terça-feira, 10 de Novembro de 2009

Façam-me um desenho para ver se percebo

"O Supremo Tribunal de Justiça, órgão máximo da magistratura judicial em Portugal, já decidiu decretar a nulidade da certidão envolvendo escutas telefónicas em que aparece o primeiro-ministro José Sócrates. Segundo apurou o Expresso, a decisão do Supremo Tribunal de Justiça, presidido por Noronha do Nascimento, baseia-se no facto de as escutas envolvendo o primeiro-ministro terem de ser previamente validadas por um tribunal superior".

É caso para o cidadão comum ficar de boca ao lado: quem estava a ser ouvido nas escutas era Armando Vara, não José Sócrates, por isso não se percebe porque é que era preciso uma validação de um tribunal superior. Se nas conversas com Vara aparecesse alguém, primeiro-ministro ou outro, que indiciasse que tinha ou que ia cometer um crime seria sempre investigado - a não ser que fosse primeiro-ministro?

Agora sou eu que digo: por favor, façam-me um desenho para ver se eu percebo. Já estranhava que as certidões enviadas de Aveiro para Lisboa tivessem ficado adormecidas durante 4 meses, quando havia eleições. Mas agora é um pouco demais, não acham?

(e daqui não concluo que Sócrates tenha feito isto ou aquilo. Concluo apenas que a justiça, em Portugal, tem medo dos ricos e que tem medo dos poderosos. Aliás, como todos já tínhamos compreendido).


14 comentários:

  1. O PARTIDO SOCIALISTA PODE ESTAR DESCANSADO,A JUSTIÇA PORTUGUESA NÂO TEM CORAGEM DE ENFRENTAR O PODER.

    ResponderEliminar
  2. Essa é que é essa, porque em Portugal existem duas justiças: a dos pobres, em que estes são condenados sem agravo nem apelo, e dos ricos e poderosos, que permanecem intocáveis e assistem impávidos e serenos do altos dos seus "tronos" e, pior ainda, local a partir do qual, se riem dos primeiros...

    ResponderEliminar
  3. Talvez perceba agora a razão de tantos comentários "anónimos"
    É que isto parece uma democracia, mas não é!...
    Conheço demasiadas pessoas com a vida comprometida ou estragada só porque não aceitaram vergar a cerviz...
    Este PS é uma reles imitação da União Nacional!

    ResponderEliminar
  4. Eu sabia que isto estava mal, mas tão mal não. Só resta a José Sócrates permitir que seja divulgada a conversa que teve com Armando Vara para que todos nós, a sociedade em geral, possa ajuízar do valor ou não das escutas. Todos sabemos que é preciso (até para preservar os direitos dos cidadãos) respeitar os procedimentos, mas neste caso concordo que quem estava a ser investigado era o armando vara. E se o Sócrates dissesse que ia matar alguém (ou mandar matar) a justiça ficaria parada? Tal é a mentira da autonomia judicial! Sempre foram um braço dos poderosos e continua a ser. E eu que pensei que esta nova geração de magistrados ia dar a volta a isto. Mas está tudo na mesma ou pior. Assim não vamos lá.

    luis m. castro

    ResponderEliminar
  5. A decisão do STJ não podia ser outra; ou já se esqueceram de quem é que nomeia o seu presidente ?
    Ah pois, e acham que o nomeia baseado em que critérios ?
    Talvez isenção e honestidade...digo eu que não percebo nada disto e acredito no Pai Natal.

    ResponderEliminar
  6. Atenção que nada está perdido. Conhecendo o carácter nobre e impoluto do nosso primeiro-ministro tenho a certeza que Sócrates pedirá ao PGR que divulgue, na íntegra, as conversas, eticamente inatacáveis, que terá mantido com Armando Vara. E tenho também a certeza de que Vara subscreverá o pedido...

    ResponderEliminar
  7. Este blogue está muito bem frequentado! Sim, senhor... nem um "ninho de ratos" comunistas faria comentários tão distintos. Claro que o Sócrates recebeu um milhão de euros do tipo das sucatas; mais outro do Freeport; mais outro da Prisa; mais outro e mais outro e mais outro. É um génio este Sócrates! Soma milhões na algibeira com todos os actos corruptos que cometeu e comete. Vamos ver se daqui a umas semanas não vai também corromper o... Pai Natal!

