sexta-feira, 16 de abril de 2010

Realismo mágico

Denise Milani

3 comentários:

  1. Muito bem, caro Luís!

    Eu já apreciava o "acinco" antes de aparecerem estes estímulos.

    Assim, redobra o interesse.

    Podemos, até, eleger todos os meses uma miss "acinco".

    ResponderEliminar
  2. É só gajas boas!!!!..E os gajos? Eu sou gay e gostava de ver aí gajos bons!!!
    Acho que deveriam ser um blog para todos os gostos!!!!

    Zézinho Mariola

    ResponderEliminar
  3. Outro realismo, mesmo nada mágico, foi o que se viveu esta tarde no Fórum Eugénio d'Almeida.
    O filme pareceu um elogio à guerrilha. Desta vez institucional, política, polida, eficaz.
    Durante toda a tarde desfilaram os convidados oficiais para falar sobre património e cultura na cidade.
    A tia Aurora brilhou. O intocável Rui Horta impôs-se. O académico Paulo Rodrigues foi isso mesmo. Henrique Sim-Sim, a pretexto de ser o anfitraão (ou seu representante)usou o tempo para publicidade à sua ca(u)sa. o Sr. SRU,o Arquitecto Jorge Pires disse que está à espera que a autarquia tenha condições financeiras para fazer alguma coisinha. Por fim, Claúdia Sousa Pereira, a Vereadora da Cultura (essa sim, Luís Serra, podia ser a Miss, já que pelo menos é cá da terra, que isso de só elogiar estrangeiras é culturalmente incorrecto)... dizia eu que a senhora usou com mestria um primeiro escudo à prova de bala chamado Augusto Santos Silva. Citou-o do principio ao fim, altura em que disse que já que todos os outros autores o citavam ela só usava a fonte original.

    Parecia que a tarde estava feita, quando salta de uma cadeira lá atrás Celestino Frois David que em nome do Pró Évora lamentou que ninguém ali tivesse falado da Acrópole XXI. Que ainda por cima estavam alí dois interessados de peso, chegados de fresco ao cargo - a Directora Regional da Cultura e o Director do Museu- e que era chocante que todos se alheassem do assunto. Que assim, mais não faziam que deitar por terra todas as boas intenções apregoadas acerca de património.

    Logo a seguir, o Arquitecto José Filipe Ramalho secundou Celestino David com uma pergunta só aparentemente simples: Alguém na mesa sabe quantas pessoas vivem na zona de intervenção da Acrópole XXI ?
    E Eis que se lança, a partir da mesa, o segundo escudo de proteção da Senhora Vereadora: O Arquitecto Jorge Pires disse que a Acrópole XXI é um programa muito mais vasto do que se quer fazer parecer,do qual a zona do templo é uma pequena parte. E que a intervenção prevê-se numa caixa de areia que assegura a reversibilidade necessária... Mais, o projecto nem sequer ainda foi aprovado pelo executivo da CME, sem o que na verdade não há nada de concreto.
    Respondendo a José Filipe Ramalho disse J. Pires que é verdade, são muito poucas pessoas... mas por isso mesmo, é fundamental fazer repovoamento!!
    A moderadora encerrou rápidamente o debate. E à saída comentava-se: "Afinal não há problema, são só construções na areia!"

    O arquichão

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.