tudo, educadora?

Como é que uma cidade, governada por tudo o que é negação de educação, pode ser educadora?

Cada vez que oiço ou leio
"cidade segura"
"cidade educadora"
"cidade inteligente"
"cidade cartaz de qualquer coisa"
...
cidade abusada, negociada, retalhada, desmembrada, e finalmente, analisada na mesa da morgue
...
dá-me a brotoeja por todo o lado.

Anónimo
21 Julho, 2012 10:49

Só hoje soube que morreu o José Flecha


O jornalista alentejano, já reformado, José Flecha faleceu no domingo passado e foi a sepultar esta segunda-feira em Odemira. José Flecha, que foi jornalista do "Diário Popular" e do "Diário de Notícias", era natural de Sabóia, no concelho de Odemira. Deixou os jornais em 1993 e voltou para o Alentejo para tratar de assuntos familiares. Encontrei-o em Odemira pouco tempo depois de ter tido um AVC e já o encontrei muito afectado. Depois recuperou um pouco, sempre com limitações, e desde há algum tempo estava num Lar em Lisboa. 
Apesar da diferença de idades, conheci o José Flecha no jornalismo  - estava ele no "Diário Popular" e eu na RDP - e convivemos intensamente, sobretudo nos fins de tarde, depois de acabado o trabalho nas redacções, uma vez que ele residia na Madragoa, quase ao lado das instalações da RDP na rua do Quelhas, e ao lado da rua da Esperança onde marcavam presença a "Gruta" e outros tascos que nos acolhiam horas sem fim e em que, em grupo, falávamos do Alentejo, dos namoros, da vida. Essa ligação foi também reforçada pelo facto de termos os dois ligações familiares ao concelho de Odemira.
O Flecha tinha uma personalidade forte, às vezes irascível, mas sempre amigo do seu amigo e afirmava-se alentejano dos quatro costados - e nunca perdoou que o poder político, então hegemónico no distrito de Beja,  quando foi retomada a publicação do "Diário do Alentejo" nos anos 80, o preterisse a ele, jornalista já de créditos confirmados, antigo capitão de cavalaria em Santarém e cooperante na Guiné, como director do jornal e convidasse para o cargo um jovem estagiário do jornal "O Diário", sem qualquer ligação à região (embora João Paulo Velez, o jovem estagiário em questão, se tenha revelado um bom director para o renovado "Diário do Alentejo" de então, com publicação semanal como hoje).

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Évora, Cidade Educadora, duas reflexões

Marionetista Manuel Dias, há um ano, na Praça do Sertório
 durante as Assembleias de Rua do movimento "A cultura está Viva e manifesta-se na Rua"

Este pessoal não sabe que a essência da política são as POLÍTICAS?
Regra geral tenho assistido aos debates sobre a "Cidade Educadora" promovidos pela Dores Correia, no âmbito da sua tese de doutoramento, no Café Condestável, em Évora. Todos os meses tem vido a debate um tema relacionado com a Cidade Educadora. Umas vezes interessa-me mais, outras vezes menos. Mas ontem, pela primeira vez, fiquei irritado pelo tom do debate que juntou representantes dos diversos partidos políticos com representação na Assembleia Municipal (PS, PCP, PSD e BE).
Sei que não são políticos de topo e que todos têm que ganhar a vida noutras ocupações, mas esperava mais e considero que cada cidadão tem que esperar mais, seja ao nível da preparação, seja do discurso político, daqueles que se posicionam para gerir a "polis" local.
Sendo o conceito de Cidade Educadora algo já estabelecido, com história e um caminho percorrido, o que se esperava era que os representantes dos partidos políticos não fossem para ali falar de tudo e mais alguma coisa, esquecendo o essencial: que POLITICAS concretas têm os seus partidos, concorrentes ao universo da gestão local, para tornar Évora uma cidade cada vez mais educadora, ou seja mais inclusiva, mais promotora da cidadania, da igualdade, da solidariedade, da liberdade - ou seja dos valores republicanos que enformam a sociedade ocidental?
Sobre isto nem uma palavra. Falaram do "sexo dos anjos", como se não tivessem responsabilidades - seja como poder autárquico na sua implementação, seja como oposição na formulação de propostas e alternativas. Falaram também de temas gerais: da falta de apetência pela participação, do individualismo, etc - como se, enquanto políticos, as POLITICAS que prosseguem nada tivessem a ver com tudo isto.
Em síntese, neste debate não foram feitas quaisquer explanações das POLÍTICAS que os vários partidos têm para a cidade ou para o que quer que seja. Vou esperar para ver o que vai constar dos programas eleitorais para as próximas autárquicas e esperemos que - caso as transponham para o papel - sejam exequíveis e pensados e não mera enunciação de projectos para consumo eleitoral, que se deitam fora alguns meses depois das eleições. Mas, de qualquer modo, foi decepcionante ver as forças políticas a quem compete gerir o espaço local (seja na oposição, seja a dirigir a administração local) tão pouco preocupadas em definir um posicionamento e uma leitura da cidade e muito mais viradas para um discurso generalista, desligado do espaço urbano onde vivemos e trabalhamos.
Ainda uma nota final: ao intervir neste debate, enquanto assistente, declarei que não votava - e estou nesse direito. Acho que o voto é um pressuposto da liberdade, considero excelente que se possa votar, mas entre as escolhas existentes e a análise que faço do papel do poder no condicionamento social tudo (desde as primeiras eleições pós 25 de Abril) me leva a não votar, seja no plano local ou nacional.
Alguém que não conheço, também da assistência, mas que se apresentou como do PSD, contestou esta minha opção, dizendo que devido à situação do país todos temos que abdicar dos nossos direitos e concentramo-nos nos nossos deveres. O momento generalizado de hipocrisia política que vivemos roça tudo o que seria imaginável: estes senhores, que delapidaram o país durante as últimas décadas, que transformaram os partidos e as jotas em agências de emprego e fazedoras de currículos, que deixaram o poder económico invadir todo o espaço público, que alimentaram negociatas como a do BPN, das parcerias público privadas, das privatizações sem lei nem roque, das negociatas por baixo da mesa; que acolheram gente como Dias Loureiro, Duarte Lima e tantos outros que por aí andam de conselho de administração em conselho de administração, não têm vergonha de vir agora apelar a que haja "uma suspensão na democracia" (as palavras são de Manuela Ferreira Leite), abdicando a sociedade portuguesa dos seus direitos - para que esta gente, essa sim, nunca tenha deveres, mas sempre se julgue numa situação de excepção, de iluminados, a quem cabe "dirigir o país" enquanto que os outros apenas têm deveres e não os direitos inerentes à democracia?
Por outro lado, o mesmo iluminado do PSD considerou que este é um tempo para se trabalhar arduamente, ser competente e honesto no que se faz, etc., etc. Vindo de um partido que integra nas suas fileiras dirigentes políticos como Miguel Relvas está tudo dito em termos da mais baixa hipocrisia política.