    ResponderEliminar
  8. 16:48

    Ninguém aqui afirmou isso. O que se está a dizer, e que eu subscrevo, é que é estranho que, por uma mera formalidade, se for esse o caso, se fique sempre com a dúvida de que pode haver alguma coisa de suspeito nas conversas de Sócrates com Vara e que, pelo facto de Sócrates ocupar o cargo de primeiro-ministro, isso poderá não ser investigado. O ditado já é antigo, mas quando se trata de figuras públicas ainda deveria ser mais aplicado: à mulher de César não basta ser séria, é preciso parecê-lo. E acho que o pior que está a acontecer a Sócrates não é ser acusado disto ou daquilo: é o sistema de justiça e o próprio Sócrates deixarem acumularem-se suspeitas sobre suspeitas e nada nunca ser esclarecido até ao fim.
    Neste caso, que parece tão simples, bastava o primeiro-ministro autorizar que fossem reveladas as conversas que teve com Armando Vara. E não ficar mais esta suspeição no ar de que a justiça protege quem está no governo e que serve apenas de arma de arremesso de políticos contra políticos (e, permita-me que cite outro provérbio: quem se lixa é sempre o mexilhão. Nunca o peixe graúdo, que é o que faz as leis para se proteger).

    ResponderEliminar
  9. Eu acredito que nem haja matéria para investigar nas conversas entre Sócrates e Armando Vara, mas concordo com o Carlos Júlio quando diz que, se for apenas por um procedimento burocrático - ou seja a necessidade de que as escutas fossem autorizadas por um tribunal superior, já que envolvem o primeiro-ministro - ficam no ar todas as suspeitas e mais algumas. E isso não é bom nem para a democracia, nem para o PS, nem para Sócrates. E o envio das certidões para o Supremo tribunal de justiça não tinha mesmo esse objectivo: validar as escutas em que Sócrates não era o visado, mas onde também foi escutado como eu ou outro qualquer também poderiamos ter sido?
    Por favor: não lancem mais areia para a opinião pública.

    bejense

    ResponderEliminar
  10. Há uma justiça para os pobres e outra para os poderosos sim senhor!
    O que leva a validar centenas de escutas de pelintras em menos de 24 horas e leva 4 meses para validar escutas de um poderoso?
    Perguntas:
    1 - Então porque é que as escutas não foram validadas por um juiz de um Tribunal superior?
    2 - Algum Juiz validou as escutas?
    3 - Se sim, como é que o juiz que validou as escutas não "viu" que quem estava do outro lado da linha era o PM???? E mesmo assim validou-as? Dahh!
    O que é estranho é que sendo Armando Vara do PS e grande amigo do PM, não seria óbvio que algumas chamadas fossem para o PM?
    4 - QUEM apresentou as escutas a um Tribunal que não era o competente? Ou quem ficou com elas na gaveta até ultrapassar prazos de validação?

    ResponderEliminar
  11. @18:14
    Ou o Juiz de Aveiro, que extraiu as certidões, para, eventualmente, serem abertos processos de investigação a Sócrates, é totalmente irresponsável ou as gravações das conversas com Vara, têm mais picante do que supõe.

    Numa coisa têm todos razão: o desconhecinento e o silêncio fazem aumentar a suspeita sobre Sócrates. Só vejo uma forma de acabar com ela: é o próprio Sócrates dar autorização para divulgação pública dos telefonemas. Se não o fizer continuará a arder em lume lento. A não ser que o lá foi dito, seja ainda pior.
    Aguardemos os próximos capítulos.

    ResponderEliminar
  12. Estranho que um juiz no seu perfeito juízo mande extraír certidões que envolvam um Primeiro Ministro e não tenham, no fim de contas, qualquer relevância penal!

    Se as escutas foram autorizadas para o armando vara e não para o PM


    E assim sendo, o Presidente do Supremo não teria agora de validar as escutas porque (agora sim) estava em causa o nome do PM se houvesse relevância penal? Estou baralhada...
    Não havendo relevância penal (segundo o Presidente do supremo não há) nas conversas porque não foi esse o motivo da não validação? Porquê esse malabarismo de não validar o que só ele podia validar que não validou por precisamente não ter sido validado por ele?

    ResponderEliminar
  13. Será que não estou a entender o que se passa?
    Então quando o juiz extrai certidôes das escutas das conversas de Vara com Sócrates não é porque considera que existe matéria incriminatória de Sócrates? Se não é assim porque extraiu as certidões que podriam dar origem a outros processos?
    Um dia comentei com uma amiga juiza que a Justiça devia ser igual para todos, ao que ela me respondeu. "Como assim, de ela é feita pelos poderosos?"...

    ResponderEliminar
  14. Concordo consigo, ana marafada.Há aqui coisas mal explicadas. E é inaceitável que o sistema de justiça ande todos estes anos a brincar às escondidas e enleados em meias palavras. Já foi assim no caso Casa Pia, depois no Freeport, agora neste. A Justiça e a Procuradoria têm responsabilidades para com os cidadãos e devem esclarecimentos em cima da hora e que sejam perceptíveis. O que se está a passar com a justiça, com os seus silêncios e jogos de ping-pong, é completamente inaceitável.

    antónio matos

    ResponderEliminar