sexta-feira, 27 de Agosto de 2010

Expulsão de ciganos: já vi este filme mais vezes do que gostaria



Enquanto cidadão do mundo, homem livre e alentejano de alma e nascimento, no Alentejo espero que se faça pelos ciganos o que é devido fazer pelos outros cidadãos deste nosso país.Enquanto homem livre, não concebo qualquer descriminação de outro ser humano. Os homens nascem livres e devem permanecer livres.Dos queixumes do costume: uns porque são ciganos, outros porque são negros, pobres, árabes, judeus, comunistas, ou porque se atrevem a pensar livre, são ainda hoje motivo de perseguições. Já vi este filme demasiadas vezes na civilização da humanidade, muitas mais vezes do que gostaria. A justiça deve funcionar de forma célere, justa e isenta para todos os CIDADÃOS, independentemente da sua condição económica, convicção política, religião, raça, sexo ou de outra condição.POR UM MUNDO LIVRE E EMANCIPADO!



TC
27 Agosto, 2010 08:24

12 comentários:

  1. Como dizia o poeta, primeiro vão sempre os outros.

    ResponderEliminar
  2. TC, e verá o filme muito mais vezes, porque entre os homens, como entre todos os animais, existem os fracos e os fortes, os dominadores e os dominados. É a lei da natureza, e tudo o resto é romantismo e ideologia que, possivelmente ninguém, nem o TC pratica.
    Sempre ouve, e sempre haverá - nós e os outros !!!

    ResponderEliminar
  3. Pois eu acho que os ciganos é que fazem com sejam expulsos.
    Não acredito que o Governo Francês os tivesse espulso só por serem ciganos.
    Temos de ver o contexto dessa expulsao e ainda ninguem aqui falou da razão.

    ResponderEliminar
  4. Solução à direita: Empurrando os ciganos até á injecção letal.

    E que tal a UE “sanear” do seu espaço todos os pedintes, incluindo aqueles que sempre viveram à conta dos subsídios. Isto dos Alemães e Franceses andarem a trabalhar para subsidiar os Portugueses ou os Gregos não pode ser!

    ResponderEliminar
  5. Por acaso alguém viu um documentário da insuspeita BBC que passou na SIC noticias há 3 ou 4 meses? Passava-se na Roménia, o cicerone era um chefe cigano e exibia todo o luxo, opulência e riquezas que os ciganos romenos tinham "recolhido" na Europa ocidental. Mas claro que não são todos criminosos. Acredito que um ou outro não seja.

    ResponderEliminar
  6. Kruzes @23:00

    Paulo Teixeira Pinto e outros "camaradas" sairam do BCP com uns milhões...outros ficaram a arder com desvalorizações e jogo "branco" de acções sobrevalorizadas. Não quer dizer que Fernando Ulrich do BPI seja de igual calibre!

    Máfias há em todo o lado, amigo.
    E disse muito bem: uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.

    ResponderEliminar
  7. o CJ escolheu este desnorteado comentário para tiçar a escrita, ele sabe muito bem que a França sempre tem sido um país solidário, mas que tem de se proteger.

    ResponderEliminar
  8. @00:35

    Isso era no tempo em que havia necessidade de muita mão-de-obra não especializada…
    Lembro inclusivamente das “bidonville” essas “magnificas” cidades de lata erguidas por miseráveis fugidos duma pobreza Salazarenta que não tinha lugar para eles.

    ResponderEliminar
  9. Desnorteado comentário, uma ova, sei bem do que estou a falar, a França não é nem nunca foi inocente no processo de construção da Europa, a França foi, e é chauvinista por convicção.
    TC

    ResponderEliminar
  10. Apenas uma pergunta: será que não está agendado em Portugal qualquer protesto público contra estas expulsões? Alguém sabe se alguma iniciativa foi convocada?

    ResponderEliminar
  11. Porque estamos a falar de minorias, aqui deixo uma outra questão de ligações e contornos não menos importantes:"A Europa comporta hoje cerca de 15 milhões de muçulmanos, 30 mil dos quais em Portugal. Durante as últimas décadas, os muçulmanos da Europa moderna revelaram capacidades notáveis na construção de comunidades e nos processos de institucionalização. Ou seja, adoptaram certos hábitos e padrões europeus, mantendo ao mesmo tempo costumes e padrões religiosos e culturais que diferem da cultura dominante. Isso também se aplica aos muçulmanos de Portugal". Esta matéria foi tratada por Nina Clara Tiesler no artigo MUÇULMANOS NA MARGEM: A NOVA PRESENÇA ISLÂMICA EM PORTUGAL publicado no ano de 2000. Aproximadamente um terço dos muçulmanos em Portugal, principalmente as minorias africanas e recém-chegados, vivem em pobreza económica.
    Bom fim de semana, feliciano de mira

    ResponderEliminar
  12. Um terço dos portugueses vive como?
    Com desafogo?
    Não entendo o alcance do seu comentário.

    MS

    ResponderEliminar