(PS - Tive de sair do debate antes dele terminar. Sei que a segunda parte foi mais animada. Peço, por isso, desculpa aos elementos da mesa por não ter podido estar até ao fim. Todos me merecem a maior consideração)
Carlos Júlio
20 Julho, 2012 15:50

Faz-me brotoeja!
Ontem assisti a mais um debate sobre a cidade educadora. Representados na mesa estavam o PS, PSD,CDU e Bloco, excepto o bloco todos os representantes eram homens...o que não me aflige já que a maior parte dos políticos são homens e eu como mulher não tenho nenhum problema de inferioridade que queira através da politica resolver!
O que me afligiu foi a intervenção de uma das participantes a senhora, que não sei quem é, apresentou-se como representante das mulheres socialistas! Reconheço que fiquei logo de cabeços em pé! Tenho pavor a cotas e dificuldade de as entender mas o que não percebo mesmo são as alas femininas para defender os seus direitos isto em partidos ditos democraticos, instalados em paises estes tambem democráticos!
Pergunto... Nos partidos democráticos é necessario haver órgãos que representem as mulheres porquê? Nas reuniões gerais os homens desses partidos não tem em conta as opiniões das suas colegas do sexo feminino? Elas não podem intervir? Não dão as suas ideias? ficam lá num canto caladas a escutar e a aprender com a sabedoria dos seus colegas partidários do sexo Masculino? É isso? 
Se não é! Para que precisam de ter uma estrutura das mulheres deste ou daquele partido?
Isto, reconheço, faz-me brotoeja!
Lurdes
20 Julho, 2012 14:41

XXII Festival de Teatro de Amadores de Évora



O mais antigo festival de amadores do país, começa hoje

De 20 a 28 de Julho, o FESTAE, o mais antigo Festival de Teatro de Amadores, realizado de forma regular e continuada, em Portugal, está de volta.
Promovido pela centenária SOIR Joaquim António d`Aguiar, o FESTAE desde a sua primeira edição em 1965, constituiu-se numa aposta de descentralização cultural e de criação de novos públicos, oferecendo ao público eborense e a quem nos visita, produções teatrais de entretenimento, com conteúdo.

Nesta 22.ª edição vão participar onze companhias de amadores e profissionais, de Norte a Sul de Portugal, de Espanha e do Brasil, nomeadamente: O grupo anfitrião da SOIR, Giga Bombos Do Imaginário, La Burla Teatro, Teatro Ajidanha, Companhia De Teatro Contemporâneo De Albufeira, NATA- Núcleo Afro-Brasileiro de Teatro de Alagoinhas, CENDREV, Companhia Marimbondo, Pia - Projetos de Intervenção Artistica, Lendias De Encantar, e Teatro Ao Largo.
Que vão apresentar em páteos, praças, ruas e salas do Centro Histórico de Évora, espetáculos de teatro, música e instalação, de autores de entre outros, como Fernando Pessoa, Almada Negreiros, Sofia de Melo Breyner Andersen, Dario Fo e Carlo Goldoni.
O Certame promovido pela SOIR, tem o apoio de entidades como o INALENTEJO, Câmara Municipal de Évora,Direção Regional do Alentejo do Ministério da Cultura, Fundação Eugénio D’Almeida, Juntas de Freguesia de S. Mamede, Sé e S. Pedro, Bacelo, Horta das Figueiras, Malagueira, e Sr.ª da Saúde  Cendrev, Associação Cultural Do Imaginário e Audex.

Aqui fica a programação para os dias 20,21 e 22 de Julho:

20 Sexta-feira
17h30m – SOIR Joaquim António D’Aguiar –Abertura

17h45m – Páteo do Salema– Praça do Giraldo –Giga Bombos Do Imaginário

19h00 – Rua João de Deus- “Pautini e Pautinela” Pela Companhia Marimbondo

22h00 – Jardim Público-Performance/Instalação:“Passagem”
Pela PIA -Projetos de Intervenção Artística

21 Sábado
21h30m - SOIR Joaquim António D’Aguiar - “QUÉ NO DARÍA FO” Pelo La Burla Teatro- Espanha

22 Domingo
16h00m – Soir Joaquim Ant.ºD’Aguiar - “Os Amigos do Mar” Pelo AJIDANHA