quinta-feira, 10 de Dezembro de 2009

Não é em Portugal: corte de 20% no ordenado do primeiro-ministro



Se fosse cá cortavam no ordenado dos trabalhadores, cortavam nos benefícios sociais, aumentavam os combustíveis, mas não cortavam nos ordenados nem do primeiro-ministro, nem dos ministros. É mais do que certo.

"A Irlanda reduziu os salários dos funcionários públicos, cortou benefícios sociais e impôs novas taxas ambientais aos combustíveis, procurando atingir um corte orçamental recorde de 4 mil milhões de euros para combater o défice galopante.
O ministro das Finanças, Brian Lenihan, anunciou hoje que cerca de 400 mil funcionários públicos - um quinto da população activa - vão sofrer cortes salariais que oscilam entre os 5 e os 15 por cento. O primeiro-ministro, Brian Cowen, vai perder 20 por cento do seu salário.
O plano - o maior corte orçamental na história da Irlanda - visa poupar mais de mil milhões de euros só em salários no próximo ano". (AP/LUSA)

3 comentários:

  1. Não era a Irlanda que era o país maravilha dos nossos liberais e de toda a direita de trazer por casa? Diziam que não não tinham autoestradas, que só tinham bons investimentos em tecnologia de ponta... Vê-se: só não falavam de ser o país com maior contrabando de alcool, dos investimentos das grandes empresas terem apenas a ver com especulação e fuga aos impostos nos Estados Unidos, de ser um país globalmente atrasado e pouco desenvolvido. O milagre irlandês? Vê-se, vê-se...

    observador

    ResponderEliminar
  2. O problema nem está no ordenado do primeiro-ministro que até ganha pouco, se comparado com pagamentos a certos assessores e administradores de empresas públicas.
    O problema está nos níveis de corrupção da Administração. Corrupção que começa no topo da pirâmide e chega até à base. CORRUPÇÃO que beneficia poucos, mas que acabamos TODOS por pagar, duma forma ou de outra, como se fosse um IMPOSTO.
    E, se houver dívidas, basta ver o que se passa com a indústria dos pareceres, com a aquisição externa de serviços, com as mais-valias em PINS (não por mero acaso, acertaram todos em Reservas Agrícola e Ecológica), com as alterações de PDMs, com os trabalhos a mais e revisões de preços nas empreitadas. É nisso que se gastam milhares de milhões todos os anos. E não se pense que o dinheiro vai todos para as campanhas eleitorais e o partido. Vai, mas é directo para as contas bancárias dos “primos”... na Suiça, nas ilhas Caimão, na China, ou no raio que os parta...

    O ordenado é só para comprar os charutos, como dizia o outro...

    ResponderEliminar
  3. Talvez uma medida semelhante acompanhada de outras no que cooncerne ao mundo da especulação e ao paradisiaco mando da politica, pudessem salvar Portugal. Isto é:
    Se portugal merecer ser salvo.
    Pormuito que pareça contraditório em mim, parece-me que só com gente honesta e séria a governar tal esforço merecesse da parte dos Portugueses a aprovação. Para esta corja que destruiu e continua a destruir a liberdadde, a democracia e o território nacional, não vale a pena

    ResponderEliminar