quarta-feira, 30 de Setembro de 2009

A Cinco Tons




Ponto prévio importante e determinante: este é um espaço de Liberdade.
Ponto seguinte fundamental para a compreensão deste blog: Estava este texto destinado a servir de abertura, de apresentação. Mas o frenesim à volta das palavras de Cavaco levaram a que o texto de abertura ficasse aberto após… a abertura. Facto demonstrativo do valor da palavra que alimenta este espaço.
“A Cinco Tons” é uma associação livre de pessoas. E de ideias.
Gostam de opinar. Discutir. Comentar. Maldizer, muitas vezes. Até alvitrar!
Deslumbrados a observar o mundo, impelidos pelo prazer quase animal da escrita, combinaram os tons que vão soar e colorir este espaço
São alentejanos. Todos. Ou quase.
Cinco tons.
Inspirados. Imaginativos. Incisivos. Irónicos. Ideológicos. Isentos e imparciais… ou talvez não.
Aqui impera a Liberdade. E o livre arbítrio. A cinco tons.


Questões de querença *

Depois das palavras de ontem irá Cavaco Silva empossar José Sócrates como primeiro-ministro? E com que cara? Já vimos de quase tudo na política à portuguesa. Isto ainda não tínhamos visto: depois dos sapos e dos elefantes, e de outros animalejos que muitos eleitores foram obrigados a engolir nos mais diversos actos eleitorais, vamos ter agora o "nosso" primeiro a ter que engolir um batráquio com nome de filósofo grego, mas com o tamanho de um t. rex agigantado?

Ou talvez a azia não seja tanta. Senão Cavaco Silva teria falado antes das eleições. Mudaria alguma coisa? Penso que não. Ou talvez sim: os resultados do PSD teriam sido ainda mais fracos e talvez ficassem ao nível do sem sentido que foram as explicações presidenciais. E se há alguns dias a pergunta era: quanto tempo vai durar o próximo governo ?- , apetece agora perguntar: quanto tempo ainda vamos ter (que aguentar) este presidente em Belém?

Aliás este caso das escutas só tem como parente próximo um outro que deu risota nacional e que foi a revelação do alegado terceiro segredo de Fátima. Só não houve uma grande gargalhada, que se ouvisse a milhares de quilómetros, porque o povo português ainda tem algum decoro. E cada qual tem o direito a acreditar no que quer.

* recordo que foi em Querença, no Algarve, que logo em Agosto, no seguimento da primeira notícia do PÚBLICO, Cavaco Silva disse que mais tarde iria esclarecer assuntos ligados à segurança. E mais não disse. Nem na altura, nem ontem. A sua atitude mais clara e mais eloquente foi quando afastou (?) Fernando Lima. Ou não?

Da serra (de Serpa) uma citação:

"Dentro de cada português, mas dos puros, vibra a alma d'um familiar do Santo Ofício. A Nação não presta."
Abade Correia da Serra (séc.XVIII-XIX)

os assessores que lembrem o PR que há autárquicas

As eleições autárquicas merecem ser valorizadas. Por todos e em primeiro lugar pelo PR. Mas não parece ser esse o seu posicionamento. Afirmou mesmo que tinha terminado a disputa eleitoral. É um sinal mais confuso do que precisamos. Mais centralizado do que o desejável. Menos reconhecedor dos autarcas e das populações que são chamadas a votar.

terça-feira, 29 de Setembro de 2009

Porque não se cala?

Cavaco Silva, em vez de esclarecer, alimentou as dúvidas que existiam, aumentou a confusão e endureceu a guerra aberta com o partido do governo, mostrando que afinal não foi capaz ou não quis ficar à margem das eleições, interferindo, de facto, quer nas legislativas quer nas autárquicas, com os seus silêncios (tabus) e as suas declarações. Tudo faz crer que, com a gestão deste processo, pretendendo dar uma mãozinha à sua amiga Manuela acabou, na prática, por favorecer o PS.

Cavaco: chamem o 112

Cavaco Silva falou há momentos. O seu estado é grave. Chamem uma ambulância. Ou o 112. Não deve ser gripe A (não tossiu nem espirrou durante a intervenção, apesar do pó das tapeçarias de Belém). Mas que não é nada de bom, lá isso não é.

(será que esta mensagem é segura, ou vou ter que reunir de emergência com os meus consultores para que eles me digam que sou analfabeto informático (pelo menos)?)

Triste espectáculo este! Ou terei sintonizado os Gatos Fedorentos sem saber?