quinta-feira, 15 de abril de 2010

Uma descoberta que vale a pena!

Reencontrei ontem o interior do Teatro Garcia de Resende, na 1ª visita guiada pela companhia neste ano em que comemora 35 anos de existência na cidade de Évora.
Conheci o seu interior tinha então 8 anos. Mário Barradas tinha trazido a companhia para cá há poucos meses e as escolas primárias foram convidadas a ver a sua primeira peça "28 de Setembro", depois fomos conduzidos numa visita a um teatro que na época estava completamente destruído. Cadeiras de pau partidas, pinturas (hoje chamados de grafites) nas paredes, vidraças todas partidas e um chão todo esburacado. Anos mais tarde visitei de novo o seu interior e embora estivesse muito mais arranjado nos espaços frequentados pelo público, no seu interior e na zona superior continuava a estar muito destruído. Na zona da teia para passarmos de um lado para o outro fazíamo-lo por cima de tábuas podres e cheias de buracos. Nos galinheiros era impossível entrar pois corria-se o risco de abrir um buraco no chão e nos estatelarmos cá em baixo e, devido à queda, não contaríamos a historia. Passados 23 anos da minha última entrada em locais recônditos do teatro voltei lá ontem... não parece o mesmo teatro, está quase todo arranjado, não existem já os perigos de nos enfiarmos nos buracos do chão, as madeiras estão como novas e os mecanismos todos a funcionar. Senti-me orgulhosa do espaço. Agradeci de novo a sua construção a quem a idealizou e agradeço mais ainda a quem ajudou na sua recuperação.
Mas esta recuperação e o seu bom estado de conservação deve-se essencialmente à companhia de Teatro do Cendrev que, por ali se ter instalado, não deixou de pressionar as autoridades competentes para fazer o seu arranjo, para melhorar as condições da sala e dos espaços reservados ao público e que mantém os outros espaços limpos e cuidados!
Agradeço ao Mário Barradas que um dia sonhou em fazer a 1ª companhia de teatro profissional na província e que escolheu Évora para a instalar.
Agradeço aos actores que ontem nos serviram de cicerones e que nos contaram a história deste Teatro que nasceu em Évora em 1880.
E aconselho os meus concidadãos a irem visitar o Teatro que é de todos nós para lhe darem o valor que ele merece (e que a nível nacional já tem como obra de arte). Descubram o Teatro, visitem-no, vão ver que não se vão arrepender!

Lurdes
15 Abril, 2010 03:20

(Dias
28 e 30 às 18h30, dia 24 às 11h00 e, em Maio, dia 5 às 18h30 e dia 8 às 11h00. Os interessados devem fazer a sua reserva com antecedência na recepção do Teatro Garcia de Resende, das 09h30 às 12h30 e 14h30 às 18h30, ou através do telefone) .

2 comentários:

  1. Confirma-se que a melhor forma de preservar é habitar.
    Sem a presença humana o Património não existe. É bom que em Évora não nos esqueçamos disto. Porque o elogia das nossas mágicas pedras só pode ser feito por quem lhes assegura a descoberta.

    António Campos

    ResponderEliminar
  2. Lurdinhas levaste o casaco de peles ou levaste uma manta?
    É que aquilo parede a sibéria, com o frio que lá está.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.